Consciência Ambiental, Atitudes e Intenção de uso das Sacolas Plásticas Não-Recicláveis

Erika Gonçalves Santos Queiroga de Deus, Bruno Pellizzaro Dias Afonso, Tarcisio Afonso

Resumo


Há uma crescente discussão em relação à participação do consumidor na preservação ambiental por meio da formação de comportamento ambientalmente consciente. Entretanto, pouco se conhece sobre a influência da consciência, das atitudes e da intenção de uso que direcionam as escolhas pessoais no que tange à questão ambiental. O objetivo do presente estudo foi investigar como os construtos consciência ambiental, atitude em relação às sacolas plásticas não-recicláveis e a intenção de uso desse produto estão relacionados. Para isso, foi realizada uma pesquisa descritiva, tipo survey, e coletada uma amostra composta por 279 alunos de uma instituição de ensino superior em Belo Horizonte. Os dados foram obtidos por meio da aplicação de questionários, nos quais foi utilizada a escala Likert com grau de concordância de um a cinco em relação às afirmativas que compõem os construtos pesquisados. Por meio da modelagem de equações estruturais foi possível pesquisar as relações entre os três construtos: consciência, atitude e intenção. Entre os modelos testados, o que demonstrou o melhor ajuste revela o impacto positivo da consciência ambiental sobre a atitude em relação às sacolas plásticas não-recicláveis, e da atitude sobre a intenção de uso desse produto. Não foi comprovada a influência da consciência ambiental diretamente sobre a intenção comportamental.

Palavras-chave


Desenvolvimento Sustentável; Consciência Ambiental; Atitude; Intenção de Uso; Sacolas Plásticas não Recicláveis.

Referências


Aaker, D., Kumar, V., & Day, G. S. (2001). Marketing research, 7 ed. New York, NY: John Wiley & Sons, Inc.

Aaker, D., Kumar, V., & Day, G. S. (2001). Marketing research

Ajzen, I. (1985). From intentions to actions: a theory of planned behavior. In J. Kuhl & J. Beckmann (Orgs.). Action control: from cognition to behavior. Berlim: Springer- Verlag.

Ajzen, I. & Fishbein, M. (1980). Attitudes and the attitude-behavior relation: reasoned and automatic processes. In W. Stroebe & M. Hewstone (eds.), European Review of Social Psychology 1-33. John Wiley & Sons.

Andrés, E. F. & Salinas, E. M. (2002). El comportamiento del consumidor ecológico explicado a través de una escala de actitudes. XIV Encuentro de profesores universitario de marketing.

Balderjahn, I. (1988). Personality variables and environmental attitudes as predictors of ecologically responsible consumption patterns. Journal of Business Research, v.17, pp. 51-56.

Barbosa, L. (2004). Sociedade de consumo (49). Rio de Janeiro, Zahar.

Blackwell, R., Miniard, P., & Engel, J. (2005). Comportamento do consumidor. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Brown, L. R. (2003). Eco-economia: construindo uma economia para a Terra. Salvador: UMA.

Collis, J. & Russey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação (2ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Corrêa, A. P. M., Silva, M. E., & Melo, E. S. (2010). A logística reversa como componente facilitador da inter-relação entre empresas, governo, e sociedade em busca do desenvolvimento sustentável. Anais do XII Encontro Internacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente. São Paulo: FGV-EAESP.

Cuperschmid, N. R. M. & Tavares, M. C. (2001). Atitudes em relação ao meio ambiente e sua influência no processo de compra de alimentos. Anais do Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Campinas, SP, Brasil, 25.

Dias, S. F. G. & Moura, C. (2007). Consumo sustentável: muito além do consumo verde. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ.

Dias, M. R. (1995). AIDS, comunicação persuasiva e prevenção: uma aplicação da teoria da ação racional. Tese de Doutorado em Psicologia Social na Universidade de Brasília. Brasília.

D’Souza, C., Taghian, M., & Lamb, P. (2006). An empirical study on the influence of environmental labels on consumers. Corporate Communications, 11(2).

Fishbein, M. & Ajzen, I. (1975). Belief, attitude, intention and behavior: an introduction to theory and research. Mass Reading, MA: Addison Wesley.

Geller, E. Scott. (2001). Applied behavior analysis and social marketing: an integration for environmental preservation In G.R. Foxall (Ed.). Consumer behavior analysis: critical perspectives on business and management. London: Routledge.

Giacomini Filho, G. (2008). Meio ambiente e consumismo. São Paulo: Editora Senac.

Gil, Antonio Carlos. (2006). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social 5a ed. São Paulo: Atlas.

