Logística Reversa de Resíduos da Classe D em Ambiente Hospitalar: Monitoramento e Avaliação da Reciclagem no Hospital Infantil Cândido Fontoura

Maria Antonietta Leitão Zajac, Renata Oliveira Fernandes, Carlos João David, Simone Aquino

Resumo


A segregação adequada dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) reduz a contaminação dos resíduos comuns, os riscos à saúde ocupacional e permite recuperar os materiais recicláveis. A segregação eficiente depende do treinamento e da conscientização dos colaboradores envolvidos na geração dos RSS. Portanto, o objetivo do presente estudo foi desenvolver um modelo de avaliação, capacitação e mensuração da segregação dos resíduos comuns, em especial do papel reciclável, no setor administrativo do Hospital Cândido Fontoura, localizado na cidade de São Paulo. Foi realizado o acompanhamento da rotina de manejo dos resíduos comuns e do papel reciclável, de junho a outubro (2014). Foi realizada a capacitação por meio de palestras e orientação diária para a sensibilização dos colaboradores sobre a importância do descarte adequado dos resíduos. Os resultados foram obtidos através da segregação e pesagem dos resíduos de papel reciclável e resíduos comuns. Foram consideradas três amostras: antes da sensibilização (Antes); depois da sensibilização (Depois); com monitoramento diário no setor (Acompanhado). O período de avaliação por amostra foi de nove dias (n = 9). Foi aplicado o teste estatístico (análise de variância) Kruskal-Wallis (α < 0,05) para os pesos das amostras, as quais foram consideradas significativamente diferentes (p = 0,0034). A amostra Antes (6,2 ± 2,9 kg) apresentou maior massa. Não houve diferença significativa entre massas das amostras Após (3,0 ± 1,7 kg) e Acompanhado (2,8 ± 1,5 kg), sendo consideradas semelhantes. O montante de papel reciclável evoluiu inversamente ao resíduo comum, de 3,7 ± 0,2 kg (Antes) para 6,7 ± 3,1 kg (Acompanhado), demonstrando a efetividade e correta reciclagem de RSS.

 


Palavras-chave


Resíduos de Serviços de Saúde, reciclagem, resíduo comum, papel reciclável.

Referências


Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2006). Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS). Recuperado em 12 fevereiro, 2015, de http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/manuais/manual_gerenciamento_residuos.pdf.

Ambiente Brasil. (2014). Resíduos hospitalares. Recuperado em 2 junho, 2015, de http://ambientes.ambientebrasil.com.br/residuos/residuos/residuos_hospitalares.html.

Anwar, O., Malik, N., & Asim, M. (2013). Evaluation of Hospital Waste Management in Public and Private Sector Hospitals of Faisalabad City, Pakistan. Academic Journal of Interdisciplinary Studies, 2(2), 161-166.

Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT-NBR. n. 10.004 de 2004. (2004). Resíduos sólidos – Classificação. Recuperado em 20 dezembro, 2015, de www.aslaa.com.br/legislacoes/NBR%20n%2010004-2004.pdf.

Berto, D. N., Czykiel, R., & Barcellos, M. D. (2012). Treinamentos sobre Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde (RSSS) em hospitais de Porto Alegre/RS na percepção de profissionais atuantes. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 1(2), 41-62.

Campos, T. (2006). Logística Reversa: Aplicação ao Problema das embalagens da CEAGESP. (p. 154). São Paulo.

Chagas, C. W., & Gracco, A. S. D. S. (2012). A Logística Reversa de Pós-Consumo e a Política Nacional de Resíduos Sólidos Derivados dos Serviços de Saúde. Pós em Revista do Centro Universitário Newton Paiva, 2(6), 14-22.

Drohomeretski, E., Ribeiro, L. O., & Fernandes, N. Z. (2014). Análise Comparativa da Aplicação da Logística Reversa de Resíduos em um Hospital Universitário e o Pro-Hosp: Um Estudo de Caso. Recuperado em 21 dezembro, 2015, de file:///C:/Users/Simone/Downloads/Drohomeretski_Ribeiro_Fernandes_2014_Analise-comparativa-da-aplicac_31921%20(2).pdf.

Ferreira, J. A., & Anjos, L. A. (2001). Aspectos de saúde coletiva e ocupacional associados à gestão dos resíduos sólidos municipais. Caderno de Saúde Pública, 17(3), 689-696.

Figueiredo, J. J. (2010). Resíduos de Serviços de Saúde. Monografia de especialização Latu Sensu, Conjunto Universitário Candido Mendes, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Garcia, L. P., & Zanetti-Ramos, B. G. (2004). Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde: uma questão de biossegurança. Cadernos de Saúde Pública, 20(3), 744-752.

Hochman, B., Nahas, F. X., Oliveira, R. S., Filho, & Ferreira, L. M. (2005). Desenhos de pesquisa. Acta Cirúrgica Brasileira, 20 (supl. 2). Recuperado em 23 maio, 2015, de http://www.scielo.br/pdf/acb/v20s2/v20s2a02.pdf.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2012). Diagnóstico dos Resíduos Sólidos Urbanos (Relatório de Pesquisa/2012). Recuperado em 13 maio, 2015, de http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/121009_relatorio_residuos_solidos_urbanos.pdf.

Jacobi, P. R., & Besen, G. R. (2011). Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Estudos Avançados, 25(71). Recuperado em 22 março, 2015, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142011000100010&script=sci_arttext.

Lei n. 11.445, de 5 de janeiro de 2007. (2007). Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis n. 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei n. 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Recuperado em 19 dezembro, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm.

Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. (2010). Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Recuperado em 28 maio, 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm.

Leite, P. R. (2009). Logística reversa: Meio ambiente e competitividade (p. 245). São Paulo: Prentice Hall.

Manga, V.E., Forton, O.T., Mofor, L.A., & Woodard,R. (2011). Health care waste management in Cameroon: A case study from the Southwestern Region. Resources, Conservation and Recycling, 57, 108-116.

Mazo, C. G. D. & Pampolini, C. P. G. (2015). Sustentabilidade nas organizações: a aplicação do método Gaia de gerenciamento de impactos ambientais em uma empresa. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, 4(3), 103-121.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. (2014). Gestão Ambiental. Recuperado em 22 dezembro, 2015, de http://docplayer.com.br/5434631-Ministerio-da-saude-secretaria-de-atencao-a-saude-departamento-de-atencao-hospitalar-e-de-urgencia-gestao-ambiental.html.

Ministério do Meio Ambiente. (2015). Política Nacional de Resíduos Sólidos. Recuperado em 10 maio, 2015, de http://www.mma.gov.br/pol%C3%ADtica-de-res%C3%ADduos-s%C3%B3lidos.

Mueller, C. F. (2005). Logística Reversa, Meio ambiente e Produtividade Estudos realizados. GELOG-UFSC, 1-6. Recuperado em 20 dezembro, 2015, de http://limpezapublica.com.br/textos/artigo01_1.pdf.

Nogueira, E. E. S. (2000). Identidade organizacional – um estudo de caso do sistema aduaneiro brasileiro. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Organização Pan-Americana da Saúde. (1992). Guias para controle de infecções hospitalares. Recuperado em 22 dezembro, 2015, de http://www.paho.org/bra../index.php?option=com_content&view=article&id=296&Itemid=422.

Paschoalin, J. A. Filho, Silveira, F. F., Luz, E. G., & Oliveira, R. B. (2014). Comparação entre as massas de Resíduos Sólidos Urbanos coletados na cidade de São Paulo por meio de coleta seletiva e domiciliar. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, 3(3), 19-33.

Pereira, A. L., & Pereira, S. R. (2011). A cadeia de logística reversa de Resíduos de Serviços de Saúde dos hospitais públicos de Minas Gerais: análise a partir dos conceitos da nova Política Nacional de Resíduos Sólidos Urbanos. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 24, 185-199.

Prefeitura de São Paulo. Secretaria Municipal de Finanças e Desenvolvimento Econômico. (2015). Taxa de resíduos sólidos de serviços de saúde (TRSS). Recuperado em 22 junho, 2015, de http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/financas/servicos/taxaderesiduos/index.php?p=2366.

Resolução da Diretoria Colegiada n. 306, de 7 de dezembro de 2004. (2004). Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. Recuperado em 19 dezembro, 2015, de http://www.saude.mg.gov.br/index.php?option=com_gmg&controller=document&id=884.

Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente n. 5, de 5 de agosto de 1993. (1997). Revogadas as disposições que tratam de resíduos sólidos oriundos de serviços de saúde pela Resolução Conama n. 358/05. Recuperado em 19 dezembro, 2015, de http://www.mma.gov.br/port/conama/legislacao/CONAMA_RES_CONS_1993_005.pdf.

Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente n. 237, de 19 de dezembro de 1997. (1997). Dispõe sobre as atividades ou empreendimentos sujeitos ao licenciamento ambiental. Recuperado em 23 abril, 2015, de http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res97/res23797.html.

Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente n. 358, de 29 de abril de 2005. (2005). Revoga as disposições da Resolução n. 5/93, que tratam dos resíduos sólidos oriundos dos serviços de saúde, para os serviços abrangidos no art. 1o desta Resolução. Revoga a Resolução no 283/01. Recuperado em 19 dezembro, 2015, de http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=462.

Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente n. 6, de 19 de setembro de 1991. (1991). Dispõe sobre o tratamento de resíduos sólidos provenientes de estabelecimentos de saúde, portos e aeroportos. Recuperado em 19 dezembro, 2015, de http://www.mma.gov.br/port/conama/legislacao/CONAMA_RES_CONS_1991_006.pdf.

Sapkota, B., Gupta, G. K., & Mainali, D. (2014). Impact of intervention on healthcare waste management practices in a tertiary care governmental hospital of Nepal. BMC Public Health, 14, 1-8.

Schneider, V. E., Caldart, V., & Gastaldello, M. E. T. (2000). A caracterização de Resíduos de Serviços de Saúde como ferramenta para o monitoramento de sistemas de gestão destes resíduos em estabelecimentos hospitalares. Anais do Congresso Interamericano de Engenheira Sanitária e Ambiental, Porto Alegre, RS, Brasil, 1-7, 27.

Sharma, A., Sharma, V., Sharma, S., & Singh, P. (2013). Awareness of biomedical waste management among health care personnel in Jaipur, India. Oral Health Dent Management, 12(1), 32-40.

Sisinno, C. L. S., & Moreira, J. C. (2005). Ecoeficiência: um instrumento para a redução da geração de resíduos e desperdícios em estabelecimentos de saúde. Cadernos de Saúde Pública, 21(6), 1893-1900.

Souza, E. L. (2006). Contaminação ambiental pelos Resíduos de Serviços de Saúde. Recuperado em 21 dezembro, 2015, de http://www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/revistafafibeonline/sumario/10/19042010093412.pdf.

Souza, F. P., Jacintho, M. G., Peixoto, I. T., & Viana, K. P. G. (2013). Viabilidade da Aplicação da Logística Reversa no Gerenciamento dos Resíduos dos Serviços de Saúde: um Estudo de Caso no Hospital X. Perspectivas Online: Ciências Exatas e Engenharia, 3(6), 56-72.

Tesfahun, E., Kumiel, A., Legesse, W., Kloos, H., & Beyene, A. (2014). Assessment of composition and generation rate of healthcare wastes in selected public and private hospitals of Ethiopia. Waste Management & Research, 32(3), 215-220.

Tripp, D. (2005). Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, 31(3), 443-466.

Ventura, K. S. (2011). Logística Reversa de Resíduos de Serviços de Saúde dos hospitais públicos mineiros no contexto da Acreditação pela metodologia ONA. Conexão Acadêmica: A Revista Científica Sobre Resíduos Sólidos, 1(1), 55-62.

Zar, J. H. (2009). Biostatistical analysis (5 ed., 960 p.). Northern Illinois University: Pearson.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional