Análise Prospectiva e Crítica do Território de Araquari: Relação dos Critérios de Sustentabilidade e do Plano Diretor Municipal com o Desenvolvimento Territorial Sustentável

Andrey Freitas da Silva, Maurício Fernandes Pereira

Resumo


O artigo trata da análise prospectiva e crítica do território de Araquari (Santa Catarina), de acordo com os critérios de sustentabilidade de Ignacy Sachs e com o Plano Diretor Municipal no campo do desenvolvimento territorial sustentável. A pesquisa é qualitativa e exploratória. Leva em conta o contexto sócio-histórico do município, tendo o objetivo de identificar potencialidades do território e destacar possibilidades para os atores, a gestão, as configurações organizacionais e as transformações sociais decorrentes da instalação de uma fábrica automotora da Bayerische Motoren Werke (BMW) até 2014. Os critérios de sustentabilidade do Plano Diretor são avaliados sob a ótica da sociedade civil, Estado e mercado. A pesquisa analisa aspectos de municípios brasileiros que são sedes de complexos automotivos e que atravessaram processos semelhantes ao de Araquari. O estudo conclui que é necessário que todos os atores observem o Plano Diretor e suas diretrizes, em especial as funções sociais da cidade, a função social da propriedade, a sustentabilidade, a igualdade e justiça social e a gestão democrática e participativa.


Palavras-chave


Atores Sociais, Plano Diretor Municipal, Critérios de Sustentabilidade, Desenvolvimento Territorial Sustentável.

Referências


Abramovay, R. (2006). Para uma teoría de los estudios territoriales. In: Manzanal, M.; Nieman, G. & Lattuada, M. (orgs.) Desarrollo rural : organizaciones, instituciones y territorios. Buenos Aires: Fund. Centro Integral Comunicación, Cultura y Sociedad - CICCUS, 2006.

Alves, L. E. S. (2001). Governança e cidadania empresarial. Revista de Administração de Empresas, 41(4), 78-76, out/ dez. São Paulo.

Andion, C.; Serva, M. & Lévesque, B. (2006). O debate da economia plural e sua contribuição para o estudo das dinâmicas do desenvolvimento territorial sustentável. Eisforia, 4, 199-221.

Andrade, M. (2012). Efeito montadora: a revolução sobre rodas. Diário Catarinense, 6-10, 4 nov., Florianópolis.

Araquari (2006). Lei Complementar Nº 50/2006. Plano Diretor Participativo de Desenvolvimento Territorial de Araquari. Araquari, SC.

Arato, A.; Cohen, J. (1997). Civil society and political theory. Cambridge: MIT Press.

Becattini, G. (1999). Os distritos industriais na Itália. Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A: 45-58.

Bobbio, N. (1999). Estado, governo e sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. 36.

Chagnazaroff, I. B.(2009). Reflexões sobre estratégias de governança local. Gestão e Sociedade, 3(5), 23-47.

DIÁRIO CATARINENSE. (2012): Economia, edição de 26 de novembro de 2012. . Acesso em jan. 2013.

Cruz, J. A. W.; Martins, T. S. & Quandt, C. O. (2009). Redes de cooperação: um enfoque de governança. Revista Alcance, 15(2), 190-208.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). IBGE. < http://www.ibge.gov.br/home/>. Acesso em jan. 2013.

________ (2010). Município de Araquari. Censo demográfico 2010. IBGE. < http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=420130>. Acesso em jan. 2013.

________ (2004). Vocabulário Básico de Recursos Naturais e Meio Ambiente. 2ª Edição. Rio de Janeiro.

Jean, B. (2010). Do desenvolvimento regional ao desenvolvimento territorial sustentável: rumo a um desenvolvimento territorial solidário para um bom desenvolvimento dos territórios. In: Vieira, P.F., Cazella, A. A., Cerdan, C., & Carrière, J. P. (org.). Desenvolvimento territorial sustentável no Brasil: subsídios para uma política de fomento. Florianópolis: APED, 2010.

Lipietz, A. (1991) Audácia, uma alternativa para o século 21. São Paulo: Nobel.

Lorenzetti, J. V. & Carrion, R. M. (2012). Governança ambiental global: atores e cenários. Cadernos EBAPE, 10(3), 721-735.

Mazui, G. (2012). Agora é oficial: primeiros BMW de SC em 2014. Diário Catarinense, p. 4, 23 out. Florianópolis.

Pecqueur, B. (2006). A guinada territorial da economia global. Eisforia, 4.

Pereira, P. (2012). Fiesc lamenta ano difícil, mas mantém otimismo. < http://www.amanha.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=4057:fiesc-lamenta-ano-dificil-mas-mantem-otimismo&catid=46:economia-1&Itemid=69>. Acesso em janeiro de 2013.

Putnam, R. (2000). Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: FGV.

Riato, G. (2012) BMW investirá € 200 milhões no Brasil . Acesso em janeiro 2013.

Saboya, R. (2007). Concepção de um sistema de suporte à elaboração de planos diretores participativos. Tese de Doutorado apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil – Universidade Federal de Santa Catarina.

Sachs, I. (2007) Rumo à ecossocioeconomia: teoria e prática do desenvolvimento. Vieira, P. (org.). São Paulo: Cortez.

Sauvage, P. (1996). Synthèse. In OCDE. Réconcilier l’économique et le social – vers une économie plurielle. Paris: OCDE.

Silva, G.M.; Alves, J.C.M. (2009). Governança municipal do desenvolvimento local. Revista de Administração da UFSM, 2(3), 499-512.

Vieira, P.; Berkes, F.; Seixas, C. (2005). Gestão integrada e participativa de recursos naturais. Florianópolis: Secco/APED.

Vieira, P. H. F.; Cazella, A. A. & Cerdan, C. (2009). Potencialidades e obstáculos à construção de territórios sustentáveis no estado de Santa Catarina. Política & Sociedade, 1, 333-378.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000