A DISSEMINAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS BASEADAS NO BALANCED SCORECARD: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS

Maria do Carmo Assis Todorov, Cibele Barsalini Martins, Sergio Bomfim Martins, Márcia Cristina Zago Novaretti

Resumo


O balanced scorecard (BSC) é uma ferramenta de medição de desempenho, desenvolvida por Norton e Kaplan (1997). Segundo Wu e Chen (2012), Zangoueinezhad e Moshabaki, (2011) e Galas e Forte (2005), o BSC é um método inovador de avaliação de desempenho empresarial, mas a disseminação de seus conceitos e indicadores para todos os níveis hierárquicos da organização, segundo Kaplan e Norton (1999), é um dos fatores críticos na sua implantação. Dentro desse contexto, esta pesquisa teve como objetivo analisar como ocorre a disseminação das estratégias corporativas baseadas no BSC por meio de um estudo de caso em uma empresa de prestação de serviços ambientais. Como resultado, destaca-se que a empresa estudada dissemina as estratégias corporativas por meio de um método organizacional inovador, o Prêmio de Excelência em Gestão, levando em conta as três dimensões da sustentabilidade (econômica, social e ambiental).

Palavras-chave


Estratégia Corporativa, Balanced Scorecard, Inovação e Sustentabilidade.

Referências


Amaral, S. P. (2005). Sustentabilidade ambiental, social e econômica nas empresas: como entender, medir e relatar. São Paulo: Tocalino.

André, M. E. D. A. (1984). Estudo de caso: seu potencial na educação. Campinas: Cadernos de Pesquisa, (49): 51-54.

Andrews, R., Boyne, G. A., Law, J., & Walker, R. M. (2011). Strategy implementation and public service performance. Administration & Society, 43(6), 643-671.

Barbieri, J. C.; Vasconcelos, I. F. G.; Andreassi, T. & Vasconcelos, F. C. (2010). Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições. Revista de Administração de Empresas – ERA. 50(2), (abril-junho), 146-154.

Bitó, J. & Czerny, J. (2010). A Balanced ScoreCard Alkalmazása Egy Termelő Vállalat Létesítményga Dálkodási Funkciójára. Turquia: Management Review, 41(1), 57-64.

Butler, J. B., Henderson, S. C., & Raiborn, C. (2011). Sustainability and the Balanced Scorecard. Management Accounting Quarterly, 12(2), 1-10.

Carvalho, M. M. (2009). Inovação – Estratégias e Comunidades de Conhecimento. São Paulo: Atlas.

Dormann, J. & Holliday, C. (July, 2002). Innovation, technology, sustainability and society. World Business Council for Sustainable Development. Retrieved from: http://www.bvsde.paho.org/bvsacd/cd30/society.Acesso em 2 novembro, 2012.

Elkington, J. (1999). Cannibals with forks. Canada: New Society.

Hart, S.L.; Milstein; M.B. (2004). Criando valor sustentável. RAE Executivo, 3 (2), 66-79.

Figge, F.; Hahn,T.; Schaltegger, S. & Wagner, M. (2002). The sustainability balanced scorecard – linking sustainability management to business strategy. Business Strategy and the Environment 11, 269–284.

Galas, E. & Forte, S. H. A. C. (2005). Fatores que interferem na implantação de um modelo de gestão estratégica baseado no balanced scorecard: estudo de caso em uma instituição pública. Revista de Administração Mackenzie. Ano 6, n. 2, pp. 87-111.

Galas, E. S. & Ponte, V. M. R. O (2006) Balanced scorecard e o alinhamento estratégico da tecnologia da informação: um estudo de casos múltiplos. Revista Contabilidade & Finanças - USP, n. 40, janeiro-abril, 2006). pp. 37-51.

Gil, A. C. (2006). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Goldszmidt, R. G. B. (2003). Uma revisão de literatura dos fatores críticos para a implementação e uso do balanced sorecard. In: Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, 27, São Paulo. Anais... São Paulo: Anpad. Estudos Organizacionais.

Hamel, G. & Prahalad, C.K. (1995). Competindo pelo futuro. Rio de Janeiro: Campus.

Hahn, W. & Powers, T.L. (2010). Strategic plan quality, implementation capability, and firm performance. Academy of Strategic Management Journal, 9(1), 63-81.

Herrero, E., Fº (2005). Balanced scorecard e a gestão estratégica: uma abordagem prática. Rio de Janeiro: Elsevier.

Kaplan, R. S. & Norton, D. P. (1997). A estratégia em ação. Rio de Janeiro: Campus.

_____. (1999). Building a strategy-focused organization. Balanced Scorecard Report, 1(1), set./out. 1999, 1-6.

_____. (2001). Organização Orientada para a estratégia. Rio de Janeiro: Campus.

_____. (2008). A execução premium. Rio de Janeiro: Campus.

Leal, C. E. (2009). A era das organizações sustentáveis. Revista Eletrônica Novo Enfoque da Universidade Castelo Branco, vol.8, n. 8, pp.1-12.

Menezes, U. G.; & Gomes, C. M. (2012). Práticas de inovação tecnológica orientadas para o desenvolvimento sustentável e seus impactos na performance empresarial. Espacios. 33 (9).

Mintzberg, H. (1986). Trabalho do executivo: o folclore e o fato. In Coleção Harvard de Administração. São Paulo: Nova Cultural, n.3, 5-57.

_____. (1998). A criação artesanal da estratégia. Rio de Janeiro: Campus.

_____. (2004). Ascensão e queda do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman.

OECD (1997). The Oslo Manual: the measurement of scientific and technical activities. Paris: OECD, Eurostat.

Porter, M. E. (novembro-dezembro, 1996). O que é estratégia? Harvard Business Review. 74(6), 61-78.

_____. (1999). Competição: estratégias competitivas essenciais (7a ed.), Rio de Janeiro: Campus.

Scharf, R. (2004). Manual de negócios sustentáveis. São Paulo: Amigos da Terra.

Silva, G. M., Borges, R. F., & Moraes, J. P. M. (2013). A importância do planejamento estratégico para pequenas empresas. Administra-Ação, (4), 01-21.

Silva, A. L., & Abbad, G. S. (2011). Benefícios e limitações do balanced scorecard para avaliação de resultados organizacionais em treinamento, desenvolvimento e educação. Revista Ibero-Americana de Estratégia. eISSN: 2176-0756, 10(1), 04-28.

Vieira, R. T., & Petri, S. M. (2014). A Contribuição do balanced scorecard na gestão estratégica de um escritório de contabilidade. Pensar Contábil, 16 (60), 4-13.

WCED (1987). Our common future: the Brundtland Report. Oxford: Oxford University Press.

Wu, S. I., & Chen, J. H. (2012). The performance evaluation and comparison based on enterprises passed or not passed with ISO accreditation: an appliance of BSC and ABC methods. International Journal of Quality & Reliability Management, 29(3), 295-319.

Yin, R. K. (1994). Case study research: design and methods. Thousand Oaks: Sage.

_____. (2005). Estudo de caso – planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Zangoueinezhad, A., & Moshabaki, A. (2011). Measuring university performance using a knowledge-based balanced scorecard. International Journal of Productivity and Performance Management, 60(8), 824-843.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000