As Práticas de Sustentabilidade Ambiental e Suas Influências na Nova Formatação Institucional das Organizações

Dafne Oliveira Carlos de Morais, Natália Queiroz da Silva Oliveira, Elnivan Moreira de Souza

Resumo


Discussões em âmbito global embasadas na influência do homem no meio ambiente cresceram em nível de alcance, visibilidade e importância, passando a estabelecer nomenclaturas, documentos e eventos oficializados. Esses debates passam a ter mais importância no contexto das organizações, refletidos a partir de pressões diversas. Este ensaio teórico adotou como objetivo convergir considerações entre práticas de sustentabilidade ambiental e suas influências na nova formatação institucional das organizações sob a lente da Teoria Institucional. Nota-se que muitas das práticas de sustentabilidade ambiental realizadas pelas organizações são resultado de pressões do governo, da sociedade e da concorrência, que se convertem em forças isomórficas, quais sejam: o isomorfismo coercitivo, normativo e mimético. Dessa forma, empresas acabam por aderir às práticas de sustentabilidade ambiental movidas pela racionalidade coletiva. Propõe-se um framework buscando facilitar o entendimento e incitar novas discussões sobre triangulações conceituais envolvendo a influência de práticas de sustentabilidade ambiental na nova formatação institucional das organizações, o papel das variáveis ambientais e a análise causal dos fenômenos. Sugere-se agenda de pesquisa.


Palavras-chave


Teoria Institucional, Sustentabilidade Ambiental, Isomorfismo.

Referências


Almeida, A. R. de. Jr. & Gomes, H. L. R. M. (2012). Gestão e interesses corporativos: imagem ambiental ou novas relações com o ambiente? Ambiente & Sociedade, 15(1), 157-177.

Alperstedt, G. D.; Quintella, R. H. & Souza, L. R. (2010). Estratégias de gestão ambiental e seus fatores determinantes: uma análise institucional. Revista de Administração de Empresas, 50(2), 170-186.

Araújo, G. C.; Bueno, M. P.; Sousa, A. A.; Caetano, M. & Mendonça, P. S. M. (2006). Sustentabilidade empresarial: a contribuição da fumicultura e da Souza Cruz no desenvolvimento social e ambiental da região Sul. Simpósio de Excelência em Gestão Tecnológica. Anais. Rio de Janeiro – RJ, Brasil.

Araújo, G. C. & Mendonça, P. S. M. (2007). O processo de adequação à sustentabilidade empresarial a partir das normas internacionalmente reconhecidas. Encontro Nacional Sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. Curitiba – PR, Brasil.

Avelar, O. V. Jr. (2012). Reorganização burocrática, institucionalização e governança corporativa: um estudo em uma empresa de economia mista. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 2(1), 120-136.

Barbieri, J. C. (2007). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva.

Barbieri, J. C.; Vasconcelos, I. F. G.; Andreassi, T. & Vasconcelos, F. C. (2010). Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições. Revista de Administração de Empresas, 50(2), 146-154.

Bellen, H. M. V. (2004). Desenvolvimento sustentável: uma descrição das ferramentas de avaliação. Ambiente & Sociedade, 7(1), 67-87.

Berry, M. & Rondinelli, D. (1998). Proactive corporate environmental management: a new industrial revolution. The academy of management executive, 4(3), 38-50.

Beuren, I. M. & Muller, E. T. C. (2010a). Evidências de institucionalização da controladoria em empresas familiares. Revista de Administração FACES Journal, 9(2), 43-63.

Beuren, I. M. & Macohon, E. R. (2010b). Institucionalização de hábitos e rotinas na contabilidade gerencial em indústrias de móveis. Organizações & Sociedade, 17 (55), 705-723.

Bezerra, G. C. L. (2009). Regulamentação ambiental, inovação e desempenho em micros, pequenas e médias empresas da indústria química. Dissertação, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza – CE, Brasil.

Bronzo, M. & Honório, L. (2005). Fórum - a teoria institucional em um contexto brasileiro: dinâmicas de inovação e imitação. O institucionalismo e a abordagem das interações estratégicas da firma. RAE-eletrônica, 4(1). Retrieved from: http://www.scielo.br/pdf/raeel/v4n1/v4n1a08. Acesso em 10 de agosto, 2013.

Brown, H. S.; Jong, M. & Levy, D. L. (2009). Building institutions based on information disclosure: lessons from GRI’s sustainability reporting. Journal of Cleaner Production, 17(6), 571-580.

Busanelo, E. C.; Lopes, A. C. V. & Vieira, S. F. A. (2010). Uma investigação teórica sobre constructos voltados ao alinhamento estratégico entre os negócios e tecnologia da informação – TI. Desafio: Revista de Economia e Administração, 11(23), 108-122.

Coelho, A. L. A. & Godoi, C. K. (2010). Coerência entre o discurso institucional e o discurso midiático sobre a sustentabilidade. Encontro da Associação Nacional De Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Anais. Rio de Janeiro – RJ, Brasil.

Crabtree, L. & Hes, D. (2009). Sustainability uptake on housing in metropolitan Australia: an institutional problem, not a technological one. Housing Studies, 24(2), 203-224.

Crubellate, J. M.; (2007). Fórum especial: a teoria institucional nos estudos organizacionais brasileiros. Três contribuições conceituais neofuncionalistas à teoria institucional em organizações. Revista de Administração Contemporânea, 11, 199-222. Edição especial.

Cunha, C. F.; Spers, E. E. & Zylbersziajn, D. (2011). Percepção sobre atributos de sustentabilidade em um varejo supermercadista. Revista de Administração de Empresas, 51(6), 542-552.

DiMaggio, P. J. & Powell, W. W. (1991). The new institutionalism in organizational analysis. The University of Chicago Press Ltda. London.

DiMaggio, P. J. & Powell, W. W. (2005). A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, 45 (2), 74-89.

Donaire, D. (1999). Gestão ambiental na empresa. 2.ed. São Paulo: Atlas.

Diericky. I. & Cool, K. (1989). Asset stock accumulation and sustainability of competitive advantage. Management Science, 35(12), 1504-1511.

Elkington, J. (2001). Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makron Books.

Fennell, M. L. (1980). The effects of environmental characteristics on the structure of hospital clusters. Administrative Science Quarterly, 25(3), 485-510.

Finger, M. (2007). Institutional designs for global sustainability. Paper presented at the annual meeting of the International Studies Association 48th Annual Convention. Chicago – IL. USA Online. Retrieved from: http://www.allacademic.com/meta/p179710_index.html. Acesso em 18 agosto 2013.

Franco, L. C. A. C. & Nogueira, A. C. (2009). Sou socialmente responsável? um estudo de caso nas indústrias têxteis sergipanas. Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Anais. São Paulo – SP, Brasil.

Gomes, A. O.; Peter, M. G. A.; Machado, M. V. V. & Oliveira, T. E. (2013). A institucionalização da controladoria no âmbito do poder executivo municipal no estado do Ceará. Contabilidade, Gestão e Governança, 16(1), 36-50.

Hayes, N. & Rajão R. (2011). Competing institutional logics and sustainable development: the case of geographic systems in Brazil’s Amazon region. Information Technology for Development, 17(1), 4-23.

Jacobi, P. (2000). Meio ambiente e redes sociais: dimensões intersetoriais e complexidade na articulação de práticas coletivas. Revista de Administração Pública, 34(6), 131-158.

Jesus, M. F. & Machado, H. V. (2011). A trajetória de uma rede de empreendedoras e sua institucionalização. Revista Alcance, 18 (1), 94-107.

Kauko, T. (2012). An institutional analysis of property development, good governance and urban sustainability. European Planning Studies, 20(12), 2053-2071.

Layrargues, P. P. (2000). Sistemas de gerenciamento ambiental, tecnologia limpa e consumidor verde: a delicada relação empresa-meio ambiente no ecocapitalismo. Revista de Administração de Empresas, 40(2), 80-88.

Leão, A. L. M. S. & Mello, S. C. B. (2010). Institucionalização como mecanismo de controle de marketing. Revista de Administração Contemporânea, 14(2), 251-267.

Leiter, J. & Payne, J. (2008). How is the isomorphism in health care industry generated across legal forms, or is it? Analysis of Australian and United States interviews. In: 8th International Conference of the International Soceity for Third-Sector Research (ISTR). Barcelona, 9 de julho.

Lima, T. C. A.; Cabral, A. C. A.; Pessoa, M. N. M.; Santos, S. M. & Nascimento, D. C. (2011). A institucionalização das práticas de responsabilidade social: um estudo da companhia de água e esgoto do Ceará. Contextus - Revista Contemporânea de Economia e Gestão. 9(1), 79-95.

Lombardi, L. & Neto, L. (Coord.) n/a et al. (2012). Guia Rio+20. Retrieved from http://cebds.org.br/publicacoes/guia-rio-20/#.U1Z9_KIvl6Q. Acesso em 20 de junho, 2013.

Machado-Da-Silva, C. & Fonseca, V. S. (1999). Competitividade organizacional: conciliando padrões concorrenciais e padrões institucionais. In Vieira, M. M. F.; Oliveira, L. M. B. Administração Contemporânea: perspectivas estratégicas. São Paulo, Atlas.

Machado-Da-Silva, C. L. & Gonçalves, S. A. (1998). Nota técnica: a teoria institucional. In: Clegg, S. R; Hardy, C.; Nord, W. R. (Org.). Handbook de Estudos Organizacionais. São Paulo: Atlas.

Machado-Da-Silva, C. L.; Guarido Filho, E. R.; Nascimento, M. R. & Oliveira, P. T. (2003). Institucionalização da mudança na sociedade brasileira: o papel do formalismo. In: Vieira, M. M. F.; Carvalho, C. A. (orgs.). Organizações, instituições e poder no Brasil, (1, 179-202). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Maimon, D. (1994). Eco-estratégia nas empresas brasileiras: realidade ou discurso? Revista de Administração de Empresas, 34(4), 119-130.

Margulis, S. (1996). A regulamentação ambiental: instrumentos e implementação. Texto para discussão, nº. 437. IPEA. Rio de Janeiro – RJ. Brasil.

Mello, R. (2000). Rumo à sustentabilidade da produção de cana-de-açúcar em São Paulo: as contas ambientais. Revista de Administração de Empresas, 40 (3), 74-82.

Meyer, J. W. (1979). The impact of the centralization of educational funding and control on state and local organizational governance. Stanford, CA: Institute for Research on Educational Finance and Governance, Stanford University, Program Report.

Meyer, J. W & Scott, W. R. (1983). Organizational environments: ritual and rationality. Beverly Hills: Sage.

Meyer, J & Rowan, B. (1977). Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, 83 (2), 340-363.

Miranda, N. G. M.; Samudio, E. M. M.; & Dourado, F. F. M. A estratégia de operações e a variável ambiental. Revista de Administração da USP, 32 (1), 58-67.

Motta, S. L. S.; & Rossi, G. B. (2001). A influência do fator ecológico na decisão de compra de bens de conveniência. Revista de Administração Mackenzie, 2 (2), 109-130.

Müller, C. A. S.; Siena, O. & Silva, N. Q. A. S. (2012). Arranjos socioeconômicos em reservas extrativistas: sustentabilidade sob a análise institucional da sociologia econômica. Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológicas. Anais. Salvador – Bahia. Brasil.

Munck, L. & Souza, R. B. (2009). A relevância do ser humano no contexto de institucionalização e legitimação do paradigma da sustentabilidade. Revista de Gestão USP, 16 (3), 1-14.

Nascimento, L. F. (2001). A qualidade ambiental em empresas dos setores primário, secundário e terciário no sul do Brasil – um estudo de caso. Revista Eletrônica de Administração, 7 (3).

Neto, P. P. C.; & Guimarães, P. C. V. (2000). A gestão dos resíduos sólidos em São Paulo e o desafio do desenvolvimento sustentável. Revista de Administração Pública, 34(4), 87-104.

Novais, S. M. & Fernandes, A. S. A. (2011). A institucionalização do ensino a distância no Brasil: o caso da graduação em administração na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Revista de Ciências da Administração, 13(29), 173-201.

Oliveira, S. L. I. (2012). O processo de institucionalização do marketing nos Estados Unidos — os primeiros centros de pesquisa. Revista Organizações em Contexto, 8(16), 149-166.

Organização das Nações Unidas (1987). Relatório Brundtland. [Relatório]. Retrieved from: http://www.un.org/documents/ga/res/42/ares42-187.htm. Acesso em 22 de agosto, 2013.

Perez-Batres, L. A.; Miller, V. V. & Pisani, M. J. (2011). Institutionalizing sustainability: an empirical study of corporate registration and commitment to the United Nations global compact guidelines. Journal of Cleaner Production, 19(8), 843-851.

Polk, M. (2011). Institutional capacity-building in urban planning and policy-making for sustainable development: success or failure? Planning Practice & Research, 26(2), 185-206.

Porter, M. E. & Van der Linde, C. (1995). Toward a new conception of the environment-competitiveness relationship. Jornal of Economic Perspectives, 9(4), 97-118.

Queiroz, M. A. L.; Vasconcelos, F. C. V & Goldszmidt, R. G. B. (2007). Economic rents and legitimacy: incorporating elements of organizational analysis institutional theory to the field of business strategy. Brazilian Administration Review. 4(1), 51-65.

Rossoni, L. & Machado-Da-Silva, C. (2010). Institucionalismo organizacional e práticas de governança corporativa. Revista de Administração Contemporânea, 14, 173-198. Edição especial.

Rossoni, E. P. & Pedro Filho, F.S. (2011). Riscos do isomorfismo mimético, a consciência crítica e o comprometimento ético de docentes e pesquisadores. Inter Science Place. 4(18), 01-27.

Sachs, I. (1993). Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Studio Nobel: Fundap.

Sanches, C. S. (1997). Sustentabilidade dos negócios e Meio Ambiente. Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Anais. Rio de Janeiro – RJ, Brasil.

Seiffert, M. E. B. (2007). Gestão Ambiental: instrumentos de ação e educação ambiental. São Paulo: Atlas.

Scott, W. R. (1995). Institutions and organizations. London: Sage Publications.

Silva, S. S. & Reis, R. P. (2011). Sustentabilidade nos discursos organizacionais: uma luz no fim do túnel ou perfumaria? Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Anais. Rio de Janeiro – RJ, Brasil.

Silva, S. S.; Reis, R. P. & Amâncio, R. (2011). Paradigmas ambientais nos relatos de sustentabilidade de organizações do setor de energia elétrica. Revista de Administração Mackenzie, 12(3), 146-176.

Souza, M. T. S. (1993). Rumo à prática empresarial sustentável. Revista de Administração de Empresas, 33(4), 40-52.

Souza, M. T. S.; Ribeiro, H. C. M.; Machado, C. Jr. & Corrêa, R. (2011). Perfil e evolução da pesquisa em sustentabilidade ambiental: uma análise bibliométrica. Encontro da Associação Nacional De Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Anais. Rio de Janeiro – RJ, Brasil.

Tavares, F. A. O.; Moreira, A. C. & Pereira, E. T. (2012). Institucionalização de instrumentos de custeio: o caso de uma organização do setor elétrico brasileiro. Revista Universo Contábil, 8(2), 25-42.

Tolbert, P. S. & Zucker, L. G. (1998). A institucionalização da teoria institucional. In: Hardy, C.; Clegg, S. R.; Nord, W. R. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas.

Walter, S. A.; & Augusto, P. O. M. (2011). A institucionalização da estratégia como prática nos estudos organizacionais. Revista de Administração, 46(4), 392-406.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000