Sustentabilidade Empresarial: Um Estudo de Caso na Empresa Artecola

Cristiane Froehlich, Claudia Cristina Bitencourt

Resumo


O presente estudo tem como objetivo verificar as práticas de sustentabilidade que contemplam o triple bottom line na empresa Artecola. A matriz da empresa localiza-se no Rio Grande do Sul, possui unidades em vários estados no Brasil, na América Latina e na China. A empresa atua em três setores: químico, coureiro-calçadista e plástico de engenharia. Esta pesquisa classifica-se em bibliográfica, descritiva e estudo de caso qualitativo. Os dados foram coletados por meio de 10 entrevistas semiestruturadas e documentos internos, analisados por meio da análise de conteúdo qualitativa. Os principais resultados mostram que as práticas de sustentabilidade contemplam o triple bottom line na empresa estudada. Contudo, o conceito de sustentabilidade não é compreendido de modo sistêmico na organização. Assim, os três pilares do triple bottom line (econômico, ambiental e social) não são, necessariamente, contemplados de modo interdependente nas ações de sustentabilidade empresarial atualmente.


Palavras-chave


Sustentabilidade Empresarial. Pilar Econômico. Pilar Ambiental. Pilar Social.

Referências


Almeida, F. (2007). Os desafios da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Elsevier.

Andino, B. F. A. (2011). Proposta de uma estrutura analítica para a identificação do perfil de sustentabilidade de cadeias de suprimentos. Tese (Doutorado em Administração). Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Artecola (2013). Disponível em: www.empresasartecola.com.br. Acesso em: out. de 2013.

Artecola (2015). Disponível em: www.empresasartecola.com.br. Acesso em: nov. de 2015.

Balanço Social (2012; 2014). Novo Hamburgo: Artecola.

Barbieri, J. C. (2007). Organizações inovadoras sustentáveis. In: Barbieri, J. C., & Simantob, M. (2007). Organizações inovadoras sustentáveis: uma reflexão sobre o futuro das organizações. São Paulo: Atlas.

Barbieri, J. C., & Cajazeira, J. E. R. (2009). Responsabilidade social empresarial e empresa sustentável: da teoria à prática. São Paulo: Saraiva.

Barbieri, J. C., Vasconcelos, I. F. G. de, Andreassi, T., & Vasconcelos, F. C. de. (2010). Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições. São Paulo: RAE – Revista Administração Eletrônica, v. 50, n. 2, p. 146-154, abr./jun.

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bell, S., & Morse, S. (2008). Sustainability indicators: measuring the immeasurable? 2 ed. Londres: Earthscan.

Bossel, H. (1999). Indicators for Sustainable Development: theory, method, applications. Canada: International Institute for Sustainable Development.

Brown, D., Dillard, J., & Marshall, R. S. (2006). Triple bottom line: a business metaphor for a social constructo. Disponível em: http://www.recercat.cat/bitstream/handle/2072/2223/UABDT06-2.pdf?sequence=1. Acesso em: nov. de 2015.

Catalisa. (2003). Rede de Cooperação para a Sustentabilidade. Disponível em: http://www.catalisa.org.br/content/view/30/59/ Acesso em: fev. de 2013.

Coral, E. (2002). Modelo de planejamento estratégico para a sustentabilidade empresarial. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis – SC.

Dias, R. (2014). Eco-Inovação: caminho para o crescimento sustentável. São Paulo: Atlas.

Elkington, J. (1997). Cannibals with forks: the triple bottom line of 21st century business. Oxford: Capstone Publishing.

Flick, U. (2004). Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2 ed. Porto Alegre: Bookman.

Gladwin, T. N., Krause, T., & Kennelly, J. (1995). Eco-efficiency: toward socially sustainable business. Sustainable Development, v.3, p. 35-43.

Gobble, M. M. (2012). Innovation and sustainability. Research Technology Management, v. 55 (5), p. 64- 66, September-October.

Hart, S., & Milstein, M. B. (2004). Criando valor sustentável. RAE Executivo, v. 3, n. 2, p. 65-79, maio/julho.

Jiménez Herrero, L. (2000). Desarrollo sostenible: transición hacia la coevolución global. Madrid: Pirámide.

Lafferty, W. M., & Meadowcroft, J. (2000). Implementing sustainable development. Oxford: Oxford University Press.

Menoni, J. (2008). 60 anos: soluções inovadoras que unem. Porto Alegre: Algo Mais Editora.

Oppen, C. V., & Brugman, L. Organizational capabilities as the key to sustainable innovation. (2011). XXII ISPIM Conference Held in Hamburg-Germany, 12-15 June. Disponível em:

www.ispin.org/members/proocedings/ISPIM2011/commonfiles/files/320710409_Paper.pdf

Acesso em: mar. de 2016.

Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE. (1993). Core set of indicators for environ¬mental performance reviews: a synthesis report by the group on the environment. Paris: OECD.

Porter, M. E., & Kramer, M. R. (2006). Strategy e society: the link between competitive advantage and corporate social responsibility. Harvard Business Review, p. 1-15, December.

Savitz, A. W., & Weber, K. (2007). A empresa sustentável: o verdadeiro sucesso é o lucro com responsabilidade social e ambiental. Rio de Janeiro: Elsevier.

Slaper, T. F., & Hall, T. J. (2011). The triple bottom line: What is it and how does it work? Disponível em: http://www.ibrc.indiana.edu/ibr/2011/spring/article2.html. Acesso em: nov. de 2015.

Van Marrewijk, M. (2003). Concepts and definitions of CRS and corporate sustentability: between agency and communion. Journal of Business Ethics, v. 44, p. 95-105.

Werbach, A. (2010). Estratégia para sustentabilidade: uma nova forma de planejar sua estratégia empresarial. Rio de Janeiro: Elsevier.

Willard, Bob. (2014). Como fazer a empresa lucrar com sustentabilidade. São Paulo: Saraiva.

World Commission on Environment and Development – WCED. (1987). Our common future. Oxford: Oxford University Press.

Yin, R. K. (2005). Estudo de Caso: planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional