Gestão de Resíduos Sólidos em Empresas Metalomecânicas de Pequeno Porte

Uitã Dutra Stumpf, Vanessa Theis, Dusan Schreiber

Resumo


O crescimento econômico alavancado pela industrialização e pela desordenada exploração de recursos naturais põe em risco a manutenção das condições favoráveis à existência de vida no planeta. A geração de resíduos sólidos apresenta-se como aspecto indissociável do processo industrial, demandando investimentos e tecnologias para a sua adequada destinação final. Buscou-se, com o presente estudo, analisar como ocorre a gestão de resíduos em quatro empresas do segmento metalomecânico, localizadas na região do Vale do Rio dos Sinos, no estado do Rio Grande do Sul. Por meio dos dados coletados, evidenciou-se que as empresas que possuem sistemas de gestão ambiental apresentam uma melhor compreensão acerca das suas responsabilidades ambientais, tanto no tocante ao gerenciamento dos resíduos gerados pelo processo produtivo como da importância de sensibilização dos colaboradores à temática.



Palavras-chave


Gestão de Resíduos; Indústrias metalomecânicas; Processos produtivos

Referências


Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos (ABETRE) (2012) Perfil do setor de tratamento de resíduos. Disponível em: < http://www.abetre.org.br/biblioteca/publicacoes /publicacoes-abetre/copy2_of_ABETREPerfildo SetordeTratamentodeResduos042013.pdf> Acesso em 20 de junho de 2014.

Barbieri, J.C. (2012). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 3. ed. São Paulo: Saraiva.

Bautista-Lazo, S.; Short, T. (2013). Introducing the all seeing eye of business: a model for understanding the nature, impact and potential uses of waste. Journal of Cleaner Production, 40, 141-150.

BrasiL. Lei Nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm> Acesso em 20 de junho de 2014.

Brío, J. A.; Junquera, B.; Ordiz, M. (2008). Human resources in advanced environmental approaches - a case analysis. International Journal of Production Research, v. 46, n. 21, p. 6029-6053.

CAMPOS, L. M. S. (2012). Environmental management systems (EMS) for small companies: a study in Southern Brazil. Journal of Cleaner Production, v. 32, p. 141-148.

Chan, E. Sw; Wong, S. C. (2006). Motivations for ISO 14001 in the hotel industry. Tourism Management, 27 (3), 481-492.

Conselho Regional de Desenvolvimento do Vale do Rio dos Sinos (COREDE). Disponível em < http://www.consultapopular.rs.gov.br/coredes.asp?cod_corede=19>. Acesso em: 17 ago 2014.

Dias, R. (2017). Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Donaire, D. (2009). Gestão Ambiental na Empresa. 2. ed. São Paulo, SP: Atlas.

DowlatshahI, S. (2010). A cost-benefit analysis for the design and implementation of reverse logistics systems: case studies approach. International Journal of Production Research, 48 (5), 1361- 1380.

Elefsiniotis, P.; Wareham, D. G. (2005). ISO 14000 environmental management standards: their relation to sustainability. Journal of Professional Issues in Engineering Education and Practice, 131 (3), 208-212.

Ezeah C.; Roberts C. L. (2012). Analysis of barriers and success factors affecting the adoption of sustainable management of municipal solid waste in Nigeria. Journal of Environmental Management,103, 9-14.

Fresner, J. (2004). Small and medium sized enterprises and experiences with environmental management. Journal of Cleaner Production, n. 12, p. 545-547.

Fundação de Economia e Estatística (FEE) (2013). Indicadores Econômicos. Disponível em: . Acesso em 26 de maio de 2014.

Fundação Estadual de Proteção Ambiental (FEPAM) (2003). Relatório Sobre a Geração de Resíduos Sólidos Industriais No Estado do Rio Grande do Sul. Disponível em: < http://www.fepam.rs.gov.br/biblioteca/rsi/DiagTotal2002.zip>. Acesso em 19 out 2016.

Federação das Indústrias do estado do Rio Grande do Sul (FIERGS) (2011). Caderno Setorial do Rio Grande do Sul – Metalmecânico. Porto Alegre: Unidade de Estudos Técnicos.

Federação das Indústrias do estado do Rio Grande do Sul (FIERGS) (2014). Indústria em Ação. Revista da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul. Ano 8. n° 90.

Fiksel, J. Et al. (2011). Comparative life cycle assessment of beneficial applications for scrap tires. Clean Technology and Environmental Policy, 13. 19-35.

González-Benito, J; González-Benito, O. (2006). A review of determinant factors of environmental proactivity. Business Strategy and the Environment, 15 (2), 87-102.

Hardie, M., Allen, J., Newell, G. (2013). Environmentally driven technical innovation by Australian construction SMEs. Smart and Sustainable Built Environment, n. 2, p. 2, 179-191.

Hicks, C.; Heidrich, O.; Mcgovern, T.; Donnelly, T. (2004). A functional model of supply chains and waste. Int. J. Production Economics, 89 (2), 165-174.

Hillary, R. Environmental management systems and the smaller enterprise. Journal of Cleaner Production, Amsterdam, v.12, n. 6, p. 561-569, 2004.

Hodge, M.; Ochsendorf, J.; Fernández, J. (2010). Quantifying potential profit from materia:l recycling a case study in brick manufacturing. Journal of Cleaner roduction, 18 (12), 1190- 1199.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) (2011). Caderno de Diagnóstico: Resíduos Sólidos Industriais. (Versão Preliminar). Disponível em: < http://www.cnrh.gov.br/ projetos/pnrs/documentos/cadernos/05_CADDIAG_Res_Sol_Industriais.pdf> Acesso de 20 de junho de 2014.

Jabbour, C. J. C. (2007). Contribuição da gestão de recursos humanos para a evolução da gestão ambiental empresarial: survey e estudo de múltiplos casos. 166 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos.

Jayaraman, V., Guide, V. D. R., Srivastava, R. (1999). A closed-loop logistics model for remanufacturing. Journal of the Operational Research Society, 50 (5), 497-508.

Jeppesen, S. (2005). Critical realism as an approach to unfolding empirical findings: thoughts on fieldwork in South Africa on SMEs and environment. The Journal of Transdisciplinary Environmental Studies. v. 4, n. 1, p. 1-9. Spetial Issue.

Lakatos, E. M.; Marconi, M. A. (2011). Metodologia Científica: ciência e conhecimento científico; métodos científicos; teoria, hipótese e variáveis; metodologia jurídica. 6 ed. São Paulo, SP: Atlas.

Leite, P.R. (2009). Logística reversa: meio Ambiente e competitividade. 2. ed. São Paulo. Pearson Prentice Hall.

Madeira, R. F. (2010). O setor de saneamento básico no Brasil e as implicações do novo marco regulatório para a universalização do acesso. Revista BNDES, 33, 123 – 154.

Martins, P. S.; Filho, E.E.; Nagano, M. S. (2015). Gestão ambiental e estratégia empresarial em pequenas e médias empresas: um estudo comparativo de casos. Eng. Sanit Ambient, 20, 2, 225-234.

Moura, L.A.A. (2004). Qualidade e gestão ambiental. São Paulo: Juarez de Oliveira.

Miles, M. P.; Munilla, L. S.; Mcclug, T. (1999) The impact of ISO 14000 environmental management standards on small and medium sized enterprises. Journal of Quality Management, v. 4, n. 1, p. 111-122.

Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE). Relação Anual de Informações Sociais - RAIS. Disponível em < http://portal.mte.gov.br/rais/>. Acesso em 26 de maio de 2014.

Nakashima, K.; Arimitsu, H.; Nose, T.; Kuriyama, S.; Environmental, U. S.,; Agency, P. (2002). Analysis of a product recovery system. International Journal of Production Research, 40 (15) 3849-3857.

Nicolella, G.; Marques, J. F.; Skorupa, L. A. (2004). Sistema de gestão ambiental: aspectos teóricos e análise de um conjunto de empresas da região de Campinas, SP. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente.

Oliveira, O. J.; Serra, J.R. (2010). Benefícios e dificuldades da gestão ambiental com base na ISO 14001 em empresas industriais de São Paulo. Produção, v. 20, n. 3, pp. 429-438. Jul./Set.

Pedrotti, M., Mistura, C. M. (2010). Avaliação de aspectos e impactos ambientais do processo produtivo de uma metalúrgica de pequeno porte. Revista CIATEC – UPF, v.2, n. 2, pp.22-45.

Polkinghorne, D. E. (2013). Qualitative research and media. Oxford handbook of media psychology, 137-156.

Rao, P.; Castillo, O. la O’; Intal, P. S.; Sajid, A. (2004). An empirical research on environmental indicators for small and medium enterprises in the Philippine context. In:12 International Conference of the Greening of Industry Network. Proceedings... Hong Kong, November, p.7-10.

Redmond, J.; Walker, E.; Wang, C. (2008). Issues for small businesses with waste management. Journal of Environmental Management, n. 88, p. 275-285.

Rothenberg, S.; Schenck, B.; Maxwell, J. (2005). Lessons from benchmarking environmental performance at automobile assembly plants. Benchmarking, Reino Unido, 12, 5-15.

Sambataro Iii, J. P.; Hughey, K. F. D. (2006). The awareness, action and advancement (AAA) environmental management and reporting system: moving from the household to small and medium-size enterprises. Journal of Cleaner Production, n.14, p.1017-1027.

Schalch, V.; Synnestvedt A. (2002). Gestão e gerenciamento de resíduos sólidos. Disciplina do curso de pós-graduação em Hidráulica e Saneamento. São Carlos (Apostila). Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo.

Seiffert, M. E. B. (2008). Environmental impact evaluation using a cooperative model for implementing SEM (ISO14001) in small and medium-sized enterprises. Journal of Cleaner Production, n. 16.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). Critério de Classificação de empresas: EI - ME - EPP. Disponível em: Acesso em: 02 jul. 2014.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). Boletim Estudos e Pesquisa. Expectativas do Mercado. Disponível em: < https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/BEP%20out%202016.pdf>. Acesso em: 24 nov. 2016.

Schaltegger, S.; Synnestvedt, T. (2002). The link between “green” and economic success: Environmental management as the crucial trigger between environmental and economic performance. Journal of Environmental Management, 65 (4), 339–346.

Seadon, J. K. (2010). Sustainable waste management systems. Journal of Cleaner Production, 18 (16), 1639-1651.

Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico e Eletrônico do Estado do Rio Grande do Sul (SINMETAL). Disponível em: < www.sinmetal.com.br> Acesso em: 26 maio 2014.

Silva, A. B. A. (1998). Pequena Empresa na busca da excelência. João Pessoa: Universitária.

Staal, A.A.G., Tookey, J., Seadon, J., Mobach, M. and Walhof, G. (2014). Procurement of non-incremental sustainable technology innovations - the case of small entrepreneurial firms supplying New Zealand construction & building industry. Proceedings of the 4th New Zealand Built Environment Research Symposium (NZBERS). Auckland, New Zealand. 14 November.

Roesch, S. M. A. (2005). Projetos de estágios e de pesquisa em Administração: Guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudo de caso. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Rothenberg, S.; Schenck, B.; Maxwell, J. (2005). Lessons from benchmarking environmental performance at automobile assembly plants. Benchmarking, Reino Unido, 12, 5-15.

Valerio, D.; Silva, T. C.; Cohen, C. (2008). Redução da geração de resíduos sólidos: uma abordagem econômica. In: Associação Nacional dos Centros de Pós-Graduação em Economia; Salvador. Anais. ANPEC, Niterói. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2013.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre, RS: Bookman.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000