A Preocupação Ambiental é Transformada em Intenção de Compra para Produtos Verdes no Varejo?

Sergio Silva Braga Junior, Dirceu da Silva, Evandro Luiz Lopes, Marcos Antônio Gaspar

Resumo


A preocupação ambiental influencia a intenção de compra para produtos verdes no varejo? Com o objetivo de avaliar se o consumidor apresenta intenção de compra para produtos verdes no varejo, no presente estudo buscou-se analisar a influência da preocupação ambiental no comportamento do indivíduo na aquisição de produtos verdes no varejo. Neste sentido, foi realizada uma pesquisa exploratória, de natureza quantitativa por meio de um survey com uma amostra de 176 consumidores que residem na zona sul da cidade de São Paulo, respondendo acerca de sua percepção sobre como eles acreditam que outros indivíduos da sociedade responderiam aos mesmos itens. Foi desenvolvida uma escala baseada em dois estudos anteriores. A referida escala aplicada foi validada por dez especialistas quanto ao seu conteúdo e adequação dos construtos para mensurar a percepção ambiental e a intenção de compra dos respondentes. Na análise dos dados foi utilizado o modelo de equações estruturais com base em variância, PLS-PM. Os resultados encontrados demonstram que o consumidor apresenta intenção de compra para produtos verdes no varejo. Contudo, não se observa, na mesma proporção, quando se trata de sua percepção como membro da sociedade, isto é, as respostas coletadas apresentam uma tendência para a desejabilidade social, ou seja, o consumidor responde com a preocupação de ser politicamente correto.


Palavras-chave


Comportamento do Consumidor, Intenção de Compra, Preocupação Ambiental, Responsabilidade Socioambiental.

Referências


Ajzen, I. (2001). Nature and operation of attitudes. Annual Reviews Psychology, 52, 27-58.

Ajzen, I., & Fishbein, M. (1977). Attitude-behavior relations: a theoretical analysis and review of empirical research. Psychological Bulletin, 84(5), 888-918.

Ajzen, I., & Timko, C. (1986). Correspondence between health attitudes and behavior. Basic and applied Social Psychology. 4(7), 259-276.

Alturas, B. (2005). Venda directa: determinantes da aceitação do consumidor. Tese de Doutorado em Administração, ISCTE. Lisboa, Portugal. Recuperado em 12 de abril, 2012, de < http://www.iscte.pt/~baa/Tese.pdf>.

Andrade, J. C. S., Cardoso, L. M. F., & Marinho, M. M. (2006). Análise dos balanços ambientais no estado da Bahia sob a perspectiva da produção limpa. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, Brasil, 30.

Anzieu, D. Os métodos projetivos. (1981). Rio de Janeiro: Campus.

Ashley, P. A. (2002). Ética e responsabilidade social nos negócios. Saraiva: São Paulo.

Barbieri, J. C. (2004). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva.

Barros, R., Moreira, P., & Oliveira, B. (2005). Influência da desejabilidade social na estimativa da ingestão alimentar obtida através de um questionário de frequência de consumo alimentar. Acta Méd Port, 18, 241-248.

Bedante, G. N. (2004). A influência da consciência ambiental e das atitudes em relação ao consumo sustentável na intenção de compra de produtos ecologicamente embalados. Dissertação de Mestrado em Administração. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RG, Brasil.

Bedante, G. N., Slongo, L. A. (2004) O comportamento de consumo sustentável e suas relações com a consciência ambiental e a intenção de compra de produtos ecologicamente embalados Anais do Encontro de Marketing da Asssociação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 1. Porto Alegre, RS, Brasil.

Bergeret, J.; Bécache, A.; Boulanger, J.-J.; Chartier, J.-P.; Dubor, P.; Houser, M.; Lustin, J.-J. (2006). Psicopatologia: teoria e clínica. Porto Alegre: Artmed.

Bido, D. S., Godoy, A. S., Ferreira, J. F, Moreira, J., & Scartezini, V. N. (2011). Examinando a relação entre aprendizado individual, grupal e organizacional em uma instituição financeira. REAd, 17(1), 58-86.

Bido, D. S., Silva, D., Souza, C. A., & Godoy, A. S. (2009). Indicadores formativos na modelagem em equações estruturais com estimação via PLS-PM: como lidar com a multicolinearidade entre eles? Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade da Asssociação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração Curitiba, PR, Brasil, 2.

Blackwell, R. D., Miniard, P. W., & Engel, J. F. (2005). Comportamento do consumidor. São Paulo: Pioneira Thomson.

Braga Junior, S. S. (2007). Gestão ambiental no varejo: um estudo das práticas de logística reversa em supermercados de médio porte. Dissertação de Mestrado em Administração de Organizações. FEARP/USP, São Paulo, SP, Brasil.

Braga Junior, S.S., Silva, D., & Aquino, N. Pensando como sociedade o comportamento do consumidor muda para recompensar empresas socioambientalmente responsáveis? Anais Encontro Nacional e Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, Fortaleza, CE, Brasil,12 e 1.

Cabecinhas, R. (2002). Media, etnocentrismo e estereótipos sociais. Actas do Congresso de Ciências da Comunicação, 1. Lisboa, Portugal.

Cardigo, A. C. J. (2008). The adoption of ecological conscious consumer behavior: exploring the association with materialism and voluntary simplicity lifestyles. Dissertação de Mestrado em Administração, ISCTE Business School, Lisboa.

Ceschim, G.; Marchetti, R. Z. (2009). O comportamento inovador entre consumidores de produtos orgânicos: uma abordagem qualitativa. In: Encontro Da Anpad, Xxxiii, São Paulo, 2009. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 33. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Chin, W. W. (1995). Partial least squares is to lisrel as principal components analysis is to common factor analysis. Technology Studies, 2, 315-319.

Dangelico, R. M., Pontrandolfo, P. (2010). From green product definitions and classifications to the green option matrix. Journal Of Cleaner Production, 18, 1608-1628.

Dashefsky, S.(1997). Dicionário de ciência ambiental: Guia de A a Z. São Paulo: Gaia.

Devellis, R. F. (2003). Scale development: theory and applications. Thousand Oaks: Sage Publications.

Dias, R. (2006). Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas.

Garcia, M. N., Silva, D., Pereira, S. R., Rossi, B. G., & Minciotti, S. A. (2008). Inovação no comportamento do consumidor: recompensa às empresas socioambientalmente responsáveis. Rai - Revista de Administração e Inovação, 5(2), 73-91.

Gomes, A., & Moretti S. L. A. (2007). A responsabilidade e o social: uma discussão sobre o papel das empresas. São Paulo: Saraiva.

Gouveia, V. V., Costa, J. M., Araujo, L. B. U., Gouveia, R. S. V., Medeiros, E. D., & Gonçalves, M. P. (2009). Disposição para perdoar, desejabilidade social e religião: um estudo correlacional. Revista Bioética, 17(2), 297-308.

Hair, J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (2009). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.

Harrington, H. J., & Knight, A. (2001). A implementação da ISO 14000: como atualizar o sistema de gestão ambiental com eficácia. São Paulo: Atlas.

Henseler, J., Ringle, C. M., & Sinkovics, R. R. (2009). The use of partial least squares path modeling in international marketing. Advances In International Marketing, 20(1), 277-319.

Howard, J., & Sheth, J. (1969). The theory of buyer behavior. New York: John Wiley.

Irwin, J. R.; Naylor. R. W. (2009). Ethical decisions and response mode compatibility: weighting of ethical attributes in consideration sets formed by excluding versus including product alternatives, Journal of Marketing Research, 46, 234–46.

Jacobi, P. (2006). Sustentabilidade ambiental, consumo e cidadania. Resenhas/Book Reviews. Ambiente & Sociedade, IX (1).

Jöreskog, K., & Sörbom, D. (2003). Lisrel 8.54 Student Edition. Lincolnwood: Scientific Software International.

Kaiser, F. G., Wolfing, S., & Fuhrer, U. (1999). Environmental attitude and ecological behaviour. Journal of Environmental Psychology, 19, 1-19.

Kim, Y., & Choi, S. M. (2005). Antecedents of green purchase behavior: an examination of collectivism, environmental concern and pce. Advances in Consumer Research, 32, 592-599, 2005.

Kotler, P.; Keller, K. L. (2006). Administração de Marketing. São Paulo.

Krikke, H. (1998). Recovery strategies and reverse logistics network design. Amsterdã: Beta-Institute for Business Engineering and Technology Application.

Lages, N. S., & Vargas Neto, A. (2002). Mensurando a consciência ecológica do consumidor: um estudo realizado na cidade de Porto Alegre. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 30, Salvador, BA, Brasil.

Lordelo, E. R.; Fonseca, A. L., & Araujo, M. L. V. B. (2000). Responsividade do ambiente de desenvolvimento: crenças e práticas como sistema cultural de criação de filhos. Psicologia: Reflexão e Critica, 13(1).

Luchs, M., Naylor, R. W., Irwin, J. R., & Raghunathan, R. (2010). The sustainability liability: potential negative effects of ethicality on product preference. Journal of Marketing, 74, 418-431.

Luo, X., & Bhattacharya, C. B. (2006). Corporate social responsibility, customer satisfaction, and market value, Journal of Marketing, 70 (October), 1–18.

Luthans, F., & Youssef. C. M. (2007). Emerging positive organizational behavior. Journal of Management, 33(3), 321-349.

Maimon, D. (1994). Eco-estratégia nas empresas brasileiras: realidade ou discurso? Revista De Administração ee Empresas, 34(4), 119-130.

Moretti, S. L. A., Silva, D., & Braga Jr., S. S. (2010). Fatores de influência no consumo “verde”: um estudo sobre o comportamento de compra no setor supermercadista. Anais do Encontro Nacional, XII e Encontro Internacional Sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, I, São Paulo, SP, Brasil.

Morh, L. A., & Webb, D. J. (2005). The effects of corporate social responsibility and price on consumer responses. The Journal of Consumer Affairs, New Jersey, 39 (1), 121-147.

Morwitz, V. G., Steckel, J. H., & Gupta, A. (2007). When do purchase intentions predict sales? International Journal Of Forecasting, 23, 347-364.

Moura, L. A. A. (1998). Qualidade e gestão ambiental. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira.

Moysés Filho, J. E., Rodrigues, A. L., & Moretti, S. L. A. (2009). Gestão social e ambiental em PMES fornecedoras de grandes empresas: influência e poder sob a perspectiva da teoria dos stakeholders. Anais do Encontro Nacional e do Encontro Internacional Sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, 11 e 1. Fortaleza, CE, Brasil.

Oliveira, B., Gouvêa, M., & Guagliardi, J. A (2004). Influência da responsabilidade social nas decisões de compra de produtos de conveniência. Anais do Encontro da ANPAD, 28. Curitiba, PR, Brasil.

Poínhos, R., Correia, F., Faneca, M., Ferreira, J., Gonçalves, C., Pinhão, S., & Medina, J. L. (2008). Desejabilidade social e barreiras ao cumprimento da terapêutica dietética em mulheres com excesso de peso. Acta Med Port, 21, 221-228.

Porges, S. (2007). Ethical consumers and corporate responsibility: The market snd trends For ethical products in food and beverage. Personal care and household items. Newyork: Packaged Facts.

Porter, M. E., & Kramer, M. R. (2005). A vantagem competitiva da filantropia corporativa. Ética e responsabilidade social nas empresas; Tradução (Cunha Serra, A. C. da, trad.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Portilho, F. (2010). Sustentabilidade ambiental, consumo e cidadania, São Paulo: Cortez.

Puncheva, P. (2008). The role of corporate reputation in the stakeholder decision-making process. Business & Society, 47(3), 272-290.

Reinhardt, F. L. 1998. Environmental product differentiation: implications for corporate strategy. California Management Review, 40(4), 43-73.

Ribas Junior, R. C., Seidl-de-Moura, M. L., & Bornstein, M. H. (2007). Cognições maternas acerca da maternidade e do desenvolvimento humano: uma contribuição ao estudo da psicologia parental. Revista Brasileira do Crescimento e Desenvolvimento Humano, 17(1), 104-113.

Ribas Junior, R. C., Seidl-de-Moura, M. L., & Hutz, C. S. (2004). Adaptação brasileira da escala de desejabilidade social de Marlowe-Crowne. Avaliação Psicológica, 3 (2), 83-92.

Ringle, C. M., Wende, S., & Will, A. (2005). Smartpls 2.0 M3 (Beta). Berlim: University Of Hamburg. Recuperado em 18 novembro, 2010, de http://www.smartpls.de/forum/

Sun, B., Morwitz, V. G. (2010). Stated intentions and purchase behavior: A unified model. International Journal of Research in Marketing, 27(4), 356-366.

Tenenhaus, M., Vinzi, V. E., Chatelin, Y., & Lauro, C. (2005). PLS Path Modeling. Computational Statistics & Data Analysis, 48, 159-205.

Valle, C. E. (2006). Qualidade Ambiental – Iso 14000. São Paulo: Editora Senac.

Wetzels, M.; Odekerken-Schröder, G.; Oppen, C. V. (2009). Using PLS path modeling for assessing hierarchical construct models: Guidelines and empirical illustration. Mis Quarterly, 33(1), 177-195.

Xavier, L. H., Cardoso, R. S., & Adissi, P. J. (2006). Legislação ambiental sobre destinação de resíduos sólidos: o caso das embalagens plásticas pós-consumo. Anais do Simpósio de Engenharia de Produção, 13, Bauru, SP, Brasil.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000