Mapeamento de Tecnologias Ambientais: Um Estudo sobre Patentes Verdes no Brasil

Cláudia Cardinale Nunes Menezes, Sérgio Menezes dos Santos, Robelius De-Bortoli

Resumo


Atualmente o sistema patentário brasileiro funciona como um propulsor para o desenvolvimento econômico e sustentável, atuando como um tipo de indutor para a inovação das questões ambientais. Fato este observado na relação entre as tecnologias verdes e o sistema patentário, na forma do Programa Piloto de Patentes Verdes do Instituto Nacional de Propriedade Industrial [Inpi], mas será que as patentes verdes desenvolvidas satisfazem as áreas de maior necessidade e quais regiões mais se destacam no Brasil? Utilizando como método de pesquisa a patentometria, este artigo tem por objetivo identificar o nível de utilização de tecnologias verdes, por meio do mapeamento tecnológico das patentes verdes deferidas no Inpi. A análise da pesquisa sobre patentes verdes possibilitou traçar uma perspectiva sobre as áreas tecnológicas, as regiões e os titulares que realizam pesquisas verdes no Brasil. Constatou-se que as áreas com maior quantidade de patentes verdes deferidas estão diretamente relacionadas aos investimentos realizados pelas empresas, em cada setor de interesse. Quanto à identificação por região, destacaram-se o Sul e o Sudeste, e observa-se que quanto maior o investimento em educação e infraestrutura científica e tecnológica, maiores os resultados de desenvolvimento de pesquisas verdes. Espera-se que o artigo contribua para a ampliação e a compreensão sobre a propriedade industrial na forma das patentes verdes.


Palavras-chave


Inovação verde. Propriedade industrial. Patentes verdes. Prospecção tecnológica.

Referências


Barros, C. E. C. (2007). Manual de direito da propriedade intelectual. Aracaju: Evocati.

Brasil. (1995). Responsabilidade Socioambiental – Agenda 21. Ministério do Meio Ambiente. Disponivel em: www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21. Acesso em: 05 jun. 2014.

Brasil. (2009). Lei no 12.187, de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima – PNMC. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12187.htm. Acesso em: 12 maio 2015.

Carvalho, S. S. M., & Chaves, C. V. (2007). Polos tecnológicos e desenvolvimento regional. ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, XXXV, 1-20.

Chang, P. L., Wu, C. C., & Leu, H. J. (2010). Using patent analyses to monitor the technological trends in an emerging field of technology: a case of carbon nanotube field emission display. Scientometrics, 82(1), 5-19.

Chaves, M. M. (2011). Patentes verdes: amadurecendo à ideia. Migalhas. ISSN 1983-392X. Disponivel em http://www.migalhas.com.br/. Acesso em: 04 jul. 2015.

Claro, P. B. O., & Claro, D. P. (2014). Sustentabilidade estratégica: existe retorno no longo prazo? Revista de Administração, 49(2), 291-306.

Costa, M. (2015). Brasil busca tecnologia para fontes de energia alternativas. Folha de S. Paulo. Publicado em 11/06/2015. Disponível em http://m.folha.uol.com.br/mercado/2015/06/1640371-pais-busca-tecnologia-para-fontes-de-energia-alternativas.shtml. Acesso em: 13 jul. 2015.

Cunha, B. P. & Augustin, S. (2014). Sustentabilidade Ambiental: estudos jurídicos e sociais. Caxias do Sul: UCS.

Farias, L. A., & Fávaro, D. I. (2011). Vinte anos de química verde: conquistas e desafios. Química Nova, 34(6), 1089-1093.

Ferraz, R. R. N., Quoniam, L., Reymond, D., & Nigro, C. A. (2015). Exemplo de Uso Gratuito do OPS (Open Patent Service) para Educação e Informação em Patentes por meio da Utilização da Ferramenta Computacional Patent2net. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Porto Alegre, RS, Brasil, 39.

Fundación, E. O. I. (2010). La innovación patentada en España en el sector de las tecnologías mitigadoras del cambio climático:(1979-2008). EOI Esc. Organiz. Industrial.

Gonçalves, J. C. S., & Duarte, D. H. S. (2006). Arquitetura sustentável: uma integração entre ambiente, projeto e tecnologia em experiências de pesquisa, prática e ensino. Ambiente Construído, 6(4), 51-81.

Guzmán Sánchez, M. V. (1999). Patentometría: herramienta para el análisis de oportunidades tecnológicas. Tese de Doutorado em Gerência de Información Tecnológica) – Facultad de Economia, Universidade de La Habana, Cuba.

Inpi. Instituto Nacional da Propriedade Industrial. (2011). Principais Titulares de Pedidos de Patente no Brasil, com Prioridade Brasileira. Depositados no Período de 2004 a 2008. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu- servicos/informacao/arquivos/principais_titulares_julho_2011.pdf.

Inpi. Instituto Nacional da Propriedade Industrial. (2012). Resolução Inpi 283/2012. Disciplina o exame prioritário de pedidos de Patentes Verdes, no âmbito do Inpi, os procedimentos relativos ao Programa Piloto relacionado ao tema e dá outras providências. Disponível em: http://ld2.ldsoft.com.br/siteld/arq_avisos/Comunicados_Patentes1_RPI_2154.pdf.

Inpi. Instituto Nacional de Propriedade Industrial. (2014). Busca Patentes. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/portal/artigo/busca_patentes.

Inpi. Instituto Nacional de Propriedade Industrial. (2014). Patentes Verdes. Fonte: Inpi: www.inpi.gov.br/portal/artigo/patentes_verdes.

Lenardão, E. J., Freitag, R. A., Dabdoub, M. J., Batista, A. C. F., & Silveira, C. D. C. (2003). Green chemistry: the 12 principles of green chemistry and it insertion in the teach and research activities. Química Nova, 26(1), 123-129.

Macedo, I. C. D. (2003). Estado da arte e tendências tecnológicas para energia. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Brasília, janeiro, 50 p.

Macias-Chapula, C. A. (1998). O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, 27(2), 134-140.

Morais, S. (2014). Prospecção tecnológica em documentos de patentes verdes. Dissertação-Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Aplicadas, Departamento de Ciência da Informação, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. João Pessoa, PB, Brasil.

Narin, F., Breitzman, A., & Thomas, P. (2005). Using patent citation indicators to manage a stock portfolio. In: Handbook of Quantitative Science and Technology Research (pp. 553-568). Springer Netherlands.

Oliveira, F. A., Freitas, L. B. V., & de Souza Dantas, T. K. (2013). Sustentabilidade, Inovação e Patente Verde. Anais do Simpósio Internacional de Inovação Tecnológica-SIMTEC, 1(1), 670-680.

Pereira, C. (2008). O fluxo e as dimensões socioespacial e socioinstitucional do conhecimento em Ciência, Tecnologia & Inovação: um estudo patentiométrico da produção tecnológia da Unicamp. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Campinas, São Paulo, Brasil.

Rassenfosse, G., Dernis, H., Guellec, D., Picci, L., & De la Potterie, B. V. P. (2013). The worldwide count of priority patents: A new indicator of inventive activity. Research Policy, 42(3), 720-737.

Reis, P., Osawa, C., & Martinez, M. (2013). Programa das Patentes Verdes no Brasil: aliança verde entre o desenvolvimento tecnológico, crescimento econômico e a degradação ambiental. Congresso Latino-ibero-americano de gestão de tecnologia, ALTEC.

Rittl, C. (2009). Mudanças climáticas e transferência de tecnologia. Mudanças Climáticas. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2014.

Sanz Casado, E. (2006). Los estudios métricos de la información y la evaluación del a actividad cientifica: conceptos básicos. Material didático de curso “Os estudos métricos da informação”, ministrado no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação USP. São Paulo, SP, Brasil: ECA/USP.

Watson, R. T., & Albritton, D. L. (2001). Climate change 2001: Synthesis report: Third assessment report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Cambridge: Cambridge University Press.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional