Tratamento de Águas Residuárias e Mecanismos de Gestão Hídrica de uma Universidade em Foz do Iguaçu/PR

Livia Yu Iwamura Trevisan, Fábio Orssatto

Resumo


A presente pesquisa teve como objetivo analisar o sistema de tratamento de águas residuárias e os mecanismos hídricos de uso e reuso a serem implantados no Câmpus da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila) e o potencial de economia hídrica a ser atingido com o uso adequado dessas instalações. Inicialmente, aborda-se a importância da educação ambiental no uso sustentável do ambiente construído. A caracterização da área de estudo apresenta a inserção da Unila no contexto local, bem como o sistema de tratamento de águas residuárias e os mecanismos hídricos de uso e reuso projetado para o Câmpus. Com base na análise crítica da infraestrutura proposta, conclui-se que a eficácia dos mecanismos economizadores está diretamente relacionada ao uso adequado das instalações. Neste contexto, o cartaz de boas práticas na gestão da água favorece a aplicação dos conceitos da Educação Ambiental e da cultura do saneamento no dia-a-dia da Universidade.

Palavras-chave


Recursos Hídricos; Saneamento; Educação Ambiental.

Referências


Agência Nacional de Águas, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, & Sindicato da Indústria da Construção do Estado de São Paulo (2005). Conservação e reuso de água em edificações. São Paulo: Prol Editora Gráfica.

Agência Nacional de Águas (2008). Relatório de atividades: 2008. Brasília: ANA.

_____. Disponível em: Acesso em: 7 set. 2015.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 05.out.1988. Disponível em: Acesso em: 27 jun. 2015.

_____. Lei nº 9.433, de 08 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 09.jan.1997. Disponível em: Acesso em: 6 jul. 2015.

_____. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 28.abr.1999. Disponível em: Acesso em: 17 ago. 2015.

_____. Lei nº 9.984, de 17 de julho de 2000. Dispõe sobre a criação da Agência Nacional de Águas – ANA, entidade federal de implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e de coordenação do Sistema Nacional de Gerenciamento do Recursos Hídricos, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 18.jul.2000. Disponível em: Acesso em: 7 set. 2015.

_____. Lei nº 11.445, de 05 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 05.jan.2007. Disponível em: Acesso em: 7 set. 2015.

Deca. Disponível em: Acesso em: 20 set. 2015.

Di Pietro, M. S. Z. (2004). Direito Administrativo. São Paulo: Atlas.

Evac. Disponível em: Acesso em: 3 ago. 2015.

Franco, M. A. R. (2001). Planejamento ambiental para a cidade sustentável. São Paulo: Annablume / Fapesp / Universidade Regional de Blumenau – Urb.

GIL, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Google Maps. Disponível em: Acesso em: 14 jul. 2013.

Instituto Mercosul de Estudos Avançados, & Comissão de Implantação da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (2009). A Unila em construção: um projeto universitário para a América Latina. Foz do Iguaçu: IMEA.

Hespanhol, I. (2008). Um novo paradigma para a gestão de recursos hídricos. Estudos Avançados, 22(63), 131-158.

Instituto Trata Brasil (2014). Ranking do Saneamento – resultados com base no SNIS 2012. São Paulo: GO Associados.

Jordão, E. P., & Pessoa, C. A. (2014). Tratamento de esgotos domésticos. Rio de Janeiro: ABES.

Maack, R. (1981). Geografia Física do Estado do Paraná. Rio de Janeiro: José Olimpio.

Mierzwa, J. C., & Hespanhol, I. (2005). Água na Indústria: uso racional e reuso. São Paulo: Oficina de Textos.

Ministério do Meio Ambiente, & Ministério da Educação (2005). Programa Nacional de Educação Ambiental – ProNEA. Brasília: MMA.

Mota, S. (2012). Introdução à Engenharia Ambiental. Rio de Janeiro: ABES.

Mukai, T. (coord.) (2007). Saneamento Básico: Diretrizes Gerais – Comentários à Lei nº 11.445 de 2007. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris.

Lima, G. F. da C. (1999). Questão ambiental e educação: contribuições para o debate. Ambiente & Sociedade, 2(5), 135-153.

Oscar Niemeyer Arquitetura e Urbanismo S.A. (2011). Projeto Arquitetônico do Câmpus da Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Rio de Janeiro.

Paraná. Decreto n.º 5.361, de 26 de fevereiro de 2002. Regulamenta a cobrança pelo direito de uso de recursos hídricos e dá outras providências. Diário Oficial do Estado do Paraná, Curitiba, 27.fev.2002. Disponível em: Acesso em: 7 set. 2015.

_____. Decreto n.º 7.348, de 21 de fevereiro de 2013. Regulamenta a cobrança pelo direito de uso de recursos hídricos e dá outras providências. Diário Oficial do Estado do Paraná, Curitiba, 21.fev.2013. Disponível em: Acesso em: 7 set. 2015.

_____. Lei nº 12.726, de 26 de novembro de 1999. Institui a Política Estadual de recursos Hídricos e adota outras providências. Diário Oficial do Estado do Paraná, Curitiba, 29.nov.1999. Disponível em: Acesso em: 7 set. 2015.

Peliconi, M.C.F., Castro, M. L., & Philippi, A. (2005). A universidade formando especialistas em educação ambiental. Educação Ambiental e Sustentabilidade. Barueri: Manole.

Pereira, V. S. Foto aérea da obra do Câmpus da Unila. 07.fev.2015.

Pompeu, C. T. (1999). Águas doces e o direito brasileiro. In: Braga, B., Rebouças, A, C., & Tundisi, J. G. (org.). Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. São Paulo: Escrituras.

Porto, M. F. A., & Porto, R. L. (2008). Gestão de bacias hidrográficas. Estudos Avançados, 22(63), 43-60. Disponível em: Acesso em: 30 mar. 2015.

Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu (2012). Plano Municipal de Saneamento Básico. Foz do Iguaçu: Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu.

Projetos de Engenharia Moderna Ltda. (2009). Projetos Complementares do Câmpus da Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Rio de Janeiro.

Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. Disponível em: Acesso em: 7 set. 2015.

Setti, A. A., Lima, J. E. F. W., Chaves, A. G. M. C., & Pereira, I. C. (2000). Introdução ao gerenciamento de recursos hídricos. Brasília: Agência Nacional de Energia Elétrica, Superintendência de Estudos e Informações Hidrológicas.

Silva, S. M. N. In: Tsutiya, M. T. (org.). (2006). Abastecimento de água. Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.

Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento. (2014). Diagnóstico dos serviços de água e esgotos – 2013. Brasília: Ministério das Cidades.

Superintendência de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental; Governo do Estado Paraná; Secretaria Estadual de Meio Ambiente (2009). Elaboração do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Curitiba: SUDERHSA.

Universidade Federal da Integração Latino-Americana (2012). Estatuto da Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Portaria Nº 32, de 11 de Abril de 2012. Brasília: Diário Oficial da União.

_____. Disponível em: Acesso em: 26 mai. 2017.

Varallo, A. C. T., Carvalho, L., Santoro, B. L. & Souza, C. F. (2010). Alterações nos atributos de um latossolo vermelho-amarelo irrigado com água de reuso. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 14, 372-377.

Veiga, B. G. A. (2007). Participação Social e Políticas Públicas de Gestão das Águas: Olhares sobre as experiências do Brasil, Portugal e França. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Von Sperling, M. (2014). Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Belo Horizonte: DESA-UFMG.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional