Regulações Ambientais de Resíduos no Setor de Equipamentos Eletromédicos: da Cadeia Produtiva ao Consumidor Final

Marilia Tunes Mazon, Adalberto Mantovani Martiniano de Azevedo, Rodrigo Nascimento Oliva, Marco Antonio Silveira

Resumo


A relevância da indústria de eletrônicos exige sua transição para modelos de produção sustentáveis, como os definidos por diretivas europeias WEEE, RoHS, e pela Política Nacional de Resíduos Sólidos. Em 2010 iniciou-se um projeto nacional cujo propósito é apoiar a sustentabilidade com enfoque triple bottom line na indústria eletrônica brasileira. A implantação dessas propostas começou com a execução de um projeto piloto com nove empresas do setor de equipamentos eletromédicos, escolhidas por serem intensivas em tecnologia, exportadoras e precisarem se adequar às regulações ambientais. Este trabalho tem como objetivo apresentar os principais resultados obtidos nos estudos realizados com essas nove empresas no período de abr/2011 a mar/2012 referentes à adequação de seus produtos, processos, sistemas de gestão e cadeias de fornecedores. O estudo foi dividido em três etapas: uma avaliação para identificar aspectos gerais de cada organização, uma avaliação profunda, para entender as características de cada organização frente às características gerais do grupo analisado e um diagnóstico detalhado, realizado individualmente durante as visitas nas empresas. Os principais resultados encontrados foram que a gestão de resíduos e a logística reversa associada ainda são incipientes, os produtos ainda possuem substâncias perigosas e a cadeia de fornecimento ainda está muito pouco preparada para os desafios relacionados. O nível de ocupação dos funcionários e os custos associados à adequação de seus produtos e processos, se constituem nos dois maiores problemas para as empresas se adequarem às legislações ambientais de interesse.


Palavras-chave


Regulações ambientais, Resíduos Eletroeletrônicos, Setor de eletromédicos

Referências


ABIMO - Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios. Disponível em < http://www.abimo.org.br>. Acesso em 22/04/2012.

Ansanelli, S. (2011). Exigências Ambientais Europeias: Novos desafios competitivos para o complexo eletrônico brasileiro. Revista Brasileira de Inovação Vol. 1, n.10, p. 129-160

BRASIL (2010). Instrução Normativa nº 01, de 19 de janeiro

BRASIL (2010). Lei 12.305, de 2 de agosto

Bryman, A. (1995). Research methods and organization studies. London: Routledge

European Union (2003). Directive 2002/95/EC of the European Parliament and of the council, of 27 January

Minas Gerais (2010). Fundação Estadual do Meio Ambiente. Inventário de resíduos sólidos industriais e minerários: ano base 2009. Belo Horizonte: FEAM

Pidone, L. (2011). Utilização das diretivas RoHS e WEE para equipamentos eletromédicos fabricados no Brasil. Instituto de Pesquisa Energéticas e Nucleares, Autarquia associada à Universidade de São Paulo

Santos, A., Morais, R. & Gardesani, R. (2011). Gestão de sustentabilidade: implicações da diretiva weee no ramo de equipamentos eletromédicos e sua relação com a logística reversa. Revista de Logística da Fatec de Carapicuíba, Vol 2, n.2, p 30 – 40, Dez

Silveira, M. (2011). Gestão Estratégica da Inovação para Sustentabilidade: Desenvolvimento Sustentável da Indústria Eletroeletrônica Brasileira In: Congreso Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC, XIV, Lima.

União Europeia (2003). Diretiva 2002/96/CE Do Parlamento Europeu e Do Conselho, de 27 de Janeiro.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional