A Responsabilidade Social Corporativa e as Práticas de Gestão do Capital Intelectual Divulgadas por Empresas do Setor de Papel e Celulose

Alessandra Cassol, Renato Fabiano Cintra, Josiane da Luz

Resumo


As organizações buscam destacar as práticas que geram valor ao seu negócio. Também deve enfatizar que a capacidade organizacional de aprendizado torna-se crucial à continuidade da organização. Assim, a pesquisa objetiva apresentar análise dos Relatórios de Sustentabilidade das cinco maiores empresas do setor de Celulose e Papel, segundo a Revista Exame, evidenciando as ações desenvolvidas e publicadas que contribuíram para fomentar o Capital Intelectual. Verifica-se que a atividade em estudo desempenha relevante contribuição na economia brasileira e observa-se que nos últimos anos as empresas deste setor estão desenvolvendo ações para captação de conhecimento interno e externo, buscando desenvolver melhorias e inovações que as diferenciem competitivamente. Busca-se compreender quais as práticas de gestão do capital intelectual que as empresas do setor de celulose e papel desenvolvem para ampliar sua competitividade. O referencial teórico abrange o capital intelectual e a responsabilidade social corporativa. A pesquisa configura-se como empírica e está amparada por uma abordagem qualitativa descritiva, utilizando-se de análise documental como técnica de coleta de dados. O modelo de Edvinsson e Malone (1997) foi utilizado para desenvolver as análises do conteúdo dos relatórios de sustentabilidade e, portanto, a contribuição teórica centra-se na ampliação de estudos que utilizam as categorias deste modelo. Como contribuição a gestão das empresas apresenta-se práticas capazes de contribuir ao aprendizado e desenvolvimento de atividades de fomento a gestão do capital intelectual. Às implicações sociais demonstram que por meio de ações vinculadas a responsabilidade social corporativa é possível promover a gestão do capital intelectual e desenvolver estratégias que contribuam para competitividade.

Palavras-chave


Responsabilidade Social Corporativa; Capital Intelectual; Relatórios de Sustentabilidade

Referências


Alves, E.A. (2003). Dimensões da responsabilidade social da empresa: uma abordagem desenvolvida a partir da visão de Bowen. Revista de Administração da USP, 38(1), 37-45.

Ashley, P.A., Coutinho, R.B.G., & Tomei, P.A. (2000). Responsabilidade social corporativa e cidadania empresarial: uma análise conceitual comparativa. XXIV Encontro da ANPAD, Florianópolis/SC.

Barkemeyer, R., Holt, D., Preuss, L., & Tsang, S. (2011). What happened to the ‘development’ in sustainable development? Business guidelines two decades after Brundtland. Sustainable Developlment, 22(1), 15-32.

Bontis, N. (2000). Assessing knowledge assets: a review of the models used to measure intellectual capital. Working Paper: McMaster University, Hamilton.

Bontis, N.(1996). There’s a price on your head: managing intellectual capital strategically. Ivey Business Journal (Formerly Business Quarterly), 60, 40-47.

Brooking, A. (1996). Intellectual capital: core asset for the third millennium enterprise. Boston: Thomson Publishing.

Carroll, A.B. (2000). Ethical challenges for business in the new millennium: corporate social responsibility and models of management morality. Business Ethics Quarterly, 10(1), 33-42.

Daher, W.M., Oliveira, M.C., Cals, B.O., & Ponte, V.M.R. (2007). Responsabilidade social corporativa segundo modelo de Hopkins: um estudo nas empresas do setor energético do nordeste brasileiro. Revista Gestão Social e Ambiental, 1(1), 31-46.

Darling, M. (1996). Building the knowledge organization. Business Quarterly (Winter).

Deslaurie, J.P., & Kérisit, M. (2008). O delineamento da pesquisa qualitativa. Poupart (Org.). A Pesquisa Qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes.

Dyllick, T., & Hockerts, K. (2002). Beyound the business case for corporate sustentability. Business Strategy and the Environment, 11, 130-141.

Edvinsson, L., & Malone, M.S. (1997). Intellectual capital: realizing your company’s true value by finding its hidden brainpower. New York: Harper Business.

Edvinsson, L., & Sullivan, P. (1996). Developing a model for managing intellectual capital. European Management Journal, 14(4), 356-364.

Elkington, J. (1999). Cannibals with forks: the triple bottom line of 21st century business. Oxford: Capstone Publishing Limited.

Eisenhardt, K.M., & Santos, F.M. (2006). Knowledge-based view of the firm: a new theory of strategy? Petigrew, Thomas, & Whittington (Ed.). Handbook of Strategy and Management.

Eweje, G. (2011). A shift in corporate practice? Facilitating sustainability strategy in companies. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 18, 125-136.

Gallon, A.V., Souza, F.C., Rover, S., & Ensslin, S.R. (2008). Um estudo reflexivo da produção científica em capital intelectual. Revista de Administração Mackenzie, 9(4), 142-172.

Godoy, A.S. (1995a). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, 35(2), 57-63.

Godoy, A.S. (1995b). A pesquisa qualitativa e sua utilização em administração de empresas. Revista de Administração de Empresas, 35(4), 65-71.

Griesse, M.A. (2003). Ética empresarial e responsabilidade social corporativa à luz de Lawrence Kohlberg. Impulso, 14(35),3 3-48.

Hahn, T., & Scheermesser, M. (2006). Approaches to corporate sustainability among German companies. Corporate Social Responsability and Environmental Management, 13(3), 1-16.

Itami, H. (1987). Mobilizing invisible assets. Harvard University Press, London.

Kristandl, G., & Bontis.N. (2007). Defining intangible assets and intellectual capital. Management Decision, 45(9), 1510-1524.

Laville, E. (2009). A empresa verde. São Paulo: ÕTE.

Maanen, J.V. (1979). Reclaiming qualitative methods for organizational research: a preface. Administrative Science Quarterly, 24(4), 520-526.

Morgan, P. (2007). Paradigmas, metáforas e resolução de quebra-cabeças na teoria das organizações. Caldas, & Bertero (Ed.). Teoria das organizações. São Paulo: Atlas.

Nonaka, I., Toyama, R., & Nagata, A. (2000). A firm as a knowledge-creating entity: a new perspective on the theory of the firm. Industrial and Corporate Change, 9(1), 1-20.

Norman, W., & MacDonald, C. (2004). Getting to the bottom of “triple bottom line”. Business Ethics Quarterly, 14(2), 243-262.

Revista Exame. As 15 maiores empresas de papel e celulose. São Paulo: Editora Abril. Disponível: . Acesso em: 15/mar/ 2013.

Rodrigues, H.M.S.S. (2009). La influencia del capital intelectual en la capacidad de innovación de las empresas del sector de automoción de la Eurorregión Galicia Norte de Portugal. 221f. Tese, Universidade de Vigo: Espanha.

Saint-Onge, H. (1996). Tacit knowledge: the key to the strategic alignment of intellectual capital. Strategy & Leadership, 24(2), 10-16.

Smith, L. (2009). Valuation of intellectual property. Current Topics in ISM.

Stewart, T.A. (1998). Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. Rio de Janeiro: Campus.

Starovic, D., & Marr, B. (2003).Understanding corporate value: managing and reporting intellectual capital. CIMA. Disponível em: http://www.cimaglobal.com/Documents/ImportedDocuments/tech_techrep_understanding_corporate_value_2003.pdf. Acesso em: 11/07/2015.

Sveiby, K.E. (1997). The new organizational health:managing and measuring knowledge-based assets. San Francisco: Berrett-Koehler Publishers.

Sveiby, K.E. (2001). A knowledge-based theory of the firm to guide in strategy formulation. Journal of Intellectual Capital, 2(4), 344-358.

Van Marrewijk, M. (2003). Concepts and definitions of CSR and corporate sustainability: between agency and communion. Journal of Business Ethics, 44(2-3), 95-105.

Wheeler, D., McKague, K., Thomson, J., Davies, R., Medalye, J., & Prada, M. (2005).Creating sustainable local enterprise networks. MIT - Sloam Management Review, 7(41), 33-40.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000