Energia Eólica no Quintal da Nossa Casa?! Percepção Ambiental dos Impactos Sociambientais na Instalação e Operação de uma Usina na Comunidade de Sítio do Cumbe em Aracati-CE

Roseilda Nunes Moreira, Francisco Antonio Barbosa Vidal, Andson Freitas Viana, Daniele Adelaide Brandão de Oliveira

Resumo


No presente estudo teórico-empírico teve-se como objetivo compreender a percepção que a população local tem a respeito dos impactos socioambientais provocados pela instalação e operação de uma usina eólica na comunidade do entorno. O estudo da percepção ambiental é de fundamental importância para que possamos compreender melhor as inter-relações entre o homem e o ambiente, suas expectativas, anseios, satisfações e insatisfações, julgamentos e condutas.  O recorte espacial adotado para o estudo é a comunidade do Cumbe, no município de Aracati/CE, que pela sua formação geomorfológica e climatológica apresentou condições suficientes para a instalação e utilização da energia eólica de forma a modificar a matriz energética do município. Nesta pesquisa, de tipo exploratório e descritivo, com delineamento bibliográfico e estudo de caso, onde, para coletar os dados, foram realizadas entrevistas com perguntas abertas a um grupo de moradores próximos ao parque eólico em estudo e a um promotor de justiça do município de Aracati. Na pesquisa de campo foram investigados os impactos socioambientais provocados pelo parque eólico, o nível de compreensão da comunidade sobre energia eólica e a contribuição do empreendimento para o desenvolvimento da comunidade, entre outras questões.


Palavras-chave


Energia Eólica, Impactos Socioambientais, Percepção Ambiental e Sustentabilidade.

Referências


ADECE. (2010). Atração de Investimentos no Estado do Ceará. Mapa Territorial de Parques Eólicos. Fortaleza: ENGEMEP.

ADECE. (2011). Energias renováveis do Ceará. Fortaleza: Instituto Agropolos do Ceará.

Aligleri, L. (2009). Gestão socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do negócio. São Paulo: Atlas.

Aliglieri. L. A., Krugliankas, I. (2009). Gestão socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do negócio. São Paulo: Atlas.

Barbieri, J. C. (2004). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva.v

Brasil. (2007). Ministério de Minas e Energia. Plano Nacional de Energia 2030 / Ministério de Minas e Energia; Colaboração Empresa de Pesquisa Energética. Brasília: MME: EPE.

Brasil. (2010). Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima. Segunda Comunicação Nacional do Brasil à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. Brasília, DF. 2 v.

Brasil. (2011). Ministério de Minas e Energia, Empresa de Pesquisa Energética Plano Decenal de Expansão de Energia 2020/ Ministério de Minas e Energia. Empresa de Pesquisa Energética. Brasília, DF: MME/EPE.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 35. ed. São

Paulo: Saraiva.

Camargo, A. L. de B. (2003). Desenvolvimento sustentável: dimensões e desafios. Campinas, SP: Papirus.

Charreire, S., & Durieux, F. (2003). Explorer et tester : Deux voies pour la

recherche. In Thietart, R. A. et al. (Org.). Méthodes de recherche en management. Paris: Dunod. pp. 57-81.

Lage, A. C., & Barbieri, J. C. (2001). Avaliação de projetos para o desenvolvimento sustentável: uma análise do Projeto de Energia Eólica do Estado do Ceará com base nas dimensões da sustentabilidade. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de pós-graduação em Administração, XXV EnANPAD. Campinas: ANPAD, 2001.

Lage, A. C. (2001). Administração pública orientada para o desenvolvimento sustentável. Um estudo de caso: os ventos das mudanças no Ceará também geram energia. Dissertação de mestrado, Fundação Getulio Vargas/EBAP, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Conselho Nacional do Meio Ambiente (1992). Resoluções CONAMA, 1986 a 1991. Brasília, DF: IBAMA, 1992.

Danish Wind Industry Association. Wind power.

Dias, G. F. (2004). Educação ambiental: princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia.

Diegues, A. C., & Arruda, R. S. V. (Org.). (2001). Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente.

Godoy, A. S. (1995, mar./abr. ). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v. 35, n. 2, p.p. 57-63.

Guerra, A. J. Teixeira (Org.). (2007). A questão ambiental: diferentes abordagens. 3a. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. (2005). Diagnóstico da carcinicultura no Estado do Ceará. Diretoria de Proteção Ambiental (DIPRO), Diretoria de Qualidade e Licenciamento Ambiental (DILIQ) e Gerencia Executiva do Ceará (GERX-CE). Vol I, 177f, Vol II (Mapas). Brasília, DF.

Leff, E. (2001). Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, RJ: Vozes.

Leff, E. (2003). Pensar a complexidade ambiental. In Leff, E. (Org.). A complexidade ambiental. São Paulo: Cortez.

Lima, I. S. M. (2004). Turismo e carcinicultura: desafios para o desenvolvimento da comunidade do Cumbe em Aracati. Dissertação de mestrado em Gestão de Negócios Turísticos. Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Meireles, A. J. A. (2008). Impactos ambientais decorrentes da ocupação de áreas reguladoras do aporte de areia: a planície Costeira da Caponga, município de Cascavel, litoral leste cearense. Recuperado em 13 março, 2008.

Meireles, A. J. A., Silva, E.V., & Thiers, P. R. L. (2006). Os campos de dunas móveis: fundamentos dinâmicos para um modelo integrado de planejamento e gestão da zona costeira. Espaço e Tempo, São Paulo, nº 20, p.p. 101-119.

Meireles, A. J. A. (2011). Danos socioambientais originados pelas usinas eólicas nos campos de dunas do Nordeste Brasileiro e critérios para definição de alternativas locacionais. Recuperado em 26 mar., 2011.

Pearson Education do Brasil. (2011). Gestão ambiental. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Minayo, M. C. de S. (1994). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em Saúde. São Paulo: Hucitec-Abrasco.

Portal das Energias Renováveis. Recuperado em 30 ago., 2011.

Rodriguez, J. E. M. (2010). Educação ambiental e desenvolvimento sustentável. Fortaleza: Edições UFC.

Queiroz, L. S. (2007). Na vida do Cumbe há tanto mangue. As influências dos impactos socioambeitais da carcinicultura no modo de vida de uma comunidade costeira. 2007.121f. Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Sachs, I. (1993). Estratégias de transição para o Século XXI – Desenvolvimento e Meio Ambiente. São Paulo: Estudio Nobel/FUNDAP.

Sánchez, L. E., & Silva-Sánchez, L. E. (2008). Tiering Strategic Environmental Assessment and Project Environmental Impact Assessment in Highway Planning in São Paulo, Brazil.

Environmental Impact Assessment Review, 28, p.p. 515-522.

Terciote, R. (2002). Analise da eficiência de um sistema isolado de energia eólica. Dissertação de Mestrado em Engenharia Mecânica. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Teixeira, A. C de A. (2008). O trabalho no mangue nas tramas do (des)envolvimento e da (des)ilusão com esse furação chamado carcinicultura: o conflito socioambiental no Cumbe, Aracati(CE). Tese de doutorado em Educação Brasileira. Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades, Fortaleza, CE, Brasil.

Trigueiro, A. (2005). Mundo sustentável: abrindo espaço na mídia para um mundo em transformação. São Paulo: Globo.

Vecchia, R. (2010). O meio ambiente e as energias renováveis. São Paulo: Manole.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000