Educação Ambiental e Ensino de Sustentabilidade: Reflexões no Contexto da Administração

Leandro Petarnella, Amélia Silveira, Nelson Santos Machado

Resumo


O trabalho objetiva revisar e refletir sobre a Educação Ambiental (EA) e o Ensino de Sustentabilidade, no campo da Administração. Este último, mais especificamente, nos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Administração. Para tanto, parte da historiedade e da logicidade do assunto, em sua transitoriedade, constituindo-se em um artigo de revisão. Em decorrência, este estudo foi realizado por meio de uma abordagem exploratória, com método qualitativo, de raciocínio indutivo, tomando como base revisão bibliográfica e documental para a apropriação conceitual. Sua relevância se volta para a abordagem de dois assuntos inter, multi e transdisciplinares, que se revelam e se complementam em um entendimento social mais amplo. As reflexões aqui tratadas sob o contexto da Administração apontam para o desafio do respectivo campo. Este deve conceber e disseminar conhecimentos científicos oriundos e inerentes à Administração que sejam capazes de operar com a transformação do paradigma social atual, no qual esta ciência se amalgama, para aquele que se espera no futuro: a Administração contextualizada e articulada com o paradigma da sustentabilidade. Conclui que o desafio de se incorporar a sustentabilidade no ensino da Pós-graduação Stricto Sensu em Administração deve ser enfrentado por meio da Educação Ambiental.

Palavras-chave


Administração; Educação Ambiental; Sustentabilidade.

Referências


Barbieri, J. C.; Silva, D. (2010). Educação Ambiental e gestão ambiental na formação do administrador: uma visão do quadro regulatório. In: Moretti, S. (Org.). Ensino e pesquisa em administração: propostas sobre a capacitação docente. São Paulo: Editora Ottoni.

Bauman, Z. (2007). Vida para o consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar.

Bovo, M. C. (2005). Interdisciplinaridade e transversalidade como dimensões da ação pedagógica. In: Revista Urutágua – Revista Acadêmica Multidisciplinar, n. 07. Ago/Nov.

Brasil. (2015). Diretrizes curriculares para cursos de graduação. Brasília, DF: MEC, 2005. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=

Acesso em: 06 abr. 2015.

Brasil. (2012). Ministério da Educação Conselho Nacional de Educação. Resolução N. 2, de 15 de junho de 2012, Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 de jun. 2012, n. 116. Seção 1, P. 70, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br. Acesso em: 20/04/2015.

Brasil. (2009). Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999: dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial, 28 de abril, 2009.

Brasil. (2003). Parâmetros Curriculares Nacionais: 3o e 4o Ciclos: apresentação dos temas transversais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, DF: MEC/SEF.

Canhada, D. I. D.; Bulgacov, S. (2011). Práticas sociais estratégicas e resultados acadêmicos: o doutorado em administração na USP e na UFRGS. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 1, p. 7-32.

Caúla, B. Q.; Oliveira, F. C. (2007). Agenda 21 locais e a transversalidade da educação ambiental à luz da lei no 9.795/99. Anais do IX ENGEMA – Encontro Nacional Sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. Curitiba, 19 a 21 de nov.

CRA-CE (Conselho Regional de Administração do Estado do Ceará). (2015). Histórico dos cursos de Administração no Brasil, 2015. Disponível em: http://www.craceara.org.br/

portal/index.php?option=com_content&view=article&id=422&Itemid=90. Acesso em: 05 mar. 2015.

Jacobi, P. (2010). Educação ambiental. Educação e Perspectiva, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 168-173.

Leff, E. (2010). Epistemologia ambiental. São Paulo: Editora Cortez.

López, J. (2011). Liderazgo para sostener procesos de innovación en La escuela. Profesorado: Revista de Currículum y Formación del Profesorado, v. 1, n. 14.

Louzada, R. C. R.; Silva Filho, J. F. (2005). Pós-graduação e trabalho: um estudo sobre projetos e expectativas de doutorandos brasileiros. Hist. Cienc. Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?. Acesso em: 09 mar. 2015.

Marcomin, F. E.; & Silva, A. D. (2009). A Sustentabilidade No Ensino Superior Brasileiro: alguns elementos a partir da prática de educação ambiental na Universidade. Revista Contrapontos, 9(2), 104-117.

Moreira, W. (2004). Revisão de literatura e desenvolvimento científico: conceitos e estratégias para confecção. Janus, Lorena, v. 1, n. 1.

Oliveira, T. F. R. (1997). Dissertação e teses na Pós-graduação: diferenças. Belo Horizonte: UFMG.

Pereira, R. C. F. et al. (2004). Doutorado em Administração no Brasil: Um Estudo Exploratório dos fatores relacionados ao conceito de doutor e das responsabilidades dos principais agentes envolvidos no curso de doutorado. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Administração. Anais... Salvador: ANPAD.

Petarnella, L.; Hourneaux Junior, F.; Silveira, A. (2014). A inserção da sustentabilidade nos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Administração sob a ótica dos especialistas. In: Seminários em Administração – Semead, 27, 2014, São Paulo. Anais... São Paulo: FEA/USP. p. 1-16.

Petarnella, L.; Silveira, A. (2014). Pensamento reflexivo e formação acadêmica em sustentabilidade: os Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Administração. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Administração, 2014, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD.

Petarnella, L.; Silveira, A. (2013). Ensino e pesquisa em administração: um novo olhar sobre a sustentabilidade. In: Seminários em Administração – Semead, 26, 2013, São Paulo. Anais...São Paulo: FEA/USP.

PNUMA. (2015). Investimento de 2% do PIB mundial em um novo modelo econômico pode combater a pobreza e gerar um crescimento mais verde e eficiente: novo relatório do PNUMA destaca Políticas Públicas Sustentáveis e Trajetória de Investimento Rumo à Rio +20, 2012. Disponível em: http://www.pnuma.org.br/comunicados_detalhar.php? id_comunicados=125. Acesso em: 05 mar. 2015.

Seiffert, M. E. B. (2010). Gestão ambiental: instrumentos, esferas de ação e educação ambiental. São Paulo: Atlas.

SMA/CEA (Secretaria do Meio Ambiente, Coordenadoria de Educação Ambiental). (2004). Carta de Belgrado, 2004. Disponível em: http://www.ufpa.br/npadc/gpeea/ DocsEA/A%20Carta%20de%20Belgrado.pdf. Acesso em: 02 abr.2015.

Toledo, R. F. (2002). Educação ambiental em unidades de conservação do estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. São Paulo.

Venzke, C. S; Nascimento, L. F. M. (2013). Caminhos e desafio para a inserção da sustentabilidade socioambiental na formação do administrador brasileiro. Revista de Administração Mackenzie, v. 14, n. 3, Ed. Especial, maio/jun., p. 26-54.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000