Consciência Ambiental, Comportamento Pró-Ambiental e Qualidade de Gerenciamento de Resíduos em Serviços de Saúde

Tarcisio Afonso, Maria Ângela Gonçalves Zanon, Ronaldo Lamounier Locatelli, Bruno Pellizzaro Dias Afonso

Resumo


A disposição inadequada dos resíduos sólidos no meio ambiente representa um grande desafio para a humanidade, especialmente nos países em desenvolvimento, em face da vulnerabilidade de uma parcela expressiva de sua população. Os resíduos em serviços de saúde demandam maior atenção, uma vez que representam forte ameaça ao meio ambiente e à saúde. O objetivo desta pesquisa foi investigar o estado da consciência ambiental, do comportamento pró-ambiental e da qualidade do gerenciamento dos resíduos em serviços de saúde em uma Instituição Federal de Ensino Superior – IFES, estabelecendo a relação entre esses três construtos. Foi realizada uma pesquisa descritiva, tipo survey, com dados obtidos por meio da aplicação de questionários em uma amostra composta por 154 participantes. Foi utilizada a escala Likert com grau de concordância de zero a dez em relação às afirmativas que compõem os construtos pesquisados. A modelagem de equações estruturais possibilitou o estudo das relações entre as três dimensões, entre os modelos testados, o de melhor ajuste revelou significativa relação entre a consciência ambiental e o comportamento pró-ambiental, e entre este e a qualidade do gerenciamento dos resíduos de serviços em saúde. Não foi comprovada a influência da consciência ambiental na qualidade do gerenciamento dos resíduos.


Palavras-chave


Consciência ambiental. Comportamento pró-ambiental. Gerenciamento de resíduos em serviços de saúde.

Referências


Aaker, D. A., Kumar, V., & Day, G. S. (2004). Pesquisa de marketing. (2a ed). São Paulo: Atlas.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2006). Gerenciamento dos Resíduos de Saúde. Brasília: Editora ANVISA.

Almeida, M. L. P. de (1996). Como elaborar monografias. (Cap. 4, pp. 101-110). Belém: Cejup.

Antunes, P. B. (2000). Dano ambiental: uma abordagem conceitual. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Barros, R. T. V. (2012). Elementos de gestão de resíduos sólidos. Belo Horizonte: Tessitura Editora.

Bedante, G. N., & Slongo, L. A. (2004). O comportamento de consumo sustentável e suas relações com a consciência ambiental e a intenção de compra de produtos ecologicamente embalados. Anais do I Encontro de Marketing da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração – ANPAD. Porto Alegre, RS, Brasil.

Bustos, A. M. (1999). Estrategias conductuales antecedentes para el fortalecimiento de la separación de residuos sólidos reciclables en Facultad de Estudios Superiores Zaragoza. Universidad Nacional Autónoma de México, Tesis de maestría, Ciudad de México, México.

Callenbach, E. et al. (1993). Gerenciamento ecológico. São Paulo: Cultrix.

Campbell, C. (2006). Eu compro. Logo, sei que existo: as bases metafísicas do consumo moderno. In: L. Barbosa, & L. Campbell (Org.). Cultura, consumo e identidade (pp. 47-64). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Conto, S. M. de (2010). Gestão de resíduos em universidades. (S. de Conto, org.). Caxias do Sul: Educs.

Corral-Verdugo, V. (2000). La definición del comportamiento pro-ambiental. La Psicología Social en México, 8(1), 466-472.

Corral-Verdugo, V., & Pinheiro, J. Q. (1999). Condições para o estudo do comportamento pró-ambiental. Cadernos de Psicologia, 4(1), 7-22.

Cuperschmid, N. R. M., & Tavares, M. C. (2015). Atitudes em relação ao meio ambiente e sua influência no processo de compra de alimentos. Revista Interdisciplinar de Marketing, 1(3), 5-14.

Darnton, A., Elster-Jones, J., Lucas, K., & Brooks, M. (2006). Promoting pro environmental behaviour: existing evidence to inform better policy making. The Centre for Sustainable Development, University of Westminster, London, UK.

de Deus, E. G. S. Q., Afonso, B. P. D., & Afonso, T. (2014). Consciência Ambiental, Atitudes e Intenção de uso das Sacolas Plásticas Não Recicláveis. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade: GeAS, 3(1), 71-87.

De Leeuw, A., Valois, P., Ajzen, I., & Schmidt, P. (2015). Using the theory of planned behavior to identify key beliefs underlying pro-environmental behavior in high-school students: Implications for educational interventions. Journal of Environmental Psychology, 42, 128-138.

Dias, S. F. G. (2009). Consumo e meio ambiente: uma modelagem do comportamento para a reciclagem a partir das teorias cognitivas comportamentais. São Paulo: FGV-EASP.

Dunlap, R. E., & Liere, K. D. Van (1978). The “new environmental paradigm”. Journal Environmental Education, 40(1), 10-19.

Gomes, D. V. (2007). A importância da cidadania na efetivação do direito fundamental ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. Dissertação de mestrado, Universidade de Caxias do Sul, RS, Brasil.

Hair, J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (2005). Análise multivariada de dados. (5a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hernández, B., & Hidalgo, M. C. (1998). Actitudes y creencias hacia el medio ambiente. In: J. I. Aragonés, & M. Amérigo (Org.). Psicologia ambiental (pp. 281-295). Madrid: Pirâmide.

Hooper, D., Coughlan, J., & Mullen M. (2008). Structural equation modeling: Guidelines for determining model fit. Electronic Journal of Business Research Methods, 6(1), 53-60. Recuperado em 14 março, 2015, de http://creative commons.org/licenses/by-nc-sa/1.0/>.

Huffman, A. H., & Klein, S. R. (2013). Green organizations: Driving change with IO psychology. Routledge.

Intergovernmental Panel on Climate Change – IPCC. (2014). Climate Change 2014: Mitigation of Climate Change. New York: Cambridge University Press.

Kinnear, T. C., & Taylor, J. R. (1973). The effect of ecological concern on brand perceptions. Journal of Marketing Research, 10 (2), 191-197.

Lages, N. S., & Vargas, A. Neto, (2002). Mensurando a consciência ecológica do consumidor: um estudo realizado na cidade de Porto Alegre. Anais do ENANPAD. Salvador, BA, Brasil.

Locatelli, R. L., & Salomon, S. V. (2016). Geração de energia com reaproveitamento de resíduos sólidos urbanos – valuation e análise de impacto de um projeto piloto em Belo Horizonte, Anais do V Simpósio Internacional de Gestão de Projetos e Meio Ambiente – Singep, São Paulo, SP, Brasil.

Malhotra, N. K. (2001). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada (3a ed). Porto Alegre: Bookman.

Martínez-Soto, J. (2004). Comportamiento pro-ambiental. Una aproximación al estudio del desarrollo sustentable con énfasis en el comportamiento persona-ambiente. Revista THEOMAI: Estudios sobre Sociedad, Naturaleza y Desarrollo, número especial, invierno.

Mattar, Helio, Cidade, Paulo, Arribas, Célia, Heimbecher, Dorothy Roma, & Cinoto, Rafael. (2009). Estilos Sustentáveis de Vida: Resultados de uma pesquisa com jovens brasileiros. São Paulo: Instituto Akatu.

Meadows, D., Meadows D., Randers, J., & Behrens, W. (1972). The limits to growth: a report for the Club of Rome's project on the predicament of mankind. New York: Universe Books.

Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2006). Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde, Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Ministério da Saúde. (Série A. Normas e Manuais Técnicos), Brasília, DF.

Naime, R., Ramalho, A. H. P., & Naime, I. S. (2008). Avaliação do sistema de gestão dos resíduos sólidos do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Revista Espaço para a Saúde, 9(1), 1-17.

Nazir, J., & Pedretti, E. (2016). Educators’ perceptions of bringing students to environmental consciousness through engaging outdoor experiences. Environmental Education Research, 22(2), 288-304.

Oliveira, S. L. de (2001). Tratado de metodologia científica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias, dissertações e teses. São Paulo: Pioneira.

Ottman, J. (1994). Marketing verde: desafios e oportunidades para a nova era do marketing. São Paulo: Makron Books.

Pato, C. (2004). Comportamento ecológico: relação com valores pessoais e crenças ambientais. Tese de doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Pereira, F. A., Ferraz, S. B., & Massaini, S. A. (2014). Dimensões da consciência dos consumidores no processo de reciclagem do lixo eletrônico (e-waste). Revista Gestão & Tecnologia, 14(3), 177-202.

Ribeiro, M. J., Carvalho, A. B., & Oliveira, A. C. (2004). O estudo do comportamento pró-ambiental em uma perspectiva behaviorista. Revista Ciências Humanas, Taubaté, 10(22), 177-182.

Risso, W. M. (1993). Gerenciamento de resíduos de serviços de saúde: a caracterização como instrumento básico para abordagem do problema. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Roberts, J. A. (1996). Green consumers in the 1990’s: profile and implications for advertising. Journal of Business Research, 36(3), 217-231.

Rodarte, A. R. (2003). A saúde mental em indivíduos envolvidos no acidente com o césio 137 em Goiânia, 1987. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Roussel, P., Durrieu, F., Campoy, E., & El Akremi, A. (2002). Méthodes d’equations structurelles: recherche et applications en gestión. Paris: Economica.

Santos, C. M. M., Simões, S. J. C., & Martens, I. S. H. (2006). O gerenciamento de resíduos sólidos no curso superior de tecnologia em gastronomia. Nutrição em Pauta, São Paulo, 14(77), 44-49.

Santos, E. C., & Silva, K. N. (2012). O consumismo e a questão ambiental numa abordagem da complexidade e da perspectiva geográfica. Revista Geonorte, 3(4), 230-239.

Schlegelmilch, B. B., Bohlen, G. M., & Diamantopoulos, A. (1996). The link between green purchasing decisions and measures of environmental consciousness. European Journal of Marketing, 30(5), 35-55.

Schneider, V. E. et al. (2004). Manual de gerenciamento de resíduos sólidos de saúde. (2a ed.). São Paulo: CLR Balieiro.

Shrum, L. J., McCarthy, J. A., & Lowrey, T. M. (1995) Buyer characteristics of green consumer and their implications for advertising strategy. Journal of Advertising, 24 (2), 71-82.

Souza, M. D., & Ribeiro, H. C. M. (2013). Sustentabilidade ambiental: uma meta-análise da produção brasileira em periódicos de administração. Revista de Administração Contemporânea, 17(3), 368-396.

Steg, L., & Vlek, C. (2009). Encouraging pro-environmental behaviour: An integrative review and research agenda. Journal of Environmental Psychology, 29(3), 309-317.

Stern P. C. (2000). Toward a coherent theory of environmentally significant behavior. Journal of Social Issues, 56(3), 407-424.

Straughan, R. D., & Roberts, J. A. (1999). Environmental segmentation alternatives: a look at green consumer behavior in the new millennium. Journal of Consumer Marketing, 16(6), 558-575.

Takayanagui, Ângela M. M. (1993). Trabalhadores da saúde e meio ambiente: ação educativa do enfermeiro na conscientização para gerenciamento de resíduos sólidos. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Takayanagui, A. M. M., Lopes, T. M., & Segura-Muñoz, S. I. (2005). O conhecimento científico sobre os riscos ligados a resíduos de serviços de saúde obtido por meio de revisão sistemática de literatura. Anais do ISWA 2005 – Exposición y Congreso Mundial: Hacia um sistema integral de resíduos sólidos, International Solid Wast Association, Buenos Aires, Argentina.

Vergara, S. C. (2011). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Weigel, R., & Weigel, J. (1978). Environmental concern: The development of a measure. Environmental and Behavior, 10(1), 3-15.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional