Comparação entre as Massas de Resíduos Sólidos Urbanos Coletadas na Cidade de São Paulo por Meio de Coleta Seletiva e Domiciliar

João Alexandre Paschoalin Filho, Franciene Freitas Silveira, Eliana Gonçalves da Luz, Ronaldo Barbato de Oliveira

Resumo


 

A problemática dos resíduos sólidos urbanos exige ações efetivas para mitigar seus impactos ambientais. Para isso, devem ser aplicadas ações que promovam práticas de sustentabilidade em seu gerenciamento, envolvendo a participação do setor público, privado e da população, tal como já ressaltado na Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), publicada em 2010. Ações como a coleta seletiva e a reciclagem, quando devidamente integradas, proporcionam significativos benefícios, como a redução dos volumes destinados para aterros, redução de áreas de deposição irregular, valoração e reinserção dos resíduos na cadeia produtiva, redução da necessidade de utilização de recursos naturais etc. Contudo, apesar da importância da adoção dessas ações, algumas municipalidades não apresentam políticas efetivas referentes à coleta seletiva e reciclagem, mesmo após a publicação da PNRS. Este trabalho apresenta o acompanhamento mensal realizado em 2013 das massas de resíduos sólidos urbanos encaminhadas para estações de triagem localizadas na cidade de São Paulo, buscando comparar os montantes advindos de coleta domiciliar convencional e aqueles provenientes de coleta seletiva. Os resultados obtidos indicam uma grande disparidade das massas auferidas, sendo a massa proveniente de coleta seletiva correspondente a apenas 1,9% do coletado, ou seja, valor ínfimo em relação ao montante total. Salienta-se que a coleta seletiva é de grande importância para a implementação de ações efetivas de reciclagem, proporcionando ganhos econômicos, sociais e ambientais.


Palavras-chave


Resíduos Sólidos Urbanos, Sustentabilidade, Reciclagem.

Referências


ABRELPE – Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (2007). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2007. São Paulo.

__________(2008). Panorama dos Resíduos sólidos no Brasil 2008. São Paulo.

__________(2009). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2009. São Paulo.

__________(2010). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2010. São Paulo.

__________ (2011). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2011. São Paulo.

__________ (2013). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2013. São Paulo.

Agostinho, F.; Almeida, C. M. V. B.; Bonilla, S. H.; Sacomano, J. B. & Gianetti, B. F. (2013). Urban solid waste plant treatment in Brazil: Is there a net emergy yield on the recovered materials? Resources, Conservation and Recycling, 73(7), 143-155.

AMLURB – Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (2014). Planilha Eletrônica: 8935_063452051_SJ2502_8934_ Total de RSU coletado no ano de 2013. São Paulo. SP.

Brasil (2010). Lei nº 12.305 de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Retrieved from: . Acesso em: abril de 2014.

Brasil (2009). Lei nº 12.187 de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional Sobre Mudança do Clima – PNMC e dá outras providências. Retrieved from:. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12187.htm Acesso em: abril de 2014.

Blumenthal, K. (2011) Generation and treatment of municipal waste. EUROSTAT – Statistics in focus, (31).

Candiani, G. & Cortez, A. T. (2013) Análise da implantação das medidas mitigadoras estabelecidas no estudo de impacto ambiental da central de tratamento de resíduos - Caieiras - São Paulo. Boletim de Geografia - UEM, 31(2), 16.

CEMPRE – Compromisso Empresarial para a Reciclagem (2013). Cempre Review. São Paulo, 24p.

Coelho, A. & Brito, J (2013). Economic viability analysis of a construction and demolition waste recycling plant in Portugal – part I: location, materials, technology and economic analysis. Journal of Cleaner Production, 39(4), 338-352.

Costa, L. E. B.; Costa, S. K.; Rego, N. A. C. & Silva, M. F. (2012). Gravimétrica dos resíduos sólidos urbanos domiciliares e perfil socioeconômico no município de Salinas, Minas Gerais. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, Aquidabã, 3(2), 73-90.

Duarte, E.B.L. (2013). Resistência a compressão de argamassa composta por resíduo de construção e demolição e politereftalato de etileno (PET) em flocos. Dissertação (Mestrado). Programa de Mestrado em Gestão Ambiental e Sustentabilidade. Universidade Nove de Julho, 170 p.

Demirbas, A (2011). Waste management, waste resource facilities and waste conversion process. Energy Conversion and Management, 52(2), 1280-1287, 2011.

EPA – United States Environmental Protection Agency (2010). Solid Waste and Emergency Response. Washington.

Fagundes, D. C (2009). Gerenciamento de resíduos sólidos em Tarumã e Teodoro Sampaio – SP. Revista Sociedade & Natureza, 21 (3), 159-179. Uberlândia.

Godecke, M. V.; Chaves, I. A. & Naime, R. H (2012). O consumismo e a geração de resíduos sólidos urbanos no Brasil. Santa Maria, Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 8(8), 1700-1712.

Heijden, J. V, der & Bueren, E. V (2013) Regulation sustainable construction in Europe. International Journal of Law in the Built Environmental, 5(1), 5-20.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Pesquisa nacional de saneamento básico de 2008. 2010. 219 p.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2014). Cidades. Retrieved from:. http://cod.ibge.gov.br/232IH. Acesso em junho de 2014.

Jacobi, P. R. & Besen, G. R (2006). Gestão de resíduos sólidos na região metropolitana de São Paulo: avanços e desafios. São Paulo em Perspectiva, 20(2), 90-104.

Jacobi, P. R. & Besen, G. R (2011). Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Revista Estudos Avançados. 25(71), 135-158.

Jacobi, P. R., Gunther, W. M. R. & Giatti, L. L (2012). Agenda 21 e Governança. Revista Estudos Avançados, 26(74), 331-339.

Lino, F. A. M. & Ismail, K. A. R (2011). Energy and environmental potential of solid waste in Brazil. Energy Policy, 39(6), 3496-3502.

Lino, F. A. M. & Ismail, K. A. R (2012). Analysis of the potential of municipal solid waste in Brazil. Environmental Development. 4 (2), 105-113.

Marchezetti, A.L, Kaviski, E., & Braga , M.C.B (2011). Aplicação do método AHP para a hierarquização das alternativas de tratamento de resíduos sólidos domiciliares. Revista Ambiente Construído, Porto Alegre, 11(2), 173-187.

Melo, A. B.; Gonçalves, A. F. & Martins, I. M (2009). Estudo de cenário para o gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos de Curitiba. Revista Engenharia Sanitária Ambiental, 14(4), 551-558.

Pinheiro, J. & Girard, L (2009). Metodologia para gerenciamento integrado dos resíduos sólidos da bacia da estrada Nova do município de Belém (PA). Revista Estudos Tecnológicos, São Leopoldo, 5(3), 313-331.

PMSP – Prefeitura Municipal de São Paulo (2014a). Plano de gestão integrada de resíduos sólidos. São Paulo, 456 p.

PMSP. Prefeitura Municipal de São Paulo (2014b). AMLURB – Autoridade Municipal de Limpeza Urbana. Retrieved from: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/servicos/amlurb/ecopontos/index.php?p=4626. Acesso em junho de 2014.

Rezende, J. H.; Carboni, M.; Murgel, M. A. T.; Capps, A. L. A. P.; Teixeira, H. L.; Simões, G. T. C.; Russi, R. R.; Lourenço, B. L. R. & Oliveira, C. A (2013) Composição gravimétrica e peso específico dos resíduos sólidos urbanos em Jaú (SP). Revista Engenharia Sanitária Ambiental, 18(1), 1-8.

Ribeiro, H. & Besen, G.R (2006). Panorama da coleta seletiva no Brasil: Desafios e perspectivas a partir de três estudos de caso. Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente, 2(4), 2-18.

Siqueira, M. M. & Moraes, M. S (2009). Saúde coletiva, resíduos sólidos urbanos e os catadores de lixo. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(6), 2115-2122.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional