Turismo e Sustentabilidade em Unidades de Conservação: Um Estudo sobre as Alternativas de Emprego e Renda na Área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape-PB

Joelma Abrantes Guedes Temoteo, Jammilly Mikaela Fagundes Brandão, Maria Cristina Crispim

Resumo


As Áreas de Proteção Ambiental – APA’s, representam uma das categorias de Unidades de Conservação – UC, estabelecidas no Brasil, como de uso sustentável. O objetivo deste estudo foi analisar as alternativas de emprego e renda nas proximidades da APA da Barra do Rio Mamanguape-PB. Com efeito, procurou-se conhecer as principais atividades socioeconômicas desenvolvidas nessa comunidade, compreender os conflitos existentes entre a gestão da APA e a população, bem como analisar a possibilidade de viabilização sustentável de suas atividades socioeconômicas. Configurando-se como uma pesquisa qualitativa descritiva, a coleta de dados consistiu nas observações de campo em visitas a APA, na realização de uma entrevista com o gestor da UC e, ainda, por meio de pesquisas em trabalhos científicos realizados no local. Os achados desse estudo revelam que não se tem áreas definidas para a agricultura; a pesca possui diversas restrições; a atividade de carcinicultura não tem sido desenvolvida de maneira sustentável e muitas aldeias indígenas a têm praticado, pelo fato de que possuem uma legislação própria que se contrapõe à legislação ambiental. Percebeu-se ainda que a gestão atual da APA vê no ecoturismo e na implantação de um projeto de hospedagens domiciliares uma alternativa sustentável para melhorar a qualidade de vida da comunidade local, entretanto, faz-se necessário uma capacitação da comunidade para melhor compreender a prática do ecoturismo e também desenvolver o empreendedorismo local.


Palavras-chave


Turismo; Sustentabilidade; Unidades de Conservação; Emprego e Renda

Referências


Archer, B., & Cooper, C. (2002). Os impactos positivos e negativos do turismo. In: Theobald, William F (org.). Turismo global. 2ª Ed – São Paulo: Editora SENAC São Paulo.

Barnthouse, L. W., Biddinger, G. R., Cooper, W. E., Fava, J. A., Gillett, J. H., Holland, M. M., & Yosie, T. F. (1995). Sustainable Environmental Management. Sponsored by US Environmental Protection Agency, Chemical Manufactures Association. Rohn & Haas, Pellston, Michigan, 134p.

Barbosa, I. K. P. (2008). Desenvolvimento do ecoturismo e do etnoturismo na aldeia potiguara de Tramataia, Área de Proteção Ambiental da Barra dp Rio Mamanguape, PB. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA) – UFPB. João Pessoa.

Brasil (2007). Ministério do Turismo. Coordenação Geral de Regionalização. Turismo e Sustentabilidade. Roteiros do Brasil – Programa de Regionalização do Turismo. Brasília, 126p.

Brasil (2012). Decreto Federal nº 924, 10 de setembro de 1993. Cria a Área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape no Estado da Paraíba e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 11 de set. 1993. Disponível em: . Acesso em: 23 de mar. 2012 às 09:12.

Brasil (2012). Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 de jul. 2000. Disponível em: Acesso em: 17 de abr. 2012 às 22:32.

Coriolano, L. N. M. Os limites do Desenvolvimento e do Turismo. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural (Pasos). Vol. 1. Num. 2 págs 161-171, 2003.

Costa, P. C. (2002). Unidades de Conservação: Matéria Prima do Ecoturismo. São Paulo, Aleph.

Cruz, F. T. P. (2012). Ecoturismo e Hospedagem Domiciliar na APA da Barra do Rio Mamanguape-PB: Uma análise de SWOT para atividades sustentáveis. 2012. 121 p. Monografia (Bacharelado em Hotelaria) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Kinker, S. (2002). Ecoturismo e Conservação da Natureza em Parques Nacionais. Campinas, Papirus.

Lindberg, K & Hawkins, D. E.. Ecoturismo: um guia para planejamento e gestão. 3ª ed. SP: Senac, 2001.

Ministério do Meio Ambiente (2006). Diretrizes para visitação em Unidades de Conservação. Brasília: MMA/SBF/DAP.

Ministério do Turismo (2010). Ecoturismo: orientações básicas. 2. Ed. Brasília: Ministério do Turismo.

Ministério do Turismo (2010). Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem: Cartilha de Orientação Básica Cama e Café. 1. Ed. Brasília: Ministério do Turismo.

Moura, A. K. C. (2008). O mito do desenvolvimento sustentável da atividade turistica: uma análise crítica das teorias da sustentabilidade, das políticas públicas e do discurso oficial do turismo na Paraíba. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA) – UFPB. João Pessoa.

OMT. Organização Mundial do Turismo. Guia de desenvolvimento do Turismo Sustentável. Porto Alegre: Bookman, 2003.

Paludo, D., & Klonowski, V. S. (1999). Barra de Mamanguape – PB: Estudo do impacto do uso de madeira de manguezal pela população extrativista e da possibilidade de reflorestamento e manejo dos recursos madeireiros. São Paulo-SP: Instituto Florestal p 24-27; 36-39.

Pimentel, A. B. (2007) Hospedagem Domiciliar na Cidade do Rio de Janeiro: O Espaço de Encontro entre Turistas e Anfitriões. M.Sc. thesis. Rio de Janeiro: Programa EICOS (UFRJ).

Paulino, G. C., Guedes, J. A., & Madruga, L. C. F. (2009). Turismo sustentável e a Área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape: análise dos aspectos socioeconômicos da comunidade da Barra de Mamanguape, município de Rio Tinto –PB. In Anais do Seminário Internacional de Turismo, Curitiba.

Seabra, G. de F. Ecos do Turismo: O Turismo Ecológico em Áreas Protegidas. Campinas, SP: Papirus, 2001 (Coleção Turismo).

Wearing, S.; Neil, J. Ecoturismo: impactos, potencialidades e possibilidades. Barueri: Manole, 2001.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional