Mudanças do Código Florestal: Uma Análise Institucional da Percepção de Produtores Agrícolas de um Município do Paraná

Luciana Klein, Adriana Casavechia Fragalli, Luiz Panhoca, Paulo Mello Garcias

Resumo


Uma vasta reestruturação das instituições ambientais vem ocorrendo em busca de maior conscientização quanto à preservação ambiental. No Brasil, a discussão sobre os problemas ambientais não é nova e é acalorado o atual debate sobre este tema. A principal discussão atual é o novo Código Florestal (lei 12.651/12), principalmente devido às alterações em relação às pequenas propriedades rurais. Este trabalho objetiva verificar a opinião dos agricultores acerca dessas mudanças. Para tanto, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com agricultores de um município do norte do Paraná, sendo os dados analisados por meio da técnica de análise do discurso coletivo. Observou-se que existem equívocos quanto à interpretação da legislação, principalmente em relação à áreas de preservação permanente e reserva legal.


Palavras-chave


Código Florestal, Legislação, Agricultores, Preocupação Ambiental.

Referências


Aguilar Filho, H. A. de (2009). O institucionalismo de douglassnorth e as interpretações weberianas do atraso brasileiro. 207 f. Tese (Doutorado em Economia) – Faculdade das Ciências Econômicas da UFRGS, Porto Alegre.

Ahrens, S. (2003). O “novo” código florestal brasileiro: conceitos jurídicos fundamentais.

Trabalho apresentado no VIII Congresso Florestal Brasileiro. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura.

Barbosa, V. (2012). MP do Código Florestal retrocede na defesa ao meio ambiente. Exame.com. Retrieved from: . Acesso em: 11 jan. 2014.

Bardin, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

Brasil (1980). Códigos penais do Brasil: evolução histórica. Compilação de José Henrique Pierangelli. Bauru: Ed. Jalovi.

BRASIL, REPORTER. Os impactos socioambientais da soja no Paraguai. Repórter Brasil e Base Investigaciones Sociales. São Paulo e Assunção, 2010.

Brasil (1934). Decreto nº 23.793, de 23 de janeiro de 1.934. Aprova o Código Florestal Brasileiro. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Rio de Janeiro.

______ (2012). Lei nº 12.561, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília.

______ (1965). Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o novo Código Florestal Brasileiro. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília.

Brummer, S. (2010). Histórico dos movimentos internacionais de proteção ao meio ambiente. Revista Jus Navigandi, Teresina, v. 15. Retrieved from: , continuação: . Acesso em: 11 jan. 2014.

Carvalho, C. G. de (1991). Introdução ao direito ambiental. 2ª ed. São Paulo: Letras e Letras.

Cooper, D. R.; Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookman.

Dias, R (2008). Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas.

Ferreira, I. S. (1995). Tutela penal do patrimônio cultura. São Paulo: RT.

Gala, Paulo (2003). A teoria institucional de Douglass North. Revista de Economia Política, 23(2), 89-105.

Giovanini, D. (2012). Código Florestal: as revelações do último capítulo. Estadão.com.br. Publicado em 19/10/2012. Retrieved from: . Acesso em: 11 jan. 2014.

Grün, M. (2007). Ética e educação ambiental: a conexão necessária. 11. ed. Campinas, SP: Papirus.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2006). Censo agropecuário 2006. Retrieved from: Acesso em: 15 dez. 2013.

Lago, A. A. C. do (2006). Estocolmo, Rio, Joanesburgo: o Brasil e as três conferências ambientais das Nações Unidas. Fundação Alexandre de Gusmão (Funag); Ministério das Relações Exteriores; Explanada dos Ministérios, Bloco H. Brasilia.

Leff, E. (2001). Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, RJ: Vozes.

Macedo, A. R. (2012). Novo código facilita regularização do pequeno agricultor. Agência Câmara de Notícias, publicado em 13/11/2012. Retrieved from: Acesso em: 13 jan. 2014.

Machado, E. L. (2002). O papel da reputação na coordenação vertical da cadeia produtiva de frutas, legumes e verduras frescos. 196 f. Tese (Doutorado em Economia) – Departamento de Economia, Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Machado, P. A. L. (1992). Direito ambiental brasileiro. 4ª ed. São Paulo: Malheiros.

Marques, D. V. & Colesanti M.T.M. (2000). Uma proposta de educação ambiental para áreas verdes: o exemplo do Bosque John Kennedy, Araguari-MG; V Congresso de Ciências Humanas, Letras e Artes; 1; 1; 120; 120; V Congresso de Ciências Humanas, Letras e Artes; Ouro Preto; BRASIL; Português; ; Impresso.

Mota, C. (2012). Alta do PIB agropecuário mostra força do setor. Ministério da Agricultura. Retrieved from: . Acesso em: 21 jan. 2014.

Mozzato, A. R.; Grzybovski, D. (2011). Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, 15(4), 731-747.

North, D. C. (1990). Institutions, institutional change and economic performance. New York: Cambridge University Press.

______ (1994), Custos de transação, instituições e desempenho econômico. Rio de Janeiro: Instituto Liberal.

Pacheco, Éser & Silva (2007). Compromissos epistemológicos do conceito de percepção ambiental. Rio de Janeiro: Departamento de Antropologia, Museu Nacional e Programa EICOS/UFRJ,

Prado, L. R. (1992). Direito penal ambiental: problemas fundamentais. São Paulo: RT.

Silverstein, M.(1993). A revolução ambiental: como a economia poderá florescer e a terra sobreviver no maior desafio da virada do século. Rio de Janeiro, RJ: Nordica.

Sistema Faep (2012). Novo código florestal. Ano I, Edição I.

Tourinho, L. A. M. (2005). O Código Florestal na pequena propriedade rural: um estudo de caso em três propriedades na microbacia do rio Miringüava. 95 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Setor de Ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

UNESCO, 1973. Programme on Man and the Biosphere Expert Panel on Project 13: Perception of Environmental Quality. Unesco, Paris, 76 pp.

Valle, C. E. do (2009). Qualidade ambiental. 8. ed. São Paulo: Senac.

Valor Econômico (2012). Entenda as principais alterações do governo no Código Florestal. Publicado em 25/05/2012. Retrieved from: . Acesso em 04 jan. 2014.

Wainer, A. H. (1991). Legislação ambiental brasileira: subsídios para a história do direito ambiental. Rio de Janeiro: Forense.

WHITEHEAD, A. N. 1994. O conceito de natureza. São Paulo: Martins Fontes.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional