Indicadores de Sustentabilidade como Instrumentos de Gestão: Uma Análise da GRI, Ethos E ISE

Eduardo Augusto da Silva, Otávio Bandeira De Lamônica Freire, Filipe Quevedo Pires de Oliveira e Silva

Resumo


A diversidade de indicadores que versam sobre assuntos próximos à sustentabilidade – a maioria deles foi desenvolvida por razões específicas: ambientais, econômicas, sociais e outros escopos, de forma que não podem ser considerados indicadores de sustentabilidade em si – é o reflexo de que o conceito ainda não atingiu um consenso universalmente aceito. O objetivo deste trabalho é analisar se os principais modelos e guias de avaliação das ações corporativas podem ser seguramente utilizados como critérios efetivos de certificação nos âmbitos da responsabilidade social corporativa (RSC) e da sustentabilidade, sem configurar estratégias reducionistas de promoção da imagem institucional e mercadológica. A metodologia de pesquisa utilizada neste trabalho foi pesquisa bibliográfica, coleta de dados secundários em compêndios digitais e análise dos relatórios dos modelos de avaliação de RSC e de sustentabilidade, tanto da experiência internacional quanto os que dizem respeito à perspectiva brasileira. Foram analisados os indicadores GRI, Ethos e ISE. Os resultados principais da análise indicam que, na determinação de políticas de gestão organizacional, deve-se tomar o cuidado de envolver toda a organização no sentido de cumprir as prerrogativas dos modelos de avaliação de RSC e de sustentabilidade, pois, além do alto custo que isso pode gerar e dos esforços físicos, estruturais e pessoais de toda a organização, não significa a efetiva convergência de empresa responsável ou (equivocadamente) sustentável.


Palavras-chave


Indicadores de Responsabilidade Social Corporativa, Indicadores de Sustentabilidade, Políticas de Gestão Organizacional.

Referências


Akatu. (2010). O Akatu. Retrieved from http://www.akatu.org.br/. Acesso em: 30 ago. 2010.

Alledi, C., & Quellas, O. L. G. (2002). A sustentabilidade das organizações e a gestão da ética, transparência e responsabilidade social corporativa (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Almeida, F. (2007). Os desafios da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Elsevier.

Augusto, E., & Takimura, M. (2010). Falha no sistema: os indicadores socioambientais corporativos em xeque. In Anais do Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. São Paulo.

Bellen, H. M. (2007). Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Rio de Janeiro: FGV.

BMF&BOVESPA – Bolsa de Mercadoria e Futuros e Bolsa de Valores de São Paulo. (2010). Índice de sustentabilidade empresarial: uma análise comparativa. São Paulo: BMF&BOVESPA.

ELKINGTON, J. (2001). Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makron Books.

GRI – Global Report Iniciative. (2006). Diretrizes para o relatório de sustentabilidade. Retrieved from http://www.globalreporting.org. Acesso em: 30 dez. 2010.

______. (2010). Global Reporting Initiative. Retrieved from http://www.globalreporting.org. Acesso em: 30 dez. 2010.

IERSE. (2007). Instituto Ethos de Responsabilidade Social Empresarial. São Paulo: Instituto Ethos.

Laville, E. (2009). A empresa verde. São Paulo: ÕTE.

Marzall, K., & Almeida, J. (2000). Indicadores de sustentabilidade para agrossistemas: estado da arte, limites e potencialidade de uma nova ferramenta para avaliar o desenvolvimento sustentável. Caderno de Ciência & Tecnologia, 17 (1), 41-59.

MMA – Ministério do Meio Ambiente. (2010). Agenda 21 Brasileira. Retrieved from http://www.mma.gov.br/index.php?ido=conteudo.monta&idEstrutura= 18&idConteudo=90. Acesso em: 20 jul. 2010.

Nassar, P. (2004). Tudo é comunicação. São Paulo: Lazulli.

Siche, R., Agostinho, F., & Ortega, E. (2007). Índices versus indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Ambient. soc., 10 (2), 137-148.

Soratto, A. N., Morini, A. A., Almeida, M. A. S., Knabben, P .S., & Varvakis, G. (2006). Sistema da gestão da responsabilidade social: desafios para a certificação NBR 16001. Revista Gestão Industrial, 2 (4), 13-25.

Stiglitz, J. E., Sen, A., & Fitoussi, J. P. (2009). Commission on the Measurement of Economic Performance and Social Progress. Retrieved from http://www.stiglitz-sen-fitoussi.fr/. Acesso em: 27 dez. 2010.

Veiga, J. E. (2006). Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. São Paulo: Garamond.

______. (2010). Indicadores de Sustentabilidade. Revista de Estudos Avançados, 24 (68), 39-52.

Weber, M. (2004). A ética protestante e “espírito capitalista”. São Paulo: Companhia das Letras.

Yanaze, M. H., & Augusto, E. (2008). Por um novo balanço social: muito além dos cânones da comunicação corporativa. Revista Communicare, 8 (2), 127-138.

Zarpelon, M. I. (2006). Gestão e responsabilidade social: NBR 16.0001/ SA 8.000: implantação e prática. Rio de Janeiro: Qualimark.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000