Percepção Ambiental de Gestores Sobre as Áreas Verdes em Instituição de Ensino Superior

Viviane Andrade Ribeiro

Resumo


O presente estudo teve como objetivo investigar a percepção ambiental dos gestores da Universidade Federal de Sergipe sobre as áreas verdes do campus Universitário “Prof. José Aloísio de Campos”, localizado no município de São Cristóvão, Sergipe. A pesquisa é do tipo qualitativo e descritivo. O instrumento de coleta de dados utilizado foi um questionário, composto por 13 questões com perguntas de múltipla escolha, abertas e fechadas, com trinta gestores lotados em diversos setores da instituição, com o intuito de detectar os seus anseios e opiniões sobre os espaços verdes do campus. Os dados foram agrupados e analisados através de planilhas eletrônicas. Os resultados obtidos indicaram bom nível de esclarecimento por parte dos gestores da UFS no que se refere às áreas verdes, uma vez que a maioria mostrou conhecimento a respeito de questões que abordavam a importância e os benefícios proporcionados por esses espaços, como vantagens no fornecimento de sombra e redução do calor, dentre outros. Apesar da necessidade de expansão da universidade, pelo crescimento da demanda de novos cursos e pela ampliação de novas vagas, a administração da universidade vem aumentando sua preocupação com a conservação dos espaços verdes, procurando alternativas para mantê-los, como a verticalização dos prédios. Com isso, conclui-se que, entre os gestores entrevistados, há consenso de ser possível conciliar o crescimento da universidade com a conservação das áreas verdes presente no campus de São Cristóvão.

 


Palavras-chave


Gestão Ambiental; Percepção Ambiental; Áreas Verdes

Referências


Amorim, B. C.; Araujo, A. C. C.; Gonçalves, G. A. da C.; Queiroz, C. T. A. P. (2009) Diagnostico da consciência ambiental dos gestores: Eco-atividades e consumo sustentável em Campina Grande/PB – Brasil. Revista Eletrônica Qualitas; 8 (2).

Amorim Filho, O. B. (1999). Topologia, topofofia e topocídio em Minas Gerais. In: Rio, V. D.; Oliveira L. (Org.) Percepção ambiental: a experiência brasileira. 2.ed. São Paulo: UFSCar. p. 139-152.

Andrade, B. R. D.; Lima, F. H.; Marcondes, G. A.; Canhas, J. N.; Fonseca, M. T.; Barbosa, S. B. L.; Ribeiro, W. C. Leite, E. B. (2006). Ecossistemas e áreas verdes urbanas – estudo de percepção ambiental no parque Julien Rien, região centro-sul de Belo Horizonte. Recuperado em 10 maio, 2010, de: http://www.pucminas.br/graduacao/cursos/arquivos/ARE_ARQ_REVIS_ELETR20061103082422.pdf?PHPSESSID=d2aa38663072ea8cafafc349961ce7d3.

Barbosa, J. D. (2008). Relatório de Gestão 2008: Prestação de Contas da UFS. Recuperado em 22 junho, 2009, de: http://www.ufs.br/relatorio_gestao/prestacaodecontas2008.pdf

Barbosa, J. D.; Martins, F. A.; Pinto Filho, J. (2009). Perspectiva de Educação Ambiental na Gestão Universitária: O Caso da UFS. IX Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul, Florianópolis. Recuperado em 13 julho, 2016, de: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/44344/Perspectiva%20de%20educa%E7%E3o%20ambiental%20na%20gest%E3o%20universit%E1ria%20O%20caos%20da%20UFS.pdf?sequence=1.

Bononi, V. L. R. (2004). Controle ambiental de áreas verdes. IN: Philippi Jr., A.; Romério, M. A.; Bruna, G. C. (Org.). Curso de Gestão Ambiental. Barueri: Editora da Universidade de São Paulo. p. 213-255.

Brun, F. G. K.; Longhi, S. J.; Brun, E. J. (2009). Estudo da percepção da população de vilas do bairro Camobi, Santa Maria – RS sobre a arborização urbana. Revista de estudos ambientais. v. 11, n. 1, p. 6-21.

Cavalheiro, F.; Del Picchia, P.C.D. (1992). Áreas verdes: conceitos, objetivos e diretrizes para o planejamento. In: Anais do 1º Congresso Brasileiro sobre Arborização Urbana e 4º Encontro Nacional sobre Arborização Urbana. Vitória – ES. p 29-38.

Cavalheiro, F.; Nucci, J.C. (1998). Espaços livres e qualidade de vida urbana. Paisagem Ambiente Ensaios, n.11. p. 279-288.

Carvalho, R. F.; Oliveira, L. A. R.; França, T. P. P.; Ramos, L. S. (2012). Percepção dos alunos quanto a arborização da UFS – Campus de São Cristóvão. Scientia Plena: Vol. 8, Nº. 4.

Carvalho, M. E. C. (1982). As áreas verdes de Piracicaba. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

Cervo, A. L.; Bervian, P. A. (1983). Metodologia Científica: para uso dos estudantes universitários. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

Coimbra, J. Á. A. (2004). Linguagem e Percepção Ambiental. In: Curso de Gestão Ambiental. Barueri: Manole.

Daily, G.C.; Ehrlich, P.R. (1995). Preservation of biodiversity in small rainforest patches: rapid evaluations using butterfly trapping. Biodiversity and Conservation. 4: 35-55.

Daltro Filho, J.; Oliveira, L. M. S. de. (2008). Gestão integrada de resíduos sólidos: alternativa sustentável para Telha e Cedro de São Jorge, Sergipe. In: MELO, R.; SOUZA, M. J. N. S. (Org.). Sustentabilidade, cidadania e estratégias ambientais: a experiência sergipana. São Cristóvão: Editora UFS.

Demattê, M. E. S. P. (1997). Princípios de paisagismo. Jaboticabal: Funep. 104p.

Dorigo, T. A.; Lamano-Ferreira, A. P. N. (2015). Contribuições da Percepção Ambiental de Frequentadores sobre Praças e Parques no Brasil (2009-2013): Revisão Bibliográfica. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade: v. 4, n. 3.

Fernandes, R. S. (2003). Percepção ambiental de estudantes universitários. Revista Preservação – Meio Ambiente no Espírito Santo, Vitória, ano 1, n. 3.

Fernandes, R. S.; Sousa, V. J.; Laranja, A. C. (2004). Percepção ambiental como instrumento de aprimoramento pedagógico para o ensino de meio ambiente em instituições de ensino. Revista Linha Direta, ano 7, n. 71.

Fernandes R. S.; Pianesola M. M.; Gonçalves C. M.; Souza V. J. (2005). Estado da Arte da Percepção Ambiental no Brasil. Faculdade Brasileira - UNIVIX. Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental – NEPA.

Fernandes, R. S.; Merigueti, B. A.; Guzzo, C. S.; Rodrigues, R. G. (2010). Percepção ambiental de segmentos sócio-econômicos da sociedade frente à problemática do uso racional da água. Recuperado em 20 junho, 2010, de: www.infoandina.org.

Ferrari, P. F. (2006). Percepção ambiental dos gestores de meio de hospedagem – estudo de caso em Caxias do Sul – RS. Dissertação de Mestrado. Universidade Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, RS, Brasil.

Gavião, P. D.; Siqueira, E. S.; Spers, E. E. (2006). A responsabilidade sócio-ambiental e a tomada de decisão do gestor do setor têxtil. XXVI ENEGEP – Fortaleza, CE.

Gil, A. C. (1994). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Gomes, L. P. S. (2009). Estudo das características biológicas dos indivíduos arbóreos da Universidade Federal de Sergipe – São Cristóvão/SE. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, Sergipe, SE, Brasil.

Guzzo, P. (1999). Estudo dos espaços livres de uso público da cidade de Ribeirão Preto/SP, com detalhamento da cobertura vegetal e áreas verdes de dois setores urbanos. Dissertação de Mestrado em Geociências e Meio Ambiente, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro, 125p.

Günther, H.; Puente, K. E. (1994). Ambiente físico e qualidade de vida no campus da UnB. Série: Textos de Psicologia Ambiental, Nº 10. Brasília, DF: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental. Recuperado em 20 junho, 2010, de: www.unb.br/ip/lpa/pdf/10AmbienteUnB.pdf.

Lakatos, E. M.; Marconi, M. A. (2008). Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Lira Filho, J. A. (2001). Paisagismo: princípios básicos. Viçosa: Aprenda Fácil.

Lima, A. M. L.P; Cavalheiro, F.; Nucci, J.C.; Sousa, M.A.L.B.; Fialho, N. Del Picchia, P.C.D. (1994). Problemas de utilização na conceituação de termos como espaços livres, áreas verdes e correlatos. In Anais do II Congresso de Arborização Urbana. São Luis- MA. 539-553.

Lima, V. & Amorim, M. G. C. T. (2006). A importância das áreas verdes para a qualidade ambiental nas cidades. Revista Formação, nº13, 139-165. Recuperado em 08 agosto, 2016, de http://revista.fct.unesp.br/index.php/formacao/article/viewFile/835/849.

Loboda, C. R.; Angelis, B. L. D. (2005). Áreas Verdes Públicas Urbanas: conceitos, usos e funções. In Ambiência – Revista do Centro de Ciências e Ambientais, Guarapuava, Paraná, p. 125-139. Recuperado em 20 janeiro, 2008, de: http://www.amda.org.br/assets/files/areasverdesurbanas.pdf>

Magro, M. L.; Fedrizzi, B.; Melo, E. F. R. Q. (2006). Importância das áreas verdes do campus I da Universidade de Passo Fundo para a comunidade: uma análise da percepção do usuário. XI Encontro Nacional de Tecnologia no Ambiente Construído. Florianópolis/SC. Disponível em: http://www.infohab.org.br/entac2014/2006/artigos/ENTAC2006_3709_3718.pdf

Malavasi, V. C.; Malavasi, M. M. (2001). Avaliação da arborização urbana pelos residentes – estudo de caso em Marechal Cândido Rondon, Paraná. Ciência Florestal. Santa Maria, RS. V. 11, n. 1, 2001, p. 189-193.

Melo, E. F. R. Q.; Severo, B. M. A. (2007). Vegetação Arbórea do Campus da Universidade de Passo Fundo. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 2, n. 2. p.76-87.

Mendes, D. (2010). Pesquisa mostra crescimento da consciência ambiental no Brasil. Recuperado em 20 junho, 2010, de: http://noticias.ambientebrasil.com.br/clipping/2006/05/22/24797-pesquisa-mostra-crescimento-da-consciencia-ambiental-no-brasil.html.

Merigueti, B. A. (2005). Avaliação da percepção ambiental de funcionários da empresa Marmocil Ltda. Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental – NEPA. Recuperado em 12 maio, 2010, de: http://nepa.net.br/?page_id=3.

Nucci, J.C. (2001). Qualidade ambiental e adensamento urbano. Humanitas, São Paulo - SP.

Oliveira, C.H. (1996). Planejamento ambiental na cidade de São Carlos (SP) com ênfase nas áreas públicas e áreas verdes: diagnóstico e propostas. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP.

Oliveira, G. B. (2005). Uma discussão sobre o conceito de desenvolvimento. Revista da FAE, Curitiba, v.5, n.2, p.37-48, maio/ago.

Primack, R. B.; Rodrigues, E. (2001). Biologia da conservação. Londrina: Midiograf.

Randow, P. C. B. D.; Maroti, P. S. (2012). Percepção Ambiental Por Diferentes Grupos Socioculturais De Interação: O Caso Da Universidade Federal De Sergipe, Campus Prof. José Aloísio De Campo. Revista GUAL: 5 (2), 298-325.

Rocha, C. M. C.; Moura Jr., A. M.; Magalhães, K. M. (2012). Gestão de Resíduos Sólidos: Percepção Ambiental de Universitários em uma Instituição de Ensino Superior Brasileira. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient. ISSN 1517-1256, V. 29.

Roppa, C., Falkenberg, J. R., Stangerlin, D. M., Brun, F. G. K., Brun, E. J.; Longhi, S. J. (2007). Diagnóstico da percepção dos moradores sobre a arborização urbana na vila estação colônia – bairro Camobi, Santa Maria – RS. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 2 (2), 11-30.

Sá, V. A.; Morais, G. A. (2008). A percepção ambiental da vegetação urbana por residentes do bairro Vitória em Ivinhema–MS. Revista de Biologia e Farmácia. 2 (1).

Silva, M. R. (2002). Povos de Terra e Água: A Comunidade Pesqueira de Canto do Mangue, Canguaratema RN – Brasil. Piracicaba: Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura “Luis de Queiroz”.

Sociedade Brasileira De Arborização Urbana – SBAU. (1996). “Carta a Londrina e Ibiporã”. Boletim Informativo, 3 (5), 3p.

Soares, S. M. V. (2005). A percepção ambiental da população noronhense em relação à área de preservação ambiental. 2005. 96f. Monografia (Especialização em Gestão e Política Ambiental) - Departamento de Letras e Ciências Humanas da UFRPE – Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Steuer, I. R. W.; Araújo, Gabriela Valones Rodrigues de; Oliveira, Bruno Marcel Carneval de; Silva, Thiago Emanoel Pereira da; El-Deir, Soraya Giovanetti. (2012). Gerenciamento de Áreas Verdes na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) para Recomposição Florestal. III Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Goiânia/GO – 19 a 22/11/2012. Recuperado em 16 setembro, 2016, de: http://www.ibeas.org.br/congresso/Trabalhos2012/VI-047.pdf

Teixeira, I. F., Santos, N. R. Z.; Balest, S. S. (2009). Percepção ambiental dos moradores de três loteamentos particulares em Santa Maria (RS) quanto a arborização de vias públicas. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, v. 4, n. 1, p. 58-78.

Toledo, F.S; Santos, D.G. (2008). Espaços Livres de Construção. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba - SP, 3 (1), 73-91.

Trigueiro, A. (2003). Meio ambiente no século 21: 21 especialistas falam da questão ambiental nas suas nas suas áreas de conhecimento. Rio de Janeiro: Sextante.

Tuan, Y. F. (2012). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Eduel.

Vergara, S. C. (2004). Projetos e relatórios em Administração. São Paulo: Atlas.

Vieira, P. B. H. (2004). Uma visão geográfica das áreas verdes de Florianópolis, SC: estudo de caso do Parque Ecológico do Córrego Grande (PECG). Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis - SC.

Wood, B.; Gillman, M.P. (1998). The effects of disturbance on forest butterflies using two methods of sampling in Trinidad. Biodiversity and Conservation 7: 597-616.

Whyte, A. V. T. (1978). La perception de L´environment: lignes directrices méthodologiques pour les etudes sur le terrain. Paris: Unesco. 143p. (notes techniques du MAB 5).


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000