Hair Jr., J. F., Rolph, E., Tatham, R. L., & Black, W.C. (1998). Multivariate data analysis (5nd. ed.). Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall.

Hartmann, P. & Ibáñez, V. A. (2006). Green value added. Marketing Intelligence & Planning, 24(7).

Kalafatis, S. P., Pollard, M. East, R., & Tsogas, M. H. (1999). Green marketing and Ajzen's theory of planned behaviour: a cross-market examination. Journal of Consumer Marketing, 16(5).

Kaiser, F. G., Wölfing, S., & Fuhrer, U. (1999). Environmental attitude and ecological behavior. Journal of Environmental Psychology, v. 19.

Kassarjian, H. H. (1971). Incorporating ecology into marketing strategy: the case of air pollution. Journal of Marketing, v. 35.

Keesling, G. & Kaynama, S. A. (2003, winter). An exploratory investigation of the ecologically conscious consumer´s efforts to control water contamination: lawn care and the use of nitrogen fertilizers and pesticides. Journal of Marketing Theory and Practice. Armonk, 11(1).

Leite, P. R. (2003). Logística reversa. São Paulo: Pearson.

Malhotra, N. K. (2001). Pesquisa de marketing: (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Maloney, M. P., Ward, M. P., & Braucht, G. N. (1975). Psychology in action: a revised scale for the measurement of ecological attitudes and knowledge. American Psychologist. v. 30, 787–790.

Marcovitch, J. (2006). Para mudar o futuro: mudanças climáticas, políticas públicas e estratégias empresariais. São Paulo: Saraiva.

Mainieri, T., Barnett, E. G., Valdero, T. R., Unipan, J. B., & Oskamp, S. (1997). Green Buying: The Influence of Environmental Concern on Consumer Behavior. Journal of Social Psychology, 137(2), 189-204.

Mattar, F.N. (2001). Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas.

Mazzer, C., & Cavalcanti, O. A. (2004). Introdução à gestão ambiental de resíduos. Infarma, Brasília, 8, 73-77.

Miller, K. E., & Ginter, J. L. (1979). An investigation of situational variation in brand choice behavior and attitude. Journal of Marketing Research. Chicago, 16(1).

Mowen, J., & Minor, M. (2003). Comportamento do consumidor. São Paulo: Pearson.

Murphy, P. E., Kangun, N., & Locander, W. B. (1978). Environmentally concerned consumer-racial variations. Journal of Marketing, October.

Oliveira, T. M. V. D. (2001). Escalas de mensuração de atitudes: Thurstone, Osgood, Stapel, Likert, Guttman, Alpert. Administração On Line, 2(2), pp.1-25.

Paavola, J. (2001). Towards sustainable consumption: economics and ethical concerns for the environment in consumer choices. Review of Social Economy, 59(2).

Roberts, J. A., & Bacon, D. R. (1997). Exploring the subtle relationships between environmental concern and ecologically conscious consumer behavior. Journal of Business Research, 40(1), 79-89.

Rodrigues, A. (1979). Estudos em Psicologia social. Petrópolis: Vozes.

Rodrigues, A. (1981). Aplicações da Psicologia Social. Petrópolis: Vozes.

Roussel, P., Durrieu, F., Campoy, E., & El Akremi, A. (2002). Méthodes d’equations structurelles : recherche et applications en gestion. Paris: Economica.

Schiffman, L. G., & Kanuk, L. L. (2000). Comportamento do consumidor. Rio de Janeiro: LTC.

Sheth, J. N., Mittal, B., & Newman, B. I. (2008). Comportamento do cliente: indo além do comportamento do consumidor. São Paulo: Atlas.

Solér, C. (1996). Ecologically friendly buying – Theoretical implications of a phenomenological perspective. Scandinavian Journal of Management. 12(3).

Straughan, R. D., & Roberts, J. A. (1999). Environmental segmentation alternatives: A look at green consumer behavior in the new millennium. Journal of Consumer Marketing, 16(6).

Triandis, H.C. (1971) Attitude and attitude change. New York: John Wiley & Sons, Inc.

Viana, M. B. (2010). Sacolas plásticas: aspectos controversos de seu uso e iniciativas legislativas. Brasília, DF: Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados. v. 15.

Yam-Tang, Esther P. Y., & Chan, Ricky Y. K. (1998). Purchasing behavior and perceptios of environmental harmful products. Marketing Intelligence & Planning. Bradford, 16(6).

Zelenzy, L., Chua, P., & Aldrich, C. (2000). Elaborating in gender differences in environmentalism. Journal of Social Issues, 56(3).


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional