A Responsabilidade Social Empresarial e a Responsabilidade Civil Ambiental: Uma Aproximação Neoinstitucional

Rafael Sales Rios, Sara Silva Oliveira

Resumo


O novo paradigma econômico, que inclui a transformação ambiental pela ação do homem, provoca impactos e pressões nas diversas camadas sociais. Consequentemente, presencia-se diversas transformações institucionais e organizacionais para atender a essa nova demanda socioambiental. Este trabalho mostra, a partir do neoinstitucionalismo, como a dinâmica institucional afeta o processo decisório das organizações empresariais na adoção da responsabilidade ambiental em suas atividades dividindo-se, assim, em três partes. Na primeira parte, estuda-se a interação entre os agentes individuais, organizações e instituições, relacionando-as com a nova gestão ambiental presente no sistema social. Na segunda parte caracteriza-se o papel das instituições informais – costumes, cultura, valores – que coordenam as ações das organizações atuantes na responsabilidade social empresarial. Por fim, na terceira parte, explicita-se o papel das instituições formais – regras, regulamentos, legislações – que agasalham a responsabilidade civil ambiental.


Palavras-chave


Instituições, Organizações, Responsabilidade Social Empresarial, Responsabilidade Civil Ambiental.

Referências


Aguiar Dias, J. (1954). Da responsabilidade civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Edição Revista Forense. v.1.

Alcoforado, I.; Guedes, J.; Rios, R. & Sotero, F (2010). O Instituto da Responsabilidade e a Exploração de Petróleo em Águas Profundas. Economic Analysis of Law Review, v. 1, p. 305-323.

Ashley, P. (2005). A mudança histórica do conceito de responsabilidade social empresarial. In Ashley, P. (Coord.), Ética e responsabilidade nos negócios. 2. ed. São Paulo: Saraiva.

Beck, U. (2006). La sociedad del riesgo: hacia una nueva modernidad. Barcelona: Paidós.

Becker, G. A. (1983).Theory of competition among pressure groups for political influence. The Quarterly Journal of Economics. v. 98. n.3. p.371-400, 1983.

Bobbio, N. (2003) Teoria da norma jurídica. 2 ed. EDIPRO: Bauru.

Brasil.(1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado. 1988. Retrieved from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Chandler Jr., A. (1992). O que é uma firma? Uma perspectiva histórica. European Economic Review. n. 39, North-Holand.

Coase, R. (1937). The nature of firm. Economics, v. 4, p.386-405, nov.

Cooter, R., & Ulen, T. (2010) Direito e economia. Tradução: Luís Marcos Sander, Francisco Araújo da Costa. 5. ed. Porto Alegre: Bookman.

Coral, E., Rosseto, C. R., & Selig, P. M. (2002). O planejamento estratégico e a formulação de estratégias econômicas, sociais e ambientais: uma proposta em busca da sustentabilidade empresarial. Santa Catarina: UNIVALI e UFSC.

Dixit, A. (2007). Lawlesseness and economics: alternative modes of governance. New Jersey: Princenton University Press.

Donaire, D. (1994) Considerações sobre a influência da variável ambiental na empresa. RAE – Revista de Administração Eletrônica. v. 34, n. 2, p. 60-77. mar./abr.

Fabre, M. (2004). Seguro de responsabilidade civil por dano ambiental. In Teixeira, A. C. (Coord.). Contrato de seguro, dano, risco e meio ambiente. Rio de Janeiro: Funenseg. p.260-396.

Ferreira, R. (2005). Responsabilidade social empresarial e valor das empresas. In Ashley, P. (Coord.), Ética e responsabilidade nos negócios. 2. Ed. São Paulo: Saraiva.

Gico Jr., I. (2010). Epistemologia e metodologia da análise econômica do direito. Economic Analysis of Law Review. v.1. n. 1. p.7-32.

Gjølberg, M. (2009). The origin of corporate social responsibility: global forces or national legacies? Socio-economic review. V. 7, p. 605-637.

Kiperstok, A. (2000) Tendências ambientais do setor produtivo: prevenção da poluição e oportunidades de negócio. Nexos Econômicos, Salvador, v.2, n.1, out.

Knight, F. H. (2006). Risk, uncertainty and profit. New York: Cosimo.

Leite, J. (2000). Dano ambiental: do individual ao coletivo extrapatrimonial. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais.

Meinders, H. & Meuffels, M. (2001). Product chain responsibility – an industry perspective. International Journal of Corporate Sustainability. v.8, n. 4.

Mota, M. (2008). Princípio da precaução: uma construção a partir da razoabilidade e da proporcionalidade. In Mota, M. (Org.), Fundamentos teóricos do direito ambiental. p.29-63. Rio de Janeiro: Elsevier.

North, D. (1990). Institutions, institutional change and economic performance:political economy of institutions and decisions. Cambridge: Cambridge.

North, D. (1992) Custos de transação, instituições e desempenho econômico. 38p. Rio de Janeiro: Instituto Liberal.

Oliveira, S. & Alcoforado, I. (2011). The socio-technical system and the transition process to a more sustainable model of policymaking: the case of transit system in Salvador, Brazil. Second International Sustainable Transition Conference, Lund University, Sweden, June 13-15.

Oliveira, S. & Alcoforado, I. (2012). Multi-scalar conflict in technological transitions: the case of urban transport in Salvador, Brazil. Association of American Geographers Conference, New York, February 24-28.

Organização das Nações Unidas. Declaração do Rio de Janeiro sobre meio ambiente e desenvolvimento sustentável. Retrieved from: http://www.defensoria.sp.gov.br/dpesp/ Repositorio/31/Documentos/Declara%C3%A7%C3%A3o%20do%20RJ%20sobre%20meio%20ambiente%20e%20desenvolvimento%20-%201992.pdf.

Pindyck, R. ; Rubinfeld, D. (2010). Microeconomia. 7.ed., São Paulo: Prentice Hall.

Silva, C. (2008). O princípio do poluidor-pagador: da eficiência econômica à realização da justiça. In Mota, M. (Org.), Fundamentos teóricos do direito ambiental. p.81-99. Rio de Janeiro: Elsevier.

Souza, M. T. (1993) Rumo à prática empresarial sustentável. RAE – Revista de Administração Eletrônica. v.33, n.4, p. 40-52, jul./ago.

Stigler, G. (1971). The theory of economic regulation. The Bell Journal of Economics and Management Science. v.2, n. 1. p. 3-21.

Trebilcock, M. & Daniels, R. (2008). Rule of law reform and development. Charting the fragile path of progress. Massachusetts: Edward Elgar.

Veloso, L. (2005). Ética, valores e cultura: especificidades do conceito de responsabilidade social corporativa. In Ashley, P. (Coord.), Ética e responsabilidade nos negócios. 2. Ed. São Paulo: Saraiva.

Williamson, O. (2000). The new institutional economics: taking stock, looking ahead. Journal of Economics Literature, v. 38, n. 3, p. 595-613, set.

Williamson, O. (2002). The theory of the firm as governance structure: from choice to contract. Journal of Economic Perspectives, v.16, n.3, p. 171-195, ago.

Williamson, O. (2005). Por que direito, economia e organizações? In Zylbersztajn, D.; Sztajn, R. (Org.). Direito & economia: análise econômica do direito e das organizações. p. 16-59 Rio de Janeiro: Elsevier.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000