Financiamento de Carbono no Mundo e no Brasil: um Estudo sobre Financiadores, Fundos de Investimentos e Índices de Sustentabilidade Ambiental em Prol de uma Economia de Baixo Carbono

André Luis Souza, José Célio Andrade, Guineverre Alvarez, Nalini Santos

Resumo


O objetivo dessa pesquisa foi estudar e discutir os principais atores e iniciativas públicas e privadas de financiamento do carbono em prol de uma economia de baixo carbono no mundo e no Brasil. Para tal realizou-se um estudo exploratório de natureza bibliográfica e documental, com uma abordagem qualitativa e descritiva, feita por meio de pesquisas em periódicos, documentos oficiais, relatórios e livros nacionais e internacionais. A pesquisa indicou que finanças climáticas têm contribuído para criação de oportunidades de negócios e instrumentos de mercados em prol de uma economia de baixo carbono no mundo e no Brasil, principalmente com a criação de índices de sustentabilidade no mercado financeiro, provocando o surgimento de fundos de investimentos referenciados. Por outro lado, ainda é incipiente a configuração de iniciativas voltadas para o financiamento de ações para a transição para uma economia de baixo carbono no Brasil, principalmente para o desenvolvimento de projetos de redução de emissão de GEE, sendo as principais instituições que se destacam no país a Caixa Econômica Federal (CEF), o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Financiadora de Estudos e Pesquisas (FINEP) e a Fundação de Apoio à Pesquisa Cientifica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina (FAPESC).


Palavras-chave


Financiamento de Carbono, Mudanças Climáticas, Economia de Baixo Carbono, Índices de Sustentabilidade.

Referências


Abranches, S. (2010). Agenda climática, sustentabilidade e desafio competitivo. Zylbersztajn, D & Lins, C. (Org.). Sustentabilidade e geração de valor: a transição para o século XXI. Rio de Janeiro: Elsevier.

Andrade, J. C. S. & Costa, P. O. (2008). Mudança climática, Protocolo de Kyoto e mercado de créditos de carbono: desafios à governança ambiental global. Revista Organização e Sociedade 15(45).

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). (2011). Mercado voluntário de carbono – princípios, requisitos e orientações para comercialização de reduções verificadas de emissões. 1º. Projeto 146:000.00-001. São Paulo: ABNT.

Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Carbono (ABEMC). (2013). Empresas Associadas. 2013. Retrieved from: http://www.abemc.com/br2/aabemc.php?cat_id=14 –.

Badin, L. (1997). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Banco do Brasil. (2013). BB Ações índice de sustentabilidade empresarial jovem. Retrieved from: http://www37.bb.com.br/portalbb/cotaFundos/GFI9,2,001.bbx?tipo=1&fundo=137.

Bayon, R., Hawn, A. & Hamilton, K. (2009). Voluntary carbon markets: an international business guide to what they are and how they work. 2a. ed. Earthscan: London.

Bito, N. S. (2006). Tratamento contábil dos projetos de mecanismo de desenvolvimento limpo – MDL no Brasil: um estudo exploratório. (Dissertação de mestrado em Ciências Contábeis). Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Centro Universitário Álvares Penteado – UNIFECAP, São Paulo.

Bolsa Verde do Rio de Janeiro (BVRIO). (2013) Mecanismo de mercado são um instrumento eficiente de execução de políticas públicas ambientais e de desenvolvimento sustentável. Retrieved from: http://www.bvrio.org/site/index.php/mercados.

Bolsa de Valores, Mercadoria e Futuro (BM&FBOVESPA). (2013). Leilões de Créditos de carbono. Retrieved from: http://www.bmfbovespa.com.br/pt-br/mercados/mercado-de-carbono/leiloes-de-credito-de-carbono-login.aspx?idioma=pt-br.

Brasil. Lei 10.762 de 11 de novembro de 2003. (2003) Dispõe sobre a criação do programa emergencial e excepcional de apoio às concessionárias de serviços públicos de distribuição de energia elétrica. Retrieved from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/ l10.762.htm.

Brasil. (2009). Lei 12.187 de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima – PNMC e dá outras providências. Retrieved from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12187.htm.

Brasil. (2010). Decreto 7.390 de 9 de dezembro de 2010. Regulamenta os arts. 6o, 11 e 12 da Lei 12. 187, de 29 de dezembro de 2009, que institui a Política Nacional sobre mudança Mudança do Clima – PNMC, e dá outras providências. Retrieved from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7390.htm.

Bradesco. (2013) Fundo de ações. Retrieved from: http://www.shopinvest.com.br/br/bprime/ fundos_fiqindice.asp.

Carbon Disclosure Project (CDP). (2012a). Do disclosure à Ação: relatório CDP Brasil. Retrieved from: https://www.cdproject.net/CDPResults/CDP-Brazil-Climate-Change-Report-2012.pdf.

Carbon Disclosure Project (CDP). (2012b). Accelerating progress toward a lower-carbon future. Retrieved from: https://www.cdproject.net/CDPResults/CDP-SP500-2012.pdf.

Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil (PREVI). (2013). Fundo de investimentos verdes. Retrieved from: http://www.previ.com.br/portal/page?_pageid= 57,1906531&_dad=portal&_schema=PORTAL.

Eberlein, B. & Matten, D. (2009). Business responses to climate change regulation in Canada and Germany: Lessons for MNCs from emerging economies. Journal of Business Ethics, 8(2).

Farias, L. G. Q., Souza, A. L. R., & Andrade, J. C. S. (2012). Estratégias ambientais para enfrentamento das mudanças climáticas no segmento de petróleo e energia: comparativo entre as empresas participantes do Carbon Disclousure Project no BASIC. XIV ENGEMA – Encontro Nacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente. Anais.

Fuchs, P. G. (2008). Estratégias climáticas das empresas brasileiras: investigação nos setores de papel e celulose e automotivo com base nos benchmarks internacionais. (Dissertação de mestrado em administração). Programa de Pós-Graduação em Administração da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Hoffman, A.J. & Woody, J.G. (2008). Climate change: what’s your business strategy? (Memo to the CEO). Harvard Business School Press, Cambridge, MA.

Page, Y. L., Hurtt, G., Thomson, A. M. Bond-Lamberty, Y., Patel,P., Wise, M., Calvin, K., Kyle, P., Clarke, L., Edmonds, J.; Janetos, A. (2013). Sensitivity of climate mitigation strategies to natural disturbances. Environmental Research Letters. Vol.8, pp.6.

Instituto Carbono Brasil. (2012). Mercado de carbono chinês será o segundo maior no mundo. Retrieved from: http://www.institutocarbonobrasil.org.br/mercado_de_carbono1/ noticia=732096.

Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC). (2013) 2013: The physical science basis. Working Group I Contribution to the IPCC Fifth Assessment Report Climate Change Retrieved from: http://www.ipcc.ch/report/ar5/wg1/.

Juergens, I., Amecke, H., Boyd, R. (2012). The landscape of climate finance in Germany. Climate Policy Iniciative. Nov.

Kim, Y. (2008). Corporate responses to climate change: the resource-based view. 2008. Retrieved from: http:// www.oikos-international.org.

Kolk, A.; Pinkse, J. (2007). Multinational’s political activities on climate change. Business & Society 46(2), p. 201-228.

Kossoy, A., Guigon, P. (2012). State and trends of the carbon market 2012. Retrieved from: http://siteresources.worldbank.org/INTCARBONFINANCE/Resources/State_and_Trends_2012_Web_Optimized_19035_Cvr&Txt_LR.pdf.

Labatt, S., White, R. R. (2007). Carbon finance: the financial implications of climate change. John Wiley & Sons, Inc., Hoboken, New Jersey.

Lemme, C. F. (2010). O valor gerado pela sustentabilidade corporativa. In: Zylbersztajn, D. & Lins, C. (org.). Sustentabilidade e geração de valor: a transição para o século XXI. Rio de Janeiro: Elsevier.

Mancini, S.; Kruglianskas, I. (2007). O papel das empresas brasileiras na questão das mudanças climáticas. Retrieved from: http:// www.engema.up.edu.

Marcondes, A. W. & Bacarji, C. D. (2010). ISE: sustentabilidade no mercado de capitais. 1ª. ed. São Paulo: Report.

Marconi, M. de A; Lakatos, E. M. (2011). Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). (2013). Financiamento no Âmbito do MDL. Retrieved from: http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/61463/ Financiamento_no_ambito_do_MDL.html#inexistente.

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). (2010). Segunda comunicação nacional do Brasil à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima. Brasília, v. 1, n. 2.

Ministério do Meio Ambiente (MMA). (2013). Fundo nacional do meio ambiente. Retrieved from: http://www.mma.gov.br/apoio-a-projetos/fundo-nacional-do-meio-ambiente.

Paiva, Danielle Soares, Fernandez, Luz, Ventura, Andréa Cardoso, Gomes, Guineverre Alvarez Machado de Melo, Ramos, Luiza Schultz. (2012, 22 a 26 de setembro). O mercado voluntário de carbono: análise dos co-benefícios de projetos brasileiros para o desenvolvimento sustentável. In: XXXVI Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro. Anais.

Pattberg, P & Enechi, O. (2009, April). The business of transnational climate governance: legitimate, accountability and transparent? St. Antony`s International Review 5(1).

Pindyck, R. S. E Rubinfeld, D. L. (2002). Microeconomia. 5ª edição, São Paulo: Prentice-Hall.

Plantar. (2013). Nossa História. Retrieved from: http://www.plantar.com.br/institucional/ nossa-historia/?〈=pt.

Reid, E. M; Toffel, M, W. (2009). Responding to public and private politics: corporate disclosure of climate change strategies. Forthcoming in Strategic Management Journal, (Working Paper).

Santos, V. D., Beuren, I. M., & Rausch, R. B. (2011). Evidenciação das operações com crédito de carbono nos relatórios da administração e nas notas explicativas. Revista de Gestão, 18(1), 53-73.

Silva Junior, A. C. (2011). Projetos de mecanismo de desenvolvimento limpo (MDL): promotores de transferência de tecnologia e tecnologias mais limpas no Brasil? (Tese de pós-graduação em engenharia industrial). PEI, Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia.

Sussman, F.; G; Freed, J. R. (2008). Adapting to climate change: a business approach. Prepared for the pew center on global climate change. Retrieved from: http: www.pewclimate.org. Acesso em: 05 de abril.

Whittaker, M. (2007). Key players in the carbon markets. In: Labatt, S.., White, R. R. Carbon Finance: the financial implications of Climate Change. John Wiley & Sons, Inc., Hoboken, New Jersey.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000