O Futuro da Gestão Socioambiental: Uma Análise Critica Sobre a Crise Ambiental Brasileira

Luiz Alberto Leandro, Clandia Maffini Gomes, Krishna Neffa Vieira de Castro, Elza Maria Neffa Vieira de Castro

Resumo


Este artigo faz uma reflexão sobre a gestão socioambiental e a sua relação com a problemática da gestão governamental, das demandas sociais e das exigências do mercado. O estudo consiste em uma análise crítica do tema na perspectiva de um ensaio teórico. Embora governos e empresas venham incorporando a ideia de que o meio ambiente é uma variável que pode ser considerada para o desenvolvimento de políticas públicas e de estratégias mercadológicas privadas, esses atores carecem de uma visão contextual em relação à problemática. A despeito dos esforços do governo brasileiro para a promoção da gestão ambiental, a literatura revela que são necessários estudos aprofundados sobre as questões que envolvem a gestão na perspectiva socioambiental, pois os interesses governamentais, sociais e corporativos globais estão cada vez mais focados no meio ambiente como recurso estratégico.

 


Palavras-chave


Meio ambiente. Desenvolvimento. Sustentabilidade.

Referências


Abrucio, F. L. (2007). Trajetória recente da gestão pública brasileira: um balanço crítico e a renovação da agenda de reformas. Revista Administração Pública. (Vol. 41, n. spe.). Rio de Janeiro. Recuperado em abril, 2013, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-76122007000700005&lng=pt&nrm=iso

Acselrad, H., & Leroy, J. (1999). Novas premissas da sustentabilidade democrática. Rio de Janeiro: FASE.

Adorno, Theodor W. (2012). Notas de literatura I. São Paulo: Duas cidades: Editora 34.

Alier, J. M. (2007). O ecologismo dos pobres: conflitos ambientais e linguagem de valoração. São Paulo: Contexto.

Andrade, Davi Gomes de, & Falk, James Anthony. (2001). Eficácia de sistemas de informação e percepção de mudança organizacional: um estudo de caso. Revista de Administração Contemporânea, 5(3), 53-84. Retrieved September 01, 2015, from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552001000300004&lng=en&tlng=pt

Andrade, J. C. S. (1997). Desenvolvimento sustentado e competitividade: Tipos de estratégias ambientais empresariais. Revista Baiana de Tecnologia. (Vol. 12, n.2, pp. 71-86). Camaçari: TECBAHIA.

Arraes, C. L.et al. (2010, dezembro). Estimativa da taxa de desmatamento do município de bannach, pará - Amazônia Legal, utilizando imagens landsat5/tm. Revista de Ciências Agrárias. (Vol. 33, n. 2.). Lisboa. Recuperado em fevereiro, 2013, de http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0871-018X2010000200021&lng=pt&nrm=iso

Ayres, R.U. & Simonis, U.E. Industrial metabolismo: theory and policy. In: Ayres, R.U & Simonis, U.E (orgs.). (1994). Industrial metabolismo: restruturing for sustainable development. Tokyo: United Nation University Press.

Berlink, D. (2009, julho 10). O nó do clima: grandes poluidores não chegam a metas concretas contra o aquecimento global. Ciência (p. 31). Rio de Janeiro: O Globo.

Bermann, C. (2008, setembro) Crise ambiental e as energias renováveis. Ciência e Cultura. (Vol. 60, n. 3.). São Paulo. Recuperado em abril, 2013, de http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252008000300010&lng=en&nrm=iso

Boeira, S.L. (2003, setembro/dezembro). Política & gestão ambiental no Brasil: da Rio-92 ao estatuto da cidade. Revista Alcance (Vol.10 - n.3 pp. 525 – 558.). – UNIVALI.

Brennan, L. et al. Implementation of environmental sustainability in business: suggestions for improvement. In: Australasian Marketing Journal. (2011, February). (Vol. 19. n.1, pp. 52-51). Recuperado em junho, 2013, de http://www.elsevier.com/journals/australasian-marketing-journal/1441-3582/order-journal. Acesso em mai 2013

Bresser-Pereira, L.C. (2013, março). O governo Dilma frente ao "tripé macroeconômico" e à direita liberal e dependente. Novos estudos. (n. 95). São Paulo: CEBRAP. Recuperado em maio, 2013, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002013000100001&lng=en&nrm=iso

Brett, C. & Foster, J.B. A dialética do metabolismo social e ecológico: Marx, Meszaros e os limites absolutos do capital. In: Jinkings, I. & Nobile, R. (orgs.). (2011). Istevam Mészáros e os desafios do tempo histórico. São Paulo: Boitempo.

Cançado, A.C. et al. (2011, setembro). Gestão social: reflexões teóricas e conceituais. Cadernos EBAPE.BR. (Vol. 9, n. 3). Rio de Janeiro. Recuperado em abril, 2013, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512011000300002&lng=en&nrm=iso

Cardoso, F.H. (2012, março 23). FHC reconhece que fez pouco pelo meio ambiente em seu mandato. Ultimo Segundo. Entrevista realizada no Forum Mundial de Sustentabilidade entrevista de Maria Fernanda Ziegler. Recuperado em janeiro, 2013, de http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/meioambiente/fhc-reconhece-que-fez-pouco-pelo-meio-ambiente-em-seu-mandato/n1597706800390.html

Carneiro, E. J. Política Ambiental e a ideologia do desenvolvimento sustentável. In: Zhouri, A., Klemens, L. & Pereira, D. B. (org.). (2005). A insustentável leveza da política ambiental: desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica.

Carroll, A.B. (1999). Corporate Social Responsibility: Evolution of a Definitional Construct. Business & Society. (Vol.38, n.3, pp.268-295).

Dias, G. F. (2004). Educação Ambiental: Princípios e práticas. (9 ed.). São Paulo: Gaia.

Dias, J. & Dias, M.H.A. (2007, dezembro). Crescimento econômico e as políticas de distribuição de renda e investimento em educação nos estados brasileiros: teoria e análise econométrica. Estudos Econômicos. ( Vol. 37, n. 4). São Paulo. Recuperado em julho, 2012, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-41612007000400001&lng=en&nrm=iso

Doti, M.M. & Guerra, S.M.G.(2008, setembro). Biocombustíveis, uma polêmica do desenvolvimento socioeconômico. Ciência e Cultura. (Vol. 60, n. 3). São Paulo. Recuperado em maio, 2013, de http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252008000300013&lng=en&nrm=iso

Drucker, F. P. (2002). Introdução à administração. (3ª. ed.). São Paulo: Pioneira Thompson Learning.

Dupas, G. O impasse ambiental e a lógica do capital. In: Dupas, G. (org.). (2008). Meio ambiente e crescimento econômico: tensões estruturais. São Paulo: Editora UNESP.

Ekwueme, C.M. et al. (2013). Benefits of Triple Bottom Line Disclosures on Corporate Performance: An Exploratory Study of Corporate Stakeholders. Journal of Management and Sustainability. (Vol. 3, No. 2.) Retrieved from http://www.ccsenet.org/journal/index.php/jms/article/viewFile/25645/16204

Erber, F. S. (2011, março). As convenções de desenvolvimento no governo Lula: um ensaio de economia política. Revista Economia Politica. (Vol. 31, n. 1). São Paulo. Recuperado em setembro, 2012, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31572011000100002&lng=en&nrm=iso

Fayol, H. (1954). Administração industrial e geral. São Paulo: Atlas.

Fernandes, M.P.R. & Lourenco, E.A.S. Exploração do trabalho no corte de cana: breves apontamentos do senhor de engenho à agroindústria canavieira do século XXI. In: Seminario De Saude Do Trabalhador De Franca, 7., 2010, Franca. Proceedings online. Unesp. Recuperado em abril, 2011, de http://proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci

Ferreira, et al. (2005, abril). O desmatamento na Amazônia e a importância das áreas protegidas. Estudos avançados. (Vol. 19, n. 53). São Paulo. Recuperado em maio, 2012, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142005000100010&lng=en&nrm=iso

Fischer, T. et al. (2006, outubro). Perfis visíveis na gestão social do desenvolvimento. Revista de Administração Pública. (Vol. 40, N. 5). Rio de Janeiro. Recuperado em outubro, 2012, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-76122006000500003&lng=en&nrm=iso

Foster, J.B. Marx e o meio ambiente. In: Wood, E. M. & Foster, J.B. (orgs.). (1999). Em defesa da história marxismo e pós-modernismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Gomes, M.C.A. & Barbara, L. (2011). Mulheres, política e mídia: algumas incursões em torno da representação sociocultural de Dilma Rousseff. (Vol. 27, n. 2). São Paulo: DELTA. Recuperado em maio, 2012, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502011000200006&lng=en&nrm=iso

Graham, P. (2003). Mary Parker Follet prophet of management – A celebration of writings from the 1920s. Washington DC: Beard Books-Harvard Business School Press.

Hoepner, A. et al. Environmental and ecological economics in the 21st century: An age adjusted citation analisys of the influential articles, journals, authors and institutions. In: Ecological Economics. (Vol. 77, pp 193-206) mar. 2012. Recuperado em junho, 2012, de http://www.sciencedirect.com/science/journal/09218009/77

Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia. Os retrocessos ambientais do governo Dilma. (2012). Recuperado em maio, 2012, de http://www.imazon.org.br/publicacoes/outros/sobre-os-retrocessos-ambientais-do-governo-dilma

Kageyama, P. Y. & Santos, J. D. (out. 2011/mar. 2012). Aspectos da política ambiental nos governos Lula. (Vol. 1, n. 2, p. 179-192). Bauru: Revista FAAC.

Kallis, et al. The economics of degrwth. In: Ecological Economics. Vol. 84, pp 172-180, dez. 2012. Recuperado em abril, 2013, de http://www.sciencedirect.com/science/journal/09218009/84

Klitgaard, K. A. & Krall, L. Ecological economics, degrowth, and institutional change. In: Ecological Economics. Vol. 84, pp 247-253, dez. 2012. Recuperado em junho, 2012, de http://www.sciencedirect.com/science/journal/09218009/84

Layrargues, P.P. (2000, junho). Sistemas de gerenciamento ambiental, tecnologia limpa e consumidor verde: a delicada relação empresa-meio ambiente no ecocapitalismo. Revista administração de empresas. (Vol. 40, n. 2). São Paulo. Recuperado em 5 maio, 2013, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-75902000000200009&lng=en&nrm=iso

Lima, G.F.C. (2011, janeiro/junho). A institucionalização das políticas e da gestão ambiental no Brasil: avanços obstáculos e contradições. Desenvolvimento e meio ambiente. ( n. 23, pp. 121-132). Paraná: Editora UFPR.

Loureiro, C. F. Emancipação e complexidade: para o repensar das tendências em educação ambiental. In: Cadernos de educação. ano 14, n. 25, n.1. jul./dez. 2005. Recuperado em janeiro, 2012, de http://www.ufpel.edu.br/fae/caduc/resumos_ed25_08.html

Loureiro, C.F.B. & Cunha, C.C. (2008). Educação ambiental e gestão participativa de unidades de conservação: elementos para se pensar a sustentabilidade democrática. Ambiente sociedade. (Vol. 11, n. 2). Campinas. Recuperado em maio, 2013, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2008000200003&lng=en&nrm=iso

Loureiro, C.F.B. & Layrargues, P. P. (2013, janeiro/abril). Ecologia política, justiça e educação ambiental crítica: perspectivas de aliança contra hegemônica. Trabalho, educação e saúde. (Vol. 11, n. 1, pp. 53-71).

Loureiro, C.F.B. (2004). Trajetória e fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez.

Ma, C.; Stern, D.I. Environmental and ecological economics: A citation analysis. In: Ecological Economics. Vol. 58, n. 3, pp 491-506, jun. 2006. Recuperado em junho, 2012, de http://www.sciencedirect.com/science/journal/09218009/58/3

Machado-da-Silva, Clóvis L., & Barbosa, Solange de Lima. (2002). Estratégia, fatores de competitividade e contexto de referência das organizações: uma análise arquetípica. Revista de Administração Contemporânea, 6(3), 7-32. Recuperado em março, 2015, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552002000300002&lng=en&tlng=pt

Martini, A. J. (2004). O plantador de eucaliptos: a questão da preservação florestal no Brasil e o resgate documental do legado de Edmundo Navarro de Andrade. São Paulo: USP (Dissertação de mestrado).

Mészáros, I. (2011a). A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo.

Mészáros, I. (2011b). Para além do capital. São Paulo: Boitempo.

Monin, N.; Bathurst, R. Mary Follett on the Leadership of ‘Everyman’ In: Ephemera - theory & politics in organization. Vol. 8, n. 4, pp. 447-46, 2008. Recuperado em abril, 2013, de http://www.ephemerajournal.org/sites/default/files/8-4monin-bathurst.pdf

Morais, L. & Saad-Filho, A. (2011, outubro/dezembro). Da economia política à política econômica: o novo-desenvolvimentismo e o governo Lula. Revista de Economia Política. (Vol.31, n.4, pp.507-527).

Muradian, R. et al. (2012, August). Hegemonic transitions and global shifts ins social metabolism: implications for resource-rich countries. Introduction to the special section. Global environmental change. (Vol. 22, n. 3, pp. 559-567). Recuperado em janeiro, 2013, de http://www.sciencedirect.com/science/journal/09593780/22

Newell, P. (2011, January). The elephant in the room: capitalism and global environmental change. Global environmental change. (Vol. 21, n. 1, pp. 04-06). Recuperado em março, 2013, de http://www.sciencedirect.com/science/journal/09593780/21/1

Pádua, J.A. Natureza e projeto nacional: as origens da ecologia política no Brasil. In: PÁDUA, J.A. (org.). Ecologia e política no Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: Espeço e tempo: IUPERJ, 1992.

Porter, M. (2011, setembro/outubro). O Capitalismo do valor compartilhado. HSM Management. (n. 88, ano 15, vol. 5, pp. 42-48). Barueri.

Porter, M. E. & Kramer, M. R. (2011, January/February) Creating shared value – How to reinvent capitalism-and unleash a wave of innovation and growth. Harvard Business School.

Porter, M. E. (2004). Estratégia competitiva: técnicas para análise da indústria e da concorrência. (2. Ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Porter, M.; Van Der Linde, C. Green and Competitive: Ending the Stalemate. In: Porter, Michael E. On Competition. The Harvard Business Review book series. Boston: Harvard Business School Publishing, 1998.

Porto, M.F.S. & Schutz, G.E. (2012, junho). Gestão ambiental e democracia: análise crítica, cenários e desafios. Ciênc. saúde coletiva. (Vol. 17, n. 6). Rio de Janeiro. Recuperado em maio, 2013, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012000600009&lng=en&nrm=iso

Sachs, I. (2007a). Rumo à ecossocioeconomia – Teoria e prática do desenvolvimento. São Paulo: Cortez.

Sachs, I. (2007b, abril). A revolução energética do século XXI. Estudos avançados. (Vol. 21, n. 59). São Paulo. Recuperado em maio, 2011, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142007000100004&lng=en&nrm=iso

Sachs, I. Revisiting development in twenty-first century. In: International Journal of political economy. vol. 38, n. 3, pp. 5-21. Set. 2009. Recuperado em fevereiro, 2013, de http://ideas.repec.org/a/mes/ijpoec/v38y2009i3p5-21.html

Santos, R.F. (2004). Planejamento ambiental: teoria e prática. Oficina de Textos. São Paulo.

Schweickart, D. Is sustainable capitalism possible? In: Procedia. Social and Behavioral Sciences. Vol. 4, n. 5, pp. 6739-6752. 2010. Recuperado em março, 2012, de http://ac.els-cdn.com/S1877042810011547/1-s2.0-S1877042810011547-main.pdf?_tid=c1baaf06-bb2e-11e2-ab42-00000aab0f01&acdnat=1368382206_f87f739541e4f259d15d2a437adb7c1c

Stoner; J.A.F. & Freeman, R.E. (1099). Administração. (5ª. ed.). Rio de Janeiro: LT.

Suarez, P. A. Z. & Meneghetti, S. M. P. (2007). 70º aniversário do biodiesel em 2007: evolução histórica e situação atual no brasil. Química Nova. (Vol. 30, n. 8). São Paulo. Recuperado em junho, 2012, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40422007000800046&lng=en&nrm=iso

Taylor, F. W. (1963). Princípios de administração científica. São Paulo: Atlas.

Theodoro, S. H. & Barros, J. G. C. (2011). Política Nacional do Meio Ambiente: conquistas e perspectivas. In: Theodoro, S. H. (org.). Os 30 anos da Política Nacional de Meio Ambiente: conquistas e perspectivas. Rio de Janeiro: Garamond.

Tolmasquim, M. T., Guerreiro, A. & Gorini, R. (2007, novembro). Matriz energética brasileira: uma prospectiva. Novos estudos (n. 79). São Paulo: CEBRAP. Recuperado em abril, 2011, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002007000300003&lng=en&nrm=iso

Veiga, J.E. (2010). Desenvolvimento sustentável: o desfio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond.

Victor, P.A. (2008). Managing without growth: slower by design, not disaster. Cheltenham, UK: Edward Elgar Published Limited.

World Commission on Environment and Development. (1987). Our Common Future. New York: Oxford University Press.

Zhouri, A.; Oliveira, R. Paisagens industriais e desterritorialização de populações locais: conflitos socioambientais em projetos hidrelétricos. In: Zhouri, A. et al. (2005). A insustável leveza da política ambiental – Desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional