Estudo sobre Variáveis Determinantes do Nível de Divulgação de Informações Voluntárias Ambientais

Juciléia Giacomin, Ernani Ott, Tadeu Grando

Resumo


Esta pesquisa teve como objetivo verificar as variáveis determinantes da divulgação voluntária de informações de caráter ambiental, de uma amostra de quarenta e sete companhias abertas listadas na B3 - Brasil Bolsa Balcão, e classificadas como de alto impacto ambiental, evidenciadas nos Relatórios de Sustentabilidade e Relatório da Administração, correspondentes ao exercício social de 2013. A pesquisa é aplicada quanto à sua natureza; quantitativa, quanto à abordagem do problema; descritiva e explicativa, quanto ao seu objetivo e documental, quanto ao procedimento técnico utilizado. Na primeira parte da análise apresenta-se uma análise descritiva dos dados evidenciados pelas companhias, e na segunda parte, considerando os resultados de estudos precedentes e contribuições de especialistas, foram testadas onze variáveis consideradas como possíveis fatores determinantes desta divulgação, mediante a utilização de análise de regressão linear múltipla. O nível de divulgação voluntária ambiental foi mensurado por meio de uma métrica contendo oito categorias e trinta e oito subcategorias, sugerida em estudo realizado por Rover, Borba e Murcia (2009). Os principais resultados obtidos no estudo indicam que as categorias mais evidenciadas pelas companhias se referiam aos impactos dos produtos e processos e às políticas ambientais. Tamanho da companhia, certificação ambiental e controle acionário foram confirmados como variáveis determinantes do nível de divulgação voluntária ambiental das companhias da amostra.

 


Palavras-chave


Fatores determinantes; Sustentabilidade; Nível de divulgação voluntária

Referências


Aquino, W., & Santana, A. C. (1992). Evidenciação. Cadernos de Estudos, 2(5), 1-40. Recuperado em 21 junho 2014 de http://www.scielo.br/pdf/cest/n5/n5a02.pdf

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. Lisboa: edições 70.

Beuren, I. M., Santos, V., & Gubiani, C. A. (2013). Informações ambientais evidenciadas no relatório da administração pelas empresas do setor elétrico listadas no ISE. BASE. Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 10(1), 55-68. Recuperado em 20 junho 2014 de www.spell.org.br/documentos/download/9617

Braga, J. P., & Salotti, B. M. (2008). Relação entre nível de disclosure ambiental e características corporativas de empresas no Brasil. Anais eletrônicos do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, 8. Recuperado em 15 junho 2014 de http://www.congressousp.fipecafi.org/web/artigos82008/180.pdf

Campos, L. M. S., Grzebieluckas, C., & Selig, P. M. (2009). As empresas com certificação ISO 14001 são mais rentáveis? Uma abordagem em companhias abertas no Brasil. Revista Eletrônica de Administração, 15(1), 1-24.

Coelho, F. Q. (2010). Uma análise dos fatores diferenciadores na divulgação de informações voluntária sobre o meio ambiente. Dissertação de Mestrado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, Brasil.

Comitê De Pronunciamentos Contábeis (CPC). Brasília, DF, [(2012?)]. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2014.

Costa, R. S., & Marion, J. C. (2007). A uniformidade na evidenciação das informações ambientais. Revista de Administração e Economia, 52(43), 20-33. Recuperado em 15 setembro 2014 de http://www.revistas.usp.br/rcf/article/view/34212

Cunha, J. V. A., & Ribeiro, M. S. (2008). Divulgação voluntária de informações de natureza social: um estudo nas empresas brasileiras. Revista de Administração - Eletrônica, 1(1), art. 6. Recuperado em 15 maio 2014 de http://www.rausp.usp.br/Revista_eletronica/v1n1/artigos/v1n1a6.pdf

Dantas, J. A., Zendersky, H. C., Santos, S. C. D., & Niyama, J. K. (2005). A dualidade entre os benefícios do disclosure e a relutância das organizações em aumentar o grau de evidenciação. E & G Economia e Gestão, 5(11), 56-76. Recuperado em 15 maio 2014 de http://periodicos.pucminas.br/index.php/economiaegestao/article/viewArticle/40

Gonçalves, O., & Ott, E. (2002). A evidenciação nas companhias brasileiras de capital aberto. Anais eletrônicos do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, 26. Recuperado em 15 maio 2014 de http://www.anpad.org.br/evento.php?acao=trabalho&cod_edicao_subsecao=49&cod_evento_edicao=6&cod_edicao_trabalho=2311

Gray, R., Kouhy, R., & Lavers, S. (1995). Constructing a research database of social and environmental reporting by UK companies. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 8(2), 78-101. Recuperado em 15 maio 2014 de http://www.emeraldinsight.com/doi/abs/10.1108/09513579510086812?journalCode=aaaj

Hackston, D., & Milne, M. (1996). Some determinants of social and environmental disclosure in New Zealand companies. Accounting, Auditing and Accountability Journal, 9(1), 77-108. Recuperado em 15 maio 2014 de http://www.emeraldinsight.com/doi/abs/10.1108/09513579610109987

Hair, J. F., Black, W.C., Anderson, R. E., & Tatham, R. (2009). Análise multivariada de dados. (6a ed.). São Paulo: Bookman.

Iudícibus, S., Marins, E., Gelbcke, E. R., & Santos, A. D. (2010). Manual de contabilidade societária: aplicável a todas sociedades. (8a ed.). São Paulo: Atlas.

Iudícibus, S. Teoria da contabilidade. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2004

Lei n. 10.165, de 27 de dezembro de 2000 (2000). Altera a Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Recuperado em 18 setembro 2014 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L10165.htm

Macagnan, C. B. (2009). Evidenciação voluntária: fatores explicativos da extensão da informação sobre recursos intangíveis. Revista Contabilidade & Finanças, 20(50), 46-61. Recuperado em 10 junho 2014 de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1519-70772009000200004&script=sci_arttext.

Marquezan, L. H. F., Seibert, R. M., Bartz, D., Barbosa, M. A. G., & Alves, T. W. (2015). Análise dos determinantes do disclosure verde em relatórios anuais de empresas listadas na BM&FBOVESPA. Contabilidade, Gestão e Governança, 18(1), 127-150.

Melo, F. M. A., Ponte, V. M. R., & Oliveira, M. C. (2007). Análise das práticas de evidenciação de informações avançadas e não-obrigatórias nas demonstrações contábeis das empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, 1(1), 30-42. Recuperado em 26 junho 2014 de http://www.revistas.usp.br/rco/article/view/34695

Mota, M. O., Mazza, A. C. A., & Oliveira, F. C. (2013). Uma análise dos relatórios de sustentabilidade no âmbito ambiental do Brasil: sustentabilidade ou camuflagem? Revista BASE, 10(1), 69-80. Recuperado em 26 junho 2014 de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=337228653006

Mussoi, A., & Van Bellen, H. M. (2010). Evidenciação ambiental: uma comparação do nível de evidenciação entre os relatórios de empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, 4(9), 56-78. Recuperado em 15 maio 2014 de http://www.revistas.usp.br/rco/article/view/34767

Nossa, V. (2002). Disclosure ambiental: uma análise do conteúdo dos relatórios ambientais de empresas do setor de papel e celulose em nível internacional. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Ouchi, C. H. C. (2006). Práticas de sustentabilidade corporativa no Brasil: uma análise do setor de papel e celulose. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Rover, S., & Santos, A. (2014). Revisitando os determinantes do disclosure voluntário socioambiental no Brasil: em busca de robustez na mensuração da variável socioambiental. Contabilometria, 1(2), 15-35.

Rover, S., Borba, J. A., & Murcia, F. D. R. (2009). Características do disclosure ambiental de empresas brasileiras potencialmente poluidoras: análise das demonstrações financeiras e dos relatórios de sustentabilidade do período de 2005 a 2007. Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 7(1), 23-36. Recuperado em 18 junho 2014 de http://www.contextus.ufc. br/index.php/contextus/article/view/122

Rover, S., Ferreira, J. D. S., Ferreira, D. D. M., & Borba, J. A. (2015). Informações financeiras ambientais: diferença entre o nível de disclosure entre empresas brasileiras. Anais do Congresso USP Controladoria e Contabilidade, São Paulo, 15.

Rover, S; Borba, J. A.; Murcia, F.D.R.; RODRIGUES, V.; ERNESTO, F. Divulgação de informações ambientais nas demonstrações contábeis: um estudo exploratório sobre o disclosure das empresas brasileiras pertencentes a setores de alto impacto ambiental. RCO – Revista de Contabilidade e Organizações – FEARP/USP, São Paulo, v. 2, n. 3, p. 53-72, maio/ago. 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2014.

Rover, S; Tomazzia, E.C.; Murcia, F.D.R. Explicações para divulgação voluntária ambiental no Brasil utilizando a análise de regressão em painel. R.Adm., São Paulo, v. 47, n. 2, p. 217-230, abr./jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2014.

Rufino, M. A., & Monte, P. A. (2014). Fatores que explicam a divulgação de informações voluntárias das 100 empresas com ações mais negociadas na BM&FBOVESPA. Anais eletrônicos do Congresso ANPCONT, Rio de Janeiro, 8. Recuperado em 2 outubro 2014 de http://www.furb.br/_upl/files/especiais/anpcont/2014/239_3.pdf?20141023203026

Yamamoto, M. M., & Salottti, B. M. (2006). Informação contábil: estudos sobre a sua divulgação no mercado de capitais. São Paulo: Atlas.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional