Análise das Práticas de Logística Reversa Aplicadas aos Vasilhames de Vidro em uma Engarrafadora de Bebidas

Alice Josefa Andrade Martins, Maria Luciana de Almeida, Déborah Maria da Silva Souza

Resumo


As constantes mudanças no cenário empresarial propiciaram uma dinâmica maior nos avanços tecnológicos e nas práticas ambientais. Neste segmento, gerenciar eficientemente a logística reversa tornou-se um ponto chave. Neste contexto, este estudo tem como objetivo geral compreender como se desenvolve o ciclo reverso dos vasilhames de vidro em uma engarrafadora de bebidas. Para tanto, estabeleceu-se os seguintes objetivos específicos: a) descrever os processos envoltos no ciclo reverso, evidenciando todos os materiais e iniciativas relacionadas; e b) evidenciar quais as motivações para uma organização implementar a logística reversa no segmento estudado. O estudo foi realizado uma engarrafadora de bebidas pernambucana que é referência de vendas no Brasil e no mundo. Para tanto utilizou-se como método a pesquisa qualitativa. A coleta de dados foi empreendida por meio de entrevistas semiestruturadas e observação. Os resultados demonstraram que a engarrafadora aplica práticas de logística reversa bem estruturadas, tendo uma cadeia de suprimentos reversa ativa e controlada, a qual possibilita a reintrodução dos vasilhames de vidro no processo produtivo. Assim, a engarrafadora consegue praticamente anular os desperdícios e diminuir os impactos no meio ambiente. Além disso, a organização recicla todos os materiais atrelados aos vasilhames, quais sejam, gargalo e rótulo fornecendo soluções socioambientais responsáveis.



Palavras-chave


Logística reversa; Vasilhames de Vidro; Cadeia de Suprimentos Reversa

Referências


Abramovay, R., Speranza, J. S. & Petitgand, C. (2013). Lixo zero: gestão de resíduos sólidos para uma sociedade mais próspera. São Paulo: Planeta sustentável: Instituto Ethos.

Araújo, E. M., Araújo, K. D., Pereira, O. D., Ribeiro, P. C., & Melo, T. J. (2006, outubro/dezembro). Resíduos de fibra de vidro: propriedades mecânicas e de absorção da água. Polímeros, (16)4, São Carlos.

Associação brasileira de embalagem. (2010). Cartilha do meio ambiente. Recuperado em 29 de maio, 2015, de http://www.aessul.com.br.

Associação brasileira da indústria de vidro. (2001). Reciclagem. Recuperado em 29 de maio, 2015, de http://www.abividro.org.br.

Associação brasileira da indústria de vidro. (2016). Vantagens e Desafios da Reciclagem de Vidro. Recuperado em 10 de dezembro, 2016, de http://www.abividro.org.br.

Ballou, R. H. (2013). Logística Empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas.

Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Portugal: Porto editora.

Cançado, C. J., Santos, O. M., Carvalho, A. I. S. F., & Zacarias, R. F. (2012). Gestão de resíduos sólidos de microcomputadores no município de Contagem/MG: Uma análise dos atores envolvidos. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GEAS – (1)1, 1–18.

Chappells, H.; Medd, W.; Shove, E. (2013). Disruption and change: drought and the inconspicuous dynamics of garden lives. Social & Cultural Geography, 12(7), 701-715.

Chaves, G. L. D., & Martins, R.S. (2005, agosto). Diagnóstico da logística reversa na cadeia de suprimentos de alimentos processados no oeste paranaense. [In]: VIII Simpósio de Administração da Produção Logística e Operações Internacionais (SIMPOI). São Paulo: FGV.

Christopher, M. (2008). Logística Verde: uma abordagem sócio-ambiental. Rio de Janeiro: Editora Moderna Ltda.

Corrêa, H. L.; Corrêa, C. A. (2012). Administração de produção e operações: manufatura e serviços: uma abordagem estratégica. São Paulo: Atlas.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de Pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3a ed. Porto Alegre: Artmed.

Dat, L. Q., Linh, D. T. T., Chou, S. Y., & Yu, V. F. (2012). Optimizing reverse logistic costs for recycling end-of-life electrical and electronic products. Expert Systems with Applications–(39), 6380–6387.

Daher, C. E., Silva, E. P. S., & Fonseca, A. P. (2006, janeiro/junho). Logística Reversa: Oportunidade para redução de custos através do gerenciamento da Cadeia Integrada de Valor. Brazilian Business Review – BBR, (3)1, 58-7, Vitória-ES, Brasil.

Demajorovic, J. & Sencovici, L. A. (2015). Entraves e Perspectivas para a Logística Reversa do óleo lubrificante e suas embalagens. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade–GEAS – (4)2, 83-101.

Dornier, P., Ernest, R., Fender, M., & Kouvelis, P. (2000). Logística e operações globais. São Paulo: Atlas.

Dubelaar, C., Chow, G., & Larson, P. D. (2001). Relationships between inventory, sales and service in a retail chain store operation. International journal of physical distribution & logistics management, (31)2, 96-108.

Elkington, J. (1994). Towards the sustainable corporation: win-win-win business strategies for sustainable development. California Management Review, 36(2), 90-100.

Fabi, A. R., Ensinas A. V., Machado, I. P. & Bizzo, W. A. (2005). Uso da Avaliação de Cilco de Vida (ACV) em Embalagens de Plástico e de Vidro na Indústria de Bebidas no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Ambientais – número 1.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. 3a ed. Bookman/Artmed: Porto Alegre.

Garcia, M. G. (2006 , novembro). Logística Reversa: uma alternativa para reduzir custos e criar valor. [In]: XIII SIMPEP 2006. Bauru, São Paulo.

Gonçalves, M. E., Marins, F. A. S. (2004, novembro). Processo de Logística Reversa: Estudo de Caso das aparas na laminação de vidros. [In]: XXIV Encontro Nacional de Engenharia de Produção – ENEGEP, 2004. Florianópolis, SC – Brasil, 896-903.

Gonçalves, M. E., & Marins, F. A. S. (2006, setembro/dezembro). Logística Reversa numa empresa de laminação de vidros: Um Estudo de Caso. [In]: Gestão & Produção – G&P (13)3, 397-410.

Guarnieri, P., Kovaleski, J. L., Stadler, C. C., & Oliveira, I. L. (2006). A caracterização da Logística Reversa no ambiente empresarial em suas áreas de atuação: pós-venda e pós-consumo agregando valor econômico e legal. E-book.

Kraemer, M. E. P. (2005, maio). Responsabilidade social corporativa: uma contribuição das empresas para o desenvolvimento sustentável. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa (RECADM), (4)1.

Leite, P. R. (2002). Logística reversa: nova área da logística empresarial. Revista Tecnologística, São Paulo: Edit. Publicare.

Leite, P. R. (2009). Logística Reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Lei Nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Recuperado em 28 de julho, 2015 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm.

Marçal, L. L., & Silva, A. C. A. (2008, novembro). Análise da Gestão de Logística Reversa de vasilhames de vidros em uma fábrica de refrigerantes. [In]: XXVIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção – ENEGEP, 2008. Rio de Janeiro, RJ – Brasil.

Merriam, S. B. (2009). Qualitative research: a guide to design and implementation. San Francisco: Jossey-Bass.

Neto, G. C. O.; Souza, M. T. S.; Silva, D.; Silva, L. A. (2014). An assessment of the environmental and economic benefits of implementing reverse logistics in the textured glass sector. Ambiente & Sociedade, (17)3, 195-216, São Paulo.

Novaes, A. G. (2007). Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição. Rio de Janeiro: Elsevier, 14ª reimpressão.

Oliveira, L. G., & Almeida, M. L. (2013). Logística reversa de embalagens como estratégia sustentável para redução de custos: um estudo em uma engarrafadora de bebidas. Revista Metropolitana de Sustentabilidade – RMS. (3)3.

Pires, S. R. I. (2010). Gestão da cadeia de suprimentos: conceitos, estratégias, práticas e casos. Supply Chain Management (2a ed. – 4ª reimpr.), São Paulo: Atlas.

Silva, E. L., & Menezes, E. M. (2001). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. Revista atualidade Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, (3a ed.).

Shove, E. (2010). Beyond the ABC: climate change policy and theories of social change. Environment and Planning - A, 42(6).

Shove, E. (2012). The shadowy side of innovation: unmaking and sustainability. Technology Analysis & Strategic Management, 24:4, 363-375.

Shove, E (2012a). Putting practice into policy: reconfiguring questions of consumption and climate change. Journal of the Academy of Social Sciences, 9(4), 415-429.

Shove, E. (2012b). Habits and Their Creatures. In: WARDE, A.; SOUTHERTON, D. The habits of consumption. Helsinki: Collegium, 12, 100-113.

Shove, E.; Pantzar, M.; Watson, M. (2012). The Dynamics of Social Practice: Everyday life and how it changes. London: Sage.

Souza, S. F., & Fonseca, S. U. L. (2009). Logística reversa: oportunidade para redução de custos em decorrência da evolução do fator ecológico. Revista Terceiro Setor, (3)1, 29–39.

Tadic, D., Mimovic, P., Kostic, J., & Dordevic, M. Z. (2016). A Fuzzi Bi-Linear management model in reverse logistic chains. Yuogoslav Journal of Operations Research, (26)1, 61–74.

Vasconcelos, Y. (2006, junho). Muito além do vidro. Pesquisa FAPESP, 66–69.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000