Entraves e perspectivas para a logística reversa do óleo lubrificante e suas embalagens

Adriano Monteiro da Silva, Fernanda Rosalina da Silva Meireles, Sílvia Maria Dias Pedro Rebouças, Mônica Cavalcanti Sá de Abreu

Resumo


Este trabalho consiste em examinar a relação entre os comportamentos ambientalmente responsáveis e a percepção de educação ambiental de alunos e servidores de uma instituição pública federal de ensino, por meio de um questionário eletrônico aplicado aos alunos e servidores da instituição. A análise dos dados foi realizada por meio de estatística descritiva, análise fatorial exploratória e confirmatória, testes t para amostras independentes e análises de variância. Esses resultados contribuem para entender o comportamento dito como ambientalmente responsável dos indivíduos de uma instituição pública federal de ensino frente à percepção que têm da educação ambiental. Os resultados da pesquisa apontam uma influência significativa da faixa etária, do gênero e da renda bruta familiar sobre o comportamento ecológico dos indivíduos do IFCE. A partir dos resultados apresentados nesta pesquisa, pode-se traçar estratégias para o ensino, pesquisa, extensão, capacitação e conscientização dos futuros técnicos, bacharéis, tecnólogos e demais envolvidos no tema da problemática ambiental. Assim, este estudo contribui com a instituição pesquisada, uma vez que, a partir dele, podem ser traçadas metas e estratégias para a capacitação em educação e gestão ambiental, valorizando temas que abordem a gestão de resíduos, licitações sustentáveis, qualidade de vida no trabalho, sensibilização dos alunos, capacitação dos servidores e uso racional dos recursos. Contribui, ainda, para identificar quais são os comportamentos ambientalmente responsáveis em uma instituição de ensino.


Palavras-chave


Educação Ambiental, Comportamentos Ambientalmente Responsáveis, Análise Fatorial.

Referências


Aguilar-Luzón, M. del C.; García-Martinéz, J. M. A.; Monteoliva-Sánchez, A. & Lecea, J. M. S. M. (2006). El modelo del valor, las normas y las creencias hacia el medio ambiente en la predicción de la conducta ecológica. Medio Ambiente y Comportamiento Humano, 7(2), 21-44. Retrieved from: . Acesso em: 25 mar. 2013.

Almeida, F. J. R. & Sobral, F. J. B. A. (2009). O sistema de valores humanos de administradores brasileiros: adaptação da escala PVQ para o estudo de valores no Brasil. Ram, Rev. Adm. Mackenzie, 10(3). http://dx.doi.org/10.1590/S1678-69712009000300007.

Aydin, F. & Çepni, O. (2010). University students’ attitudes towards environmental problems: A case study from Turkey. International Journal of the Physical Sciences, 5(17), 2715-2720.

Barbieri, J. C. (2007). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos (2a ed.). São Paulo: Saraiva.

Beck, C. G. & Pereira, R. C. F. (2012). Preocupação ambiental e consumo consciente: os meus, os seus e os nossos interesses. Revista GeAS, 1(2), 53-79.

Belgrado. Carta de Belgrado: uma estrutura global para educação ambiental, 1975. Retrieved from: . Acesso em: 20 set. 2012.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988, atualizada até a Emenda Constitucional nº 57, de 18 de dezembro de 2008 (42a ed.). São Paulo: Saraiva, 2009.

______. (1999). Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999. Institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Diário Oficial da União, Brasília, seção 1, p. 1-4.

______. (2006). Decreto n. 5.940, de 25 de outubro de 2006. Institui a separação dos resíduos recicláveis descartados pelos órgãos e entidades da administração pública federal direta e indireta. Diário Oficial da União, Brasília, seção 1, p. 4.

______. (2012). Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Diário Oficial da União, Brasília, seção 1, p. 70.

Calder, W. & Clugston, R. M. (2003). Progress toward sustainability in higher education. Environmental Law Institute: News & Analysis, 33(1), 10003-10022.

Coelho, J. A. P. de M.; Gouveia, V. V. & Milfont, T. L. (2006). Valores humanos como explicadores de atitudes ambientais e intenção de comportamento pró-ambiental. Psicologia em Estudo, 11(1), 199-207. Maringá. Retrieved from: . Acesso em: 05 mar. 2013.

CMMAD – Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1991). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Corral-Verdugo, V. (2002). A structural model of proenvironmental competency. Environment and Behavior, 34(4), 531-549.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: método qualitativo, quantitativo e misto (3a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Deheinzelin, L. (2012). Desejável mundo novo [livro eletrônico]: vida sustentável, diversa e criativa em 2042 (1a ed.). São Paulo: Ed. do Autor. Retrieved from: . Acesso em: 26 fev. 2013.

Di Ciommo, R. C. (2003). Relações de gênero, meio ambiente e a teoria da complexidade. Rev. Estud. Fem., 11(2), 423-44.

Fransson, N. & Gärling, T. (1999). Environmental concern: Conceptual definitions, measurement methods, and research findings. Journal of Environmental Psychology, 19(4), 369-382.

Hair, J. F.; Tatham, R. L.; Anderson, R. E. & Black, W. (2009). Análise multivariada de dados (6a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hines, J. M.; Hungerford, H. R. & Tomera, A. N. (1987). Analysis and synthesis of research on responsible environmental behavior: A meta-analysis. The Journal of Environmental Education, 18(2), 1-8.

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) (2012). Anuário Estatístico 2012: ano base 2011. Retrieved from: . Acesso em 26 fev. 2013.

Jacobi, P. R.; Raufflet, E. & Arruda, M. P. (2011). Educação para a sustentabilidade nos cursos de administração: reflexão sobre paradigmas e práticas. Revista de Administração Mackenzie, 12(3), Edição Especial.

Kaiser, F. G. (1998). A general measure of ecological behavior. Journal of Applied Social Psychology, 28(5), 395-422.

Karp, D. G. (1996). Values and their effect on pro-environmental Behavior. Environment and Behavior, 28(1), 111-133.

Miranda, N. A.; Silva, D.; Simon, F. O. & Veraszto, E. V. (2006). Educação ambiental na óptica discente: análise de um pré-teste. In: Anais do SEGET, Resende, RJ, Brasil, 3.

Moseley, C. (2000). Teaching for enviromental literacy. The Clearing House, 74(1), 23-25.

Murray, P. E. & Murray, S. A. (2007). Promoting sustainability values within career-oriented degree programs: A case study analysis. International Journal of Sustainability in Higher Education, 8(3), 285-30.

Nascimento, L. F. (2008). O insustentável sustentável. In: Anais do Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 32.

Oliveira, J. A. P. (2008). Empresas na sociedade: sustentabilidade e responsabilidade social. Rio de Janeiro: Campus.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) (2013). Educação Ambiental no Brasil. Retrieved from: . Acesso em: 26 fev. 2013.

Oskamp, S. (2000). A sustainable future for humanity? How can psychology help? American Psychologist, 55(5), 496-508.

Pato-Oliveira, C. & Tamayo, A. (2006). A escala de comportamento ecológico: desenvolvimento e validação de um instrumento de medida. Estudos de Psicologia, 11(3), 289-296.

Pinheiro, L. V. S. (2011). Conduta ecológica dos futuros gestores: um diagnóstico da preocupação com o meio ambiente. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil. Retrieved from: . Acesso em: 15 ago. 2013.

Pinheiro, L. V. S.; Monteiro, D. L. C.; Guerra, D. S. & Peñaloza, V. (2011). Transformando o discurso em prática: uma análise dos motivos e das preocupações que influenciam o comportamento pró-ambiental. Revista de Administração Mackenzie, 12(3), Edição Especial.

Sahin, E.; Ertepinar, H. & Teksoz, G. (2012). University students’ behaviors pertaining to sustainability: a structural equation model with sustainability-related atributes. International Journal of Environmental & Science Education, 7(3), 459-478.

Sarkar, M. (2011). Secondary students’ environmental attitudes: the case of environmental education in Bangladesh. International Journal of Academic Research in Business and Social Sciences, 1, 106-116.

Schultz, P. W. & Zelezny, L. (1999). Values as predictors of environmental attitudes: evidence for consistency across 14 countries. Journal of Environmental Psychology, 19, 255-265.

SIAPE. (2012). Sistema Integrado de Administração de Pessoal. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), na área federal.

Silva, A. M.; Meireles, F. R. S, & Abreu, M. C. S. (2013). Educação ambiental em uma instituição de ensino: motivações, contribuições e dificuldades. In: Anais do ENGEMA, São Paulo, SP, Brasil, 15. Retrieved from: . Acesso em: 03 fev. 2014.

________.(2014). Educação ambiental e sua relação com atitudes, valores e comportamentos ecológicos dos indivíduos de uma instituição pública federal de ensino. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Stern, P. C. (2000). New environmental theories: toward a coherent theory of environmentally significant behavior. Journal of Social Issues, 56(3), 407-424.

__________. & Dietz, T. (1994). The value basis of environmental concern. Journal of Social Issues, 50(3), 65-84.

Tauchen, J. & Brandli, L. L. (2006). A gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário. Gestão & Produção, 13(3), 503-515.

UNEP. (1977). Intergovernmental Conference on Environmental Education. Organized by Unesco in co-operation with UNEP. Tbilisi (USSR) 14 - 26 OUT. 1977. Retrieved from: . Acesso em: 15 out. 2012.

Vergara, S. C. (2010). Projetos e relatórios de pesquisa em administração (12ª ed.). São Paulo: Atlas.

Wallis, R. L. & Douglas, L. (2007). Changes in attitudes to nature in university students. The Asian Journal of Biology Education, 3, 3-10.

Zelezny, L. C. & Schultz, P. W. (2000). Promoting environmentalism. Journal of Social Issues, 56(3), 365-372.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional