Gestão Ambiental a Partir da Produção Biodinâmica: Uma Alternativa a Sustentabilidade em Uma Vinícola Catarinense

Jamir Rauta, Julie Rossatto Fagundes, Simone Sehnem

Resumo


 

A partir de um estudo de caso na Vinícola Santa Augusta (VSA), este artigo buscou entender o processo de produção biodinâmica e sua contribuição para a sustentabilidade do empreendimento e do ambiente. A VSA desenvolveu ações sustentáveis em seu processo produtivo por meio do cultivo de uvas biodinâmicas, devido a uma necessidade estratégica de mercado, porém sem a intenção de desenvolver uma estratégia de gestão ambiental desse processo. O presente trabalho é uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória, com sustentação teórica baseada nos conceitos da biodinâmica e suas contribuições para o meio ambiente, além do conceito de gestão ambiental sob a ótica de autores como Rohrich e Cunha (2004) e Maimon (1994). Este artigo tem o objetivo de propor a implantação de uma gestão ambiental por parte da empresa, a partir da adoção gradual de práticas sustentáveis e da manutenção do cultivo biodinâmico em seu processo produtivo. A pesquisa possibilitou concluir que a produção biodinâmica ainda é tímida no Brasil, principalmente na vitivinicultura, sendo a VSA pioneira no segmento. O estudo também permitiu entender a biodinâmica como uma alternativa de produção sustentável, com características de conservação dos recursos não renováveis e respeito aos limites da natureza, além de proporcionar a obtenção de produtos de qualidade, com alto valor agregado.

 


Palavras-chave


Produção Biodinâmica, Estratégia, Gestão Ambiental

Referências


Amato Neto, J. (2011). Sustentabilidade e produção: teoria e prática para uma gestão sustentável. São Paulo: Atlas.

Aragón-Correa, J.; Sharma, S. (2003). A contingent resource-based view of proactive corporate environmental strategy. Academy of Management Review. 28(1), 71-98.

Azzone, G.; Bertelé, U. & Noci, G. (1997). At last we are creating environmental strategies which work. Long Range Planning. 30(4), 562-571.

Barbieri, J. C. (2004). Gestão ambiental empresarial. São Pau¬lo: Saraiva.

Barney, J. B. (1991). Firm Resources and Sustained Competitive Advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120.

Bellen, H. M. V. (2005). Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. FGV: Rio de Janeiro.

Berbel, N. A. N. (1995). Metodologia da problematização: uma alternativa metodológica apropriada para o ensino superior. Semina: Ci. Soc. /Hum., 16(2), 9-19. Ed. Especial.

Berry, M. A. & Rondinelli, D. A. (1998). Proactive corporate environmental management: a new industrial revolution. Academy of Management Executive, 12(2).

Beus, C. E. & Dunlap, R. E. (1990). Agricultura convencional versus alternativa: as raízes paradigmáticas do debate. Rural Sociology, 55(4), 590-616.

Bordenave, J. D. & Pereira, A. M. (1982). Estratégias de ensino aprendizagem. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 1982.

Brockhoff, K. & Chakrabarti, A. K. (1999). Corporate strategies in environmental management. Research Technology Management. 42, 26-30, jul./aug. Washington, Industrial Research Institute.

Buchholz, R. A. (1992). Business environment and public policy: implications for management and strategy. 466-74. Englewood Cliffs, N.J.: Prentice-Hall.

Christmann, P. (1997). Environmental strategies of multinational companies: determinants and effects of competitive advantage. [Tese de doutorado] Philosophy in Management. University of California.

Christmann, P. (2000). Effects of ‘‘best practices’’ of environmental management on cost advantage: the role of complementary assets. Academy of Management Journal 43(4), 663-680.

Caporal, F. R. & Costabeber, J. (2000). Agroecologia e desenvolvimento rural sustentável: perspectivas para uma nova extensão rural. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável. 1(1), 16-37. jan./mar.

Caporal F. R. & Costabeber, J. A (2002). Agroecologia: enfoque científico e estratégico para apoiar o desenvolvimento rural sustentável. Texto provisório para discussão. Série programa de formação técnico-social da MATER/RS. Sustentabilidade e Cidadania, texto 5. Porto Alegre: EMATER/RS-Ascar.

Cotrin, V. B. & Martinelli, D. P (1999). Integrando a variável ambiental à estratégia de negócios. V Encontro Nacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. São Paulo – SP.

Cunha, J.; Ferreira, E; Rossetto, C. R & Rosseto, A.M (2009). Modelos e tipologias de gestão ambiental: subsídios para o estudo das mudanças nos processos de adaptação organizacional. In: ENANPAD 2009, XXXIII Encontro da ANPAD. São Paulo. 19 a 23 de set.

Donaire, D. (1994). Considerações sobre a influência da variável ambiental na empresa. Revista de Administração de Empresas. 34(2), 68-77, mar./abr.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA (2012). Conhecendo o essencial sobre uvas e vinhos. Guerra, C. C. [et al.].(2012). Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho.

Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – EPAGRI (2012). Retrieved from: http://cepa.epagri.sc.gov.br/Publicacoes/ Fruticultura_Catarinense_em_numeros_2012.pdf. Acesso em 20/06/2013.

Epstein, M. & Roy, M. J. (2003). Improving sustainability performance: specifying, implementing and measuring key principles. Journal of General Management. 29(1), 15-31.

Favareto, A. (2006). Paradigmas do desenvolvimento rural em questão – do agrário ao territorial. Tese de Doutorado em Ciência Ambiental. São Paulo: Procam/USP.

Gilbert, J. T. & Birnbaum-More, P. H. (1996). Innovation timing advantages: from economic theory to strategic application. Journal of Engineering and Technology Management (JET-M). 12, 245–266.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas. 35(3), 20 -25. Maio/jun. São Paulo.

Granstedt, A. G. & Kjellenberg, L. (1996). Quality investigations with the K-trial, Järna, and other Scandinavian fertilization experiments. In: Raupp, J. (Ed.) Quality of plant products grown with manure fertilization. 9. Institute for Biodynamic Research. Darmstadt.

Garcı́a-Guzmán, G., 1990. Estudio sobre ecologı́a de patógenos en el follaje de plantas en la selva de Los Tuxtlas. M.Sc. thesis, UNAM, Mexico D.F., Mexico.

Guerra, C. C.; Mandelli, Francisco; Tonietto, Jorge; Zanus, Mauro CelsoCamargo, Umberto Almeida (2009). Conhecendo o essencial sobre uvas e vinhos. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho, 2009. 69 p. Retrieved from: www.cnpuv.embrapa.br/publica/documentos/doc048.pdf‎.

Guzmán, S. E. (1990). Redescubriendo a Chayanov: hacia un neopopulismo ecológico. Agricultura y Sociedad. (55), 201-237. Abr./jun.

Guzmán C. G.; González de M. M. & Guzmán, S. E. (Coord.) (2000). Introducción a la agroecología como desarrollo rural sostenible. Madrid: Mundi-Prensa.

Hamel, G. & Prahalad, C. K (1995). Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Campus.

Hart, S. L. (1995) A natural resource-based view of the firm. Academy of Management Review. 20(4), 986-1014.

Hoffman, A. J. (1999). Institutional evolution and change: environmentalism and the US chemical industry. Academy of Management Journal.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística –IBGE (2010). Cidades. Retrieved from http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1. Acesso em 12/ 05/ 2013.

Instituto Brasileiro do Vinho – Ibravin (2009). Comercialização de vinhos – empresas do Rio Grande do Sul, Brasil – comparação 2004-2009. Retrieved from: http://www.ibravin.org.br/ admin/UPLarquivos/200420101624142.pdf. Acesso em 12/ 05/ 2013.

Itami, H. (1994). Los actives invisibles. In: Campbell, A & Luchs, K. S. Sinergia estratégica. Bilbao: Deusto.

Jabbour, C. J. C. & Santos, F. C. A (2006). The evolution of environmental management within organizations: toward a common taxonomy. Environment Quality Management. 16, 43-59.

Klett, M. & Miklós, A. A. W (2000). Agricultura biodinâmica: origem, gnosiologia, epistemologia, ética, organismo agrícola, adubação, preparados biodinâmicos e nutrição humana. Fertibio, 2000, Biodinâmica do Solo. XXIV Reunião Brasileira de Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. VIII Reunião Brasileira sobre Micorrizas. VI Simpósio Brasileiro de Microbiologia do Solo. III Reunião Brasileira de Biologia do Solo. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. Sociedade Brasileira de Microbiologia. Universidade Federal de Santa Maria.

Koepf, H.H.; Pettersson, B.D. & Schaumann, W (1983). Agricultura biodinâmica. São Paulo: Nobel.

Kruger, F. G. (2003). Adubação mineral, orgânica e biodinâmica de Yacon (Polymniasonchifolia POEP & ENDL): rendimento, qualidade e armazenamento. Tese de Doutorado. Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu. 2003.

Maimon, D. (1994). Eco-estratégia nas empresas brasileiras: realidade ou discurso? Revista de Administração de Empresas (ERA). 34(4), 119-130. São Paulo: FGV.

Maimon, D. (1996). Passaporte verde. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Mello, L. M. R. (2009). Viticultura brasileira: panorama 2011. Embrapa Uva e Vinho; Produção Técnica. Bento Gonçalves.

Nascimento, L. F. (2001). The environment quality in companies of the agricultural, manufacturing and service sectors in south of Brazil. In: 7th European Roundtable on Cleaner Production, Anais. 2-4, Mai. Lund, Sweden.

Neves, J. L. (1996). Pesquisa qualitativa – características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisa em Administração. 1(3), 2 sem. São Paulo.

Piamonte, P. R (1996). Rendimento, qualidade e conservação pós-colheita de cenoura (daucuscarotal.) sob adubação mineral, orgânica e biodinâmica. 1996. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu-SP.

Porter, M. E. & Van Der Linde, C. (1995) Green and competitive: ending the stalemate. Harvard Business Review. 73 (5), 120-34.

Ramos, R. F (2004). Comparações produtiva, econômica e energética de sistemas convencional, orgânico e biodinâmico de cultivo de batata-doce (Ipomeabatatas). 2004. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Ciências Agronômicas – Universidade Estadual Paulista, Botucatu.

Reganold, J. P. & Palmer, A. S (1995).Significance of gravimetric versus volumetric measurements of soil quality under biodynamic, conventional, and continuous grass management. Journal of Soil and Water Conservation, 50(3), 298-305.

Reinjntjes C.; Haverkort, B. & Waters-Bayer A. (1994). Agricultura para o futuro: uma introdução à agricultura sustentável e de baixo uso de insumos externos. Rio de Janeiro: AS-PTA.

Rohrich, S. S. & Cunha, J. C (2004). A proposição de uma ta¬xonomia para a análise da gestão ambiental no Brasil. Revista de Administração Contemporânea. 8 (4), 86-95.

Rondinelli, D. & Vastag, G. (1996). International environmental standards and corporate policies: an integrative framework. California Management Review. 39(1), 106-122.

Sanches, C. S. (2000). Gestão ambiental proativa. Revista de Ad¬ministração de Empresas. 40(1), 76-87. Jan-mar.

Scheller, E. (2000). Fundamentos científicos da nutrição vegetal na agricultura ecológica. Botucatu: Associação Brasileira de Agricultura Biodinâmica.

Seiffert, M. E. B. (2005). ISO 14001: Sistemas de gestão am¬biental. São Paulo: Atlas.

Sharma, S.; Pablo, A. L. & Vredenburg, H. (1999). Corporate environmental responsiveness strategies: the importance of issue interpretation and organizational context. The Journal of Aplied Behavioral Science. 35, 87-108. Mar.

Sixel, B.T. (ed.). (2003). Biodinâmica e agricultura. Botucatu: Associação Brasileira de Agricultura Biodinâmica, 2003.

Souza, F. A. Z.(2005). Mudanças promovidas no setor vitivinícola do Rio Grande do Sul pela inserção de profissionais especializados nas áreas de viticultura e enologia. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Ciências). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Shrivastava, P. (1995). Environmental technologies and competitive advantage. Strategic Management Journal. 16, 183-200, special issue.

Souza, R. S. (2002). Evolução e condicionantes da gestão ambiental nas empresas. Read. 8(6), edição especial 30. Nov-dez.

Tonietto, J.(2007) Afinal, o que é terroir? Bon Vivant. Flores da Cunha. 8(98). 08, abr. Retrieved from: http://www.cnpuembrapa.br/ download.php?file=publica/artigos/afinal_o_que_terroir.pdf>. Acesso em 16/05/2013.

União Brasileira de Vitivinicultura – UVIBRA (2010). Produção de uvas, elaboração de vinhos e derivados: 1998-2010. Retrieved from: http://www.uvibra.com.br/pdf/safra_uva1998-2010.pdf. Acesso em 20/05/2013.

Winn, M. L.; Angell, L. C. (2000). Towards a process model of corporate greening. Organization Studies. 21(6), 1119-1147.

Wistinghausen, C.V.; Scheibe, W.; Istinghausen, E.V.; König, U.J (2000). Manual para a elaboração dos preparados biodinâmicos. São Paulo: Antroposófica.

Yin, R. K. (2000). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre, Bookman.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000