Critérios utilizados pelo IBAMA para definição da viabilidade ambiental de hidrelétricas no Brasil

Andre de Lima Andrade, Marco Aurélio dos Santos

Resumo


Este artigo revisa e discute como o conceito de viabilidade ambiental é aplicado pelo IBAMA, para fins de decisão quanto à emissão de licenças prévias de hidrelétricas. Trata-se de um tema bastante relevante, uma vez que não há um consenso teórico e prático de como aplicar este conceito. Apresenta-se o procedimento adotado pelo IBAMA - Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis na fase de licenciamento prévio e as principais justificativas utilizadas tanto nos EIAs, quanto pelo órgão licenciador para atestar a viabilidade ambiental ou indeferir o pedido de Licença Prévia. Discute-se a aplicação dos seguintes critérios: compatibilidade do empreendimento com as normas legais; averiguação de presença de alternativa locacional e tecnológica, econômica e ambientalmente viável para o empreendimento e se as medidas mitigadoras propostas correspondem aos impactos identificados; confirmação da tolerância do risco decorrente da instalação e operação do empreendimento; avaliação se os impactos ambientais mais significativos são mitigáveis, reversíveis ou temporários; verificação da capacidade de suporte do meio ambiente frente aos impactos do empreendimento; avaliação da ocorrência de balanço positivo entre os ganhos e custos ambientas; comparação entre os cenários futuros da região, considerando a instalação ou não do empreendimento. Verifica-se que a deliberação quanto à emissão das licenças prévias, ainda que tecnicamente embasada e tomada a partir das informações e prognósticos apresentados nos EIAs, é realizada de forma discricionária pelo IBAMA e baseada, em muitos casos, em avaliações incertas e subjetivas.


Palavras-chave


avaliação de impacto, licenciamento ambiental, viabilidade ambiental, usinas hidrelétricas

Referências


Água e Terra (2012). Estudo de Impacto Ambiental da Usina Hidrelétrica de Davinópolis. Disponível em: .

Akella AK, Saini RP, Sharma MP (2012).Social, economical and environmental impacts of renewable 315 energy systems. Renew Energ 34:390-396.

Andrade, A (2011). O desafio do licenciamento ambiental de usinas hidrelétricas no Brasil. Revista Brasileira de Energia, v. 17, p. 177-190.

Andrade, A e Santos, M (2015). Hydroelectric plants environmental viability: Strategic environmental assessment application in Brazil. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 52, p. 1413-1423.

Arcadis Logos (2015). Estudo Comparativo dos Modelos de LAF, AIA e CA em Diferentes Países e Subsídio à Elaboração de Matrizes de Impacto por Tipologia - Produto 1 - Revisão 2- Estudo Comparativo Internacional dos Modelos de Licenciamento Ambiental, Avaliação de Impacto Ambiental e Compensação Ambiental. Estudo encomendado pelo IBAMA por meio do Programa Nacional de Meio Ambiente.

Banco Mundial (2008). Licenciamento Ambiental de Empreendimentos Hidrelétricos no Brasil: Uma Contribuição para o Debate.

Bim, E (2014). Licenciamento Ambiental. Editora Lumen Juris. Rio de Janeiro.

Bolea, E (1984). Evaluation del Impacto Ambiental. Fundacion MAPFRE, Madrid.

Bruce, C (2006). Can contingent valuation resolve the “adding-up problem” in environmental impact assessment?. Environmental Impact Assessment Review 26.

Domingues, J (2009). O Supremo Tribunal e a compensação SNUC. A ADI 3.378-DF. Rev. direito GV vol.5 no.1 São Paulo.

Eia Pai Querê (2011). Estudo de Impacto Ambiental da Usina Hidrelétrica de Pai Querê. Bourscheid, AECOGEO Soluções Ambientais, SIGMA e Socioambiental Consultores Associados. Disponível em: .

EIA SLT (2014). Estudo de Impacto Ambiental da Hidrelétrica São Luiz do Tapajós .CNEC e WorleyParsons. Disponível em: .

EPE (2006). Plano Nacional de Energia para 2030. Empresa de Pesquisa Energética – EPE. Disponível em: .

EPE (2015). Plano Decenal de Energia Elétrica 2024. Empresa de Pesquisa Energética – EPE. Disponível em: .

Glasson, J Therivel, R E Chadwick, A (2006). Introduction to Environmental Impact Assessment: Principles and Procedures, Process, Practice and Prospects, second ed. UCL Press.

Gontier, M; Balfors, B; Mörtberg, U (2006). Biodiversity in environmental assessment—current practice and tools for prediction.Environmental Impact Assessment Review, v. 26, n. 3, p. 268-286.

Lees, A.C.; C.A. Peres, P.M. Fearnside, M. Schneider & J.A.S. Zuanon (2016). Hydropower and the future of Amazonian biodiversity. Biodiversity and Conservation 25(3): 451-466.

Magrini, A (1992). Metodologia de Avaliação Ambiental. O caso das Usinas Hidrelétricas. Tese de doutorado. Rio de Janeiro, UFRJ, COPPEAD.

Montano, M e Souza, M (2008). A viabilidade ambiental no licenciamento de empreendimentos perigosos no Estado de São Paulo. Eng. Sanit. Ambiental. vol.13 no.4 Rio de Janeiro Oct./Dec.

Montano, A e Ranieri, V (2013). Análise de viabilidade ambiental em Engenharia Ambiental13. Análise de viabilidade ambiental em Engenharia Ambiental Conceitos, Tecnologia e Gestão. Elsevier.

Partidário, M (2009). Técnica de Cenários. Notas de Aula disciplina População, Recursos e Ambiente. Instituto Superior Técnico. Disponível em: .

Pereira, P. Desafios do licenciamento ambiental de usinas hidrelétricas: um estudo de caso da UHE Itapebi / Pedro Jorge Campello Rodrigues Pe- reira. Rio de Janeiro: UFRJ.

Rovere, E (2011). Notas de Aula do Curso de Avaliação Ambiental Estratégica do Programa de Planejamento Energético/ COPPE/UFRJ.2013.

Sánchez (2013). L Avaliação de Impacto ambiental: conceitos e métodos - 2º edição. Oficina de Textos.

Santos, Marco Aurelio et al (2006). Gross greenhouse gas fluxes from hydro-power reservoir compared to thermo-power plants. Energy Policy, v. 34, n. 4, p. 481-488.

Scabin, S (2014). Desafios e oportunidades para o aprimoramento dos sistemas de licenciamento ambiental no Brasil: uma análise jurídica e institucional. Palestra apresentada no 2º Congresso de Avaliação de Impactos Ambientais. Disponível em: .

Schwartz, P (2003). A arte da visão de longo prazo: planejando o futuro em um mundo de incertezas (2a ed.). São Paulo: Best Seller.

Silva Filho, V (2011). Área de influência nos estudos de impacto ambiental: uma heurística a partir da geografia. Disponível em: .

Tolmasquim, M (2012). O modelo institucional do setor elétrico brasileiro e seus resultados. Palestra realizada no Seminário Internacional ABCE – FEPAC – SINAENCO, Rio de Janeiro (RJ). Disponívem em: .

WCD (2000). The World Commission on Dams. Dams and Development – A new framework for decision-making. The report of the Word Commission of Dams. Earthscan Publications.

Wilkins, H (2003). The need for subjectivity in EIA: discourse as a tool for sustainable development. Environmental Impact Assessment Review 23 (2003) 401 – 414.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000