Inundações Urbanas: Uma Questão Socioambiental

Luciana Travassos

Resumo


Investigar a introdução da dimensão ambiental nas políticas públicas e intervenções urbanas é tarefa complexa. Esse artigo busca observar os parâmetros que vêm se estabelecendo em planos e projetos para o manejo das águas pluvial e fluvial em rios urbanos localizados em uma série de cidades, procurando levantar algumas premissas essenciais para as políticas públicas em drenagem urbana no contexto brasileiro. Procura-se entender como os planos lidam com as inundações e com os assentamentos urbanos em áreas inundáveis, e também explorar as ações realizadas antes, durante e depois dos eventos extremos. Pode-se dizer que tratar adequadamente a drenagem passa em primeiro lugar por mudanças institucionais e, paralelamente às ações detalhadas ao longo do artigo, por um investimento de grande monta para possibilitar moradia digna a uma parcela significativa da população, um conjunto importante de ações de cunho socioambiental.


Palavras-chave


Drenagem Urbana; Gestão de Risco; Planejamento Urbano; Políticas Públicas; Intervenções Urbanas

Referências


Anônimo (2008). Inondations dans la région: toutes les photos du sinistre. Le Progrès de Lyon. Recuperado em janeiro, 2010, de http://www.leprogres.fr/

Anônimo (2009). Room for the river. Topos. The International Review of Landscape Architecture and Urban Design n. 68. Callwey Verlag: Munique, 2009.

Beckmann, A. (2006). Make room for the river: Restoring the Danube. (disponível em http://www.panda.org/wwf_news/features/?uNewsID=67120 em nov 2009)

Brasil, Ministério das Cidades & Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) (2007). Mapeamento de riscos em encostas e margens de rios. Brasília: Ministério das Cidades

Brasil, Ministério da Integração Nacional (MIT), Secretaria Nacional de Defesa Civil (SNDC) (2007). Política Nacional de Defesa Civil. Brasília: SNDC

COBRAPE. (2010). Belo Horizonte usa Carta de Inundações para combater enchentes. Reportagem Especial. Belo Horizonte. Disponível em http://www.cobrape.com.br/det_noticia.php?id=83 em jan de 2010).

Comissão das Comunidades Europeias (CCE) (2004). Gestão dos riscos de inundação. Protecção contra as cheias e inundações, sua prevenção e mitigação. Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comitê das Regiões. Bruxelas: CCE (Disponível em http://eur-lex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=COM:2004:0472:FIN:PT:PDF).

Comissão das Comunidades Europeias (CCE) (2006). Proposal for a directive of the european parliament and of the council on the assessment and management of floods. Bruxelas: CCE. Disponível em http://eur-lex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=COM:2006:0015:FIN:EN:PDF)

Etablissement public Loire (2010). Atlas des Zones Inondables (AZI) du bassin de la Loire. Recuperado em janeiro de 2010 de http://www.plan-loire.fr/fr/accueil/index.html

European Environmental Agency (EEA) (1195). European Rivers and lakes. Assessment of their environmental state. Copenhagen: EEA

European Environmental Agency (EEA) (2001). Sustainable water use in Europe. Part 3: Extreme hydrological events: floods and droughts. Copenhagen: EEA

Funtowicz, S. & De Marchi, B. (2003). Ciência Pós-normal, complexidade reflexiva e sustentabilidade. In: LEFF, E. (Coord.). A complexidade ambiental. São Paulo: Cortez Editora

Global Water Partnership (GWP), World Meteorological Organization (WMO), Associated Programme on Flood Management (APFM) (2006). Legal and Institutional Aspects of Integrated Flood Management. Case Studies. Geneva: WMO

Leff, E. (2003). A complexidade ambiental. São Paulo: Cortez

Morin, E. (2006). Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina

Netherlands Water Partnership. Room for the River – Rhine. (disponível em www.waterland.net, em novembro de 2009).

Parlamento Europeu (2007). Conselho. Diretiva 2007/60/ce do Parlamento Europeu e do Conselho de 23 de outubro de 2007, relativa à avaliação e gestão dos riscos de inundações. Jornal Oficial da União Européia. Bruxelas

Porto, R. La L. (1995). Escoamento superficial direto. In: Tucci,Carlos, Porto, Rubem La Laina & Barros, Mario. Drenagem Urbana. Porto Alegre: ABRH/ Editora da Universidade/ UFRGS

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte (PMBH) (2009). Secretaria Municipal de Políticas Urbanas (Smurbe), Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap). Carta de Inundações de Belo Horizonte. Identificação de áreas potencialmente suscetíveis. Belo Horizonte (disponível em http://www.pbh.gov.br, em fevereiro de 2010).

Prigogine, I. (1996). O fim das certezas. Tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: Editora da UNESP

Tavares, R. (2010). Clima, tempo e desastres. In: Tominaga, Lídia; Santoro, Jair & Amaral, Rosângela. Desastres naturais. Conhecer para prevenir. São Paulo: Instituto Geológico

Travassos, L. (2004). A dimensão socioambiental da ocupação dos fundos de vale urbanos no Município de São Paulo. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental da USP (PROCAM/USP). São Paulo: PROCAM

World Wildlife Fund (France), Loire Vivent. (1997) Plan Loire Grandeur Nature. Recuperado em julho de 2010 de http://www.rivernet.org/.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000