A Relação entre Empresas com Certificações Socioambientais e Empresas com Certificação de Qualidade

Mauro Luiz Martens, Jeniffer de Nadae, Maly Monteiro de Carvalho

Resumo


Este artigo teve como objetivo verificar a relação entre empresas com certificações socioambientais e empresas com sistema de gestão da qualidade certificado, considerando indicadores de desempenho. Para tanto, a abordagem metodológica utilizada é caracterizada como empírica-analítica. Foram analisadas informações relativas aos indicadores de desempenho publicados no guia exame das melhores e maiores 2012, bem como realizado o cruzamento com empresas com certificação e investimentos socioambientais. A amostra foi formada por 194 empresas dentre as 250 maiores empresas em faturamento no ano de 2011 e com indicadores completos publicados e elegíveis no guia exame 2012. Para o tratamento dos dados foi utilizado o Software SPSS® (Statistical Package for Social Sciences) versão 19.0, aplicando a técnica de regressão logística. De acordo com os resultados obtidos, pode-se concluir que existe relação entre empresas com certificações socioambientais quando comparado com empresas com certificação de qualidade, por meio de análise utilizando indicadores de desempenho organizacional. Isso pode sugerir que os investimentos das empresas realizados nas dimensões social, ambiental e econômica, segundo a visão Triple-Bottom Line, são um indício de comprometimento real com a sustentabilidade. Quanto às variáveis utilizadas, o indicador de liquidez corrente é a melhor proxy para explicar essa relação, ou seja, os resultados sugerem que empresas certificadas em sistemas de gestão integrada e com investimentos socioambientais, podem ser comparadas por meio dos indicadores definidos pelo modelo com o intuito de melhorar o desempenho do negócio.

 


Palavras-chave


Regressão Logística; Sustentabilidade; Desempenho; Sistemas Integrados de Gestão; Certificações Socioambientais.

Referências


Afgan, N. H., & Carvalho, M. G. (2004). Sustainability assessment of hydrogen energy systems. International Journal of Hydrogen Energy, 29, 1327- 1342.

Altenfelder, R. (2004). Desenvolvimento sustentável. Gazeta Mercantil, São Paulo, A3, 6.

Araújo, G. C., & Bueno, M. P. (2008). Um estudo sobre a sustentabilidade empresarial na agroindústria frigorífica. Revistas Gerenciais, 7(2), 147-154.

Araújo, G. C., & Mendonça, P. S. M. (2009). Análise do processo de implantação das normas de sustentabilidade empresarial. RAM – Revista de Administração Mackenzie, 10(2), 31-56.

Avila, G. J., & Paiva, E. L. (2006). Processos operacionais e resultados de empresas brasileiras após a certificação ambiental ISO 14001. Gestão & Produção, 13(3), 475-487.

Bansal, P. (2005). Evolving sustainability: A longitudinal study of corporate sustainable development, Strategic Management Journal, 26, 197-218.

Berns, M., Townend, A., Khayat, Z., Balagopal, B., Reeves, M., Hopkins, M. S. & Kruschwitz, N. (2009). Sustainability and competitive advantage. MIT Sloan Management Review, 51(1), 19–2.

Borella, I. L., & Naime, R. (2010). Implantação de sistemas integrados de gestão. INGEPRO – Inovação, Gestão e Produção, 2(11), 96-103.

Brendler, E., & Brandli, L.L. (2011). Integração do sistema de gestão ambiental no sistema de gestão de qualidade em uma indústria de confecções. Gestão & Produção, 18(1), 27-40.

Campos, F. G. B. & Ramos, H. R. (2014). Aplicação do Modelo Triple Bottom Line em um Hospital Público. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - GeAS, 3(1), 124-138.

Carvalho, P.R.S., & Maccariello, F.M. (2003). Certificação de sistema de gestão integrado: qualidade e meio ambiente de unidades de negócios com apoio de unidades corporativas: uma experiência integrada. Recuperado em 17 dezembro, 2014, de .

Carvalho, M. M., & Rabechini Jr. R. (2011). Fundamentos em Gestão de Projetos: Construindo competências para gerenciar projetos: teoria e casos. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 422p.

Carvalho, O., & Viana, O. (1998). Ecodesenvolvimento e equilíbrio ecológico: algumas considerações sobre o Estado do Ceará. Revista Econômica do Nordeste, 29(2), 129-141.

Cerqueira, J. P. (2006). Sistemas de gestão integrados: ISO 9001, ISO 14001, OHSAS 18001, SA 8000, NBR 16001 conceitos e aplicações. Rio de Janeiro, RJ: Editora Qualitymark,

Chiang, S.Y., Wei, C.C., Chiang, T.H., & Chen W.L (2011). How can electronics industries become green manufacturers in Taiwan and Japan. Clean Technologies and Environmental Policy, 13(1), 37–47.

Comoglio, C., & Botta, S. (2012). The use of indicators and the role of environmental management systems for environmental performances improvement: a survey on ISO 14001 certified companies in the automotive sector. Journal of Cleaner Production, 20(1), 92–102.

Coral, E. (2002). Modelo de planejamento estratégico para a sustentabilidade empresarial. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil, 282 f.

Davenport, T. H. (1998). Putting the enterprise into the enterprise system. Harvard Bussiness Review, 121-131, Jul./Aug.

Dias, R. (2009). Marketing Ambiental: ética, responsabilidade social e competitividade nos negócios, 1 ed. São Paulo, Altas.

Elkington, J. (1998). Canibals with forks: the triple bottom line of 21st century business. Canadá: New Society Publishers.

EXAME. (2012). Melhores e Maiores 2011. Recuperado em 29 setembro, 2012, de http://exame.abril.com.br/negocios/melhores-e-maiores/empresas/maiores/1/2011.

EXAME. (2014). Recuperado em 17 dezembro, 2014, de http://exame.abril.com.br/negocios/melhores-e-maiores/leia-antes/2014/.

Franceschini, F., Galleto, M., & Cecconi, P.A. (2006). Worldwide analysis of ISO 9000 standard diffusion, considerations and future development. Benchmarking: An International Journal, 13(4), 523-541.

Fresner, J., & Engelhardt, G. (2004). Experiences with integrated management systems for two small companies in Austria. Journal of Cleaner Production, 12, 623-631.

González, P., Sarkis, J., & Adenso-Díaz, B. (2008). Environmental management system certification and its influence on corporate practices. International Journal of Operations & Production Management, 28(11), 1021-1041. http://dx.doi.org/10.1108/01443570810910179.

Grael, F.F., & Oliveira, O.J. (2010). Sistemas certificáveis de gestão ambiental e da qualidade: práticas para integração em empresas do setor moveleiro. Produção, 20(1), 30-41

Griffith, A. (2000). Integrated management systems: a single management system solution for Project control? Engineering, Construction and Architectural Management, 7(3), 232-240.

Guimarães, L. T., & Magrini, A. (2008). A proposal of indicators for sustainable development in the management of river Basins. Water Resource Management, 22, 1191-1202.

Hair, J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (2005). Análise Multivariada de Dados. 5. ed. Editora Bookman. Porto Alegre.

Hair, J. F., Gabriel, M. L. D. S. & Patel, V. K. (2014). Modelagem de Equações Estruturais Baseada em Covariância (CB-SEM) com o AMOS: Orientações sobre a sua aplicação como uma Ferramenta de Pesquisa de Marketing. Revista ReMark,13(2), 44-55.

Hipkins, M. S. (2009). What executives don’t get about sustainability (and further notes on the profit motive). MIT Sloan Management Review, 51(1), 35-40.

Inmetro. (2012a). Empresas Certificadas ISO14001. Recuperado em 22 setembro, 2012, de http://www.inmetro.gov.br/legislacao/.pdf.

Inmetro. (2012b). Empresas Certificadas ISO9001. Recuperado em 22 setembro, 2012, de http://www.inmetro.gov.br/legislacao/.pdf.

Inmetro. (2012c). Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social. Recuperado em 01 outubro, 2012, de http://www.inmetro.gov.br/legislacao/rtac/pdf/RTAC001496.pdf.

Jacobs, B.W., Singhal, V.R., & Subramanian, R. (2010). An empirical investigation of environmental performance and the market value of the firm. Journal of Operations Management, 28(5), 430–441.

Johnson, R. A., & Wichern, D. W. (1998). Applied multivariate statistical analysis. Fourth Edition. New Jersey. Printice Hall.

Julião, A. M. (2010). Modelo para implantação de Sistema de Gestão Integrado (ISO 22000, ISO 14001, OHSAS 18001, SA 8000) em entreposto de pescado. Tese de Doutorado, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Karapetrovic, S., & Willborn, W. (1998). Integration of quality and environmental management systems. The TQM Magazine, 10(3), 204-213.

Kinlaw, D. C. (1997). Empresa competitiva e ecológica: estratégias e ferramentas para uma administração consciente, responsável e lucrativa. São Paulo: Makron Books.

Lebas, M.J. (1995). Performance measurement and performance management. International Journal of Production Economics, 41(1-3), 23-35.

Leipziger, D. (2003). SA 8000: o guia definitivo para a norma social. Rio de Janeiro: Qualitymark, 224 p.

Librelotto, L. I., & Ferroli, P. C. M. (2007). A sustentabilidade (Tríade ESA - econômica, social e ambiental) como requisito em métodos e ferramentas projetuais para design. Anais do Simpósio de Engenharia de Produção, Bauru, SP, Brasil, 14.

Maekawa, R., Carvalho, M.M., & Oliveira, O. J. (2013). Um estudo sobre a certificação ISO 9001 no Brasil: mapeamento de motivações, benefícios e dificuldades. Gestão & Produção, 20(4), 763-779.

Machado, M.A.V., Macedo, M.A.S., Machado, M.R., & Siqueira, J.R.M. (2012). Análise da relação entre investimentos socioambientais E a inclusão de empresas no índice de sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa. Revista de Ciências da Administração, 14(32), 141-156.

Martens, M.L., Brones, F. & Carvalho, M.M. (2013). Lacunas e tendências na literatura de sustentabilidade no gerenciamento de projetos: uma revisão sistemática mesclando bibliometria e análise de conteúdo. Revista de Gestão e Projetos, 4(1), 165-195.

Martinhão Filho, O., & Souza, L. G.M. (2006). Sistema integrado de gestão: um estudo de caso sobre as restrições e os benefícios identificados numa empresa automotiva. Anais do Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Martins, G. (2002). Manual para elaboração de monografias e dissertações. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Meadows, D. (2008). Inovações sociais e técnicos para o desenvolvimento sustentável. Conferência internacional de sustentabilidade. Suíça: Basileia.

Melnyk, S.A., Sroufe, R.P., Calantone, R. (2003). Assessing the impact of environmental management systems on corporate and environmental performance. Journal of Operations Management, 21(3), 329-351.

Mohammad, M., Osman, M.R.; Yusuff, R.M.; Ismail, N.S. (2006). Strategies and critical success factors for integrated management systems implementation. In: Conference on computers and industrial engineering, 35(2006), 1391-1396.

Neely, A., Gregory, M., & Platts, K. (1995). Performance measurement system design - A literature review and research agenda. International Journal of Operations & Production Management, 15(4), 80-116.

Oliveira Filho, J.E. (2004). Gestão ambiental e sustentabilidade: um novo paradigma eco-econômico para as organizações modernas. Domus on line: Revista de Teoria Política, Social e Cidadania, 1(1), 124-126.

Oliveira, G.T., & Martins, R.A. (2008). Efeitos da adoção do modelo do Prêmio Nacional da Qualidade na medição de desempenho: estudos de caso em empresas ganhadoras do prêmio. Gestão & Produção, 15(2), 247-259.

Oliver, J., & Qu, W. (1999). Cost of quality reporting: some Australian evidence. Journal of Applied Quality Management, 2(2), 233-250.

Paulraj, A., & Jong, P. (2011). The effect of ISO 14001 certification announcements on stock performance. International Journal of Operations & Production Management, 31(7), 765–788.

Pombo, F.R., & Magrini, A. (2008). Panorama de aplicação da norma ISO 14001 no Brasil. Gestão & Produção, 15(1), 1-10. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2008000100002

Porter, M., & Van Der Linde, C. (1995). Green and competitive: ending the stalemate. Harvard Business Review, 73(5), 120–134.

Santos, C.F.S.O., & Silva, M.E. (2011). Abordando estrategicamente a responsabilidade socioambiental empresarial: uma perspectiva operacional por meio do sistema de gestão integrado. Anais do XIV SIMPOI, São Paulo, SP.

Schlör, H., Fischer, W., & Hake, J. F. (2013). Methods of measuring sustainable development of the German energy sector. Applied Energy, 101, 172-181

Sharma, S. (1996). Applied Multivariate Techniques, Wiley, New York.

Shenhar, A., & Dvir, D. (2007). Reinventing project management: the diamond approach to successful growth and innovation. Harvard Business School Press.

Souza, E.C. (2006). Análise de influência local no modelo de regressão logística. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado em 29 setembro, 2012, de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11134/tde-12042006-143935/pt-br.php

Valls, V.M. (2005). Gestão da Qualidade em serviço de informação no Brasil: estabelecimento de um modelo de referência baseado nas diretrizes da NBR ISO 9001. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, 247f.

Walter, S.A., Gomes, L., Frega, J.R., Tontini, G., & Silva, W.V. (2008). Lealdade de Estudantes de uma Instituição de Ensino Superior: um Modelo de Regressão Logística para um Curso de Administração. In: III Encontro de Marketing da Anpad, Curitiba, Paraná.

WCED. (1987). World Comission on Environment and Development. Our Common Future. Oxford University Press. Oxford. England.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional