A LOGÍSTICA REVERSA COMO FERRAMENTA NA GESTÃO DE RESÍDUOS DO VAREJO SUPERMERCADISTA

Marta Pagán Martínez, Karina Tonelli Silveira Dias, Sergio Silva Braga Junior, Dirceu da Silva

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi analisar as práticas de logística reversa realizadas pelos supermercados do interior do Estado de São Paulo, e quantificar o volume de resíduos que deixam de ser descartados no meio ambiente. Para atingir o objetivo proposto foi realizada uma pesquisa exploratória, quantitativa e qualitativa na sequência de um método de estudo de casos, tendo como unidades de análise três supermercados. Com observação direta durante um período de seis meses, observou-se a prática de logística reversa realizada em cada supermercado para quantificar o que foi deixado de poluir através do descarte correto dos materiais (plástico e papelão). Para isto, foi utilizado na análise dos dados o método Material Input Per Service (MIPS) desenvolvido no Instituto Wuppertal, que permite quantificar os dados de acordo com os materiais produzidos (abiótico e biótico) e pela quantidade de água e ar que deixam de ser poluídos. Como resultado constatou-se que os supermercados pesquisados, no total, deixaram de gerar cerca de 220 ton de material biótico e abiótico durante o período observado, além de uma grande quantidade de água e ar que deixaram de ser poluídos. Através dos resultados obtidos, percebe-se a grande importância da logística reversa na preservação do meio ambiente.

Palavras-chave


Logística Inversa; Reciclaje; Residuos Sólidos; Sostenibilidad; Supermercado de Venta al por Menor.

Referências


APAS–Associação Paulista de Supermercados. (2014). Guía Prática APAS: Supermercado Sustentável. http://varejosustentavel.com.br/painel/dbarquivos/dbanexos/guiaprticoapassupermercadosustentvelp.pdf

Barbieri, J. C. (2011). Gestão Ambiental Empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 3ª Ed. São Paulo: Saraiva.

Bernon, M., Rossi, S. & Cullen, J. (2011) Retail reverse logistics: A call and grounding framework for research, International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, 41(5), pp. 484–510. doi: 10.1108/09600031111138835.

Braga Junior, S. S., Merlo, E. M., & Nagano, M. S. (2009). Um estudo comparativo das práticas de Logística Reversa no varejo de médio porte. Revista da Micro e Pequena Empresa (Campo Limpo Paulista) 3(1), 64-81.

Braga Junior, S. S., & Santos, R. B. M. E. (2015). Ganhos Ambientais com a Prática da Logística Reversa no Varejo Supermercadista. Espacios (Caracas) 36, p. 14.

Braga Junior, S. S., & Rizzo, M. R. (2010). Sustentabilidade através do aproveitamento de resíduos: Um estudo dos processos implantados por um supermercado de médio porte. Revista Brasileira de Engenharia de Biossistemas (UNICAMP) 4(2), 108-125.

Brasil. PNRS – Política Nacional de Resíduos Sólidos. (1991). Subemenda Substitutiva Global de Plenário ao Projeto de Lei nº 203, de 1991, e seus apensos. Disponible en: http://www.revistasustentabilidade.com.br/reciclagem/reciclagem/documentosinteressante/relatorio-final-da-politica-de-residuos

CEMPRE – Compromisso Empresarial para Reciclagem. (2010). Política Nacional de Resíduos Sólidos - Agora é lei: Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população. São Paulo. p.1-4. Disponible en: http://www.cempre.org.br/busca/política%20nacional%20de%20resíduos%20sólidos

Dias, K. T., & Braga Junior, S. S. (2015). The Importance Of Environmental Education In The Implementation Of Reverse Logistics Retail. The Turkish Online Journal of Educational Technology. 14, p. 626-633.

Dias, K. T., & Braga Junior, S. S. (2015). The use of reverse logistics for waste management in a Brazilian grocery retailer. Waste Management & Research, p.1-8. doi: 10.1177/0734242x15615696

Hazen, B. T., Huscroft, J., Hall, D. J., Weigel, F. K., & Hanna, J. B. (2014). Reverse logistics information system success and the effect of motivation, pp. 201-220. Emerald.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico. (2010). Disponible en: http://www.cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php?lang=&codmun=354220&search=sao-paulo|rancharia|infográficos:-dados-gerais-do-município

Jabbour, A. B. L de Sousa, Arantes, A. F., & JABBOUR, C. J. C. (2013). Gestión ambiental en la cadena de suministro: perspectivas actuales y futuras de la investigación. Interciencia (Caracas), 38, pp. 104-111.

John, V.M. (2000). Reciclagem de resíduos na construção civil – contribuição à metodologia de pesquisa e desenvolvimento. São Paulo, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, Tese doutoral (Livre docência).

Larrinaga, O. V., & Rodríguez, J. L. (2010). El estudio de casos como metodología de investigación científica en dirección y economía de la empresa. Una aplicación a la internacionalización. Investigaciones europeas de dirección y economía de la empresa, 16(3), 31-52. Disponible en: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1135252312600331

Leite, P. R., & Brito, E. P. Z. (2010). Logística reversa de produtos não consumidos: práticas de empresas no Brasil. GESTÃO. Org-Revista Eletrônica de Gestão Organizacional 3(3).

Marchi, C. M. D. F. (2011). Cenário Mundial dos Resíduos Sólidos e o comportamento corporativo Brasileiro frente à Logística Reversa. Perspectivas em Gestão & Conhecimento. João Pessoa 1(2), pp. 118-135.

Motta, W. H. (2011). Logística Reversa e a Reciclagem de Embalagens no Brasil. VII Congresso Nacional de Excelência em Gestão, pp. 5- 9.

Parente, J., & Gelman, J. J. (Orgs.) (2007). Varejo e responsabilidade social. Porto Alegre: Bookman.

Parente, J. (2000). Varejo no Brasil: Gestão e Estratégia, São Paulo: Editora Atlas.

Pessoa, J. (2011). Brasileiro frente à Logística Reversa. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 1(2), pp. 118-135.

Reyes, P. M., & Meade, L. M. (2006). Improving Reverse Supply Chain Operational Performance: A Transshipment Application Study for Not-for-Profit Organizations. The Journal of Supply Chain Management, p. 41.

Ritthoff, M., Rohn, H., & Liedtke, C. (2002). Calculating MIPS: Resource productivity of products and services. Wuppertal Spezial, Wuppertal Institut für Klima, Umwelt und Energie.

Rogers, Dale S., & Tibben-Lembke, R. S. (1999). Going backwards: reverse logistics trends and practices. Pittsburgh, PA: Reverse Logistics Executive Council.

Santos, R. B. M., Braga Junior, S. S., Silva, D., & Satolo, E. G. (2014). Analysis of the Economic and Environmental Benefits through the Reverse Logistics for Retail. American Journal of Environmental Protection, 3(3), pp. 138-143. doi: 10.11648/j.ajep.20140303.15

Sousa, J.O. et al. (2014). Análise da evolução das ações de logística reversa de pós-venda e pós-consumo realizada pelo setor brasileiro de energia elétrica nos anos de 2009 a 2011. GEPROS - Gestão da Produção, Operações e Sistemas, Bauru, 4, pp. 1-76.

Spironello, R. L.; Tavares, F. S., & Silva, E. P. (2012). Educação Ambiental: Da teoria à prática, em busca da sensibilização e conscientização ambiental. Revista Geonorte 3(4), pp. 140-152.

Wilts, H., Bringezu, S., Bleischwitz, R., Lucas, R., & Wittmer, D. (2011). “Challenges of metal recycling and an international covenant as possible instrument of a globally extended producer responsibility”. Waste Management & Research. 29(9), pp. 902–910. doi:10.1177/0734242x11415311

World Health Organization (2010). Código internacional de conducta sobre la distribución y utilización de plaguicidas: directrices para el registro de plaguicidas. Disponible en: http://apps.who.int/iris/handle/10665/70602

YIN, Robert K. (2003) Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Editora Bookman.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional