Avaliação do Nível de Sustentabilidade de um Curtume Gaúcho à Luz do Sistema de Gestão Ambiental (SGA)

Gleberson de Santana dos Santos, Simone Sehnem, Marília Santos de Freitas

Resumo


Este artigo buscou analisar o nível de sustentabilidade de um curtume gaúcho. O trabalho se propôs a identificar as ações sustentáveis adotadas pelo curtume e os programas ambientais em que organização está engajada. O estudo consiste em uma pesquisa de abordagem qualitativa, que se classifica como descritiva em relação aos objetivos e cujos procedimentos adotados são estruturados como um estudo de caso. Para coletar os dados, foram utilizados questionário e entrevistas semiestruturadas, aplicados ao pessoal responsável pelo setor produtivo e meio-ambiente/ sustentabilidade. A organização adota políticas de produção mais limpa, logística reversa, está envolvida em alguns projetos e programas ambientais, além de procurar se enquadrar nos requisitos de algumas certificações. O grau de sustentabilidade do curtume avaliado foi considerado bom, apesar de apresentar processos que precisam ser revistos a fim de eliminar e/ ou mitigar pontos negativos relacionados ao processo produtivo. Conclui-se que é possível reduzir os impactos negativos gerados à sociedade, tão logo organizações empreguem um sistema de gestão ambiental eficaz e invista em ações sustentáveis e conscientes.


Palavras-chave


sustentabilidade, sistema de gestão ambiental, impactos ambientais.

Referências


Abdalla, José Jorge & Feichas, Susana Arcangela Quacchia. (2005). Modelo Hackefors para obtenção de certificado ambiental ISO 14.001 em pequenas e médias empresas: uma discussão sobre sua aplicação em empresas brasileiras. Cad. EBAPE.BR [online]. 3(3), 1-14.

Afonso, Cintia Maria. (2006). Sustentabilidade: caminho ou utopia? São Paulo: Annablume.

Alcalde, Tatiana (2014). Na ponta do lápis: redução de gastos e menor impacto ambiental são um dos principais pilares das construções sustentáveis, segmento que tem um grande potencial a ser explorado. Revista Alshop, 33(7), 52-55, jul.

Aligleri, Lilian Mara. (2011). A adoção de ferramentas de gestão para a sustentabilidade e a sua relação com os princípios ecológicos nas empresas. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Retrieved from: . Acesso em: 2014-03-22.

Araújo, Gisele Ferreira de. (2008). Estratégias de sustentabilidade: aspectos científicos, sociais e legais: contexto global: visão comparativa. 1. ed. São Paulo: Letras Jurídicas.

Almeida, Fernando. (2002). O bom negócio da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

_________. (2009). Responsabilidade social e meio ambiente. Rio de Janeiro: Elsevier.

Borges, F. Q. (2015). Sustentabilidade institucional no setor elétrico brasileiro. Revista Pretexto, 16 (1), 23-35.

BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. (2007). A indústria de curtumes no Brasil. Retrieved from: . Acesso em: 10 jun. 2013.

Barbieri, J. C. (2007). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva.

Benites, L. L. L. & Pólo, E. F. (2013). A sustentabilidade como ferramenta estratégica empresarial: governança corporativa e aplicação do Triple Bottom Line na Masisa. Revista de Administração da UFSM, 6(Edição Especial), 827-841.

Cardoso, André Coimbra Felix (2012). O programa estratégico integrado de gestão para o desenvolvimento sustentável. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Retrieved from: . Acesso em: 2014-03-22.

Carvalho, A. C. V., Stefano, S. R. & Munck, L. (2015). Competências voltadas à sustentabilidade organizacional: um estudo de caso em uma indústria exportadora. Gestão & Regionalidade, 31 (91), 33-48.

CICB – Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (2013). Exportações de couros e peles de 2012 superam 2011. Retrieved from: < http://www.cicb.org.br/?p=7441>. Acesso em: 09 jun. 2013.

Darnall, N., Henriques, I. & Sadorsky, P. (2005). An international comparison of the factors affecting environmental strategy and performance. In: ROWAN, M. (ed), Best papers proceedings. Sixty-Third Meeting of the Academy of Management, p. B1-B6, Washington: Academy of Management.

Bradesco. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. (2013). Carne bovina. Retrieved from: . Acesso em: 09 jun. 2013.

Ende, M. V., Ferreira, G. M. V., Rossés, G. F., Stecca, J. P., Madruga, L. R. R. G. & Barasuol, A. (2012). Índices de sustentabilidade de projetos da economia solidária: o caso Esperança/Cooesperança. Revista de Gestão Social e Ambiental, 6(3), 47-63.

Farenza, M.; Ferreira, L. S., Trierweiler, J. O. & Aquim, P. M. (2004). Curtumes: do desperdício à sustentabilidade. Retrieved from: . Acesso em: 13 jun 2013.

Fonseca, R. C. V. da. (2008). Metodologia do trabalho científico. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 92 p.

Freitas, A. R. P., Kobal, A. B. C., Luca, M. M. M. & Vasconcelos, A. C. (2013). Indicadores ambientais: um estudo comparativo entre empresas brasileiras e espanholas. Revista de Gestão Social e Ambiental, 7(1), p. 34-51.

Freitas, C. C. G., Maçaneiro, M. B., Kühl, M. R., Segatto, A. P., Doliveira, S. L. D. & Lima, L. F. (2012). Transferência tecnológica e inovação por meio da sustentabilidade. Revista de Administração Pública, 46(2), 363-384.

Ganem, R. S. (2007). Curtumes: aspectos ambientais. Retrieved from: . Acesso em: 16 abr 2013.

Godoy, A. S., Brunstein, J. & Fischer, T. M. D. (2013). Introdução ao Fórum Temático Sustentabilidade nas escolas de administração: tensões e desafios. Revista de Administração Mackenzie, 14(3), 14-25.

Gupta, P. K. (2000). Achieving production effectiveness and increasing business competitiveness through cleaner production. Retrieved from: . Acesso em: 10 jun. 2013.

Gutterres, Mariliz. (2003). Desenvolvimento sustentável em curtumes. Retrieved from: . Acesso em: 10 jun. 2013.

Hart, S. L. (2005). O capitalismo na encruzilhada: as inúmeras oportunidades de negócios na solução dos problemas mais difíceis do mundo. Porto Alegre: Bookman, 230 p.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (2009). A prática da sustentabilidade: desafios vividos por agentes da governança corporativa. Coordenação: Salviatto, Cibele de Macedo e Brandão, Carlos Eduardo Lessa. São Paulo, SP: IBGC.

Kneipp, J. M., Gomes, C. M., Bichueti, R. S. & Maccari, E. A. (2012). Gestão para a sustentabilidade em empresas do setor mineral. Revista de Ciências da Administração, 14(33), 52-67.

Leite, Paulo Roberto. (2012). Logística reversa na atualidade. In: Philippi Jr., Arlindo (coord.). Política nacional, gestão e gerenciamento de resíduos sólidos. São Paulo: Manole.

Lerípio, Alexandre de Avila. (2001). GAIA – um método de gerenciamento de aspectos e impactos ambientais. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

Magalhaes, Ósia Alexandrina V., Milani, Carlo, Siqueira, Tacilla & Aguiar, Vicente Macêdo de. (2006). (Re)Definindo a sustentabilidade no complexo contexto da gestão social: reflexões a partir de duas práticas sociais. Cad. EBAPE.BR[online]. 4(2), 01-17.

Mathis, Adriana de Azevedo & Mathis, Armin. (2012). Responsabilidade social corporativa e direitos humanos: discursos e realidades. Rev. katálysis [online].15(1), 131-140.

Meadows, D. et al. Os limites do crescimento. São Paulo: Perspectiva, 1972.

Melo, F. V. S. & Farias, S. A. (2014). Sustentabilidade como fator de identidade de destinos turísticos em websites: o consumidor se importa? Brazilian Business Review, 11(2), 143-167.

Morais Neto, S., Pereira, M. F. & Maccari, E. A. (2012). Classificando ações de sustentabilidade: uma análise de conteúdo de entrevistas de líderes. Revista de Administração da UFSM, v. 5, n. 1, p. 110-125, 2012.

Munck, L., Souza, R. B. & Zagui, C. (2011). A gestão por competências e sua relação com ações de sustentabilidade. Revista Pretexto, 12(4), 55-79, art. 3.

Nahuz, M. A. R.. (1995). O sistema ISO 14000 e a certificação ambiental. Rev. adm. empres. [online]. 35(6), 55-66.

Nascimento, Elimar Pinheiro do. (2012). Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico. Estud. av. [online]. 26(74), 51-64. ISSN 0103-4014.

NBR 10004. (2004). Segunda edição 31.05.2004. Válida a partir de 30.11.2005. Resíduos sólidos - classificação. ABNT NBR 10004:2004 77 páginas. Rio de Janeiro: ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.

Pacheco, José Wagner Faria. (2005). Curtumes. São Paulo: CETESB.

Pinsky, V. C., Dias, J. L. & Kruglianskas, I. (2013). Gestão estratégica da sustentabilidade e inovação. Revista de Administração da UFSM, 6, 3, 465-480.

Reis, Nelson Pereira dos & Garcia, Ricardo Lopes. (2012). Sistema de gerenciamento dos resíduos industriais e o controle ambiental. In: Philippi Jr., Arlindo (coord.). Política nacional, gestão e gerenciamento de resíduos sólidos. São Paulo: Manole.

Richard Jr., Lamartine. (2006). Modelo para implementação de sistema integrado de gestão ambiental para carcinicultura marinha. Retrieved from: . Acesso em: 9 jun. 2013.

SACHS, I. (2004). Desenvolvimento includente sustentável. São Paulo: Garamod.

Sartori, Simone, Ensslin, Leonardo, Campos, Lucila Maria de Souza & Ensslin, Sandra Rolim. (2014). Mapeamento do estado da arte do tema sustentabilidade ambiental direcionado para a tecnologia de informação. Transinformação [online], 26(1), 77-89.

Sartori, Simone, Latronico, Fernanda & Campos, Lucila M. S. (2014). Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Ambient. soc. [online], 17(1), 01-22.

Savitz, S. (2007). A empresa sustentável. Rio de Janeiro: Elsevier.

Savitz, A. W. & Weber, K. (2006). The triple bottom line: how today’s best-run companies are achieving economic, social, and environmental success – and how you can too. San Francisco: Wiley & Sons.

Sehnem, S., Oliveira, M. A. S., Ferreira, E. & Rossetto, A. M. (2012). Gestão e estratégia ambiental: um estudo bibliométrico sobre o tema nos periódicos brasileiros. Revista Eletrônica de Administração – REAd, 72(2), 468-493.

Silva, Gisele Cristina Sena da & Medeiros, Denise Dumke de. (2006). Metodologia de checkland aplicada à implementação da produção mais limpa em serviços. Gest. Prod. [online]. 13(3), 411-422.

Silva, Grycyane Alves de & Pereira, Kênia Tomaz Marques. (2008). Análise do nível de sustentabilidade ambiental à luz do sistema de gestão ambiental. Retrieved from: . Acesso em: 2013-06-12.

Silva, Sabrina Soares, Reis, Ricardo Pereira & Amâncio, Robson. (2011). Paradigmas ambientais nos relatos de sustentabilidade de organizações no setor de energia elétrica. Revista de Administração Mackenzie. 12(3), São Paulo, mai/jun.

Silva, Demétrios Antônio & Ribeiro, Helena. (2005). Certificação ambiental empresarial e sustentabilidade: desafios da comunicação. Saude soc. [online]. 14(1), 52-67.

Souza, M. T. S. & Ribeiro, H. C. M. (2013). Sustentabilidade ambiental: uma meta-análise da produção brasileira em periódicos de administração. Revista de Administração Contemporânea, 17(3), 368-396.

Venzke, C. S. & Nascimento, L. F. M. (2013). Caminhos e desafios para a inserção da sustentabilidade socioambiental na formação do administrador brasileiro. Revista de Administração Mackenzie, 14(3), 26-54.

Vizeu, F.; Meneghetti, F. K. & Seifert, R. E. (2012). Por uma crítica ao conceito de desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE.BR, 10(3), 569-583.

Willis, Michael. (2012). Sustainability: the leadership difference we must provide. Public Management, 94, 5.

WCED – World Commission on Environment Development. (1987). Our common future. Oxford: Oxford University.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000