A Qualidade do Capital Social com Stakeholders: Fator de Desenvolvimento Espúrio ou Sustentável

Paulo Thiago Nunes Bezerra de Melo, Hans Michael van Bellen, Elise Soerger Zaro

Resumo


A discussão deste ensaio tem o objetivo de apresentar proposições sobre a avaliação da qualidade do capital social constituído entre organizações e seus stakeholders como um fator de desenvolvimento regional. O capital social é o conjunto de ativos relacionais que podem afetar a capacidade produtiva de uma entidade social, possuindo as dimensões estrutural, relacional e cognitiva, que são inter-relacionadas. As relações que uma organização estabelece com seus stakeholders constituem um capital social, cuja qualidade se refere ao potencial de desenvolvimento que elas promovem em uma região. O desenvolvimento de uma região é qualificado de acordo com a lógica predominante das ações realizadas pelas organizações locais, que resultam em um desenvolvimento espúrio ou sustentável. Este estudo apresenta três proposições. A primeira delas afirma que a qualidade do capital social nas relações entre gestores e stakeholders é revelada nas dimensões relacional e cognitiva. As demais proposições afirmam que as relações entre organizações e stakeholders constituem um capital social que promove um desenvolvimento espúrio ou sustentável.

 


Palavras-chave


capital social, stakeholder, desenvolvimento sustentável.

Referências


Adler, P. S. & Kwon, S.-W. (2002). Social capital: prospects for a new concept. Academy of Management Review, 27(1), 17-40.

Augustin, S. & Almeida, A. (2006). Da compreensão materialista e dialética das relações ecológicas ao conceito de desenvolvimento sustentável. Desenvolvimento em Questão, 4(7), jan./jun., 73-94.

Babbie, E. (2010). The practice of social research. 12 ed. Belmont: Cengage Learning.

Ballet, J. (2005). Stakeholders et capital social. Revue française de gestion, 31(156), 77-91.

Bellen, H. M. van. (2006). Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. (2a ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Bellen, H. M. van. (2010). As dimensões do desenvolvimento: um estudo exploratório sob as perspectivas das ferramentas de avaliação. Revista de Ciências da Administração, 12(27), 143-168.

Bijl, R. (2011). Never waste a good crisis: towards social sustainable development. Social Indicators Research, 102(1), 157-168.

Burt, R. S. (1997). The contingent value of social capital. Administrative Science Quarterly, 42(2), 339-365.

Burt, R. S. (2007). Secondhand brokerage: evidence on the importance of local structure for managers, bankers, and analysts. Academy of Management Journal, 50(1), 119-148.

Chambers, S. & Kopstein, J. (2001). Bad civil society. Political Theory, 29(6), 837-865.

Coleman, J. S. (1988). Social capital in the creation of human capital. American Journal of Sociology, 94(Suppl.), S95-S120.

Cots, E. G. (2011). Stakeholder social capital: a new approach to stakeholder theory. Business Ethics: A European Review, 20(4), 328-341.

Diamond, J. (2005). Colapso. Rio de Janeiro: Record.

Donaldson, T. & Preston, L. E. (1995). The stakeholder theory of the corporation: concepts, evidence, and implications. Academy of Management Review, 20(1), 65-91.

Drummond, J. A. (2006). A primazia dos cientistas naturais na construção da agenda ambiental contemporânea. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 21(62), 5-25.

Ducci, N. P. C. & Teixeira, R. M. (2011). As redes sociais dos empreendedores na formação do capital social: um estudo de casos múltiplos em municípios do norte pioneiro no estado do Paraná. Cadernos EBAPE.BR, 9(4), 967-997.

Elkington, J. (2006). Governance for sustainability. Corporate Governance, 14(6), 522-529, November.

Freeman, R. E. (1984). Strategic management: a stakeholder approach. Boston: Pitman.

Fukuyama, F. (2000). A grande ruptura: a natureza humana e a reconstituição da ordem social. Rio de Janeiro: Rocco.

Fulkerson, G. M. & Thompson, G. H. (2008). The evolution of a contested concept: a meta-analysis of social capital definitions and trends (1988–2006).

Sociological Inquiry, 78(4), 536-557.

Furtado, C. (1980). Pequena introdução ao desenvolvimento: enfoque interdisciplinar. São Paulo: Nacional.

Haddad, P. R. (1999). A concepção de desenvolvimento regional. In P. R. Haddad (Org.). A competitividade do agronegócio e o desenvolvimento regional no Brasil: estudos de clusters. Brasília: CNPq/Embrapa, 9-22.

Helal, D. H. & Neves, J. A. B. (2007). Superando a pobreza: o papel do capital social na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Cadernos EBAPE.BR, 5(2), 1-13.

Hueting, R. & Reijnders, L. (2004). Broad sustainability contra sustainability: the proper construction of sustainability indicators. Ecological Economics, 50(3), 249-260.

Hunt, E. K. (1985). História do pensamento econômico: uma perspectiva crítica. (5a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Kates, R. W., Parris, T. M. & Leiserowitz, A. A. (2005). What is sustainable development? Goals, indicators, values, and practice. Environment: Science and Policy for Sustainable Development, 47(3), 8-21.

Keynes, J. M. (1985). A teoria geral do emprego, do juro e da moeda: inflação e deflação. (2a ed.). São Paulo: Nova Cultural.

Lachmann, L. M. (1978). Capital and its structure. (2a ed.). Kansas: Sheed Andrews and McMeel.

Leis, H. R. (2004). A modernidade insustentável: as críticas do ambientalismo à sociedade. contemporânea. Montevideo: Coscoroba.

Leukhardt, F. & Allen, S. (2013). How environmentally focused is the German sustainability strategy? A critical discussion of the indicators used to measure sustainable development in Germany. Environment, Development and Sustainability, 15(1), 149-166.

Lin, N. (1999). Building a network theory of social capital. Connections, 22(1), 28-51.

Lopolito, A., Nardone, G. & Sisto, R. (2011). Towards a comprehensive evaluation of local action groups in LEADER programmes. New Medit, 10(1), 43-49.

Maak, T. (2007). Responsible leadership, stakeholder engagement, and the emergence of social capital. Journal of Business Ethics, 74(4), 329-343.

Marx, K. (1984). O capital: crítica da economia política. Os economistas. São Paulo: Abril Cultural.

Maurer, A. M. & Silva, T. N. (2012). As micro e pequenas empresas socialmente responsáveis: Uma aproximação entre a teoria dos stakeholders e o capital social. Gestão.Org, 10(2), 369-394.

McVea, J. F. & Freeman, R. E. (2005). A names-and-faces approach to stakeholder management: how focusing on stakeholders as individuals can bring ethics and entrepreneurial strategy together. Journal of Management Inquiry, 14(1), 57-69.

Melo, P. T. N. B. (2013). Indicadores da dimensão institucional do desenvolvimento sustentável e os objetivos da Rio +20. Desenvolvimento em Questão, 11(23), 74-117.

Melo, P. T. N. B, & Régis, H. P. (2013). Classificação dos laços entre gestores e stakeholders na rede dos Pontos de Cultura no Grande Recife. Organizações & Sociedade, 20(64), 75-96.

Nahapiet, J. & Ghoshal, S. (1998). Social capital, intellectual capital, and the organizational advantage. Academy of Management Review, 23(2), 242-266.

Nohria, N. & Ghoshal, S. (1997). The differentiated network: organizing multinational corporations for value creation. San Francisco: Jossey-Bass.

North, D. C. (1990). Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge: Cambridge University.

OECD. (2009). Measuring and fostering well-being and progress: The OECD Roadmap. Busan: OECD.

Pearce, D. W. & Atkinson, G. D. (1993). Capital theory and the measurement of sustainable development: an indicator of “weak” sustainability. Ecological Economics, 8(2), 103-108.

Portes, A. (1998). Social capital: its origins and applications in modern sociology. Annual Review of Sociology, 24, 1-24.

Post, J. E., Preston, L. E. & Sachs, S. (2002). Redefining the corporation: stakeholder management and organization wealth. Stanford University Press: Stanford.

Putnam, R. D. (2000). Bowling Alone: The collapse and revival of American community. New York: Simon & Schuster.

Putnam, R. D. (2002). Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. (2a ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Rees, W. E. (1992). Ecological footprints and appropriated carrying capacity: what urban economics leaves out. Environment and Urbanization, 4(2), 121-130, October.

Régis, H. P., Dias, S. M. R. C. & Bastos, A. B. (2006, setembro). Articulando cognição, redes e capital social: um estudo entre empresários participantes de incubadoras de empresas. Anais do Encontro da ANPAD. Salvador, 30.

Rennings, K. & Wiggering, H. (1997). Steps towards indicators of sustainable development: linking economic and ecological concepts. Ecological Economics, 20(1), 25-36.

Rigo, A. S. & Oliveira, R. R. (2008). Capital social, desenvolvimento local e stakeholders: o caso do projeto Urbe do Sebrae. Cadernos EBAPE.BR, 6(2), 1-24.

Rowley, T. J. (1997). Moving beyond dyadic ties: a network theory of stakeholder influences. Academy of Management Review, 22(4), 887-910.

Russo, A. & Perrini, F. (2010). Investigating stakeholder theory and social capital: CSR in large firms and SMEs. Journal of Business Ethics, 91(2), 207-221.

Sachs, I. (1993). Estratégias de transição para o século XXI. In M. Bursztyn (Org.). Para pensar o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Brasiliense.

Sachs, I. (2001). Brasil rural: da redescoberta à invenção. Estudos Avançados, 15(43), 75-82.

Santos, G. R. (2011). Políticas públicas e expansão da agroenergia no Brasil: contradições e desafios à sustentabilidade no ambiente rural em regiões do Cerrado. Tese de doutorado em Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília.

Schumpeter, J. (1989). Teoria do desenvolvimento econômico. (Série Os Economistas). São Paulo: Abril Cultural.

Sen, A. (2000). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.

Sen, S. & Cowley, J. (2013). The relevance of stakeholder theory and social capital theory in the context of CSR in SMEs: An Australian perspective. Journal of Business Ethics, 118(2), 413-427, December.

Serafim, M. C. & Andion, C. (2010). Capital espiritual e as relações econômicas: empreendedorismo em organizações religiosas. Cadernos EBAPE.BR, 8(3), 564-579.

Siedenberg, D. R. (2003). Indicadores de desenvolvimento socioeconômico: uma síntese. Desenvolvimento em Questão, 1(1), jan./jun., 45-71.

Souza, N. J. (1999). Desenvolvimento econômico. (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Spangenberg, J. H. (2002). Institutional sustainability indicators: an analysis of the institutions in Agenda 21 and a draft set of indicators for monitoring their effectivity. Sustainable Development, 10(2), 103-115.

Stallivieri, F., Britto, J., Campos, R. & Vargas, M. (2010). Padrões de aprendizagem, cooperação e inovação em aglomerações produtivas no brasil: uma análise multivariada exploratória. Revista Economia, 11(1), 125-154.

Stiglitz, J., Sen, A. & Fitoussi, J. P. (2009). Report by the commission on the measurement of economic performance and social progress. Paris: Insee Institut national de la statistique et des études économiques. Retrieved from: http://www.insee.fr. Acesso em: 30 de janeiro, 2012.

Sutton, R. I. & Staw, B. (2003). Desenvolvimento de teoria. O que não é teoria. Revista de Administração de Empresas, 43(3), 74-84.

Tsai, W. & Ghoshal, S. (1998). Social capital and value creation: the role of intrafirm networks. The Academy of Management Journal, 41(4), 464-476.

United Nations. (1987). Report of the World Commission on Environment and Development: Our Common Future. United Nations.

United Nations. (1992). Agenda 21. Retrieved from: http://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/Agenda21.pdf. Acesso em: 11 de março, 2013.

United Nations. (2001). Indicators of sustainable development: guidelines and methodologies. New York, USA. Retrieved from: http://www.un.org/esa/sustdev/publications/indisd-mg2001.pdf. Acesso em: 30 de janeiro, 2012.

Veiga, J. E. (2007). A emergência socioambiental. São Paulo: Senac.

Viola, E. (1996). A multidimensionalidade da globalização, as novas forças sociais transnacionais e seu impacto na política ambiental do Brasil, 1989-1995. In L. Costa, & E. Viola (orgs.). Incertezas de sustentabilidade na globalização. Campinas: UNICAMP.

Whetten, D. A. (2003). Desenvolvimento de teoria. O que constitui uma contribuição teórica?. Revista de Administração de Empresas, 43(3), 69-73.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional