Análise do Uso da Energia Elétrica no Instituto Federal Fluminense Campus Campos Guarus

Carine de Oliveira Santos da Silva, Cristina Aparecida Gomes Nassar

Resumo


Diante dos diversos impactos ambientais causados pela geração de energia elétrica, torna-se preocupante a expansão do setor elétrico sem o devido cuidado com o meio ambiente. O objetivo do estudo foi analisar o padrão de consumo de energia elétrica e seus custos, com ênfase na iluminação e nos aparelhos de ar-condicionado, do Instituto Federal Fluminense campus Campos Guarus. Para isso, realizou-se um diagnóstico através da análise de contas de energia, visitas aos diferentes setores administrativos e salas de aula e entrevistas com os servidores. Foram propostas algumas alternativas para a redução do consumo de energia e uma análise da viabilidade econômica dessas medidas. Além disso, foi divulgado material com ações de boas práticas ambientais. Os resultados demonstraram que existe mau uso da energia e por isso há necessidade de ações contínuas de conscientização e sensibilização dos usuários do campus. Os cálculos realizados demonstraram que é possível atingir uma economia de energia com trocas eficientes no sistema de iluminação. A lâmpada de LED foi a melhor opção para essa economia, trazendo um rápido retorno do recurso a ser investido.


Palavras-chave


Eficiência energética, Gestão, Sustentabilidade

Referências


Agência Nacional de Energia Elétrica. (2015). Bandeiras Tarifárias. Recuperado em 06 de janeiro, 2016, de http://www2.aneel.gov.br/area.cfm?idArea=758.

Associação Brasileira da Indústria da Iluminação. (2015). Custo da energia elétrica pode favorecer segmento de LED. Recuperado em 06 de janeiro, 2016, de http://www.abilux.com.br/portal/noticia/26/custo-da-energia-eletrica-pode-favorecer-segmento-de-led.

Balanço Energético Nacional 2015: Ano base 2014. (2015). Empresa de Pesquisa Energética. Rio de Janeiro. Recuperado em 07 de janeiro, 2016, de https://ben.epe.gov.br/downloads/Relatorio_Final_BEN_2015.pdf.

Barros, J. S.; Silva, M. F. L.; & Araújo, V. H. (2015). Um sistema de monitoramento e controle elétricos em sala de aulas de instituições de ensino superior. Anais do VI Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, Porto Alegre, RS, Brasil. Recuperado em 21 de dezembro, 2015, de http://www.ibeas.org.br/congresso/congresso6.htm.

Bordignon, J. (2011). Energia e resíduos na Universidade Positivo (UP): promoção do uso sustentável a partir de ações ambientais educativas. Dissertação de Mestrado, Universidade Positivo, Curitiba, Paraná, Brasil.

CONPET. (2012). Ação Global, Benefício local. Recuperado em 07 de novembro, 2015, de http://www.conpet.gov.br/portal/conpet/pt_br/conteudo-gerais/conpet.shtml.

Degani, C. M.; & Cardoso, F. F. (2002). A sustentabilidade ao longo do ciclo de vida de edifícios: a importância da etapa de projeto arquitetônico. São Paulo: Escola Politécnica, Universidade de São Paulo.

Dincer, I. (2000). Renewable energy and sustainable development: a crucial review. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 4(2), 157-175.

Engelman, R.; Guisso, R. M.; Fracasso, E. M. (2009). Ações de gestão ambiental nas instituições de ensino superior: o que têm sido feito por elas? Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 3, 1.

Ferreira, A. R.; & Tomioka, J. (2013). Iluminação de estado sólido, economia potencial de energia elétrica para o país. Anais do VIII Workshop de Pós-Graduação e Pesquisa do Centro Paula Souza, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Frota, A. B.; Schiffer, S. R. (2006). Manual de conforto térmico. Studio Nobel.

Goldemberg, J.; & Lucon, O. (2007). Energias renováveis: um futuro sustentável. Revista USP, (72), 6-15.

Halac, R.; Schiller, S. de; Venturini, E. (2005). Sustainable Universities: new knowledge and Innovative actions.

Hollanda, L.; & Varejão, M. (2014). Energia e sustentabilidade: desafios do Brasil na expansão da oferta e na gestão da demanda.

Instituto Federal Fluminense. (n.d.). Institucional. Recuperado em 17 de outubro, 2014, de http://portal.iff.edu.br/campus/guarus/copy_of_institucional.

International Institute for Sustainable Development. (2016). Introduction to Sustainable Development. Recuperado em 21 de janeiro, 2016, de http://www.iisd.org/sd/.

Kraemer, M. E. P. (2004). A universidade do século XXI rumo ao desenvolvimento sustentável. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa-RECADM, 3(2), 1-21.

Lamberts, R.; Dutra, L.; Pereira, F. O. R. (2013). Eficiência energética na arquitetura (3a edição).

Lund, H. (2007). Renewable energy strategies for sustainable development. Energy, 32(6), 912-919.

Menkes, M. (2003). Instrumentos econômicos aplicados em programas de eficiência energética. COPPE/UFRJ.

Nogueira, L. A. H. (2007). Uso racional. Estudos Avançados, 21(59), 91.

Omer, A. M. (2008). Energy, environment and sustainable development. Renewable and sustainable energy reviews, 12(9), 2265-2300.

Pacheco, F. (2006). Energias Renováveis: breves conceitos. Conjuntura e Planejamento, 149, pp. 4-11.

Patterson, M. G. (1996). What is energy efficiency?: Concepts, indicators and methodological issues. Energy policy, 24(5), 377-390.

Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica. (2015). Recuperado em 07 de novembro, 2015, de http://www.procelinfo.com.br/main.asp?ViewID={A84BD56D-D750-477C-8E20-2BF2D94B4EE2}.

Rebello, M. R. A. D. M. (2007). Análise da percepção da variável ambiental sob a ótica da gestão no campus Fiocruz-Mata Atlântica/RJ.

Rosa, L. L.; Cunha, M.; Araujo, S. G.; Matias, L.; Valle, A. C.; & Marques, T. C. (2015, maio). Uma análise técnica da substituição de lâmpadas fluorescentes por lâmpadas de led. Revista SODEBRAS, 113 pp. 4-9.

Song, C. (2002). Fuel processing for low-temperature and high-temperature fuel cells: Challenges, and opportunities for sustainable development in the 21st century. Catalysis today, 77(1), 17-49.

Tauchen, J.; & Brandli, L. L. (2006). A gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário. Gestão & Produção, 13(3), 503-515.

Weigmann, P. R. (2004). Metodologia para eficiência energética, otimização do consumo e combate ao desperdício de energia através da inserção da cultura empreendedora e fontes de inovação tecnológica. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Recuperado em 21 de dezembro, 2015, de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/88187


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional