Limitações na Responsabilidade Socioambiental no Agronegócio do Oeste Baiano

Joana Roberta Neiva de Souza Ramos, Florisvalda da Silva Santos, Prudente Pereira de Almeida Neto

Resumo


O presente estudo analisou as limitações de atuação responsável das associações do segmento de agronegócio do oeste da Bahia frente às problemáticas que afetam a região em suas dimensões social, ambiental e econômica. É um estudo de casos múltiplos, de natureza qualitativa, de caráter descritivo e exploratório, em que foram analisadas as limitações da atuação responsável de cada associação a partir do contraponto entre o que se tem realizado no campo das ações/ projetos, levantados por meio de entrevista semiestruturada com os gestores das associações e pesquisa documental, e os principais problemas que afetam a região em suas dimensões, identificados a partir da aplicação de questionários a agentes sociais e pesquisa documental. Os resultados evidenciam que nenhuma associação tem iniciativas que atendam aos problemas de todas as dimensões analisadas, nem as iniciativas identificadas atendem integralmente a nenhuma área de qualquer uma dessas dimensões. O conjunto das limitações em torno da atuação responsável das organizações está condicionado à forma de desenvolvimento que tem subsidiado o desempenho expressivo do setor e promovido a proliferação de uma gama de problemas socioambientais que revelam a não sustentabilidade da região ao longo do tempo.


Palavras-chave


Agronegócio, Cidadania, Desenvolvimento, Administração, Sustentabilidade.

Referências


ABAPA – Associação Baiana dos Produtores de Algodão (2013). Responsabilidade social. (Website). Barreiras. Retrieved from: . Acesso em: 22 fev. 2013.

______. (2013). Fundesis. Edital público para apresentação de projetos 01/2013. Barreiras, 2013. Retrieved from: Acesso em: 21 mar. 2013.

ACIAGRI – Associação do Comércio de Insumos Agrícolas. (2013). Quem somos. (Website). Luís Eduardo Magalhães. Retrieved from: . Acesso em 17 fev. 2013.

ACRIOESTE – Associação dos Criadores de Gado do Oeste da Bahia (2012). Institucional. (Website). Barreiras. Retrieved from: . Acesso em: 18 jul. 2012.

AIBA – Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (2012). Anuário região oeste da Bahia safra 2011/2012. Barreiras.

Aligreri, L., Aligreri, L. A. & Kruglianskas, I. (2009). Gestão socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade no negócio. São Paulo: Atlas.

Ashley, P. A. (coord.) (2005). Ética e responsabilidade social nos negócios. (2a ed.). São Paulo: Saraiva.

BACEN – Banco Central do Brasil (2012). Economia baiana: estrutura produtiva e desempenho recente. Boletim Regional do Banco Central do Brasil. 6 (3), 83-90. Brasília.

BNB – Banco do Nordeste S.A. (2001). Documento referencial do pólo de desenvolvimento integrado oeste baiano. Retrieved from:

Carroll, A. B. (1991). The pyramid of corporate social responsibility: toward the Morai management of organizational stakeholders. Business Horizons. 39-48.

Carvalho, E. R., Vian, C. E. F. & Braun, M. B. S. (2011). A inserção da responsabilidade social no setor sucroalcooleiro: motivações e benefícios do comportamento socialmente responsável no setor. Informe Gepec, 15(2), 155-190.

Collis, J. & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação (2a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Dahlsrud, A. (2006). How corporate social responsibility is defined? An analysis of 37 definitions. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 15(1), 1-13.

DERBA – Departamento de Infraestrutura de Transportes da Bahia (2005). Elaboração do projeto de macrozoneamento agroecológico do oeste baiano - Relatório final. Salvador.

Dias, R. (2012). Responsabilidade social: fundamentos e gestão. São Paulo: Atlas.

Goldstein, I. S. (2007). Responsabilidade social: das grandes corporações ao terceiro setor. São Paulo: Ática.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Censo demográfico 2010. Retrieved from: . Acesso em: 24 mai. 2013.

INGA – Instituto de Gestão das Águas e Clima do Estado da Bahia (2010). Projeto Oeste: Proteção das águas nas sub-bacias hidrográficas do rio Grande, do rio Corrente e a margem esquerda do rio Carinhanha - Tomo I Documento Diagnóstico. Salvador.

Kreitlon M. P. (2012). McMoral, iPolítica, Cidadania wireless: reflexões para o ensino e a pesquisa em RSE no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 16(2), 271-289.

Leff, E. (2006). Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Tradução: Luís Carlos Cabral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Pinto, F. R., Lemos, A. Q., Rocha, J. A. & Ferreira, J. W. C. (2010). A percepção de empresários do setor de agronegócio sobre as práticas de responsabilidade socioambiental. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 6(2), 73-96.

Santos, C. C. M. (2008). Os cerrados da Bahia sob a lógica do capital. Revista Interfaces em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, 2 (1), 76-108.

SEPLAN – Secretaria de Planejamento do Estado da Bahia (2013). Diálogos territoriais: construindo a Bahia com a voz de todos. Território Bacia do Rio Grande, Salvador.

SEPLANTEC – Secretaria do Planejamento, Ciência e Tecnologia do Estado da Bahia. (1997). Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR). Programa de Desenvolvimento Regional Sustentável - PDRS: Oeste da Bahia. Salvador.

SEI – Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (2009). Estatística dos municípios baianos. Salvador: SEI. 3. Retrieved from: Acesso em: 04 dez. 2010.

Taderka, G., Riedner, L. N. & Bertolini, G. R. F. (2013). Responsabilidade social: a postura das empresas agroindustriais com seus fornecedores. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GEAS, 2(1), 26-44.

Tenório, F. G. (org.) (2006). Responsabilidade social e empresarial: teoria e prática. (2. ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Uddin, M. B., Hassan, M. R. & Tarique, K. M. (2008). Three-dimensional aspects of corporate social responsibility. Daffodil International University Journal of Business and Economics, 3(1), 199-212.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional