Percepção Ambiental dos Usuários de Bandeira em Relação ao Ciclo de Vida do Produto

Sergio Roberto Tomasetto, Loreni Teresinha Brandalise

Resumo


Este estudo aborda a sustentabilidade e a importância de sua adoção pela empresa, objeto do estudo, para ser competitiva no mercado. O objetivo foi identificar e analisar a percepção dos usuários de bandeiras em relação ao ciclo de vida do produto, em uma indústria de bandeiras localizada na cidade de Cascavel, região oeste do Estado do Paraná. A metodologia utilizada foi pesquisa exploratória, bibliográfica e aplicação do modelo VAPERCOM a 40 clientes ativos da empresa, em junho de 2016. Os resultados indicaram que, em média, os consumidores possuem percepção ambiental e podem se tornar consumidores ecológicos, além de mostrarem preocupação com as etapas do ciclo de vida do produto desde o processo produtivo ao descarte.

 


Palavras-chave


Consumidor ecológico; Produto ecologicamente correto; Vapercom

Referências


Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2004). NBR ISO 14001. Sistema de gestão ambiental: especificação e diretrizes para uso. Rio de Janeiro.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2001). NBR ISO 14040. Gestão ambiental: avaliação do ciclo de vida - princípios e estrutura. Rio de Janeiro.

Back, V. T., & Brandalise, L. T. (2015). Videogames e a variável ambiental: análise da disposição dos consumidores em substituir a aquisição de seus jogos de mídia física, por jogos de mídia digital. Anais do IV SINGEP – São Paulo – SP – Brasil – 08/09 e 10/11/2015. Recuperado em 23 outubro, 2016, de http://www.singep.org.br/4singep/resultado/220.pdf

Brandalise, L. T. (2006). Modelo de suporte à gestão organizacional com base no comportamento do consumidor considerando sua percepção da variável ambiental nas etapas da análise do ciclo de vida do produto. 2006. 195 f. Tese de Doutorado – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis – SC.

Brandalise, L. T. (2008). A percepção do consumidor na análise do ciclo de vida do produto: um modelo de apoio à gestão empresarial. Cascavel, PR: Edunioeste.

Brandalise, L. T., Lezana, Á. G. R., & Rojo, C. A. (2009). O comportamento do consumidor e sua percepção da variável ambiental: Um modelo de suporte à gestão empresarial. Revista TECAP - 03(3), 24-33.

Brandalise, L. T., Bertolini, G. R. F., Rojo, C. A., Lezana, Á. G. R., & Possamai, O. (2009). A percepção e o comportamento ambiental dos universitários em relação ao grau de educação ambiental. Gest. Prod. São Carlos, 16(2), 273-285.

Brandalise, L. T., Lezana, Á. G. R., & , Rojo, C. A. (2009). Vapercom: um modelo de apoio à gestão organizacional. Revista Opinio. Canoas–RS, 46-70. Recuperado em 18 de outubro, 2016 de http://www.ulbra.br/upload/cad7fd52c07fbd3237e70f109d0a0e0d.pdf

Chehebe, J. R. B. (1998). Análise do ciclo de vida de produtos: ferramenta gerencial da ISO 14000. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Churchill Jr., G. A., & Peter, J. P. (2000). Marketing: criando valor para o cliente. São Paulo: Saraiva.

Crowne, D. & Marlowe, D. (1960). A new scale of social desirability independent of psychopathology. Journal of Consulting Psychology, 24, 349-354. Recuperado em 15 julho, 2017 de http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.491.5048&rep=rep1&type=pdf

Davos, S. (2013). Behavior change are better positioned to outperform economic growth, finds accenture. Jan. 22, 2013. Recuperado em 07 de junho, 2016 de https://newsroom.accenture.com/subjects/research-surveys/businesses-that-capitalize-on-consumer-behavior-change-are-better-positioned-to-outperform-economic-growth-finds-accenture.htm

Donaire, D. (1999). Gestão ambiental na empresa. (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Forlin, A. M., Brandalise, L. T., & Bertolini, G. R. F. (2014). Análise do ciclo de vida do produto em uma indústria de isopor. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental (v. 3, p. 201-228), Universidade do Sul de Santa Catarina, n. 1, abr./2014 a set./2014. Recuperado em 25 outubro, 2016 de http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/gestao_ambiental/article/view/1608

Gade, C. (1998). Psicologia do consumidor e da propaganda. São Paulo: EPU.

Giannetti, E., Biagio, F., & Almeida, C. (2006). Ecologia industrial: conceitos, ferramentas e aplicações. São Paulo: Edgard Blücher.

Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social. (2016). Responsabilidade social das empresas e percepção do consumidor brasileiro. Pesquisa 2006/2007. Instituto Ethos/Instituto Akatu. Recuperado em 06 junho, 2016 de http://www3.ethos.org.br/wp-content/uploads/2012/12/1Pesquisa-2006-2007-Sum%C3%A1rio.pdf

Karkotli, G., & Aragão, S. D. (2004). Responsabilidade Social: uma contribuição à gestão transformadora das organizações. Petrópolis, RJ: Vozes.

Kotler, P. (2000). Administração de marketing: a edição do novo milênio. (10ª ed.). São Paulo: Pretince Hall.

Kumm, F. M., Souza, K. D. B., & Brandalise, L. T. (2015). Análise da percepção ambiental dos funcionários de um hospital na prestação de serviços. CONVIBRA 2015. WWW.CONVIBRA.ORG Business Conference. Recuperado em 25 outubro, 2016 de http://www.convibra.org/upload/paper/2015/28/2015_28_11872.pdf

Lanna, A. E. L. (1995). Gerenciamento de bacia hidrográfica: aspectos conceituais e metodológicos. Brasília: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, 171 p.

Lei nº 5.443 de 28 de maio de 1968. Dispõe sobre os símbolos nacionais. Brasília, DF.

Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Brasília, DF.

McCrae, R.; Costa, P. (1983). Social desirability scales: More substance than style. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 51, 882- 888. Recuperado em 15 julho, de https://jhu.pure.elsevier.com/en/publications/social-desirability-scales-more-substance-than-style

Malhotra, N. (2001). Pesquisa de marketing. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Manzini, E., & Vezzoli, C. (2002). O desenvolvimento de produtos sustentáveis: os requisitos ambientais dos produtos industriais. São Paulo: EDUSP.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2002). Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Ministério do Meio Ambiente.(2016). Impacto das embalagens no meio ambiente. Recuperado em 20 maio, 2016, de http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/producao-e-consumo-sustentavel/consumo-consciente-de-embalagem/impacto-das-embalagens-no-meio-ambiente

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. (2010). Resolução no 04, de 15 de dezembro de 2010. Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial – CONMETRO. Recuperado em 09 junho, 2016 de http://www.inmetro.gov.br/legislacao/resc/pdf/RESC000236.pdf

Nascimento, L. F. (2008). Gestão ambiental e sustentabilidade. Sistema Universidade Aberta do Brasil.

Ribas Junior, R. C.; Moura, M. L. S. & Hutz, C. S. (2004). Adaptação brasileira da escala de desejabilidade social de Marlowe-Crowne. Avaliação Psicológica, 3 (2), 83-92. Recuperado em 15 julho, 2017 de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712004000200003

Rocha Alves, I. J. B. & Freitas, L. S. (2013). Análise comparativa das ferramentas de gestão ambiental: produção mais Limpa x Ecodesign. 193-212. In: Lira, W. S. & Cândido, G. A. (Org.) Gestão sustentável dos recursos naturais: uma abordagem participativa. Campina Grande: EDUEPB. Recuperado em 15 julho, 2017 de http://static.scielo.org/scielobooks/bxj5n/pdf/lira-9788578792824.pdf

Seramim, R. J., & Brandalise, L. T. (2015). A percepção ambiental do consumidor considerando a ACV e um produto da indústria de erva mate. Congresso de Administração da América Latina. 21 a 25 setembro 2015. Recuperado em 23 outubro, 2016 de file:///C:/Users/MICRO/Downloads/01434043581.pdf

Sheth, J., Mittal, B., & Newman, B. (2001). Comportamento do cliente: indo além do comportamento do consumidor. São Paulo: Atlas.

Spelman, M. 2013. Estudo foca comportamento do consumidor e impacto na estratégia das empresas. Recuperado em 15 julho, de http://convergecom.com.br/tiinside/webinside/estrategia/17/07/2013/estudo-foca-mudanca-do-comportamento-do-consumidor-e-impacto-na-estrategia-das-empresas/

Tachizawa, T. (2001). Gestão ambiental e o novo ambiente empresarial. Revista Brasileira de Administração. 12(32), 38-48.

Vigon, B. W., Tolle, D. A., Cornaby, B. W., & Latham, H. C. (1995). Life-cycle assessment= inventory guidelines and principles. U.S. Government Printing Office: 1995 - 650-005/00230. Recuperado em 05 junho, 2016 de http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.384.7577&rep=rep1&type=pdf

WWF-Brasil. (2014). Conferência anual. Recuperado em 15 julho, 2017 de http://www.wwf.org.br/wwf_brasil/organizacao/conferencia_anual_2014/


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional