A Evidenciação Contábil Ambiental em Empresas de Tratamento de Resíduos Sólidos Orgânicos

Bruna Batista Padilha, Denis Dall Asta

Resumo


A crescente preocupação com os recursos naturais e com o meio ambiente traz à tona a verdadeira dimensão dessas questões. A conscientização da sociedade faz com que as empresas adotem políticas e atitudes ambientalmente corretas, para de fato contribuírem com a preservação do meio ambiente. A contabilidade, como ciência social que estuda o patrimônio e suas afetações, adaptou-se às necessidades de seus usuários e, logo, se preocupa com a devida evidenciação e mensuração de itens de caráter ambiental, para uma divulgação eficaz à sociedade. Partindo dessa premissa, este estudo tem como objetivo identificar e descrever as contribuições da contabilidade ambiental ao processo de evidenciação contábil ambiental de uma empresa que realiza o tratamento de resíduos sólidos orgânicos da agroindústria. Por meio de um estudo de caso, procurou-se analisar o processo produtivo e levantar os itens e eventos de caráter ambiental que pudessem beneficiar a empresa por meio de sua evidenciação. Foi possível verificar que existem, de fato, eventos de caráter ambiental resultantes do processo produtivo e também do investimento realizado periodicamente para preservar a natureza. Entretanto, há deficiência dos registros contábeis no aspecto ambiental. A aplicação da contabilidade ambiental na organização proporciona uma visão ampla da gestão ambiental e do desenvolvimento sustentável adotados pela entidade, registrando todos os eventos que possam gerar alterações patrimoniais e financeiras.


Palavras-chave


Contabilidade Ambiental, Evidenciação Ambiental, Tratamento de Resíduos Sólidos

Referências


Barbieri, J. C. (2006). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva.

Bossel, H. (1999). Indicators for sustainable development: theory, method, applications: a report to the Balaton Group. Winnipeg: IISD.

Brasil (2013). Lei nº 6.404 de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as Sociedades por Ações. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6404consol.htm Acesso em: 10 jun.

Comissão mundial sobre meio ambiente e desenvolvimento (1991). Nosso futuro comum: 2.ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Carvalho, G. M. B. de (2008). Contabilidade ambiental. 1º. ed. Curitiba: Juruá.

Conselho Federal de Contabilidade (2013). Resolução CFC nº. 774, de 16 de dezembro de 1994. Aprova o apêndice à resolução sobre os princípios fundamentais de contabilidade. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 18 jan. 1995. http://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=1994/000774 Acesso em: 10 jun.

Fagundes, A. B., Vaz, C. R., & Hatakeyama, K. (2009). A relação entre os custos e receitas ambientais como principal indicador do desempenho econômico ambiental das organizações. Revista Produção on line – v. IX(lII). Disponível em http://www.producaoonline.org.br/index.php/rpo/article/view/177/491 Acesso em 14 mar.

Ferreira, A. S. C. de (1995). Contabilidade de custos para gestão do meio ambiente. Caderno de Estudos (12). São Paulo: FIPECAFI.

Ferreira, A. S. C. de (2009) Contabilidade ambiental: uma informação para o desenvolvimento sustentável. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Lage, A. C. & Barbieri, J. C. (2001). Avaliação de projetos para o desenvolvimento sustentável: uma análise do projeto de energia eólica do estado do Ceará, com base nas dimensões da sustentabilidade. In: Anais ENANPAD 2001, Campinas, 16 a 19 de setembro.

Lima, D. V. & Veigas, W. (2002) Tratamento Contábil e evidenciação das externalidades ecológicas. Revista Contabilidade e Finanças (30), pp. 46-53 setembro/dezembro. USP, São Paulo.

Moreira, M. S. (2001). Estratégia e implantação de sistema de gestão ambiental (modelo ISO 14000). Belo Horizonte: Editora de Desenvolvimento Gerencial.

Nunes, J.; Pfitscher, E. D; Vegini, D. & Rosa, F. S. (2007) A contabilidade ambiental como forma de gestão: estudo de caso em um hospital. Anais do Congreso Transatlántico de Contabilidad, Auditoría, Control de Gestión, 1. Lyon: ISEOR.

Organização das Nações Unidas (2013) Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano – 1972. Disponível em: http://www.onu.org.br/rio20/img/2012/01/estocolmo1972.pdf Acesso em 04 jun.

Paiva, P. R. de. (2003). Contabilidade ambiental: evidenciação dos gastos ambientais com transparência e focada na preservação. 1ª ed. São Paulo: Atlas.

Pierot, R. M. & Costa, N. P. L. (2011). Contabilidade ambiental: um estudo sobre o modelo de gerenciamento dos resíduos da construção civil em Teresina, 2010. Anais do II Csear Conference South America: A sustentabilidade em discussão, USP Ribeirão Preto.

Pfitscher, E. D. (2004). Gestão e sustentabilidade da contabilidade e controladoria ambiental: estudo de caso na cadeia produtiva de arroz ecológico. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção). Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

Ribeiro, M. S. (2010) Contabilidade ambiental. 2 ed. São Paulo: Saraiva.

Ribeiro, M. S. & Lisboa, L. P. (2000). Passivo ambiental. Revista Brasileira de Contabilidade. Ano XXIX (126), novembro/dezembro.

Ribeiro, M. S. & Martins, E. (1998). Ações das empresas para a preservação do meio ambiente. Boletim nº 415 da ABRASCA – Associação Brasileira das Companhias Abertas.

Sachs, I. (1997). Desenvolvimento sustentável, bio-industrialização descentralizada e novas configurações rural urbana: os casos da Índia e do Brasil. In: Vieira, P. F.; Weber, J. (orgs.). Gestão de recursos naturais renováveis e desenvolvimento: novos desafios para a pesquisa ambiental. São Paulo: Cortez.

Silva, C. B. (2008) . A responsabilidade sócio-Ambiental analisada em uma rede de supermercados com auxílio do SICOGEA. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Contábeis) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Tinoco, J. E. P &; Kraemer, M. E. P. (2008). Contabilidade e gestão ambiental. 2 ed. São Paulo: Atlas.

Valle, C. E. do. (2002). Qualidade ambiental: ISO 14000. 4. ed. São Paulo: SENAC de São Paulo.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000