Mapas Cognitivos para a Estruturação de uma Proposta de Sistematização da Competitividade e da Sustentabilidade em Cidades

Eduardo Codevilla Soares, Gessica Luza Paludo

Resumo


Frente ao processo de globalização e a ampliação da capacidade competitiva das cidades, muitas delas passaram a buscar formas de identificar e avaliar fatores relacionados à sua performance e aos impactos deste sobre o seu desenvolvimento. Tendo em vista a quantidade de elementos relacionados ao tema, no âmbito das cidades, as quais a algum tempo competem globalmente, torna-se relevante a aplicação de um ponto de vista sistêmico, para que assim seja possível demonstrar a influência de elementos econômicos, sociais e ambientais na competitividade das cidades. Assim sendo, o presente estudo tem por objetivo analisar em conjunto os principais fatores de competitividade e sustentabilidade no âmbito das cidades, considerando para isso a percepção de atores sociais e especialista. Com base na revisão da literatura proposta, foi possível identificar lacunas, sobreposições e relações entre essas áreas aparentemente contraditórias, frente a essa análise foi desenvolvida uma estrutura da análise conjunta a qual foi submetida a verificação de especialista e atores sociais aplicando-se para tal a construção de mapas cognitivos. Por fim, constatou-se que a aplicação dos mapas cognitivos para o fim proposto é possível, e além disso, com a aplicação dos mapas as definições dos elementos chave, meio e fim, se tornaram claras e capazes de demonstrar um caminho a ser traçado na busca pelo estabelecimento de relações entre a competitividade e a sustentabilidade de cidades.

Palavras-chave


Análise de Competitividade; Análise da Sustentabilidade; Desenvolvimento das Cidades; Competitividade Sustentável das Cidades.

Referências


Bastos, A. V. B. (2002). Mapas cognitivos e pesquisa organizacional: explorando aspectos metodológicos. Estudos de Psicologia, 7(1), 65-77.

Chikán, A. (2008). National and firm competitiveness: a general research model. Competitiveness Review: An International Business Journal, 18(1), 20-28.

Coutinho, L. G. & Ferraz, J. C. (2002). Estudo da competitividade da indústria brasileira (4ª Ed). São Paulo: Papirus.

Dorneles, D. R. (2011) Análise da competitividade em empresas de desenvolvimento de software instaladas no TECNOPUC no Rio Grande do Sul. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Elkington, J. (2012). Cannibals with forks: the triple bottom line of 21st century business. Stony Creek, CT :New Society Publishers.

Emerson, J. (2003). The blended value proposition: integrating social and financial returns. California Management Review, 45(4), 35-51.

Esterhuizen, D., Rooyen, J. V., D´haese, L. (2008). An evaluation of the competitiveness of the agribusiness sector in South Africa. Advances in Competitiveness Research – ACR. 16(1-2), 727 - 739.

Esser, K. Hillebrand, W. Messner, D. Meyer-stamer, J. (1996). Systemic competitiveness: New governance patterns for industrial development. London: Frank Cass & German Development Institute.

Feuer, R. & Chaharbachi, K. (1994) Defining Competitiveness: A holistic approach. Management Descision, 32(2), 49-58.

Friedman, M. (1971). The social responsibility of business is to increase its profits. The New York Times Magazine, 13(9), 122-126.

Garriga, E. & Melé, D. (2004). Corporate Social Responsibility Theories: Mapping the Territory. Journal of Business Ethics. 53(1), 51–71.

Husted, B. & Allen, D. (2007). Corporate Social Strategy in Multinational Enterprises: Antecedents and Value Creation. Journal of Business Ethics, 74(4), 345-361.

Jensen, M. C. (2001). Value maximization, stakeholder theory, and the corporate objective function. Journal of Applied Corporate Finance, 14(3), 8-21.

Krishnan, S. (2011). In Defense of Social Responsibility of Business. Mustang Journal of Business & Ethics. 31-37.

Machado-da-silva, C. L. & Barbosa, S. L. (2002). Estratégia, fatores de competitividade e contexto de referência: uma análise arquetípica. Revista de Administração Contemporânea, 6(3), 7-32.

Malhotra, N. (2001). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada (3. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Mazon, R. (2004). Uma abordagem conceitual aos negócios sustentáveis: manual de negócios sustentáveis (1. Ed.). São Paulo: FGV-EAESP

Petrini, M. & Pozzebon, M. (2010). Integrating sustainability into business practices: learning from Brazilian firms. Brazilian Administration Review, 7(4), 362-378.

Pidd, M. (2001). Modelagem empresarial: ferramentas para a tomada de decisão (1. Ed.). Porto Alegre: Bookman.

Prahalad, C. K.; Hamel, G. (1990). The Core Competence of the Corporation. Harvard Business Review, 68(1), 79-91.

Pidd, M. (2001). Modelagem empresarial: ferramentas para a tomada de decisão (1. Ed.). Porto Alegre: Bookman.

Porter, M. E. (1990). The Competitive Advantage of Nations (1. Ed.). New York: The Free Press.

Porter, M. E. & Kramer, M. R. (2006). Strategy & Society: The link between competitive advantage and Corporate Social Responsibility. Harvard Business Review. 84(12), 78-92.

Raffestin, C. (1993). Por uma geografia do poder (1. Ed.). São Paulo: Ática.

Sampieri, R; Collado, C; Lucio, P. (2006). Metodologia de Pesquisa (3. Ed.). São Paulo: McGraw-Hill.

Santos, M. (1997) A natureza do espaço: técnica e tempo. Razão e Emoção (2. Ed.). São Paulo: Hucitec.

Santos, M. & Silveira, M. L. (2001). O Brasil: Território e sociedade no início do século XXI. (1. Ed.). Rio de Janeiro: Record.

Senge, P., Lichtenstein,B., Kaeufer, K., Bradbur, H., Carroll, J. (2007). Collaborating For Systemic Change. Sloan Management Review. 48(2), 44-53.

Slack, N. (1993). Vantagem competitiva em manufatura. (1 ed.). São Paulo: Atlas

Sternberg, E. (1999). The stockholder concept: a mistake doctrine. Foundation for Business Responsibility. Leeds, Issue Paper, (4), Recuperado em 2 de julho de 2008 de http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=263144.

Van bellen, H. M. (2002). Indicadores de Sustentabilidade: uma análise comparativa. Tese de doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil

Waheeduzzaman, A. N. M. (2002). Competitiveness, Human Development and Inequality: A cross- national comparative inquiry. Competitiveness Review, 12(2), 13-29.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional