Uma Abordagem Sobre a Eficiência, Eficácia e Efetividade dos Projetos e Ações, de Cunho Social, Ofertados pelo Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

Gustavo Afonso Santi Rossi, Waldir Jorge Ladeira dos Santos

Resumo


Este trabalho objetiva avaliar a política pública ofertada pelo Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro, que promoveu projetos e ações de cunho social na busca pela disseminação de práticas inovadoras e humanizadoras quanto aos aspectos da eficiência, eficácia e efetividade. Utilizou-se como principal método o estudo de caso, sendo complementado pelos tipos de pesquisa bibliográfica, de campo e documental. Concluiu-se, dentre outras questões, que: 1) a avaliação da eficiência comportou-se positivamente, tendo em vista a criação de departamento específico, realização de licitações na contratação de entidades filantrópicas e uma boa gestão dos recursos orçamentários e financeiros; 2) há a contraprestação ao Tribunal de Justiça dos investimentos e despesas dos projetos via prestação de serviços realizados pelos atores, além do cunho social materializado pelas práticas humanizadoras; 3) o indicador da efetividade apontou bons resultados em relação ao índice de não reincidência, em 2014, nos projetos “Começar de Novo” e “Justiça pelos Jovens”; 4) há vagas a serem preenchidas por novos atores nos projetos “Começar de Novo” e “Pais Trabalhando”, sinalizando que os referidos projetos atenderam parcialmente à política pública; 5) os projetos sociais fortalecem a atividade preventiva, com o resgate de conceitos de cidadania, promoção da família, incentivos à educação e profissionalização, buscando a mitigação dos conflitos da sociedade e disseminação da dignidade da pessoa humana.


Palavras-chave


Políticas Públicas. Projetos Sociais. Ações Sociais. Poder Judiciário.

Referências


Alfaro, J., & Martín, M. P. (2015). Proceso y oportunidades de la transferência del conocimiento desde la psicología comunitaria a las políticas públicas. Universitas Psychologica, 14(4), 15-25.

Alves, F. J. D. S., & Santos, W. J. L. D. (2011). Política Pública da Qualidade em Educação. Pensar Contábil, 13(52), 15-25.

Arretche, M. (2003). Dossiê agenda de pesquisas em políticas públicas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18 (51), 7-9.

Assis, R. D. D. (2007). A realidade atual do sistema penitenciário brasileiro. Revista CEJ, 11(39), 74-78.

Bobbio, N., & Coutinho, C. N. (1982). O conceito de sociedade civil. Rio de Janeiro: Graal.

Borges, F. G. (2001). Responsabilidade social: efeitos da atuação social na dinâmica empresarial. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Cavalcante, P. L. (2007). O Plano Plurianual: resultados da mais recente reforma do Planejamento e Orçamento no Brasil. Revista do Serviço Público, 58 (2), 129-150.

Coraggio, J. L. (2015). Desafíos en la formación professional vinculados a la economía popular, las políticas públicas y el desarrollo local. El rol de la universidad. En Revista+E versión digital, (5), 6-19.

Corrêa, R. L. (1993). O Espaço Urbano. São Paulo: Ática.

Costa, F. L., & Castanhar, J. C. (2003). Avaliação de programas públicos: desafios conceituais e metodológicos. Revista de Administração Pública, 37(5), 969-992.

Cotta, T. C. (1998). Metodologias de avaliação de programas e projetos sociais: análise de resultados e de impacto. Revista do Setor Público, 49(2), 103-124.

Diz, J. B. M., & Caldas, R. C. D. S. G. (2015). Aspectos estruturais e funcionais do controle orçamentário e da gestão eficiente: análise dos Tribunais de Contas do Brasil e da União Europeia. Revista do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, 33(3), 56-72.

Draibe, S. M. (1991, maio). Metodologia de análise comparativa de programas sociais. Trabalho apresentado em Seminário da CEPAL, em Santiago, Chile, 6-8.

Elorza, A. V., & Munguía, A. R. (2016). Política pública en materia de desarrollo social mediante el Fondo de Infraestructura Social Municipal Potosino. EconoQuantum, 13(1), 29-49.

Federal, G. Ministério da Justiça (MJ) – Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN). (2014). Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias INFOPEN. Recuperado em 24 de junho, 2015, de http://www.justica.gov.br/mwg-internal/de5fs23hu73ds/progress?id=XlUXtmGUFV8ytDsvZ6kE-Ugg_WdgNo3evDbTkiTkU3I.

Giacomoni, J. (2009). Orçamento público. São Paulo: Atlas.

Höfling, E. D. M. (2001). Estado e políticas (públicas) sociais. Cadernos Cedes, 21(55), 30-41.

Jacobi, P. (1989). Políticas públicas: uma agenda de questões e indagações no contexto da transição. São Paulo em perspectiva, 3 (1/2), 42-45.

Januzzi, P. M. (2001). Indicadores sociais no Brasil: Conceitos fontes e aplicações. Campinas: Alínea.

Luque, C. A., & Silva, V. M. (2004). A lei de responsabilidade na gestão fiscal: combatendo falhas de governo à brasileira. Revista de Economia Política, 24(3), 404-421.

Madeira, L. (2004, setembro). A atuação da sociedade civil na ressocialização de egressos do sistema penitenciário. A questão social no novo milênio apresentado no VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais, Coimbra, Portugal, 16-18.

Marinho, A., & Façanha, L. O. (2001). Programas sociais: efetividade, eficiência e eficácia como dimensões operacionais da avaliação. IPEA.

O’Donnell, G. (1991). Democracia Delegativa? In: Novos Estudos, (31), 25-40.

Ortiz, J. C. O. (2014). Procesos sociales y comunitarios que posibilitan la construcción de ciudadanía-Mundo Juegópolis. EN-Clave Social, 3(2), 18-29.

Pires, A. A. C., & Gatti, T. H. (2006). A reinserção social de egressos do sistema prisional por meio de políticas públicas, da educação, do trabalho e da comunidade. Inclusão Social, 1(2), 58-65.

Poder Judiciário do Rio de Janeiro. (n.d.). Programas de Pró-Sustentabilidade. Recuperado em 16 de junho, 2015, de http://portaltj.tjrj.jus.br/web/guest/institucional/projetosespeciais/projetosespeciais.

Poder Judiciário do Rio de Janeiro. (n.d.). Transparência Institucional. Recuperado em 16 de julho, 2015, de http://www.tjrj.jus.br/web/guest/transparencia/apresentacao.

Raupp, F. M.; Beuren, I. M. (2003). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática, (3), 76-97.

Reis, E. P., & Moura, A. D. M. (1989). Política e políticas públicas na transição democrática. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 3(9), 90-104.

Ribeiro, N. A., & Caliman, G. (2015). Reabilitação criminal: o papel da educação social em processos de violência e exclusão. Interacções, 11(38), 80-101.

Santos, A., Serrano, M. M., & Neto, P. (2015). Análise da Eficácia, Eficiência e Valor Acrescentado de Políticas Públicas Place-based-uma aplicação a territórios rurais. Revista de Economia e Sociologia Rural, 53, 33-48.

Santos, W. J. L. (2010). Financiamento e investimento da educação nos municípios de Duque de Caxias e de Nova Iguaçu – RJ: avaliação da eficácia, da efetividade e da transparência das políticas públicas. Tese de doutorado, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Souza, A. L., & Souza, M. S. A. (2015). Ações sociais do terminal Santos Brasil. UNILUS Ensino e Pesquisa, 12(28), 135.

Souza, C. (2006). Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, 8(16), 20-45.

Valarelli, L. L. (1999). Indicadores de resultados de projetos sociais. Apoio à Gestão. Rio de Janeiro; site da RITS.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional