Entraves e Perspectivas para a Logística Reversa do Óleo Lubrificante e suas Embalagens

Luis Alfredo Sencovici, Jacques Demajorovic

Resumo


Este artigo tem como objetivo discutir os principais desafios e perspectivas para a implantação da logística reversa do óleo lubrificante e suas embalagens. A metodologia privilegia a realização de entrevistas em profundidade com representantes das cadeias desses dois produtos e os resultados mostram que o avanço tecnológico permite hoje a geração de um óleo rerrefinado com propriedades superiores ao óleo virgem, representado ganhos econômicos e socioambientais, sendo possível observar também avanços em relação às embalagens.  No entanto, questões como conflitos na cadeia reversa em relação à distribuição dos custos da coleta, a falta de soluções regionais para as atividades de reciclagem, a precária fiscalização, a ausência de incentivos tributários e o baixo interesse de fabricantes em modificar seus produtos e processos privilegiando a prevenção, desafiam a ampliação da atividade da logística reversa em larga escala no país.


Palavras-chave


Logística reversa, óleos lubrificantes, embalagens, reciclagem

Referências


Aguado, J., Serrano, D.P., &San Miguel, G. (2007).European trends in the feedstock recycling of plastic wastes. Global NEST Journal, Mostoles, v.9, n.1, p.12-19.

Andrade, E.M., Ferreira, A.C., & Santos, F.C.A. (2009). Tipologia de sistemas de logística reversa baseada nos processos de recuperação de valor: três casos empresariais. In: SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES INTERNACIONAIS, 12., 2009, São Paulo. Anais eletrônicos...São Paulo: FGV-EAESP.

Associação Brasileira de Supermercados. (2013). Acordo setorial para a implantação de logística reversa de embalagens plásticas usadas de lubrificantes. São Paulo: ABRAS.

Atasu, A.,Wassenhove, L., & Sarvary, M. (2009). Efficient Take-Back Legislation.Production and Operations Management, USA, v.18, n. 3, p. 243-258.

Atasu, A.,& Wassenhove, L. (2012). Operations Perspective on Product Take-Back Legislation for E-Wast: Theory, Practice and Research Needs. Production and Operations Management, USA, v.21, n.3, p. 407-422.

Bidoia, E.D.,Montagnolli, R.N., &Lopes, P.R.M. (2010). Microbial biodegradation potential of hycrocarbons evaluated by colorimetric technique: a case study. Formatex, Rio Claro, p.1277-1288.Disponível em: .Acesso em: 05 jan. 2013.

Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social. (2014). Potencial de diversificação da indústria química brasileira. Relatório 3 – Óleos Lubrificantes. Rio de Janeiro. Disponível em:. Acesso em: 10 jun.2014.

Boughton, B., & Horvath, A. (2004).Environmental Assessment of Used Oil Management Methods. Environmental Science & Technology, USA, v.2,n.38,p. 353–358.

BRAGA, S. S. Jr., COSTA, P. R., &MERLO, E. M. (2006). Logística reversa como alternativa de ganho para o varejo: um estudo de caso em um supermercado de médio porte. In: IX SIMPÓSIO DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES INTERNACIONAIS, p. 5-7., 2006, FGV-EAESP, São Paulo, Anais eletrônicos...São Paulo: SIMPOI.

BRASIL. Presidência da República. Lei 12.305 de 02 de agosto de 2010: Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Disponível em: .Acesso em: 24 abr. 2013.

Calcott, P., & Walls, M. (2005).Waste, recycling and “Design for Environment”: Roles for markets and policy instruments. Resource and Energy Economics, Washington DC, USA, n.27, p.287-305.

Conselho Nacional de Meio Ambiente. (2005).Resolução CONAMA nº 362 de 23 de junho de 2005.Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2012.

Canchumani, G.A.L. (2013). Óleos lubrificantes usados: um estudo de caso de avaliação de ciclo de vida do sistema de rerrefino no Brasil. Tese (Doutorado em Planejamento Energético) – COPPE, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível em:. Acesso em: 29 mai. 2013.

Demajorovic, J.,Huertas, M.K.Z., Boueres, J.A., Silva, A. G. da., & Sotano, A.S. (2012). Logística reversa: como as empresas comunicam o descarte de baterias e celulares? Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 52,n. 2, p.165-178, mar./abr.

Demajorovic, J.,& Migliano, J.E.B. (2013). Política Nacional de Resíduos Sólidos e suas implicações na cadeia de logística reversa de microcomputadores no Brasil. Gestão & Regionalidade, São Paulo, v.29, n.87, p.64-80, set./dez.

Dias, S.D. (2012)O desafio da gestão de resíduos sólidos urbanos. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.11, n.1, p.16-20, jan./jun.

Freitas, H, Cunha , M. V. M. Jr., & Moscarola, J. (1996). Pelo resgate de alguns princípios da análise de conteúdo: aplicação prática qualitativa em marketing. In: ENANPAD, 20., 1996, Angra dos Reis, Anais eletrônicos...Angra dos Reis: ANPAD.

Gândara, G.M.F. (2000). Óleos lubrificantes minerais: uma análise das potencialidades de reutilização. 2000. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) – Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba. Disponível em:.Acesso em: 31.jan. 2013.

Giovanna, F. D. et al. (2003). Compendium of Used Oil Regeneration Technologies. United Nations Industrial Development Organization and International Centre For Science and High Technology, Trieste: 2003. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2013.

Godoi, C.K., & Balsini, C.P.V. (2010). A pesquisa qualitativa nos estudos organizacionais brasileiro: uma análise bibliométrica. In: GODOI, C.K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. da (Orgs.). Pesquisa, estratégia e métodos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, cap. 2, p. 53-87.

Guarnieri, P., Kovaleski, J.L., Stadler,C.C. , & Oliveira, I. V. de (2005). Caracterização da logística reversa no ambiente empresarial em suas áreas de atuação; pós-venda e pós-consumo agregando valor econômico e legal. Tecnologia & Humanismo, v.19, p.120-131.

Hsu, Y-Lung., & Liu, Chun-Chu.(2011). Evaluation and selection of regeneration of waste lubricating oil technology.Environ Monit Assess, Taipei, v.176, n (1-4), p.197–212.

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. (2008). Manual de procedimentos para fiscalização das atividades relacionadas a óleos lubrificantes usados ou contaminados: Resolução Conama 362/2005/ Diqua. Brasília: Ibama. Disponível em: Acesso em: 05 jan. 2013.

Iserhardt, P.M. (2012). O incentivo fiscal empresarial como forma de proteção ao meio ambiente. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, Santa Maria, v.7, n.2.

Joppert, N., Jr. (2008). A reciclagem das embalagens de óleos lubrificantes e a gestão ambiental: um modelo a ser construído. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Disponível em:. Acesso em: 10 jan.2013.

Kalnes, T. N., Shonnard, D. R.,& Schuppel, A. (2006). LCA of a Spent Lube Oil Re-refining Process. In:EUROPEAN SYMPOSIUM ON COMPUTER AIDED PROCESS ENGINEERING AND INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON PROCESS SYSTEMS ENGINEERING , 16, 9.,2006, v.21, p.713-718,2006. Disponível em: . Acesso em: 15 fev.2013.

Khelifi, O., Giovanna, F.D., Vranes, S., Lodolo, A., & Miertus, S. Decision support tool for used oil regeneration technologies assessment and selection. Journal of Hazardous Materials, v.137,n.1, p. 437-442, set.2006.

Lindhqvist, T. (2000).Extended Producer Responsibility in Cleaner Production. Policy Principle to Promote Environmental Improvements of Product Systems. Lund: The International Institute for Industrial Environmental Economics.

Mann, S. (2007). Ranking without valuing in the face of major uncertainty-The case of the promotion of biodegradable lubricants. Journal of Environmental Management, Ettenhausen, Switzerland, v.85, n.1, p.198-2003.

Mansano, J.,& Oliveira, A. C. (2012). Inclusão social e a política nacional de resíduos sólidos. Revista Direito Público, Londrina,v.7, n.2, p.17-40, mai./ago.

Mayers, C. (2007). Strategic, Financial, and Design Implications of Extended Producer Responsibility in Europe A Producer Case Study. Journal of Industrial Ecology, United Kingdom, v.11, n.3.

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

OECD (2001), Extended Producer Responsibility: A Guidance Manual for Governments, OECD, Paris.

OECD (2005), Analytical Framework for Evaluating the Costs and Benefits of Extended Producer Responsibility Programmes, OCDE, Paris.

Panda, A. K., Singh, R. K., & Mishra, D. K.(2010). Thermolysis of waste plastics to liquid fuel. A suitable method for plastic waste management and manufacture of value added Products-A world prospective. Renewable and Sustainable Energy Reviews, Orissa, v.14, n.1, p.233-248.

Pires, A.,Martinho, G., & Chang, N. (2011).Solid waste management in European countries: A review of systems analysis techniques. Journal of Environmental Management, v.92.n.92, p.1033-1050.

Programa Jogue Limpo. (2013). Como funciona o programa? Disponível em:

Ramadan, K.M.A., Abdel Azeiz, A.Z., Hassanien, S.E., & Eissa H.F. (2012). Biodegradation of used lubricating and diesel oils by a new yeast Candida viswanathi KA-2011. African Journal of Biotechnology, Cairo,v.11, n.77, p.14166-14174, Set.

Rogers, D., & Tibben-Lembke, R. (1998).Going Backwards: Reverse Logistics Trendsand Practices. Reverse Logistics Executive Council. University of Nevada. Center for Logistics Management, Reno. Disponível em: < http://gio.uniovi.es/documentos/bel-li/rogers.pdf>. Acesso em: 14 fev. 2013.

Sá-Silva, J. R., Almeida, C.D., & Guindani, J.F. (2009). Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, ano 1, n.1, jul.

Silveira, E.L.C.,Caland, L.B., Moura, C.V.R., & Moura, E.M. (2006). Determinação de contaminantes em óleos lubrificantes usados e em esgotos contaminados por esses lubrificantes. Revista Quim.Nova,Teresina, v.29, n.6, p.1193-1197.

Sindicato Nacional de Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes. (2011).Logística Reversa de Embalagens Plásticas de Lubrificantes. Programa Jogue Limpo. In: CONGRESSO NACIONAL SIMEPETRO SÃO PAULO, 4.,2011, São Paulo, Anais eletrônicos... São Paulo, 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 maio.2013.

Sindicato Nacional da Indústria do Rerrefino de Óleos Minerais. (2012).Processo Industrial/Rerrefino. Disponível em: < http://www.sindirrefino.org.br/rerrefino/produtos> Acesso em: 14 nov. 2012.

Slivnik, A., Falvo, J.F., &Sato, N.K. (2012). Cooperativas de manejo de resíduos sólidos urbanos: apontamentos para uma política de geração de trabalho e renda. Revista ABET, v.11, n.1, jan./jun. 2012.

Soares, C.L., Oliveira, J.A., & Temoteo, M.C. (2011). Elevação da capacidade de gargalos; logística reversa na cadeia de rerrefino do óleo lubrificante usado. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROPRIEDADE INTELECTUAL: DESAFIOS DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NA CONSOLIDAÇÃO DO BRASIL NO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL, 31., 2011, Belo Horizonte., Anais eletrônicos...Belo Horizonte: 2011. Disponível em:http://www.abREPo.org.br/biblioteca/enegep2011_TN_STO_143_904_17998.pdfl. Acesso em: 28 dez. 2012.

Souza, M.T.S.de.,Paula, M.B de., & Souza-Pinto, H. (2012). Papel das cooperativas de reciclagem no canais reversos pós-consumo. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.2, n.2, p.246-262, mar./abr. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2013.

Thorpe, B.,Kruszewska, I., & Mcpherson, A. (2004). Extended Produced Responsibility: a waste management strategy that cuts waste, creates a cleaner environment and saves taxpayers money. Waste Manag Res. v.25, n.3, p.227-233.

Toffel, M., Stein, A., & Lee, K. (2008).Extending Producer Responsibility: An Evaluation Framework for Product Take-Back Policies. Harvard Business School Working Paper. v.9, n.26. Disponível em: < http://www.hbs.edu/faculty/Publication%20Files/09-026_14fa1fce-a035-4b45-bcb6-fd8fd1809b23.pdf>. Acesso em: 15 set. 2015.

Tristão, J. A. M., Sousa, J.V., & Tristão. (2005).Gestão Ambiental de Resíduos de Óleos Lubrificantes; o Processo de Rerrefino. In: EnANPAD, 29., 2005, Brasília, Anais eletrônicos... Brasília: ANPAD. Disponível em:.Acesso em: 18 dez.2012.

Udonne, J. D. (2011). A comparative study of recycling of used lubrication Oils using distillation, acid and activated charcoal with clay methods. Journal of Petroleum and Gas Engineering, Lagos, v.2, n.2, p.12-19.

Voss, B., Pfitscher, E. D., Rosa, F.S., & Ribeiro, M.S. (2013).Evidenciação Ambiental dos Resíduos Sólidos de Companhias Abertas no Brasil Potencialmente Poluidoras. Revista Contabilidade Financeira, São Paulo, v.24., n.62, p.125-141.

Wagner, T. P. (2009). Shared responsibility for managing electronic waste: A case study of Maine, USA. Waste Management.v.29, p.3014–3021.

Walls, M. (2006) Extended producer responsibility and product design: economic theory and case studies. Washington. Resources for the future. Disponível em: . Acesso em: 15 jun.2014.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional