Análise de Acessibilidade: Aplicação Parcial do Modelo Sicogea em um Centro de Ensino de uma Instituição Federal de Ensino

Karla Edite Freitas, Elisete Dahmer Pfitscher, Andressa Bregalda Belan

Resumo


Este artigo tem como objetivo geral verificar a acessibilidade aos acadêmicos com algum tipo de deficiência ou com mobilidade reduzida em um Centro de Ensino de uma Universidade Pública Federal Catarinense. Para atender a esse objetivo têm-se os seguintes objetivos específicos: verificar a existência de portadores de alguma deficiência ou com mobilidade reduzida; verificar a sustentabilidade sobre a acessibilidade com um(a) portador(a) de deficiência e propor um plano resumido de gestão – 5W2H, para as questões deficitárias. O 5W2H é uma ferramenta de gestão objetiva e consiste na resposta de sete perguntas para as questões deficitárias. Ressalta-se que pode ser utilizada para a tomada de decisão quanto à problemática encontrada após o cálculo de sustentabilidade. A metodologia quanto aos objetivos considera-se descritiva e exploratória. No que se refere aos procedimentos técnicos, trata-se de estudo de caso. A abordagem do problema caracteriza-se como qualitativa. No final conclui-se que a sustentabilidade global sobre a acessibilidade obteve o índice de 48,8%, considerada “regular”, ou seja, “atende somente à legislação”. Assim, entende-se que as pessoas, de acordo com a legislação no Brasil, têm direito a estudar e todas as instituições precisam proporcionar condições de acesso e utilização dos ambientes para pessoas portadoras de deficiência ou mobilidade reduzida. Como um processo de melhoria contínua, no 5W2H sugere-se como uma das ações: ampliação do número de banheiros para acessibilidade dentro do que prevê a legislação. A análise estudada abrange uma das dez dimensões para avaliação de cursos pelo INEP.


Palavras-chave


Acessibilidade. Instituições de Ensino Superior Federal Catarinense. Portadores de Necessidades Especiais.

Referências


Associação Brasileira de Normas Técnicas (2004). NBR 9050 – Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Recuperado em 3 maio, 2014 de http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/arquivos/%5Bfield_generico_imagens-filefield-description%5D_24.pdf

Belan, Andressa B. (2015). Desenvolvimento de competências para a sustentabilidade: um estudo de caso no Instituto Federal de Santa Catarina – IFSC. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, SC, Brasil.

Bregalda, A., Dalmau, M. B. L., Lopes, M. P. M, Silveira, M. L G., & Pfitscher, E. D. (2013). Avaliação da sustentabilidade de um campus de um Instituto Federal do Estado de Santa Catarina. Anais do XIII Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária nas Américas. Buenos Aires, Argentina.

Cambruzzi, R. C. S., Costa, M. P. R., & Denari, F. E. (2013). Acessibilidade de um cadeirante em uma instituição pública do ensino superior: rotas e rotinas. Revista Educação Especial, v. 26, n. 46, p. 351-366.

Cid, A. F. et al. (2012). Responsabilidade Social: conceitos e práticas: construindo o caminho para a sustentabilidade nas organizações. São Paulo: Atlas.

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948). Recuperado em 4 julho, 2014 de http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001394/139423por.pdf

Decreto-lei no 5.296, de 2 de dezembro de 2004 (2004). Regulamenta as Leis no 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e no 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Recuperado em 4 julho, 2014 de http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2004/decreto-5296-2-dezembro-2004-534980-normaatualizada-pe.pdf

Félix, L. F. F. (2003). O ciclo virtuoso do desenvolvimento responsável. In: Vários autores. Responsabilidade Social das Empresas: a contribuição das universidades. São Paulo, Peirópolis.

Fernandes, E. M., & Orrico, H. F. (2012). Acessibilidade e inclusão social. Rio de Janeiro: Deescubra.

Freitas, C. L. D. (2013). Avaliação de sustentabilidade em instituições públicas federais de ensino superior (IFES): proposição de um modelo baseado em sistemas gerenciais de avaliação e evidenciação socioambiental. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, SC, Brasil.

Gasparoto, M., & Alpino, A. M. (2012). Avaliação da acessibilidade domiciliar de crianças com deficiência física. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 18, n. 2, p. 337-354. Recuperado em 16 setembro, 2014 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382012000200011

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 6.ed. São Paulo: Atlas.

Guerreiro, E. M. B. R. (2012). A acessibilidade e a educação: um direito constitucional como base para um direito social da pessoa com deficiência. Revista Educação Especial, v. 25, n. 43, p. 217-232. Recuperado em 15 setembro, 2014 de http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/educacaoespecial/article/view/4415

Keunecke, G. R., Uhlmann, V. O., & Pfitscher, E. D. (2012). Análise da sustentabilidade ambiental de uma instituição de ensino segundo o Sistema Contábil Gerencial Ambiental – geração 2. Revista Gestão Universitária na América Latina – GUAL, v. 5, n. 3, p. 179-198.

Lerípio, A. (2001). GAIA: Um método de gerenciamento de aspectos e impactos ambientais. Tese de doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, SC, Brasil.

Lima, R. G., Lins, H. N., Pfitscher, E. D., Garcia, J., Suni, A., de Andrade, J. B. S. O., & Delle, F. C. R. (2016). A sustainability evaluation framework for Science and Technology Institutes: an international comparative analysis. Journal of Cleaner Production.

Lourenço, A. G., & Schröder, D. S. (2003). Vale investir em responsabilidade social empresarial? Stakeholders, ganhos e perdas. In: Vários autores. Responsabilidade Social das Empresas: a contribuição das universidades, São Paulo, Peirópolis.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2011). Metodologia Científica. São Paulo, Atlas.

MARCOS, M.; OKIMOTO, L.; SCHEER, S.; WIGINESCKI, B. Avaliação e análise de acessibilidade de um deficiente físico motor, através do software Catia, em habitações de interesse social. UFPR, 2007. Disponível em: http://www.cesec.ufpr.br/workshop2007/Artigo-25.pdf. Acesso em 16 de setembro de 2014.

Ministério da Educação (2008). Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Recuperado em 1 julho, 2014 de http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf

Pfitscher, E. D. (2004). Gestão e sustentabilidade através da contabilidade e controladoria ambiental: estudo de caso na cadeia produtiva de arroz ecológico. Tese de doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, SC, Brasil.

Sucupira, J. A. (1999). A responsabilidade social das empresas. Boletim do Ibase, ano 5.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional