Diagnóstico de desafios ambientais por meio de pensamento sistêmico na Escola Estadual Beira Rio, município de Porto Nacional – TO

Danuza Costa Leite, Jorquiania Ferreira Leite

Resumo


A crise ambiental por ser complexa demanda não somente medidas técnicas, mas também soluções transformadoras da percepção e da visão dos indivíduos. Por isso o pensamento sistêmico como uma abordagem mais holística pode ser adotado como uma importante ferramenta nesse processo. Logo, o presente trabalho possui a finalidade de diagnosticar os desafios ambientais da Escola Estadual Beira Rio através do pensamento sistêmico. Os dados foram coletados por meio de uma entrevista semiestruturada, e em seguida foram tabulados utilizando o método dos sociogramas e dos círculos de causalidade. Observou-se que um dos desafios ambientais que a escola enfrenta é a falta de coleta seletiva do lixo. Apesar disso, a escola encontrou outras alternativas para reaproveitar pelo menos parte do material reciclável através do evento anual “Desfile de material reciclado”. Através do sociograma, pode-se observar que a escola se relaciona com várias outras organizações públicas e privadas e até com a comunidade local, ou seja, as suas ações poderão impactar de forma negativa ou positiva outros atores sociais. Além disso, o pensamento sistêmico na escola permite observar que as suas ações possuem uma influencia recíproca, que podem ser ao mesmo tempo causa e consequência, isso pode contribuir para a construção de uma postura mais responsável pelos membros da comunidade escolar, favorecendo o desenvolvimento sustentável.

Palavras-chave


Problemas Ambientais; Sociograma; Círculo de Causalidade; Escola de Tempo Integral.

Referências


Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2004). Sistemas da gestão ambiental – Requisitos com orientações para uso. Recuperado em 19 de julho, 2016, de http://www.labogef.iesa.ufg.br/labogef/arquivos/downloads/nbr-iso-14001-2004_70357.pdf.

Adizes, I. (1998). Os ciclos de vida das organizações: como e por que as empresas crescem e morrem e o que fazer a respeito (2a ed.). São Paulo: Pioneira.

Lei nº 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 03 ago. 2010b. Recuperado em 21 de maio, 2015 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/Lei/L12305.htm#art54.

Boni, V., & Quaresma, S. J. (janeiro-julho, 2005). Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, 2 (1 ), p. 68-80.

Brito, J. A. de L., Ferreira, I. de L., Paiva, P. P. de, Costa, W., Lucena, S. C. B., & Simões, N. do N. (2012). Sistemas de Gestão Ambiental (SGA) Aplicados na Escola Municipal de Ensino Fundamental Maria das Chagas Em Patos – PB. Anais do Congresso Norte e Nordeste de Pesquisa e Inovação, Palmas, TO, Brasil, 7.

Cagnin, C. H. (2000). Fatores Relevantes na Implementação de um Sistema de Gestão Ambiental com Base na Norma ISO 14001. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, p. 33.

Casteluber, D. L. (2006). A Degradação Ambiental de Viçosa-MG e o Pensamento Sistêmico. Estudo de Caso: Bairro Centro. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa.

Coutinho, A., Ruelo, H., Ramoniele, J., Jean, K., Tatiane, M., Antonio, M., & Roque, P. (2009). A visão sistêmica das organizações no século XXI. [S.l.]: Centro de Ensino Superior do Amapá,

Dantas, P. L. (2016). Pensamento Sistêmico. Recuperado em 14 de julho, 2016, de http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/psicologia/pensamento-sistemico.htm.

Dolci, P. C., Bergamaschi, E. A., & Vargas, L. M. (2008). Um Mapa Conceitual sobre Pensamento Sistêmico: seus Conceitos e Autores. Anais do Simpósio de Gestão e Inovação Tecnológica, Brasília, DF, Brasil, 25.

Floriano, E. P. (2004). Planejamento Ambiental. Caderno Didático, (6). Gomes, L. B., Bolze, S. D. A., Bueno, R. K., & Crepaldi, M. A. As Origens do Pensamento Sistêmico: Das Partes para o Todo. Pensando Famílias, 18(2), dez. 2014, (3-16).

Gomes, L. B., Bolze, S. D. A., Bueno, R. K., & Crepaldi, M. A. (dezembro de 2014). As Origens do Pensamento Sistêmico: Das Partes para o Todo. Pensando Famílias, 18(2), (3-16).

Guimarães, S. S. M., & Tomazello, M. G. C. (2003). A formação universitária para o ambiente: educação para a sustentabilidade. Ambiente e Educação, 55-71.

Júlio, P. (2011). O pensamento sistêmico nas organizações. Recuperado em 24 de novembro, 2016, de http://gestaoverdeunifor.blogspot.com.br/2011/09/o-pensamento-sistemico-nas-organizacoes.html.

Minayo, M. C. de S. (2001). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes.

Nardelli, A. M. B., & Griffith, J. J. (1999). Abordagem sistêmica para diagnóstico de desafios ambientais. São Paulo: Universidade Federal de Viçosa.

Neves, J. L. (1996). Pesquisa qualitativa – características, uso e possibilidades. Cadernos de pesquisa em adminsitração, v. 1, n. 3, São Paulo.

Pinto, L. M. C. (janeiro, 2014). Luzimangues: uma “nova cidade” na periferia de palmas? Arquitextos, (14).

Senge, P. M. (1990). A quinta disciplina (8a ed.). São Paulo: Best Seller.

Silva, S. O. (2012). Gestão por processos: uma revisão sistemática. Anais do Congresso Brasileiro de Sistemas, Poços de Caldas, MG, Brasil, 8.

Teixeira, J. P. B. (2006). Implementação de um sistema de gestão ambiental à luz da produção limpa: o caso da HJ Bahia. Salvador: Universidade Federal da Bahia.

Vasconcellos, M. J. E. de. (2008). Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. 7. ed. São Paulo: Papirus.

Vasconcellos, M. J. E. de. (2010). Pensamento sistêmico: O novo paradigma da ciência. 9 ed. Campinas: Papirus.

Vaz, G. J. (2009). A construção dos sociogramas e a teoria dos grafos. Revista brasileira de psicodrama, 17(2), São Paulo.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional