Empreendedorismo Sustentável no Setor de Energia: Uma Perspectiva de uma Empresa Brasileira Concessionária de Eletricidade

Marcus Vinicius de Oliveira Brasil, Francisco Correia de Oliveira, Mônica Mota Tassigny, Raimundo Eduardo Silveira Fontenele

Resumo


A questão central neste artigo é identificar as condições em que os projetos sociais desenvolvidos pela empresa Alpha estão promovendo o desenvolvimento sustentável no Ceará, estado localizado no Nordeste do Brasil. O objetivo geral é discutir se os projetos sociais da empresa estão relacionados com o empreendedorismo corporativo sustentável (SCE). Este artigo tem a intenção de estimular a comunidade científica para o avanço do conhecimento sobre empreendedorismo, inovação e sustentabilidade. Este estudo de caso se concentra em quatro projetos da empresa Alpha: Ecoelce, Troca Eficiente, Energia Social e Escola Coelce. A metodologia de análise do conteúdo temática foi utilizada neste artigo. A pesquisa documental serviu como fonte de dados primária e ajudou a elucidar melhor o objeto estudado. O pesquisador obteve 12 questionários respondidos. Foi encontrada uma concordância entre os entrevistados para as categorias: valores, transparência e governança, força de trabalho, meio ambiente, fornecedores, consumidores e clientes e comunidade. Para o tema governo e sociedade, os resultados mostraram uma discordância com a categoria e para o último tema inovação, os entrevistados foram indiferentes. Após a análise léxica dos dados, os resultados confirmam a existência de uma tríade nos projetos sociais da Alpha, pelas categorias resultantes (lucro, planeta, pessoas) a partir da análise do conteúdo das perguntas abertas e de acordo com o estado da arte da literatura. Alpha é um forte exemplo de compromisso social com a pobreza e o meio ambiente. A pesquisa confirma que a empresa promove o empreendedorismo sustentável e a inovação na direção do desenvolvimento sustentável.

Palavras-chave


Empreendedorismo, Energia, Sustentabilidade, Projetos Sociais, Inovação

Referências


Barbieri, J. C., Vasconcelos, I. F. G. de, Andreassi, T., & Vasconcelos, F. C. de (2010). Innovation and sustainability: new models and propositions, Revista de Administração de Empresas-RAE, 50(2), 146-154.

Bardin, L. (1977). L'analyse de contenu. France: Quadrige/PUF.

Brasil, M. V. O. (2002). Computer science firms incubated in Ceará: a case study according to Mintzberg's Entrepreneurship School. In Proc. The European Applied Business Research Conference, 120-139. Rothenburg ob der Tauber, Germany.

Bhola, H.S.(2009). Reconstructing literacy as an innovation for sustainable development: a policy advocacy for Bangladesh. Int. J. of Lifelong Education, 28 (3), 371–382.

Bruyne, P. de, Herman, J., & Schoutheete, M. de. (1977). Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os pólos da prática metodológica. Traduzido por Ruth Joffily. Rio de Janeiro: F. Alves.

Elkington, John (1997). Cannibals with forks: the triple bottom line of 21st century business. England: Capstone Publishing, Oxford.

Indicadores Ethos Princípios norteadores dos grupos de trabalho (2012). [online] Retrieved from: http://www3.ethos.org.br/?s=indicadores+ethos+2012&categoria=documentos& tema=empty&data_inicio=undefined-undefined-undefined-undefined-&data_fim =undefined-undefined-undefined-undefined-&projeto=empty&post_type=cedoc..

Gibbs, D. (2009). Sustainability entrepreneurs, ecopreneurs and the development of a sustainable economy. Greenleaf Publishing Ltd. University of Hull, UK. GMI 55.

Kralj, D. (2011). Innovative systemic approach for promoting sustainable innovation for zero construction waste. Kybernetes. Emerald Group Publishing Limited. United Kingdom. 40 (1), 275-289.

Kuckertz, A. & Wagner, M. (2010). The influence of sustainability orientation on entrepreneurial intentions: investigating the role of business experience. Journal of Business Venturing. 25, 524-539.

Likert, R. (1975). A organização humana. Traduzido por Marcio Cotrim. São Paulo: Atlas, 1975.

Miles, M.P., Munilla, L.S., & Darroch, J. (2009). Sustainable corporate entrepreneurship. International Entrepreneurship Management Journal. 5, 65-76.

Mintzberg, H. & Quinn, J. B (2001). O processo estratégia. Traduzido por James Sunderland Cook. 3. ed. Porto Alegre: Bookman. Mintzberg, H., Ahlstrand, B., & Lampel, J. (2000). Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Traduzido por Nivaldo Montigelli Júniorr. Porto Alegre: Bookman.

Pastakia, A. (1998). Grassroots ecopreneurs: change agents for a sustainable society. Journal of Organizational Change Management, 11(2), 157-173.

Pinchot III, G. (1989). Intrapreneuring: por que você não precisa deixar a empresa para tornar-se um empreendedor. Traduzido por Nivaldo Montingelli Júnior. São Paulo: Harbra.

Rennings, K. (1998). Towards a theory and policy of eco-innovation -neoclassical and (co-evolutionary perspectives). Center for European Economic Research (ZEW). Berkeley, Discussion Paper 98.

Schrader, U & Thogersen, J. (2011). Putting sustainable consumption into practice. Journal of Consumer Policy. 34, 3-8.

Schaper, M. (2005). Making ecopreneurs: developing sustainable entrepreneurship. Bodmin, Cornwall, UK: MPG BooksSchumpeter, J. A. (1984). Capitalismo, socialismo e democracia. Traduzido por Sérgio Góes de Paula. Rio de Janeiro: Zahar Editores.Schumpeter, J. A. (1988). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Traduzido por Maria Sílvia Possas. 3. ed. São Paulo: Nova Cultural.

Shepherd, D. A. & Patzelt, H. (2011). The new field of sustainable entrepreneurship: studying entrepreneurial action linking “what is to be sustained” with “what is to be developed”. Entrepreneurship, Theory and Practice, 35, 137-163.

Spence, M., Gherib, J. B. B., & Biwole ,V. O. (2011). Sustainable entrepreneurship: is entrepreneurial will enough? A North-South Comparison. Journal of Business Ethics, 99, 335-367.

Schaltegger, S. & Wagner, M. (2011). Sustainable entrepreneurship and sustainability innovation: categories and interactions. Business Strategy and the Environment, 20(4), 222-237.

Tracey, P., Phillips, N., & Jarvis, O. (2011). Bridging institutional entrepreneurship and the creation of new organizational forms: a multilevel model. Organization Science, 22, 60-80.

Trivedi, C. (2010). A social entrepreneurship bibliography. The Journal of Entrepreneurship, 19(1), 81–85.

World Commission on Environment and Development (1987). Our Common Future. New York: Oxford University Press, 400p.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 ed. Traduzido por Ricardo Lopes Pinto. Porto Alegre: Bookman.

Zahra, S. A., Gedajlovic, E., Neubaum, D. O, & Shulman, J. M. (2009). A typology of social entrepreneurs: motives, search processes and ethical challenges. Journal of Business Venturing, 24(5), 519–532.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000