Percepção dos Players do Setor Sucroenergético sobre a Influência do Protocolo Agroambiental no Processo de Gestão Ambiental Empresarial: Um Estudo com Gestores do Setor na Mesorregião de Assis-SP

Edenis César Oliveira

Resumo


A agricultura brasileira tem passado por uma crise ambiental sem precedentes. Nesse cenário, estão as agroindústrias e fornecedores de cana-de-açúcar, atuantes no setor sucroenergético, que apresenta forte expansão, com significativos impactos econômico, social e ambiental. Estudos têm evidenciado que a inserção da dimensão ambiental na gestão corporativa pode trazer ganhos de competitividade para as organizações, além de melhorar sua imagem diante de seus stakeholders. A demanda social por um ambiente mais limpo, aliada ao aumento da regulação ambiental, tem forçado as empresas desse setor a realizar e participar de programas extensivos de prevenção e mitigação dos impactos ambientais. Dessa concepção, surge o Protocolo Agroambiental do Setor Sucroenergético Paulista, que consiste num acordo de cooperação assinado em junho de 2007 entre o governo do Estado de São Paulo, representado pelas Secretarias de Estado do Meio Ambiente; da Agricultura e Abastecimento; a União da Indústria de Cana-de-Açúcar; e a Organização de Plantadores de Cana da Região Centro-Sul. A pesquisa aqui apresentada objetivou apurar a percepção dos gestores das agroindústrias e fornecedores situados na mesorregião de Assis-SP sobre a influência do Protocolo Agroambiental no processo de gestão ambiental empresarial. Foram aplicadas dezenove entrevistas semiestruturadas com gestores vinculados com aspectos ambientais dos casos objetos de estudos (4 produtores, 2 fornecedores e uma associação). Os resultados evidenciaram forte influência do Protocolo Agroambiental nos processos de gestão ambiental das organizações, sobretudo com a implementação e execução de ações para atender às diretivas técnicas do Protocolo Agroambiental, o que tem contribuído para que as organizações internalizem as questões ambientais e caminhem para uma postura mais proativa.


Palavras-chave


Desenvolvimento Sustentável. Meio Ambiente. Gestão Ambiental. Setor Sucroenergético. Protocolo Agroambiental.

Referências


Abreu, M. C. S., Castro, F. C., & Lazaro, J. C. (2013). Avaliação da influência dos stakeholders na proatividade ambiental de empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 17, pp. 22-35.

Albino, V., Balice, A., Dangelico, R. M., & Iacobone, F. A. (2012). The effect of the adoption of environmental strategies on green product development: a study of companies on world sustainability indices. International Journal of Management, v. 29, n. 2, pp. 525-539.

Alexopoulos, I., Kounetas, K., & Tzelepis, D. (2012). Environmental performance and technical efficiency, is there a link? The case of Greek listed firms. International Journal of Productivity and Performance Management, v. 61, n. 1, pp. 6-23. DOI 10.1108/17410401211187480.

Backer, P. (2002). Gestão ambiental: a administração verde. 2. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Bansal, P., & Desjardine, M. R. (2014). Business sustainability: It is about time. Strategic Organization, v. 12, n. 1, pp. 70-78. DOI: 10.1177/1476127013520265.

Barbieri, J. C. (2007). Gestão ambiental: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. 2. reimp. Lisboa/Portugal: Edições 70.

Bootsma, M. C., Vermeulen, W. J. V., Van Dijk, J., & Schot, P. P. (2014). Added value and constraints of transdisciplinary case studies in environmental science curricula. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, v. 21, n. 3, pp. 155-166. DOI: 10.1002/csr.1314.

CMMAD – Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1988). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Ed. FGV.

Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). (2014). Acompanhamento da safra brasileira: cana-de-açúcar, v. 1, n. 3, pp. 1-27 – Safra 2014/2015 – Terceiro Levantamento, Dezembro/2014. Companhia Nacional de Abastecimento – Brasília: Conab. Disponível em: < http://www.conab.gov.br>. Acesso em: 03 jul. 2015.

Cunningham, J. B. (1997). Case study principles for different types of cases. Quality and Quantity, v. 31, n. 4, pp. 401-423. DOI 10.1023/A: 1004254420302.

Dao, V., Langella, I., & Carbo, J. (2011). From green to sustainability: Information Technology and an integrated sustainability framework. Journal of Strategic Information Systems, v. 20, n. 1, pp. 63-79. doi:10.1016/j.jsis.2011.01.002.

Eisenhardt, K. M., Graebner, M. E. (2007). Theory building from cases: opportunities and challenges. Academy of Management Journal, v. 50, n. 1, pp. 25-32. doi: 10.5465/AMJ.2007.24160888.

Eriksson, P., & Kovalainen, A. (2008). Qualitative Methods in Business Research. London: Sage.

Fernandez-Feijoo, B., Romero, S., & Ruiz, S. (2014). Effect of stakeholders’ pressure on transparency of sustainability reports within the GRI framework. Journal of Business Ethics, v. 122, n. 1, pp. 53-63. DOI 10.1007/s10551-013-1748-5.

Galdos, M., Cavalett, O., Seabra, J. E. A., Nogueira, L. A. H., & Bonomi, A. (2013). Trends in global warming and human health impacts related to Brazilian sugarcane ethanol production considering black carbon emissions. Applied Energy, v. 104, pp. 576-582. doi:10.1016/j.apenergy.2012.11.002.

Gil, A. C. (1994). Métodos e técnicas de pesquisa social. 4 ed. São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Glavas, A., & Mish, J. (2015). Resources and capabilities of Triple Bottom Line firms: Going over old or breaking new ground? Journal of Business Ethics, v. 127, n. 1, pp. 623-642. DOI 10.1007/s10551-014-2067-1.

Goldstein, D., Hilliard, R., & Parker, V. (2011). Environmental performance and practice across sectors: methodology and preliminary results. Journal of Cleaner Production, v. 19, pp. 946-957. doi:10.1016/j.jclepro.2010.12.012.

González-Benito, J., & González-Benito, O. (2006). A review of determinant factors of environmental proactivity. Business Strategy and the Environment, v. 15, n. 2. DOI: 10.1002/bse.450.

Gotschol, A., De Giovanni, P., & Vinzi, V. E. (2014). Is environmental management an economically sustainable business? Journal of Environmental Management, v. 144, pp. 73-82. doi.org/10.1016/j.jenvman.2014.05.001.

Goyal, P., Rahman, Z., & Kazmi, A. A. (2013). Corporate sustainability performance and firm performance research: literature review and future research agenda. Management Decision, v. 51, n. 2, pp. 361-379. DOI 10.1108/00251741311301867.

Graymore, M. L. M., Sipe, N. G., & Rickson, R. E. (2008). Regional sustainability: how useful are current tools of sustainability assessment at the regional scale? Ecological Economics, v. 67, pp. 362-372. doi:10.1016/j.ecolecon.2008.06.002.

Haden, S. S. P., Oyler, J. D., & Humphreys, J. H. (2009). Historical, practical, and theoretical perspectives on green management: An exploratory analysis. Management Decision, v. 47, n. 7, pp.1041-55. doi.org/10.1108/00251740910978287.

Herrera, S. (2014). Análise da governança global da sustentabilidade dos biocombustíveis e proposta para o etanol brasileiro. 205 f. Tese (Doutorado) – UFRJ/COPPE – Programa de Planejamento Energético. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPE.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2014). Estimativas populacionais para os municípios brasileiros em 01.07.2014. Disponível em: < ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2014/estimativa_dou_2014.pdf>. Acesso em: 18 mar. 2015.

Jabbour, C. J. C. (2013). Environmental training in organizations: from a literature review to a framework for future research. Resources, Conservation and Recycling, v. 74, pp. 144-155. doi:10.1016/j.resconrec.2012.12.017.

Jabbour, C. J. C., Jugend, D., Jabbour, A. L. B. S., Gunasekaran, A., & Latan, H. (2015). Green product development and performance of Brazilian firms: measuring the role of human and technical aspects. Journal of Cleaner Production, v. 87, pp. 442-451. doi.org/10.1016/j.jclepro.2014.09.036.

Kudlak, R. (2014). Critical insights from the corporate environmentalism – competitiveness investigations. Management of Environmental Quality: An International Journal, v. 25, n. 2, pp. 111-131. DOI 10.1108/MEQ-11-2012-0072.

Leff, E. (2006). Epistemologia ambiental. 4. ed. São Paulo: Cortez.

Machado, L. H. M., & Cirani, C. B. S. (2013). Incentivos à Inovação de Empresas de Base Tecnológica no Sistema Agroindustrial Sucroenergético Brasileiro: Uma Análise Exploratória. In: XXXVII Encontro da ANPAD. Anais... Rio de Janeiro, ANPAD.

Miles, M. P., & Covin, J. G. (2000). Environmental marketing: a source of reputational, competitive and financial advantage. Journal of Business Ethics, v. 23, pp. 299-311.

Myers, M. D. (2009). Qualitative research in business & management. Los Angeles: Sage Publications.

Nobre, M., & Amazonas, M. C. (2002). Desenvolvimento sustentável: a institucionalização de um conceito. Brasília: Ed. Ibama.

Oliveira, E. C., Gaspar, M. A., Fernandes, J. L. N., & Silva Filho, J. R. T. (2014). Análise de um aglomerado no setor sucroenergético: Estudo de caso na microrregião geográfica de Assis-SP. Revista Brasileira de Administração Científica, v. 5, n. 3. doi.org/10.6008%2FSustenere2179-684X.2014.003.0008.

Oliveira, E. C., & Pereira, R. S. (2013). Projeto Etanol Verde: O Protocolo Agroambiental e o compromisso com o meio ambiente no setor sucroenergético da microrregião de Assis (SP). In: XVI SEMEAD – Seminários em Administração. São Paulo. Anais... São Paulo-SP, out.

Oliveira, E. C. (2015). Influência do Protocolo Agroambiental na gestão ambiental de indústrias do setor sucroenergético da microrregião de Assis/SP: um estudo de múltiplos casos. 391 f. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Municipal de São Caetano do Sul – PPGS/USCS. São Caetano do Sul, São Paulo.

Paulraj, A. (2009). Environmental motivations: a classification scheme and its impact on environmental strategies and practices. Business Strategy and the Environment, v. 18, n. 7, pp. 453-468.

Porter, M. E., & Van der Linde, C. (1999). Verde e competitivo: acabando com o impasse. In: Porter, M. E. Competição = On competition: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus.

Psomas, E. L., Fotopoulos, C. V., & Kafetzopoulos, D. P. (2011). Motives, difficulties and benefits in implementing the ISO 14001 Environmental Management System. Management of Environmental Quality, n. 4, v. 22, pp. 502-521.

Rodrigues, D. M. T. (2013). Sustentabilidade do setor sucroalcooleiro na Microrregião de Ceres – GO. 281 f. (Tese Doutorado em Ciências Ambientais). Programa de Doutorado em Ciências Ambientais. Universidade Federal de Goiás – UFG. Goiânia/GO.

Rossetto, R. (2010). A cana-de-açúcar e a questão ambiental. In: Dinardo-Miranda, L. L.; Vasconcelos, A. C. M.; Landell, M. G. A. (Eds.). Cana-de-açúcar. Campinas: Instituto Agronômico (IAC).

Rudorff, B. F. T., Aguiar, D. A., Silva, W. F., Sugawara, L. M., Adami, M., & Moreira, M. A. (2010). Studies on the rapid expansion of sugarcane for ethanol production in São Paulo state (Brazil) using Landsat Data. Remote Sensing, v. 2, pp. 1057-1076. doi:10.3390/rs2041057.

São Paulo (Estado). (1994). Lei Complementar no 760, de 1o de agosto de 1994. Estabelece Diretrizes para a Organização Regional do Estado de São Paulo. Diário Oficial do Estado, v. 104, n. 142.

Schaltegger, S., Beckmann, M., & Hansen, E. G. (2013). Transdisciplinarity in corporate sustainability: mapping the field. Business Strategy and the Environment, v. 22, n. 4, pp. 219-229. DOI: 10.1002/bse.1772.

Secretaria de Estado do Meio Ambiente – SMA (Estado). (2008). Etanol Verde. Roteiro de Apresentação do Relatório Descritivo – 2008. São Paulo: SMA. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2014.

Secretaria de Estado do Meio Ambiente – SMA (Estado). (2014). Etanol Verde: Resultados Safra 2013-2014. Disponível em: < http://www.ambiente.sp.gov.br/etanolverde/files/2014/05/Resultados-safra-2013_2014-Etanol-Verde.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2014.

Shrivastava, P., Ivanaj, S., & Persson, S. (2013). Transdisciplinary study of sustainable enterprise. Business Strategy and the Environment, v. 22, n. 4, pp. 230-244. DOI: 10.1002/bse.1773.

Stake, R. E. (2005). Multiple Case Study Analysis. New York: The Guildford Press.

Stravos, C., Westberg, K. (2009). Using triangulation and multiple case studies to advance relationship marketing theory. Qualitative Market Research: An International Journal, v. 12, 3. 3, pp. 307-320.

Swanborn, P. G. (2010). Case Study Research: what, why and how? London: Sage.

Tatoglu, E., Bayraktar, E., & Arda, Ö. A. (2015). Adoption of Corporate Environmental Policies in Turkey. Journal of Cleaner Production. DOI: 10.1016/j.jclepro.2014.12.039. in Press.

Tsang, E. W. K. (2013). Case study methodology: causal explanation, contextualization, and theorizing. Journal of International Management, v. 19, n. 2, pp. 195-202.

Vilha, A. M., & Quadros, R. (2012). Gestão da inovação sob a perspectiva do desenvolvimento sustentável: lições das estratégias e práticas na indústria de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos. RAI – Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 9, n. 3, pp. 28-52, jul./set.

Voss, C.; Tsikriktsis, N.; Frohlich, M. (2002). Case research in operations management. International Journal of Operations & Production Management, v. 22, n. 2, pp. 195-219.

Wells, P., & Faro, T. (2011). Eco-efficiency, self-sufficiency and sustainability in transport: the limits for Brazilian sugarcane ethanol policy. Natural Resources Forum, v. 35, pp. 21-31.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman.

Zhen, N., Fu, B., Lu, Y., & Wang, S. (2014). Poverty reduction, environmental protection and ecosystem services: a prospective theory for sustainable development. Chinese Geographical Science, v. 24, n. 1, pp. 83-92. doi: 10.1007/s11769-014-0658-5.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000