Ensino e Pesquisa-Ação Para Resolução de Problemas Hidricos em Uma Instituição Pública de Ensino: Uma Solução Sustentável

Valter Antônio Senger, Raquel Fernanda Ghellar Canova, Leandro Dorneles Dorneles dos Santos, Jovani Patias

Resumo


O reuso da água tem sido tratado como uma das saídas para os déficits hídricos aos quais as cidades e seus cidadãos estão sujeitos, nos últimos anos, e também futuramente. Por isso, buscar soluções para este problema pode ser muito importante para todos. Assim, o objetivo geral da presente pesquisa, foi promover ações sustentáveis de cuidado e reutilização da água, e refletir sobre políticas ambientais para contribuir na formação de profissionais na área de edificações, que estejam preocupados com o futuro do planeta. A metodologia utilizada foi, principalmente, a pesquisa-ação, definida a partir de estudos sobre a importância da economia de água potável e das consequências ocasionadas devido sua infiltração no solo junto as edificações, afetando diretamente na sua estabilidade. Ainda, utilizou-se a pesquisa bibliográfica e a pesquisa documental no trabalho. Como resultado, utilizando apenas cinco equipamentos com capacidade de 8.000 BTU's, obteve-se o aproveitamento de aproximadamente 3.000 litros de água em 22 dias (o equivalente a um mês), já considerando as perdas por evaporação, sendo possível abastecer a cisterna da instituição nos períodos de menor incidência pluvial aferindo maior economia quanto ao consumo de insumos tratados, bem como uma proteção contra acidentes, eliminando a presença de umidade nas calçadas, além de proporcionar maior estabilidade à edificação reduzindo a presença de água junto às bases da do maciço.


Palavras-chave


Água; Reutilização; Climatizadores de ar; Sustentabilidade; Educação ambiental.

Referências


AHMAD, A., EL-SHAFIE, A., RAZALI, S. F., & MOHAMAD, Z. S. (2014). Reservoir optimization in water resources: a review. Water resources management, 11, pp. 3391-3405.

ARANHA, M. L. (1996). Filosofia da educação (2. ed.). São Paulo: Moderna.

BRITO, D. L., SOUZA, L. M., & FREITAS, D. (2008). Formação inicial de professores de ciências e biologia: a visão da natureza do conhecimento científico e a relação CTSA. Interacções, 4(9), 129-148.

CAPUTO, H. P. (1998). Mecânica dos solos e suas aplicações (6. ed., Vol. 1.). Rio de Janeiro: LTC.

CAPUTO, H. P. (2012). Mecânica dos solos e suas aplicações (6. ed., Vol. 2.). Rio de Janeiro: LTC.

DIJK, A. I., BECK, H. E., CROSBIE, R. S., JEU, R. A., LIU, Y. Y., PODGER, G. M., . . . VINEY, N. R. (2013). The Millennium Drought in southeast Australia (2001–2009): Natural and human causes and implications for water resources, ecosystems, economy, and society. Water Resources Research, 2, pp. 1040-1057.

DIXON, A., BUTLER, D., & FEWKES, A. (1999). Water saving potential of domestic water reuse systems using greywater and rainwater in combination. Water science & technology: options for closed water systems: sustainable water management, 5.

DRESCH, A., LACERDA, D. P., & ANTUNES JÚNIOR, J. A. (2015). Design science research: método de pesquisa para avanço da ciência e tecnologia. Porto Alegre: Bookman.

DUSO, L., & MAESTRELLI, S. R. (2013). Contribuições do uso de uma controvérsia sociocientífica no ensino de ciências: uma perspectiva interdisciplinar. IX Congreso Internacional sobre Investigación en Didáctica de Las Ciencias. Girona.

FERNÁNDEZ, A. (1991). A inteligência aprisionada: abordagem psicopedagógica clínica da criança e sua família. Porto Alegre: Arte Médicas.

FIESP/CIESP. (2004). Conservação e reuso de água: manual de orientações para o setor industrial (Vol. 1). São Paulo: FIESP.

FRANCO, M. A. (set./dez. de 2005). Pedagogia da pesquisa-ação. Revista Educação e Pesquisa, 31(3), 483-502.

GIL, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa (5 ed.). São Paulo: Atlas.

HACHICH, W., FALCONI, F. F., SAES, J. L., FROTA, R. G., CARVALHO, C. S., & NIYAMA, S. (1998). Fundações: teoria e prática (2. ed.). São Paulo: Pini.

HADDELAND, I., HEINKE, J., BIEMANS, H., EISNER, S., FLÖRKE, M., HANASAKI, N., . . . WISSER, D. (2014). Global water resources affected by human interventions and climate change. Proceedings of the National Academy of Sciences, 9, pp. 3251-3256.

HODSON, D. (2003). Time for action: science education for an alternative future. International Journal of Science Education, 25(6), 645-670.

KAYES, D. C. (2002). Experiential learning and its critics: preserving the role of experience in management learning and education. Academy of Management Learning & Education, 2, pp. 137-149.

LEFF, E. (2011). Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder (8. ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

LEMOS, P. R., FAGUNDES, R. M., & SCHERER, M. J. (2011). Reaproveitamento de água para fins não potáveis em habitações de interesse social. X Salão de Iniciação Científica PUCRS.

MACEDO, C. C., & SILVA, L. F. (2014). Os processos de contextualização e a formação inicial de professores de física. Investigações em Ensino de Ciências, 19(1), 55-75.

MACÊDO, J. A. (2007). Águas e águas (3. ed.). São Paulo: Livraria Varela.

MEZIROW, J. (1981). A critical theory of adult learning and education. Adult education quarterly, 1., pp. 3-24.

MIQUELIN, A. F., FILHO, N. C., & CONCEIÇÃO, S. A. (2014). Mediação da trilogia “Fundação” como possível parâmetro para análises do determinismo tecnológico no Ensino de Ciências. Revista Brasileira de Ensino de Ciências Tecnologia, 7(1).

MOREIRA, R. (jan./jun. de 2009). A geografia e a educação ambiental: o modo de ver e pensar a relação ambiental na geografia. Espaço em Revista, 11(1).

MORENO, A. C. (2016). Total de federais entre as melhores escolas do Enem 2015 mais que dobra. Acesso em 16 de jan. de 2016, disponível em G1: http://g1.globo.com/educacao/noticia/total-de-federais-entre-as-melhores-escolas-do-enem-2015-mais-que-dobra.ghtml

OKI, T., & KANAE, S. (2006). Global hydrological cycles and world water resources. Science, 5790, pp. 1068-1072.

OLIVEIRA, P. S. (2001). Introdução à sociologia (24. ed.). São Paulo: Ática.

PIMENTEL, D., BERGER, B., FILIBERTO, D., NEWTON, M., WOLFE, B.,

KARABINAKIS, E., . . . NANDAGOPAL, S. (2004). Water resources: agricultural and environmental issues. BioScience, 10, pp. 909-918.

RAMOS, E. C. (2006). A abordagem naturalista na educação ambiental: uma análise dos projetos ambientais de educação em Curitiba. Tese (Doutorado em Ciências Humanas), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

REBELLO, Y. C. (2008). Fundações: guia prático de projeto, execução e dimensionamento (4. ed.). São Paulo: Zigurate.

REIS, P. R. (1999). A Discussão de Assuntos Controversos no Ensino das Ciências. Inovação, 12, 107-112.

SANTOS, J. E., & SATO, M. (2003). Universidade e ambientalismo: encontros não são despedidas. In: J. E. SANTOS, & M. SATO, A contribuição da educação ambiental à esperança de Pandora. São Carlos: RiMa.

SHIKLOMANOV, I. A., & RODDA, J. C. (2004). World water resources at the beginning of the twenty-first century. Cambridge: Cambridge University Press.

TEIXEIRA, C. Z. (1993). Comportamento de estacas escavadas em solos colapsíveis. Dissertação (Mestrado em geotecnia), Escola de engenharia de São Carlos – USP, São Carlos.

THIOLLENT, M. (2003). Metodologia da pesquisa-ação (12. ed.). São Paulo: Cortez.

THIOLLENT, M. (2011). Metodologia da Pesquisa-ação (18. ed.). São Paulo: Cortez.

VAN VLIET, M. T., WIBERG, D., LEDUC, S., & RIAHI, K. (2016). Power-generation system vulnerability and adaptation to changes in climate and water resources. Nature Climate Change, pp. 375–380.

WALLON, H. (1978). Do acto ao pensamento. Lisboa, Portugal: Moraes Editores.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000