Fatores Determinantes da Evidenciação das Mudanças Climáticas nas Empresas Brasileiras Participantes do Carbon Disclosure Project [CDP]

Juliano Almeida De Faria, José Célio Silveira Andrade, Sônia Maria da Silva Gomes

Resumo


As mudanças climáticas [MC] vêm sendo estudadas sob diversas perspectivas devido seu impacto no nosso dia a dia. Tais impactos previstos na cadeia produtiva e de consumo no curto prazo provocam alterações nas empresas pois podem comprometer a sobrevivência das empresas no longo prazo. Para preservar a continuidade das atividades as empresas buscam evidenciar as ações voluntárias (como responder ao questionário do CDP) e obrigatórias por acreditar na, cada vez maior, cobrança da sociedade pelo amplo conhecimento das suas práticas diante das MC. Entender quais as determinantes destas práticas ajuda a contribuir no processo de evidenciação das empresas diante das MC. O objetivo geral desta pesquisa é identificar os fatores determinantes da evidenciação voluntária de informações sobre enfrentamento das MC, do ponto de vista de especialistas e gestores brasileiros. Para tanto, foi desenvolvida uma pesquisa bibliográfica, descritiva, com levantamento entre gestores e especialistas na área com auxílio da análise estatísticas (Mann-Whitney test) para comparativo de médias. Os resultados demonstram que 32 fatores identificados são determinantes, em diferentes graus, para a evidenciação das MC e, destes, 19 são estatisticamente significantes entre gestores e especialistas, sendo os três mais determinantes: estratégia de MC, pressão dos stakeholders e gestão de risco ambiental.


Palavras-chave


Evidenciação; Mudanças Climáticas; Determinantes; Carbon Disclosure Project (CDP).

Referências


Alperstedt G. D.; Quintella, R. H.; Souza, L. R. (2010). Estratégias de gestão ambiental e seus fatores determinantes: uma análise institucional. ERA, São Paulo. 50(2), 170-186.

Amran, A; Periasamy, V; Zulkafli, A. H. (2014). Determinants of climate change disclosure by developed and emerging countries in Asia Pacific. Sustainable Development, 22(3), 188-204.

Antal, M; Van Den Bergh, J. C. J. M. (2013). Macroeconomics, financial crisis and the environment: Strategies for a sustainability transition.Environ Innovation and Societal Transitions, (6), 47-66.

Bachmann, R Kb; Carneiro, L M.; Espejo, MMSB. (2013). Evidenciação de informações ambientais: proposta de um indicador a partir da percepção de especialistas. Revista de Contabilidade e Organizações, 7(17).

Balatbat, M C.; Wang, W. (2010). Voluntary disclousure of accounting policies for the treatment of carbon emission permits: The UK EU ETS case. 4th GECAMB - Conference on Environmental Management and Accounting. The Portuguese CSEAR Conference Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Instituto Politécnico de Leiria.

Barbieri, J. C. (2011). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. Saraiva.

Batista et al. (2015). Fatores Determinantes no Nível de Divulgação Ambiental nas 52 maiores Transnacionais Brasileiras em 2014 segundo a Fundação Dom Cabral. XV Congresso de Contabilidade e Controladoria da Universidade de São Paulo. Antonio

Batista, B., Vasconcelos, N S.C, Andrade, C. M. & Rocha, J. S. Anais. São Paulo..

Birnik, A. (2013). Developing Climate Change Strategy: A Framework for Managers. Thunderbird International Business Review, 55(6), 699-717.

Braam et al. (2016). Determinants of corporate environmental reporting: the importance of environmental performance and assurance. Jounal of Cleaner Production. 129, 724-734.

Burgwal, D Van De; Vieira, R. J. O. (2014). Determinantes da divulgação ambiental em companhias abertas holandesas. Revista Contabilidade & Finanças, 25(64), 60-78.

Carbon Disclosure Project - CDP. (2014). Brasil. Recuperado em: 10, maio 2014, de: www.cdproject.net.

Corrêa, M.D et al. (2010). Relação entre o nível de divulgação ambiental e o desempenho ambiental das empresas componentes do índice BOVESPA. XXXIV EnAnpad. Rio de Janeiro/RJ.

Cruz, T. S. (2015). Evidenciação de informações de enfrentamento às mudanças climáticas e desempenho econômico-financeiro: um estudo com as empresas listadas no ISE da BM&FBovespa. Dissertação. Mestrado em contabilidade – UFBA.

Reis, S. G. et al. (2015). Qualidade da divulgação socioambiental: um estudo sobre a acurácia das informações contábeis nos relatórios de sustentabilidade. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(25), 67-94.

Engau, C.; Hoffmann, V. H. (2011). Strategizing in an unpredictable climate: exploring corporate strategies to cope with regulatory uncertainty. Long Range Planning, 44(1), 42-63.

Eugénio, T. P.; Lourenço, I. C.; Morais, A. I. (2013). Sustainability strategies of the company TimorL: extending the applicability of legitimacy theory. Management of Environmental Quality: An International Journal, 24(5), 570-582.

Farias, K. T R. (2008). A relação entre divulgação ambiental, desempenho ambiental e desempenho econômico nas empresas brasileiras de capital aberto: uma pesquisa utilizando equações simultâneas. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto.

Farias, L. G. Q. et al. (2012). Carbon Disclosure Project (CDP): Caracterização da Evidenciação de Informações Ambientais das Empresas Brasileiras entre 2006 e 2010. Sistemas&Gestão, 6(4), 431-446.

Farias, L. G. Q. (2016). Estratégias de legitimidade de Suchman evidenciadas pelas empresas brasileiras destinatárias do pedido do Carbon Disclosure Project. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Bahia.

Fernandes, S. M. (2012). Nível do disclosure ambiental das empresas brasileiras listadas na bm&fbovespa: uma análise do período de 2006 a 2010. DOI: 10.5773/. Revista de Gestão Social e Ambiental, 6(2).

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS. Porto Alegre: Artmed.

Freitas, A. R. P. et al. (2014). Modelo estrutural de avaliação dos efeitos das mudanças climáticas na estratégia das empresas do setor de energia. XXXVIII EnAnpad. Rio de Janeiro/RJ.

Garcia, A. S.; ORSATO, R. J. (2013). Índice de sustentabilidade empresarial: porque participar? XXXVII EnAnpad. Rio de Janeiro/RJ.

Gonçalves, A. (2011). Licenças de emissão de CO2: o caso português perspetiva legal e contabilística, Dissertação de Mestrado, Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra.

Gonçalves, R. S. (2011b), Social disclosure e Custo de Capital Próprio em empresas brasileiras de capital aberto. Tese de Doutorado. Tese (Doutorado)–Faculdade de Economia, Administração e Ciências Contábeis e Atuariais, Universidade de Brasília.

Hendriksen, E. S.; Van Breda, M. (2007). Teoria da Contabilidade; tradução de Antonio Zoratto Sanvicente – 1ª edição 1999. São Paulo : Atlas.

Hoffman, A. .J; Woody, J. G. (2008). Climate Change: what’s your business strategy? (Memo to the CEO). Harvard Business School Press, Cambridge, MA.

Iatridis, G. E. (2013). Environmental disclosure quality: Evidence on environmental performance, corporate governance and value relevance. Emerging Markets Review, 14, 55-75.

Ihlen, Ø; Roper, J. (2014). Corporate reports on sustainability and sustainable development: ‘We Have Arrived’. Sustainable development, 22(1), 42-51.

Intergovernmental Panel On Climate Change IPCC (2014): Climate Change 2014: Mitigation of Climate Change. Contribution of Working Group III to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change [Edenhofer,O.,R.Pichs-Madruga, Y.Sokona, E.Farahani, S.Kadner, K.Seyboth, A.Adler, I.Baum, S.Brunner, P.Eickemeier, B.Kriemann, J.Savolainen, S.Schlömer, C.von Stechow, T.Zwickel and J.C.Minx (eds.)].Cambridge Univ.Press,Cambridge,United Kingdom and New York, NY, USA.

Kerlinger, F. N. (1973). Foundations of behavioral research: Educational, psychological and sociological inquiry. Holt Rinehart and Winston.

Kolk, A; Levy, D; Pinkse, J. (2009). Corporate Responses in an Emerging Climate Regime: The Institutionalization and Commensuration of Carbon Disclosure.European Account. Review, 17.(4).

Linehan, C. et al. (2010). Financial and corporate disclosure of climate change risk- its role and recent developments. Environmental Law & Management, 22(2), 57-71.

Luo, L; Lan, Yi‐C; Tang, Q. (2012). Corporate incentives to disclose carbon information: evidence from the CDP Global 500 Report. Journal of International Financial Management & Accounting, 23(2), 93-120.

Macedo, T. D. L. V.A ; Russo, G.; Fuchs, P. G. 2011). Climate Strategies of Firms in the Automotive and Pulp & Paper Industries in Brazil: insights from an international perspective. RAP. 45(4).

Marôco, J. (2011). Análise Estatística com o SPSS Statistics. Pero Pinheiro: Editora Report Number.

Moreira, N. B. (2013). Políticas de evidenciação da responsabilidade social corporativa: um estudo de seus determinantes na Região Metropolitana de Salvador. Salvador. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Bahia.

Murcia, F. Da-Ri et al. (2009). Disclosure Verde nas Demonstrações Contábeis: Características da Informação Ambiental e Possíveis Explicações para a Divulgação Voluntária. Contabilidade, Gestão e Governança, 11(1-2).

PBMC (2013). Contribuição do Grupo de Trabalho 2 ao Primeiro Relatório de Avaliação Nacional do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. Sumário Executivo do GT2. PBMC, Rio de Janeiro, Brasil. 28 p.

PBMC (2014). Base científica das mudanças climáticas. Contribuição do Grupo de Trabalho 1 do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas ao Primeiro Relatório da Avaliação Nacional sobre Mudanças Climáticas [Ambrizzi, T., Araujo, M. (eds.)]. COPPE. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 464.

Reid, E. M; Toffel, M, W. (2009). Responding to Public and Private Politics: Corporate Disclosure of Climate Change Strategies. Forthcoming in Strategic Management Journal, (16).

Reis, C., Lopes, A. (2010), Fatores económicos e contabilísticos que influenciam a qualidade da informação ambiental: um estudo com empresas Admitidas à cotação na euronext lisbon que tenham títulos de Emissão de gases com efeito de estufa, XVI Encuentro AECA, Granada, 21-23.

Ribeiro et al. Determining factors of environmental management practices in portuguese local entities. Ribeiro, V; Guzmán, C; Monteiro, S, Guzmán, B. (2012). Management of Environmental Quality: An International Journal, 23(5), 486 – 502,.

Rover, S. et al. (2012). Explicações para a divulgação voluntária ambiental no Brasil utilizando análise de regressão em painel. Revista Adm. 47(2), 217 – 230.

Silva, D. F.; Lima, G. F. C. (2013). Empresas e meio ambiente: contribuições da legislação ambiental. Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, 10(2), 334-359.

Silva, M. et al. (2015). Determinantes do disclosure ambiental nos relatórios de empresas listadas na Bovespa. Revista Ambiente Contábil, 7(2), 1-15.

Sprengel, D. C.; Busch, T. (2011). Stakeholder engagement and environmental strategy–the case of climate change. Business Strategy and the Environment, 20(6), 351-364.

Sullivan, R.; Gouldson, A. (2012). Does voluntary carbon reporting meet investors’ needs?. Journal of Cleaner Production, 36, 60-67.

Van de Burgwal, D.; Vieira, R. J. O. (2014). Determinantes da divulgação ambiental em companhias abertas holandesas. Revista Contabilidade & Finanças, 25(64), 60-78.

Wittneben, B. B.F.; Kiyar, D. (2009). Climate change basics for managers. Management Decision 47(7), 1122- 1132.

Ziegler, A.; Busch, T.; Hoffmann, V. H. (2011). Disclosed corporate responses to climate change and stock performance:An international empirical analysis.Energy Economics, 33(6), 1283-1294.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional