Sistema de Informações Gerenciais (SIG): Ferramenta de Monitoramento do Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) e dos Custos de Tratamento

Vania Elisabete Schneider, Nilva Lúcia Rech Stedile, Marcio Bigolin, Janini Cristina Paiz

Resumo


Um dos principais desafios da gestão de resíduos sólidos tem sido implantar e aperfeiçoar sistemas que realizem o monitoramento e o controle dos processos de manejo de resíduos de serviços de saúde (RSS). Este estudo objetiva avaliar o custo total por categoria de RSS/dia e por leito ativo/dia com o tratamento dos RSS em um hospital escola da região nordeste do Rio Grande do Sul e identificar as contribuições de um sistema de informação gerencial (SIG) no processo de gerenciamento, contemplando principalmente a geração e a segregação de resíduos. A metodologia utilizada foi desenvolvida em duas etapas: a coleta de dados sobre o gerenciamento dos RSS e a proposição, implementação e alimentação de um SIG, para registro e tratamento de dados referentes à caracterização dos resíduos. Os resultados mostram que, se o sistema de manejo do hospital em estudo fosse 100% adequado, a economia mensal para o tratamento dos resíduos infectantes seria de 18,4% e de 5,83% para os resíduos químicos. A implementação do SIG torna-se uma ferramenta fundamental na avaliação do processo de manejo dos RSS, uma vez que possibilita levantar aspectos importantes para a implantação e avaliação das estratégias contidas no plano de gerenciamento de RSS. O SIG também representa uma ferramenta de fácil consulta e de suma importância na avaliação da geração de RSS, uma vez que auxilia a promover a vigilância, a identificação dos setores que têm maiores problemas com a segregação, bem como formas de minimização de custos e impactos.


Palavras-chave


Gerenciamento de Resíduos Sólidos, Resíduos de Serviços de Saúde, Custos na Gestão de Resíduos de Serviço de Saúde, Sistema de Informações Gerencial em Resíduos.

Referências


ANVISA (2006). Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 306, de 7 de dezembro de 2004. Diário Oficial da União, 10/12/2004.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) (2006). Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde (p. 189). Brasília: ANVISA.

Cunha, C. M. (1993). Gestão de Resíduos Sólidos Produzidos em Unidades de Saúde – Estudo de Modelos Alternativos de Gestão do Tratamento e Destino Final de Resíduos Sólidos de Unidades de Saúde: Abordagem Técnica, Sanitária e Económica. XXII Curso de Administração Hospitalar, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Cussiol, N. A. de M. (2008). Manual de gerenciamento de resíduos de serviço de saúde (p. 88). Belo Horizonte: FEAM - Fundação Estadual do Meio Ambiente.

Elmasri, R., & Navathe, S. B. (2005). Sistemas de banco de dados (p. 724). São Paulo: Addison-Wesley.

Hamoda, H. M., El-Tomi, H. N., & Bahman, Q. Y. (2005). Variations in hospital waste quantities and generation rates. Journal of Environmental Science and Health. Part A Toxichazardous substances environmental engineering, 40(2), 467-476.

Inmon, W. H. (2005). Building the data warehouse (p. 543). Indianápolis: Wiley.

Kimball, R. & Ross, M. (2002). The data warehouse toolkit: guia completo para modelagem dimensional (p. 494). Rio de Janeiro: Campus.

Larmam, C. (2007). Utilizando UML e padrões: uma introdução à análise e ao projeto orientados a objetos e ao desenvolvimento interativo (p. 695). Porto Alegre: Bookman.

Martins, C. A. (2006). Gestão de resíduos hospitalares nos centros de saúde: concepções e práticas dos enfermeiros. Tese de doutorado, Universidade do Minho, Lisboa, Portugal.

NHS (2007). Healthcare risk assessment made easy. Londres: National Patient Safety Agency.

Pentaho. (2012). Pentaho Analysis Services (Mondrian) [software]. Pentaho Corporation © 2005-2013. Retrieved 7 June, 2013 from www.pentaho.com

PHP. (2013). Hypertext Pre Processor [software]. The PHP Group Copyright © 2001-2013. Retrieved 2 April, 2013 from www.php.net.

Schneider, V. E. (2004). Sistemas de gerenciamento de resíduos sólidos de serviços de saúde: contribuição ao estudo das variáveis que interferem no processo de implantação, monitoramento e custos decorrentes. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Schneider, V. E., Ben, F., & Carvalho, A. B. De. (2008). Análise Comparativa dos Custos Ambientais Relacionados ao Gerenciamento de RSSS em dois Hospitais da Região da Serra Gaúcha - Brasil. Revista AIDIS de Ingeniería y Ciencias Ambientales: Investigación, desarrollo y práctica, 1(4). Retrieved from http://www.revistas.unam.mx/index.php/aidis/article/view/14479.

Sisinno, C. L. S., & Moreira, J. C. (2005). Ecoeficiência: um instrumento para a redução da geração de resíduos e desperdícios em estabelecimentos de saúde. Cadernos de Saúde Pública, 21(6), 1893–1900.

Sommerville, I. (2007). Engenharia de software (p. 552). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Tavares, A. M. B. (2004). A gestão dos resíduos hospitalares e o papel da autoridade de saúde. Tese de doutorado, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Ventura, K. S., Reis, L. F. R., & Takayanagui, A. M. M. (2010). Avaliação do gerenciamento de resíduos de serviços de saúde por meio de indicadores de desempenho. Engenharia Sanitaria e Ambiental, 15(2), 167–176.

Wazlawick, R. S. (2010). Análise e projeto de sistemas de informação orientados a objetos. (p. 352). Rio de Janeiro: Campus/SBC.

World Health Organization (WHO, 1999). Health impacts of health-care waste. In A. Prüss, E. Giroult, & P. Rushbrook (Eds.), Safe management of wastes from health-care activities (pp. 20–30). Geneva. Retrieved from http://www.who.int/water_sanitation _health/ medicalwaste/020to030.pdf.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional