Cooperação Universidade-Empresa em uma Usina Hidrelétrica: Estudo de Cooperações na Área de Gestão Ambiental

Fabricio Mussi, José Pedro Pedroso, Karl STOECKL

Resumo


As usinas hidrelétricas são consideradas estratégicas para o país quando se analisa sua relevância e impacto para os demais setores da economia. Entretanto, a dinâmica de funcionamento de uma usina, sua estrutura de apoio e as atividades de geração de energia podem causar impactos ao meio ambiente, os quais devem ser constantemente monitorados, com o propósito de mitigar eventuais riscos ambientais. O propósito do presente estudo consiste em analisar relações de parceria estabelecidas entre uma usina, por meio de departamento inserido na área de gerenciamento ambiental, e universidades e institutos de pesquisa, visando identificar especificidades das parcerias em gestão ambiental e com usinas hidrelétricas. Selecionaram-se seis projetos para análise, sendo quatro deles relacionados a projetos com universidades e dois relacionados à cooperação com institutos de pesquisa. O foco da análise foi restrito aos principais pontos observados na gestão dessas parcerias, quais sejam: (a) motivações para estabelecer parcerias; (b) a composição dos custos previstos para viabilizar essas parcerias; (c) as dificuldades de conciliar a gestão técnica e a gestão financeira; e (d) a mensuração dos resultados e contribuições provenientes dessas interações. As práticas administrativas de gestão das parcerias também foram analisadas nas fases que antecedem a cooperação, durante a cooperação e após a cooperação. Embora sejam necessários outros estudos dessa mesma natureza para reforçar as constatações apresentadas, pode-se afirmar que os propósitos do estabelecimento de relações de cooperação na área de gestão ambiental diferem daqueles observados em outros campos do conhecimento, como a engenharia e a biotecnologia, por exemplo.

Palavras-chave


Usinas Hidrelétricas; Cooperação; Gestão Ambiental

Referências


Afgan, N. H., Carvalho, M. G., & Hovanov, N. V. (2000). Energy system assessment with sustainability indicators. Energy Policy. Cidade: Editora.

Andrade, R. O. B., Tachizawa, T., & Carvalho, A. B. (2000). Gestão ambiental: enfoque estratégico aplicado ao desenvolvimento sustentável. São Paulo: Makron Books.

Andreassi, T., Vasconcellos, M. A., Simantob, M. (2002). Cooperação Universidade-Empresa: A Experiência do Fórum de Inovação da EAESP/FGV. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. Salvador: FGV, 22

Azevedo, L. P., & Teixeira, M. G. C. (2009). Instrumentos de Política Ambiental: Uma Abordagem Crítica da Articulação Político-Institucional para a sua Implantação na Gestão Ambiental Empresarial no Brasil. Anais do XXXIII Encontro Nacional da Associação dos Programas de Pós-Graduação em Administração. São Paulo, ANPAD, 33.

Bakis, R., & Demirbas, A. (2004). Sustainable development of small hydropower plants. Energy Sources, 26 (12), 1105-18.

Becker, J. L., Da Jornada, J. A. H., Ritter, F. J. (1996). A conceptual framework for understanding the interaction between academic research and industry. Annals of International Conference on Physics and Industrial Development: Bridging The Gap, 2, Belo Horizonte: World Scientific.

Bhattacharyya, S. C. (2007). Energy sector management issues: an overview. International Journal of Energy Sector Management, 1 (1).

Bonaccorsi, A., Piccaluga, A. A. (1994). Theoretical framework for reevaluation of university-industry relationships. R&D Management, 24 (3), 229-247.

Brasil. Ministério de Minas e Energia. (2011). Empresa de Pesquisa Energética. Plano Decenal de Expansão de Energia 2020. Brasília: MME/EPE.

Costa, P. R., Porto, G. S., & Feldhaus, D. (2010). Gestão da Cooperação Empresa-Universidade: o Caso de uma Multinacional Brasileira. Revista de Administração Contemporânea, 14 (1), 100-121.

Costa, P. R., Porto, G. S., Plonski, G. A. (2009). Gestão da Cooperação Empresa-Universidade nas Multinacionais Brasileiras. Anais do Encontro Nacional da Associação dos Programas de Pós-Graduação em Administração. São Paulo: ANPAD, 33.

Cyert, R. M., & Goodman, P. S. (1997). Creating effective university-industry alliances: an organizational learning perspective. Organizational Dynamics, 25 (4), 45-57.

Dalberto, D. M. (2005). Ações estratégicas adotadas para a gestão ambiental e da segurança no trabalho em usina hidrelétrica no Brasil. (Dissertação de mestrado) Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, SC, Brasil.

Dombi, M., Kuti, I., Balogh, P. (2014). Sustainability assessment of renewable power and heat generation technologies. Energy Policy, 67, 264-71.

Etzkowitz, H. (2002). The Triple Helix of University-Industry-Government; Implication for Policy and Evaluation (No. 11). Working Paper.

Etzkowitz, H., Leydesdorff, L. (1998). The Triple Helix as a Model for Innovation Studies. Science & Public Policy, 25 (3), 195-203.

Goodland, R. (1994). Environmental sustainability and the power sector. Impact Assess, 12(4), 409-70.

Godoy, A. S. (2006). Estudo de caso qualitativo. In Godoi, C. K., Bandeira-de-Mello, R., & Silva, A. B. (Orgs.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos (1a ed.). São Paulo: Saraiva.

IHA (International Hydropower Association). (2006). Sustainability assessment protocol, July.

Jiang, H., Quiang, M., & Lin, P. (2016). A topic modeling based bibliometric exploration of hydropower research. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 57, 226-237.

Kaygusuz, K. (2002). Sustainable development of hydroelectric power. Energy Sources, 4 (9), 803-15.

Liu, J., Zuo J., Sun Z., Zillante, G., & Chen, X. (2013). Sustainability in hydropower development – a case study. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 19, 230-237.

Luis, J., Sidek, L. M., Desa, M. N., & Julien, P. Y. (2013). Sustainability of hydropower as source of renewable and clean energy. International Conference on Energy and Environment. IOP Conf. Series: Earth and Environmental Science 16 (2 012050 doi:10.1088/1755-1315/16/1/012050.

Lundvall, B. A. (1992). National systems of innovations: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter Publishers.

Mora-Valentin, E., Montoro-Sanchez, A., & Guerras-Martin, L. (2004). Determining factors in the success of R&D cooperative agreements between firms and research organizations. Research Policy, 33, 17-40.

Moreira, J. M., Cesaretti, M. A., Carajilescov, P., Maiorino, J. R. (2015). Sustainability deterioration of electricity generation in Brazil. Energy Policy, 87, 334-346.

Mota, S. (1995). Preservação e conservação de recursos hídricos. (2a ed.) Rio de Janeiro: ABES.

Müller, A. C. (1995). Hidrelétricas, meio ambiente e desenvolvimento. São Paulo: Makron Books.

Porto, G. S. (2000). A decisão empresarial de desenvolvimento tecnológico por meio da cooperação universidade-empresa. (Tese de Doutorado). Departamento de Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Porto, G. S. (2002). O que discrimina a decisão empresarial de cooperar com a universidade. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. Salvador, BA, 22.

Porto, C., & Belfort, A. (2006). Perspectiva Institucional e Organizacional. In Pires, A., Fernandez, E., & Bueno, J. (Orgs.). Política Energética para o Brasil (pp. 92-118). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Santos, M. E., Solleiro, J. L., & Lahorgue, M. A. (2004). Boas práticas de gestão em escritórios de transferência de tecnologia. In Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Curitiba, PR, Brasil, 23.

Segatto, A. P. (1996). Análise do processo de cooperação universidade-empresa: um estudo exploratório. (Dissertação de mestrado) Departamento de Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Segatto, A. P., & Mendes, N. (2002). Laboratório de Sistemas Térmicos (LST)/PUCPR e Electrolux do Brasil: um Caso de Cooperação Tecnológica Universidade-Empresa de Sucesso. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. Salvador, BA, Brasil, 22.

Segatto-Mendes, A. P., & Sbragia, R. (2002). O processo de cooperação Universidade Empresa em universidades brasileiras. Revista de Administração da USP – RAUSP, 37 (4), 58-71.

Tachizawa, T. (2002). Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. São Paulo: Atlas.

Tundisi, J. G. (2003). Água no século XXI: enfrentando a escassez. São Carlos, SP: RiMa.

Vera, I., Langlois, L. (2007). Energy indicators for sustainable development. Energy, 32, 875-82.

Yin, R. K. (2001). Estudo de Caso: planejamento e métodos. (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000