Impacto do ICMS Ecológico nos Investimentos em Saneamento e Gestão Ambiental: Análise dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro

Simone Assis Ferreira, Márcio Marvila Pimenta, Marcelo Álvaro da Silva Macedo, José Ricardo Maia de Siqueira

Resumo


Num cenário de crescente desenvolvimento econômico-industrial, políticas públicas podem ser utilizadas para incentivar condutas ambientalmente corretas. Nesse contexto, insere-se o ICMS Ecológico, que corresponde ao repasse de percentual do ICMS arrecadado pelos estados em favor de seus municípios, conforme critérios estabelecidos em lei. Este trabalho busca avaliar a contribuição do ICMS Ecológico no âmbito do Rio de Janeiro para o desenvolvimento ambiental do estado. Para tanto, dos 92 municípios fluminenses, foram coletados dados das despesas orçamentárias de 87 (5 foram excluídos da análise em virtude da inexistência de informações em alguns períodos) nas funções saneamento e gestão ambiental do período de 2005 a 2012 e, portanto, dos 4 anos anteriores e posteriores à vigência do ICMS Ecológico (2009). A partir dos dados coletados, foi aplicado o teste de diferença de médias (Wilcoxon). A hipótese testada foi a de que a instituição do ICMS Ecológico no âmbito do estado do Rio de Janeiro gerou aumento das despesas municipais nas funções de saneamento e gestão ambiental. O resultado obtido indicou que as médias dos gastos com saneamento e gestão ambiental dos municípios antes e depois da instituição do ICMS Ecológico são, do ponto de vista estatístico, diferentes e que a instituição do benefício contribuiu para incremento de investimentos ambientais. Ademais, a média dos gastos com gestão ambiental foi a que apresentou maior aumento percentual nos períodos antes e despois do início da distribuição dos recursos do ICMS Ecológico, embora os gastos com saneamento expressem maior somatório total.

 


Palavras-chave


ICMS Ecológico, ICMS Verde, proteção ambiental, repasse de ICMS, Rio de Janeiro

Referências


Abranches, S. (2012). Rio+20 sem foco e sem consenso. Eco-política, 30. Retrieved from http://www.ecopolitica.com.br/2012/01/30/rio20-sem-foco-e-sem-consenso/. Acesso em: 18 jun. 2015.

Amado, F. A. T. (2011). Direito ambiental esquematizado. São Paulo: Método.

Bobbio, N. (2007). Da estrutura à função [Trad. Daniela Beccaccia Versiani]. São Paulo: Manole.

Brasil. (1998). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 dez. 2013.

______. (2000). Lei n.º 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm. Acesso em: 20 jan. 2014.

______. (2010). Lei n.º 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em 20 jan. 2014.

Costa, V. A. (2011) Pagamento de serviços ambientais e o princípio constitucional do desenvolvimento sustentável. Revista Brasileira de Direito Constitucional, 18, 13-21. julho/dezembro. Retrieved from http://www.esdc.com.br/RBDC/RBDC-18/RBDC-18-013-Artigo_Vanessa_Aparecida_Costa_(Pagamento_de_Servicos_Ambientais_e_o_Principio_Constitucional_do_Desenvolvimento_Sustentavel).pdf. Acesso em: 3 mar. 2014.

Dourojeanni, M. J. & Pádua, M. T. J. (2013). Arcas à deriva: unidades de conservação do Brasil. Rio de Janeiro: Technical Books, 2013.

Fávero, L. P., Belfiore, P., Silva, F. L., Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Ferreira, A. C. S. (2011). Contabilidade ambiental: uma informação para o desenvolvimento sustentável (3a. ed.). São Paulo: Atlas.

Ganem, R. S. (2012). De Estocolmo à Rio+20: avanço ou retrocesso? Cadernos Aslegis, (45), 31-62, jan/abr 2012. Retrieved from http://bd.camara.leg.br/bd/handle/bdcamara/12297. Acesso em: 18 jun. 2015.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa (5a. ed.). São Paulo: Atlas.

Gonçalves, D. B. (2005). Desenvolvimento sustentável: o desafio da presente geração. Revista Espaço Acadêmico, 51. Retrieved from http://danielbertoli.synthasite.com/resources/ textos/texto16.pdf. Acesso em: 28 abr. 2014.

Guimarães, R. E. M. (2012). Incentivos fiscais no Direito Ambiental e a efetivação do princípio do protetor-recebedor na política nacional de resíduos sólidos (Lei n.º 12.305/2010). Porto Alegre: Buqui.

Guimarães, R.; Fontoura, Y. (2012a). Desenvolvimento sustentável na Rio+20: discursos, avanços, retrocessos e novas perspectivas. Cadernos EBAPE.BR, 10(3), artigo 3. Rio de Janeiro, Set. 2012. Retrieved from http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cadernosebape/article/view/5477/4199. Acesso em: 18 jun. 2015.

Guimarães, R.; Fontoura, Y. (2012b). Rio+20 ou Rio-20? Crônica de um fracasso anunciado. Revista Ambiente & Sociedade, 15(3), São Paulo, set./dez. 2012. Retrieved from http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-753X2012000300003&script= sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 18 jun. 2015.

ICMS ECOLÓGICO. (2015). Portal eletrônico do Brasil sobre ICMS Ecológico. Desenvolvido e administrado pela The Nature Conservancy. Retrieved from http://www.icmsecologico.org.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=53&Itemid=60. . Acesso em: 15 jun. 2015.

INEA – Instituto Estadual do Ambiente. (2014). Unidades de conservação da Natureza (UCs). Retrieved from http://www.inea.rj.gov.br/Portal/Agendas/BIODIVERSIDADEEAREASPROTEGIDAS/UnidadesdeConservacao/index.htm〈=PT-BR. Acesso em 23 set. 2015.

Loureiro, W. (2002). Contribuição do ICMS Ecológico à conservação da biodiversidade no estado do Paraná. 205 f. Tese de doutorado (Pós-Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Martins, G. de A. & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Mazzochi, F. A Tributação passiva como instrumento de intervenção do estado para a preservação ambiental. Retrieved from http://www.ucs.br/ucs/tplPOSDireito/posgraduacao/strictosensu/teste/direito/dissertacoes/dissertacao?identificador=482. Acesso em 02 jan. 2014.

Medeiros, R.; Young, C. E. F.; Pavese, H. B. & Araújo, F. F. S. (2011). Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: sumário executivo. Brasília: UNEP-WCMC. Retrieved from http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/bitstream/handle/123456789/3494/Livro_Contribui%C3%A7%C3%A3o-das-unidades-de-conserva%C3%A7%C3%A3o-brasileiras-para-a-economia%20nacional_UNEP.pdf?sequence=1. Acesso em: 2 jan. 2014.

Miranda, P. R. & Santos, L. C. (2014). O ICMS Ecológico como instrumento de política ambiental para o estado de Mato Grosso. Revista Eletrônica Documento Monumento, 13(1). Retrieved from http://200.129.241.80/ndihr/revista/artigos/18.pdf. Acesso em: 9 jun. 2015.

Nadir Junior, A. M.; Salm, J. F. & Menegasso, M. E. (2007). Estratégias e ações para a implementação do ICMS ecológico por meio da co-produção do bem público. Revista de Negócios, 12 (3), 62-73. Retrieved from http://proxy.furb.br/ojs/index.php/rn/article/ view/632/558. Acesso em: 2 jan. 2014.

Nascimento, V. M.; Bellen, H. M. V.; Borgert, A. & Nascimento M. (2010). ICMS Ecológico: análise dos aspectos financeiros e de sustentabilidade nos municípios do estado do Paraná. In: XIII SEMEAD Seminários em Administração FEA/USP, São Paulo. SEMEAD.

Oliveira, E. B., Nakajima, N. Y. & Sousa, R. M. C. (2011, março). ICMS Ecológico: instrumento de gestão ambiental. Perspectiva, Erechim, 35 (129), 27-43. Retrieved from http://www.uricer.edu.br/new/site/pdfs/perspectiva/129_152.pdf. Acesso em: 10 dez. 2013.

ONU – Organização das Nações Unidas. (2009). Assembleia Geral, resolução 64/236. Implementação da Agenda 21, do Programa para o Prosseguimento da Implementação da Agenda 21 e dos resultados da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável. Retrieved from http://hotsite.mma.gov.br/rio20/wp-content/uploads/Resolu%C3%A7%C3%A3o-64-236-da-Assembl%C3%A9ia-Geral-da-ONU-traduzida.pdf. Acesso em: 17 jun. 2015.

Passos, R. M. B. & Ramalho, L. S. (2011). A eficácia do ICMS ecológico como instrumento de política ambiental e o dever do estado quanto à sua efetivação. Retrieved from http://www.procuradoria.al.gov.br/centro-de-estudos/teses/xxxv-congresso-nacional-de-procuradores-de-estado/direito-tributario/EFICACIA%20DO%20ICMS%20ECOLOGICO% 20COMO%20INSTRUMENTO%20DE%20POLITICA%20AMBIENTAL%20E%20O%20DEVER%20DO%20ESTADO%20QUANTO%20A%20SUA%20EFETIVACaO.PDF/view?searchterm= . Acesso em: 2 fev. 2014.

Rambaldi, D. M., Magnanini, A., Ilha, A., Lardosa, E., Figueiredo, P. & Oliveira, R. F. (2003). A Reserva da biosfera da Mata Atlântica no estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: CNRBMA.

Reis, J. T. R. (2011). Resumo de direito ambiental (5a. ed.). Rio de Janeiro: Impetus.

Rio de Janeiro. (1996). Lei n.º 2.664, de 04 de outubro de 1996. Dispõe sobre a distribuição aos municípios de parcela de 25% (vinte e cinco por cento) do produto da arrecadação do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação – ICMS. Rio de Janeiro. Retrieved from http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/contlei.nsf/f25edae7e64db53b032564fe005262ef/ d59484fb516c0f13032564fb005eec2f?OpenDocument. Acesso em: 20 jan. 2014.

______. (2007). Lei n.º 5.100, de 13 de setembro de 2007. Altera a Lei n.º 2.664, de 27 de dezembro de 1996, que trata da repartição aos municípios da parcela de 25% (vinte e cinco por cento) do produto da arrecadação do ICMS, incluindo o critério de conservação ambiental, e dá outras providências. Rio de Janeiro. Retrieved from http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/ CONTLEI.NSF/c8aa0900025feef6032564ec0060dfff/edd5f699377a00078325736b006d4012?OpenDocument&Highlight=0,Lei,5100. Acesso em: 20 jan. 2014.

______. (2009). Decreto n.º 41.844, de 04 de maio de 2009. Estabelece definições técnicas para alocação do percentual a ser distribuído aos municípios em função do ICMS ecológico. Retrieved from http://www.ceperj.rj.gov.br/ceep/ent/icms.html. Acesso em 23 set. 2014.

Scaff, F. F.; Tupiassu, L. V. C. (2004). Tributação e políticas públicas: o ICMS ecológico. VERBA JURIS-Anuário da Pós-Graduação em Direito, 3 (3). Retrieved from http://www.biblionline.ufpb.br/ojs/index.php/vj/article/view/14806/8368. Acesso em 15 jan. 2014.

SEA – Secretaria de Estado do Ambiente. (2015). Prefeituras que investem em meio ambiente recebem maiores repasses do Imposto sobre Circulação de Mercadorias. Retrieved from http://www.rj.gov.br/web/sea/exibeconteudo?article-id=164974. Acesso em: 15 jun. 2015.

STN – Secretaria do Tesouro Nacional. (2014). Sistema de coleta de dados contábeis. Retrieved from http://www3.tesouro.fazenda.gov.br/estados_municipios/sistn.asp. Acesso em 10 dez. 2014.

Trennepohl, T. D. (2011). Incentivos fiscais no direito ambiental (2a ed.). São Paulo: Saraiva.

Vergara, S. C. (2010). Projetos e relatórios de pesquisa em administração (12a ed.). São Paulo: Atlas.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional