Deficiências no Diagnóstico Ambiental dos Estudos de Impacto Ambiental (EIA)

Alexandre Nascimento de Almeida, Alexandre Coutinho Sertão, Philipe Ricardo Casemiro Soares, Humberto Angelo

Resumo


No Brasil, estudos ambientais são necessários para obter uma licença para atividades que utilizem recursos ambientais ou tenham potencial de causar degradação ambiental. Cabe aos órgãos licenciadores definir os estudos técnicos necessários ao licenciamento, sendo exigido o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) em casos de empreendimentos que tenham o potencial de causar degradação significativa. O EIA/RIMA é composto de várias partes, com destaque para o diagnóstico ambiental por ser a que demanda mais recursos para ser feita e como subsídio para as etapas posteriores: previsão e avaliação dos impactos ambientais, medidas mitigadoras, compensatórias e planos de monitoramento. O objetivo deste trabalho foi analisar os problemas normalmente presentes no diagnóstico ambiental dos EIA conforme a percepção de analistas ambientais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). A obtenção dos dados ocorreu por meio da aplicação de questionário eletrônico, com uma amostragem de 74 questionários respondidos de uma população de 354 analistas do IBAMA. Como base metodológica aplicou-se a análise de cluster e o teste não-paramétrico de Mann-Whitney. Os resultados indicaram que os problemas relacionados à coordenação dos EIA são críticos e parecem se perpetuar por pelo menos uma década conforme as referências pesquisadas.


Palavras-chave


avaliação de impacto ambiental, diagnóstico ambiental, licenciamento ambiental, gestão ambiental, estudo de impacto ambiental.

Referências


Absy, M. L; Assunção, F. N. A. & Faria, S. C. (1995) Avaliação de impacto ambiental: agentes sociais, procedimentos e ferramentas. Brasília: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.

Almeida, A. N. (2010). Comparação entre a competitividade do Brasil e Canadá para produção de madeira serrada. Curitiba, 209 f. Tese de Doutorado em Ciências Florestais – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná.

Arts, J., Runhaar, H. A., Fischer, T. B., Jha-Thakur, U., Laerhoven, F. V., Driessen, P. P. J. & Onyango, V. (2012). The effectiveness of EIA as an instrument for environmental governance: reflecting on 25 years of EIA practice in the Netherlands and the UK. Journal Environmental Assessment Management, 14 (4), 1-40.

Barbieri, J. C. (2007). Gestão ambiental empresarial. 2. ed. São Paulo: Saraiva.

Barthem, R. & Goulding, M. (2006). Estudos não confiáveis: 30 falhas no EIA/RIMA do Rio Madeira. Amigos da Terra e International Rivers Network. Disponível em: . Acesso em: 26 julho de 2013.

Beanlands, G. E., & Duinker, P. N. (1983). An ecological framework for environmental impact assessment in Canada. Halifax: Institute for Resource and Environmental Studies, Dalhousie University.

Brasil. (1981). Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981. Política Nacional do Meio Ambiente. Diário Oficial da União, Seção 1, 2/9/1981, p. 16509.

Brasil. (1986). Resolução CONAMA nº 001, de 23 de janeiro de 1986. Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para a avaliação de impacto ambiental. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 jan. 1986.

Bursztyn, M. A. (1994). Gestão ambiental: instrumentos e práticas. Brasília: IBAMA.

Cashmore, M.; Gwilliam, R.; Morgan, R.; Cobb, D.; Bond, A. (2004). The interminable issue of effectiveness: substantive purposes, outcomes and research challenges in the advancement of environmental impact assessment theory. Impact Assessment and Project Appraisal, 22 (4), 295-310.

Faria, I. D. (2011). Ambiente e energia: crença e ciência no licenciamento ambiental. Parte III: sobre alguns dos problemas que dificultam o licenciamento ambiental no brasil. Núcleo de Estudos e Pesquisas do Senado. Disponível em: . Acesso em: 10 abril 2012.

Dias, E. G. C. S. & Sánchez, L. E. (2001). Deficiências na implementação de projetos submetidos à avaliação de impacto ambiental no Estado de São Paulo. Revista de Direito Ambiental, 6 (23), 163-204.

Glasson, J. & Salvador, N.N.B. (2000). EIA in Brazil: a procedures-practice gap. A comparative study with reference to the European Union, and especially the UK. Environmental Impact Assessment Review, 20, 191-225.

Glasson, J.; Therivel, R. & Chadwick, A. (2012). Introduction to environmental impact assessment. Routledge.

Guimarães, C. V. N. (2010). Da licença, mermão! O Globo, 30 de abril de 2010. Disponível em: . Acesso em: 14 de abril de 2012.

Hair Jr., J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (2005). Análise multivariada de dados. 5. ed., Porto Alegre: Bookman. 593 p.

Heinma, K., & Poder, T. (2010). Effectiveness of environmental impact assessment system in Estonia. Environmental Impact Assessment Review, 30, 272-277.

Hoffmann, R. (2006). Estatística para economistas. 4. ed., São Paulo: Pioneira Thomson Learning. 432 p.

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). (1995). Avaliação de impacto ambiental: agentes sociais, procedimentos e ferramentas. Brasília. 132 p.

Levine, D. M., Berenson, M. L., & Stephan, D. (2000). Estatística: teoria e aplicações usando Microsoft Excel em português. Rio de Janeiro: LTC.

Marinho, M. M. O.; Filho, S. S. A.; Orrico, S. R. M.; Santos, F. C. (2012). Avaliação de impacto ambiental como instrumento de estímulo à produção limpa: desafios e oportunidades no estado da Bahia. Revista de Gestão Social e Ambiental, 6 (3), 129-141.

Martins, G. A. (2006). Estatística geral e aplicada. 3. ed. São Paulo: Atlas. 421 p.

Ministério Público da União (MPU). (2004). Deficiências em estudos de impacto ambiental: síntese de uma experiência. Brasília: Escola Superior do Ministério Público.

Moreira, I. V. D. (1993). A experiência brasileira em avaliação de impacto ambiental. In: Sánchez, L.E. (Org.). Avaliação de impacto ambiental: situação atual e perspectivas. São Paulo: Epusp, 39-48.

O'Faircheallaigh, C. (2010). Public participation and environmental impact assessment: Purposes, implications, and lessons for public policy making. Environmental Impact Assessment Review, 30, 19-27.

Oliveira, A. A., & Bursztyn, M. (2001). Avaliação de impacto ambiental de políticas públicas. Revista Internacional de Desenvolvimento Local, 2 (3), 45-56.

Omena, M. L. R. de A., & Dos Santos, E. B. (2008). Análise da efetividade da avaliação de impactos ambientais – AIA – da Rodovia SE 100/Sul-Sergipe. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 4 (1), 221-237.

Pestana, M. H. & Gageiro, J. N. (2005). Análise de dados para ciências sociais – a complementaridade do SPSS. 4. ed. Lisboa: Edições Silabo.

Prado Filho, J. F. & Souza, M. P. (2004). Auditoria em avaliação de impacto ambiental: um estudo sobre previsão de impactos ambientais em EIA de mineração do Quadrilátero Ferrífero (MG). Solos e rochas, 27 (1), 83-89.

Ramanathan, R. (2001). A note on the use of the analytic hierarchy process for environmental impact assessment. Journal of Environmental Management, 63, 27-35.

Rohde, G. M. (1995). Estudos de impacto ambiental: a situação brasileira. In: Verdum, R.; Medeiros, R.M.V. RIMA, Relatório de impacto ambiental: legislação, elaboração e resultados. 3. ed. ampl. Porto Alegre, Universidade/UFRGS.

Sadler, B. (1988). The evaluation of assessment: post-EIS research and process development. In: Wathern, P. (org.). Environmental impact assessment: theory and practice. London: Unwin Hyman, 129-142.

Sánchez, L. E. (1993). Os papéis da avaliação de impacto ambiental. In: Sánchez, L. E. (org.). Avaliação de impacto ambiental: situação atual e perspectivas. São Paulo: Edusp.

Sánchez, L. E. (2001). Desengenharia: o passivo ambiental na desativação de empreendimentos industriais. São Paulo: Edusp.

Sánchez, L. E. (2008). Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: Oficina de Textos.

Shneider, H. (2006). Estudos não confiáveis: 30 falhas no EIA/RIMA do Rio Madeira. Amigos da Terra e International Rivers Network. Disponível em: . Acesso em: 26 julho de 2013.

Smart, D. E. & Stojanovic, T. A., Warren, C. R. (2014). Is EIA part of the wind power planning problem? Environmental Impact Assessment Review, 49, 13-23.

Weiss, E. H. (1989). An unreadable EIS is an environmental hazard. The environmental professional, 11, 236-240.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional